Mãe! Passei com 5 negativas…

 

Já vi isto acontecer há uns anos… São as interpretações que se dão à legislação quando está escrita de forma pouco clara ou de modo a levantar duvidas. É claro que em caso de duvida se beneficia o aluno. Mas será que beneficia?

Em causa estão as “passagens” em anos não terminais de ciclo.  Há alunos a transitar com um número de classificações negativas muito elevado. Nada disto seria estranho se o sistema de ensino estivesse devidamente preparado para no ano seguinte colmatar as “falhas” diagnosticadas. Mas não será isso que o “programa contra o insucesso” deve fazer?

 

Escolas estão a passar alunos com quatro e cinco negativas

Escolas a passarem alunos com quatro ou cinco negativas e escolas que estão a fazer pressão junto dos professores para que subam notas negativas dos alunos de forma a que estes se inscrevam no ano seguinte sem ficarem com disciplinas por fazer. A denúncia foi feita, segundo avançou o jornal de I na edição desta terça-feira, por vários diretores e professores a norte e sul do país. Em causa um conjunto de orientações dadas pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, que admite o chumbo apenas como “medida excecional” no 2º, 3º, 5º, 7º, 8º, 10º e 11º ano. Porém, no Parlamento, o ministro e secretário de Estado já garantiram que essa não é a interpretação correta do despacho normativo 1-F/ 2016.

 

Escolas estão a passar alunos com quatro e cinco negativas

Escolas seguem orientações da tutela e há alunos a passar de ano tendo negativa a metade das disciplinas. Há diretores a fazer pressão sobre os professores para subirem as notas nos conselhos de turma, reuniões de avaliação

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/07/mae-passei-com-5-negativas/

75 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Paula Pereira on 4 de Julho de 2017 at 11:01
    • Responder

    .
    Na turma do meu filho houve 13 faltas disciplinares, no 2 período a 25% da turma apresenta notas para não transitar, no 3 período dá se o milagre das rosas e transita tudo. O que espanta nisto são as negativas a Português e Matemática, as disciplinas de exame e toca a passar os meninos, e depois pede se responsabilidade aos meninos, qual é o miúdo que com esta realidade dá valor à escola, não é preciso trabalhar e estudar, todos passam. Pena é que os que trabalham e se esforçam são os mais prejudicados
    .

      • Emplastro(a) on 5 de Julho de 2017 at 17:02
      • Responder

      ´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´
      O número de xumbos volta a baixar em quaise todos os anus de encinu. Eu cempre dice que apustar na inducassão é essencial…
      ´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´

    • Vergonha on 4 de Julho de 2017 at 11:12
    • Responder

    .
    A Escola Pública é uma VERGONHA.

    A Escola Pública funciona hoje como um armazém para entreter os filhos daqueles que não tem dinheiro para frequentar uma Escola Privada.

    A Escola Pública é um FAZ DE CONTA….

    Quem tem meios económicos coloca os filhos em Escolas Privadas onde a preparação é completamente diferente.

    Na Escola Pública sai de lá tudo com um DIPLOMA que vale ZERO. Quando saem para o mercado de trabalho, as empresas encarregam-se de fazer a seriação (separar o Trigo do Joio).

    De que vale um DIPLOMA passado por uma TASCA PÚBLICA se um aluno nem o cabeçalho de uma prova sabe preencher?
    .

      • M Moreira on 4 de Julho de 2017 at 18:45
      • Responder

      Há retenções na escola Privada?
      Porquê?

        • desenho on 4 de Julho de 2017 at 19:22
        • Responder

        ^^^^^^^^^^^^^^^^^
        amigo moreira coloque o seu filho no colégio alemão, na escola francesa, no colégio inglês (só para citar alguns)^…….. e depois conversamos.

        se não perceber ….eu faço-lhe um desenho….
        ^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

          • Reidolixo on 5 de Julho de 2017 at 10:31

          Já agora faça lá o seu desenho… devrs ter uma família de sangue azul!

      • Público on 5 de Julho de 2017 at 10:29
      • Responder

      Cada um vê o que o seu cérebro reflete! Coloquem os vossos principes e princesas na escola privada, mas paguem essa escolha!

    • Sónia Silva on 4 de Julho de 2017 at 11:21
    • Responder

    .
    Depois não se queixem que esta nova geração é incapaz de se esforçar para seja o que for. Estão a criar um bando de inúteis e mimados.
    .

    • Ricky Winterborn on 4 de Julho de 2017 at 11:33
    • Responder

    +
    O SEGREDO DO DESEMPREGO JOVEM

    Ora aí está o segredo do desemprego jovem. A grande maioria não sabe nada de nada porque a escola não ensina, apenas dá diplomas.

    Estas novas gerações, medem o sucesso pelo numero de likes e seguidores em redes sociais, enquanto que do trabalho, apenas sabem que é uma coisa qualquer que os pais fazem, mas que deve ser chata.

    Qualquer empresário digno desse estatuto não coloca gente desta nas suas empresas.

    A escola está a DIPLOMAR um CONJUNTO DE IMBECIS.

    .

    • manela on 4 de Julho de 2017 at 11:47
    • Responder

    Os senhores têm toda a razão!!! mas quando fazemos o nosso trabalho com seriedade, avaliamos os alunos e os resultados não se coadunam ao que os EE QUEREM somos metralhados por reclamações ao DT, a Direção (isto no 2ºperíodo). Somos chamados a direção, obrigatoriamente subimos o nível (já da pauta ter sido exposta). O prof. fica automaticamente vigiado, qualquer reclamação de outro EE é aceite (porque se o outro aluno teve subida de nota o meu tb tem direito) e prof. torna-se um incompetente aos olhos dos EE. O que nos torna feliz é que os EE não sabem a “besta” que estão a criar depois não se queixem as notas que tem nos exames!!! é a nossa “vingança” aos EE que temam que os meninos tem que ter 5 porque sim!!! As BESTAS são reais.

    1. Para isso é que os exames estão abaixo de cão em dificuldade. E para isso, o IAVE ordena aos correctores para aceitarem como certo o que está errado!!!…

  1. Uma geração a ser enganada, e a fazer de conta. O que conta são os números no final, mesmo que não tenham ideia onde é Beja.

    Os sucessivos governos viveram a toque de Bruxelas e dos números bonitos hipotecando gerações! Só um governo Nacionalista muda o rumo do país.

    Ser professor assim serve qualquer um. Podem colocar o porteiro da escola a dar as aulas que os resultados são exatamente iguais.

      • Cuidem-se on 4 de Julho de 2017 at 12:12
      • Responder

      meu amigo, muitos dos professores mais novos já se formaram nesta escola do passa tudo…

      já existe uma enorme percentagem de desemprego jovem que é um dos indícios da bandalheira em que mergulhou a escola publica ….

      mas há outros indícios que são aqueles que vão para a Função Pública e nomeadamente para professores onde entra tudo dado não existir nenhuma prova de acesso à carreira docente. Portanto, muitos dos atuais professores são já o produto da BANDALHEIRA.

      O sistema já está todo contaminado…

      eheheheheheh

        • professororg on 4 de Julho de 2017 at 17:41
        • Responder

        Interessante.. os antigos é que são bons. A vossa visão é demasiado simplista. Colocar os reais problemas do mercado de trabalho em meras questões geracionais. Existem professores bons e maus na sua geração.. e olhe que alguns bem encostados que não querem trabalho. Até lhe digo mais.. talvez se alguns professores mais velhos, muitos não profissionalizados, fizessem as ditas provas que tanto aclama.. talvez muitos saíssem do sistema.

          • Boa resposta on 4 de Julho de 2017 at 18:50

          ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
          A resposta à questão encontra-se aqui:

          “Quase todos os países europeus parecem estar orientados para uma descida dos níveis de dificuldade, a fim de permitirem aos alunos passar mais facilmente nos exames, numa tentativa (ilusória) de resolver o problema dos que não terminaram as licenciaturas dentro do prazo Para fazer com que os alunos se licenciem dentro dos prazos estabelecidos pela lei e para tornar a aprendizagem mais agradável, não se pedem mais sacrifícios mas, pelo contrário, procura-se atraí-los com a perversa redução progressiva dos programas e com a transformação das aulas num jogo interactivo superficial, baseado mesmo na projecção de slides e na apresentação de questionários de resposta múltipla.” (Nuccio Ordine, A Utilidade do Inútil. Matosinhos: Kalandraka, 2016, p. 87)

          ~~~~~~~~~~~~~

          • professororg on 4 de Julho de 2017 at 20:53

          Significa pela sua resposta que hoje são todos maus? No meu percurso académico tive professores da sua geração muito bons mas também tive professores horríveis. Colocar isso numa mera questão geracional.. O que eu sei é que muitos dos “professores” nem profissionalizados são..

          • Boa resposta on 4 de Julho de 2017 at 21:10

          Meu caro e bom amigo,

          Se eu pretender ensinar alguém a fazer uma cadeira em madeira, primeiro tenho que dominar a “carpintaria” e saber na perfeição aquilo que desejo ensinar. Posteriormente, tenho que saber transmitir esse meu conhecimento.

          Eu posso saber muito de pedagogia, mas se não dominar aquilo que pretendo ensinar, jamais formarei quem quer que seja.

          O EDUQUÊS só por si não serve para coisa nenhuma. É apenas Conversa da Treta para enganar meninos.

          • professororg on 5 de Julho de 2017 at 9:06

          Concordo consigo. Existem bons alunos que querem vingar na carreira e no mercado de trabalho. A experiência é sem dúvida determinante para que um professor se torne mais sábio e mais conhecedor da realidade de ensino. Mas a experiência não é tudo e o conhecimento e a sabedoria não tem idade. Reforço a ideia que colocar uma geração de professores contra outra.. só por meros pressupostos, não conhecendo o indivíduo.. é muito simplista.

        1. O Engenheiro que tinha a paixão pela educação, o Guterres, disse antes de ser PM que os alunos do último ano do Técnico não eram capazes de resolver os exercícios que no tempo dele se resolviam no 1.º ano,

          Entretanto passaram quase 20.

          Guterres é um facho, um saudosista do passado!

          :-)))

    • PROFET on 4 de Julho de 2017 at 12:02
    • Responder

    5 negativas? Nada comparado com um aluno que tinha apenas 2 positivas e transitou…o conselho de turma foi pressionado e coagido pela direção da escola para o passar, sob pena de ter de voltar a reunir incessantes vezes. A minha posição foi firme e manifestei-me contra esta situação, todavia a maioria dos professores cedeu na 2ª reunião.

    • Maria Conceição Oliveira on 4 de Julho de 2017 at 13:15
    • Responder

    Fala-se sempre no mesmo e nada se esclarece e clarifica em legislação apropriada.Ser professor é trabalhar para alunos,que dizem à boca cheia ,logo desde o início do ano letivo”que vão passar à mesma “pois com 5 negativas estudar não é preciso.A culpa é nossa, dos professores, que acham que são todos uns coitados e que devem passar pois pelo vistos as Escolas são agora núcleos da Santa Casa da Misericórdia.
    Já vi muitas vezes este filme.É uma vergonha.E vergonha é quando os Encarregados de Educação se metem a mandar.Concordo com o comentário que diz” se um porteiro de Escola der as aulas,é tudo a mesma coisa”.

    • era_o_que_faltava on 4 de Julho de 2017 at 13:48
    • Responder

    É para dar uma ideia de sucesso. Aqui como na política o que interessa é que o Povo fique contente mesmo que se trate de uma mentira. Aqui ainda tem a vantagem de os agora premiados só perceberem o logro quando tentarem arranjar trabalho.

    • Ângelo Reis on 4 de Julho de 2017 at 14:02
    • Responder


    Trabalhei 30 anos numa faculdade privilegiada a nível de ensino e fui vendo a evolução, sobretudo após Bolonha. Há teses de doutoramento de bradar aos céus a nível de português. E quando não se sabe a língua pátria…Quanto aos alunos estamos falados. Há os muito bons – uma minoria- e depois uma esmagadora maioria de gebos que só sabem dizer palavrões. São esses que maioritariamente irão para o ensino preparar outros iguais a eles. Claro que há muito bons professores, mas são uma minoria que muitas vezes é malvista quer por colegas quer por pais.
    Declaração de interesses, também fui professor do ensino privado…

    .

      • Malaquias on 4 de Julho de 2017 at 14:42
      • Responder

      “…e depois uma esmagadora maioria de gebos que só sabem dizer palavrões. São esses que maioritariamente irão para o ensino preparar outros iguais a eles. Claro que há muito bons professores, mas são uma minoria que muitas vezes é mal-vista quer por colegas quer por pais.”
      ~
      Toda a razão. Neste momento já temos no Ensino Público um conjunto de “professores” que são piores que alguns alunos.

      Neste momento não existe qualquer prova para os professores poderem aceder à Escola Pública e portanto entre a porcaria toda.
      .

      • Malaquias on 4 de Julho de 2017 at 14:45
      • Responder

      .
      Quem acede ás escolas superiores de educação para tirar cursos direccionados para o ensino são os PIORES ALUNOS do Ensino Secundário

      Portanto, está TUDO DITO.
      ,

    • José Carlos S. Almeida on 4 de Julho de 2017 at 14:04
    • Responder

    O verdadeiro problema não está nas negativas e no que os conselhos de turma acabam por decidir. O problema está no que foi acontecendo até aí. Alunos que sabem cada vez menos ou que estão desmotivados, pais que entregam a educação dos filhos à escola e ao facebook e demitem-se dessa missão, professores que sabem pouco ou também cada vez menos e que nunca foram devidamente avaliados, professores desmotivados, enfim, desinvestimento na educação nos últimos anos, o que envolve toda a classe política do centrão.

    • Patricia Duarte on 4 de Julho de 2017 at 14:07
    • Responder

    Alunos que passam o ano com 5 e 6 negativas, chegam ao terceiro período e vão a exame com 2 negativas, agora digam me como se explica isto a uma aluna que trabalhou o ano todo e a certas disciplinas tem o mesmo três que um aluno que tirou dois não satisfaz enquanto que ela teve duas boas positivas, neste país está tudo viciado.
    As escolas querem manter as suas taxas de sucesso e para isso passa se até quem não fez nada um ano inteiro, que professores são estes que passam quem não merece? Que ensino é este?

    • António Carlos Silveira on 4 de Julho de 2017 at 14:40
    • Responder

    O chumbo como “medida excecional” não é do ministro da educação mas sim da Lei (aprovada à muito na assembleia da república)

      • Ártur on 4 de Julho de 2017 at 14:51
      • Responder

      E qual a razão de Tiago Brandão Rodrigues (o Ministro) não ter alterado a Lei???????????????????????

      Será que temos um Ministro da Educação para servir de PALHAÇO???????????????????

      Para que serve o Ministro da Educação?????????
      .

        • Fátima Carvalho on 4 de Julho de 2017 at 16:13
        • Responder

        Que falta de cultura e conhecimento sobre o mundo que o rodeia!!! Não chega aos calcanhares do nosso Ministro.

          • Artur on 4 de Julho de 2017 at 16:16

          ó fatinha das meiguices és do partido xuxalista do armando vara (daquele dos rou-bálos) e do 44 (o sócas)….essa malta…

          és professora de quê?

          deves ser uma grande professora…deves….deves…

    • Telmo on 4 de Julho de 2017 at 14:47
    • Responder

    Queremos rigor na avaliação, mas os docentes que o sejam são considerados incompetentes pelos encarregados de educação e mesmo por alguns dos seus colegas ! …

    • Vina Abreu on 4 de Julho de 2017 at 14:57
    • Responder

    Chegam a mestres ou doutores sem saber nada…

      • Fátima Carvalho on 4 de Julho de 2017 at 16:16
      • Responder

      Não chegam, não. Esses alunos não seguem um ensino superior. Há escolas que não possuem um número suficiente de alunos para formar cursos profissionais ou vocacionais. O que fazer quando os docentes não sabem interpretar a lei?

        • Verdade on 4 de Julho de 2017 at 16:21
        • Responder

        Chegam SIM sua atrada mental

        Está aqui um exemplo…..

        “Fernando Madureira, alcunha “Macaco”, líder da principal claque do FC Porto, concluiu o mestrado com 17 valores.”

        http://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/2017-05-16-O-aluno-exemplar-das-36-paginas-polemicas-ou-como-o-super-dragao-doutor-se-fez-mestre
        .
        https://mb.web.sapo.io/ba4387ae4bb85f24bab3840b7d5186099669d42d.jpg

          • Candidato a Professor on 4 de Julho de 2017 at 16:40

          Há muitos professores a exercer que ainda tem menos habilitações que o MACACO (Fernando Madureira).

          Formados nas ESEs, ISMAIS, PIAGETs, Fernandos Pessoas, …..tanta TASCA a despejar professores de primeiríssima apanha.

          Se os atuais professores são a imagem dos alunos que hoje frequentam a escola publica …não há nada a dizer…tudo numa boa.

          Palermas são os alunos que se esforçam…porque nesta escola os bons alunos são penalizados.

          é a meritocracia

          • Atitude on 4 de Julho de 2017 at 22:19

          Que arrogância! Não generalize, há bom e mau profissional em todas as profissões porque se fossemos a falar sobre a formação de professores aí os programas dos cursos estão desfasados da realidade. Muita teoria, pouca prática e modelos pedagógicos. Mas muitos que terminaram cursos em universidades privadas e públicas têm o pensamento tão formatado em teorias que depois não conseguem ter uma boa relação pedagógica com os alunos. Estes últimos dizem que têm dificuldade em compreender a linguagem tão académica de determinados professores. Estes, convencidos que estão a ensinar algo mas de facto dificilmente surte alguma aprendizagem com tal emprego de palavreado retórico não adequado ao perfil dos alunos.

    • Fátima Carvalho on 4 de Julho de 2017 at 16:03
    • Responder

    O problema prende-se com o facto de não haver uma panóplia de cursos que permita aos alunos seguirem a sua vocação. Os alunos são todos diferentes, muitos não seguem cursos superiores, seria uma perda de tempo retê-los. Contudo, acho inadmissível, os Conselhos de turma não adaptarem o currículo ao perfil dos alunos ( assim reza a lei) e, desta forma, os alunos não teriam tantas negativas na pauta.

  2. https://duilios.wordpress.com/2017/07/02/passei-mas-nao-sou-capaz-de-acompanhar-os-colegas/
    No primeiro ciclo é grave passar para o terceiro ano sem dominar a leitura e a escrita mesmo de forma rudimentar.

    • Rui Silva on 4 de Julho de 2017 at 16:29
    • Responder


    Os alunos nas aulas fartam-se de gozar com os professores…dão-lhes um bailinho dos grandes….e no fim passam de ano.

    Claro que ainda há alguns professores exigentes da velha guarda mas são poucos e face a este bando de ignorantes que neste momento são docentes na escola publica, não estão para se chatear.

    Quando o próprio Ministro da Educação nada faz relativamente a isto….está tudo dito…ninguém está para se chatear….

    quando a bandalheira der para torto os governantes acordam talvez da pior maneira

    o Incêndio de PEDROGÃO, o Roubo das Armas em TANCOS, o Roubo nas messes da Força Aérea, a Escola Pública que não permeia o mérito e o esforço…..

    • Sónia on 4 de Julho de 2017 at 16:51
    • Responder

    Passei por isso 1 vez…. 1 aluno que mal sabia preencher um enunciado, que deve ter ido à minha aula 3 vezes ( que é muito ) e quando ia entrava de phones e nem bom dia….
    As colegas diziam que ele tinha de passar… não podia ficar na escola…. o rapaz em questão tinha 15 ou 16 anos, 7 negativas…. passou de ano apenas com uma negativa… adivinhem qual?
    Exacto.. a minha!
    Não compactuo com isso… Uma vergonha!

      • Maria Nunes on 4 de Julho de 2017 at 19:43
      • Responder

      Eu até percebo a perspectiva… Se estivesse no 2º ciclo com 16 anos (como eu assisti este ano que agora termina), pela descrição é um gandulo a dois anos de ser maior de idade e deixar de ser responsabilidade do sistema de ensino, só anda a estragar as turmas por onde passa. Mas não se pode expulsar a criança.

    • Olho Vivo on 4 de Julho de 2017 at 17:09
    • Responder

    Hoje no meu agrupamento – uma TEIP do Porto – fomos todos para a Universidade Católica para o seminário do (faz de conta) MIPSE [Modelo Integrado de Promoção do Sucesso Escolar]

    A Católica recebe uns milhares por ano com este protocolo e colocou um representante no Conselho Geral.

    É uma coisa bonita…ficam as passagens administrativas validadas….

    Tudo um faz de conta

      • porreiro pá on 4 de Julho de 2017 at 18:29
      • Responder

      é a autonomia…é a autonomia…gastam-se umas massas ao erário publico. isso tem contrapartidas, os elementos da direção tem direito a umas formações certificadas e não pagam nada

    • Zaratrusta on 4 de Julho de 2017 at 17:23
    • Responder

    Mas para subirem uma décima a um aluno bom ou excelente é uma carga de trabalhos. Muitas escolas até descem essas notas, outras é o que dá o Excel. Parece que tiram a uns para dar a outros.

      • porreiro pá on 4 de Julho de 2017 at 18:31
      • Responder

      subirem uma décima a um aluno bom ou excelente é uma carga de trabalhos…claro…os alunos não se devem esforçar ….nem pensar nisso

      quem se esforçar, trabalhar, estudar….deve ser banido da escola publica…

    • fadinho on 4 de Julho de 2017 at 18:40
    • Responder

    estes meninos são excelentes
    isto com uns fados e umas guitarradas vai…..
    .
    https://ominho.pt/wp-content/uploads/2017/01/mw-1920.jpeg

      • Eu Ministra Sou on 4 de Julho de 2017 at 18:54
      • Responder

      ~~~~~~~~~~~~
      Se há algum incendio na educação eu resolvo…

      Sou a Ministra dos Fogos…está tudo controlado…

      http://mediaserver2.rr.pt/newrr/constancaurbanosousa_castelopaiva_130816_fotojosecoelholusa2201998d.jpg

        • Zé Azedo Lopes on 4 de Julho de 2017 at 18:59
        • Responder

        +
        Eu sou o Ministro da Defesa. Se precisarem de armas falem comigo enquanto é tempo…parece que os paióis de Tancos estão a ficar vazios….

        não se passa nada……

        http://cdn.cmjornal.pt/images/2016-11/img_818x455$2016_11_17_14_17_08_576519.jpg

          • Zarolho on 4 de Julho de 2017 at 21:01


          Eu sou o VESGO DA SILVA Ministro das Reformas Antecipadas…

          Ando a tentar arranjar um sistema de pensões antecipadas vai um ano e ainda não consegui. Só consegui colocar a minha filha Mariana Vieira da Silva no governo….

          http://cdn.jornaldenegocios.pt/images/2017-03/img_817x460$2017_03_21_21_22_31_305827.jpg

          • Miana Vesga da Silva on 4 de Julho de 2017 at 22:37

          ´
          Eu sou Mariana Vieira da Silva a filha do Vesgo da Silva e sou Secretária de Estado Adjunta do Primeiro-Ministro.

          Fui Assessora da Ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, entre 2005 e 2009

          http://static.publico.pt/DOCS/politica/mariana.jpg

          • Sinistra on 4 de Julho de 2017 at 22:44

          ´
          Confirmo. A filha do Vesgo da Silva foi minha assessora. É uma querida e somos todos uma família…
          ´
          https://sol.sapo.pt/fotosNG/2012/1/16/big/ng1181427_435x190.jpg

          • Rute Marlene on 5 de Julho de 2017 at 0:05

          Que jeitosa que ela está…

          Só vejo ilustres membros da família xuxalista

          ihihihi

        • Lucinda on 5 de Julho de 2017 at 14:37
        • Responder

        ….esta artista ainda está a olhar para os turresmos? …ter cartão do partido ainda tem muito valor…

        • hipocrisia on 5 de Julho de 2017 at 16:01
        • Responder

        Espanha faz bem. A ministra Constança Urbano de Sousa também lá esteve em trabalho e foi fotografada sorridente e feliz, em claro contraste com as lágrimas constantes que por cá exibia. Os ares espanhóis trouxeram-lhe súbita felicidade.
        A isto chama-se HIPOCRISIA desta grande militante do Partido Socialista.

      • Lucinda on 5 de Julho de 2017 at 14:38
      • Responder

      …o ministro do faz de conta…também tem cartão do partido….é o que está a dar….

    • Daniel on 4 de Julho de 2017 at 19:34
    • Responder

    A escola que reprova alunos sem aproveitamento, não soube ensinar. A que passa alunos sem estes terem conhecimentos, para além de não ensinar, engana a comunidade, pois declara como conhecedor quem o não é.

    • Éra mais Honesto on 4 de Julho de 2017 at 20:51
    • Responder

    ´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´
    ERA MAIS HONESTO

    Estamos quase lá… e mais honesto mais honesto era os políticos legislarem claramente a passagem administrativa. E os alunos passavam de qualquer modo, fosse com que nota fosse. Claramente. Sem pressões. Sem segundas rodadas de reuniões. Sem conselhos a funcionar assim e outros assado. Por mim o sistema podia mesmo ir até à Universidade. E depois o Estado que contratasse um médico licenciado com 5 valores… quem diz um médico diz outra coisa qualquer!… numa escala de 0 a 20!

    Escolas estão a passar de ano alunos com cinco negativas

    Escolas estão a passar alunos com quatro e cinco negativas

    Governo: Passagem de alunos com negativas baseada em decisões ponderadas´

    http://anabelapmatias.blogspot.pt/2017/07/das-quase-passagens-administrativas.html?spref=fb

    ´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´

    • Em direção ao abismo... on 4 de Julho de 2017 at 21:39
    • Responder

    Pressão e mais pressão dos diretores…percebem por que razões o PS defende estes comissários políticos… fazem o trabalho sujo, a troco de chorudos suplementos, e culpam os professores. Naturalmente mantêm os tachos e estão a coberto de qualquer julgamento democrático. A democracia, e com ela a justiça a a seriedade e a competência, nas escolas está morta e enterrada.

  3. É inadmissível encontrar alunos com 16, 17 anos misturados com alunos de 7º, 8º anos pois além de prejudicial a esses alunos ainda promove o Bullying. As retenções só deviam acontecer em casos excepcionais como por exemplo a falta de Educação ou desrespeito pelos professores ou outras situações a averiguar. Todos os alunos deviam ter um caderno de notas incluindo registo de comportamento que seria como um BI essencial para frequentar cursos fora da escola ou como referências para futuro trabalho. No caso de terem boa atitude mas no entanto por várias razões não conseguiram ter positiva para passar de ano, passam com negativa mas fica registado no caderno de notas. Assim aqueles que tiveram positiva não se sentem injustiçados e não alimenta a desmotivação.

    • Mariana on 4 de Julho de 2017 at 23:01
    • Responder

    É precisa criar outros percursos no ensino básico (mais profissionalizante) e de caráter obrigatório (e não facultativo ou dependente da idade), como já acontece na Alemanha por exemplo, para os alunos que não tenham capacidade (cognitivas e comportamentais) para seguir as vias mais regulares. Seria melhor para eles no sentido em que lhe poderia dar ferramentas para o futuro mais adequadas ao seu perfil, seria melhor para todos os restantes pois assim não há condições para desenvolver um trabalho normal na maioria das turmas e seria melhor para todos os contribuintes pois os chumbos saem caro e esta politica de faz de conta em que vivemos não dignifica ninguém, nem os professores nem o ministério. É preciso aceitar as diferenças para criar depois igualdade de oportunidades.
    Os professores não são maus no geral(serão alguns, velhos ou novos, como em todas as profissões) mas nem sempre fazem um bom trabalho porque não é possível fazê-lo com turmas onde há sempre bastantes alunos que não querem lá estar. É preciso resolver este problema se queremos um ensino de qualidade.

      • Subscrevo on 4 de Julho de 2017 at 23:52
      • Responder

      “,,,,nem sempre fazem um bom trabalho porque não é possível fazê-lo com turmas onde há sempre bastantes alunos que não querem lá estar. É preciso resolver este problema se queremos um ensino de qualidade.”

      subscrevo na integra

  4. Isto é uma fraude organizada, de cima a baixo.

    E algum partido político se indignou?

    E o sr. PR, poderá pedir explicações?

    • Público on 5 de Julho de 2017 at 10:42
    • Responder

    Estão a confundir tudo! Uma coisa são os alunos não terem sucesso, outra é pressão para os fazer transitar de ano! E olhem que no privado há muitooooooooo fermento nas notas, salvo digníssimas excepções!
    Formei-me na escola pública de qualidade, fiz mestrado pré-bolonha e especialização e considero-me um docente de excelência! Agora, faltam condições para mais e melhor? Faltam…
    Já agora conheço muitos colegas do privado com qualidade e muitos mais angariadis pela cor política do presidente de câmara ou vereador ou, pior, da relação de parentesco ou amizade… isto sim é o cúmulo da dignidade e da qualidade.

      • Público on 5 de Julho de 2017 at 10:44
      • Responder

      Angariados

    • Carla on 5 de Julho de 2017 at 14:27
    • Responder

    Aconteceu na turma do meu filho que frequentava o 8º ano, fiquei super chateada porque o meu filho durante o ano todo ouviu a mãe a pedir-lhe para estudar e manteve-se durante todo o ano numa turma com notas péssimas, mas aguentou-se sem nenhuma negativa. Na semana passada saíram as notas e qual é o meu espanto que em vez de transitarem cerca de 10 alunos, só chumbaram 4, alunos que tinham 8 negativas e os professores subiram as notas para eles passarem. Que exemplo estão a dar ao meu filho para o próximo ano. Pode brincar o ano todo, como os colegas fizeram, que no fim do ano têm as mesmas notas que ele. Eu como mãe não sei o que dizer ao meu filho. É este insensitivo que dão aos alunos que se esforçam? É uma vergonha. Gostava que o Ministério me disse-se que critérios estão a ter para fazerem isto.

    • Helena on 5 de Julho de 2017 at 14:29
    • Responder

    A pressão exercida pelo Ministério da Educação, sobre os professores e sobre os órgãos de gestão, é vergonhosa. Estes normativos revelam falta de maturidade e desconhecimento absoluto da realidade, por parte de quem os define. Permitem camuflar o insucesso e aumentar a indisciplina, ao mesmo tempo que desmotivam aqueles alunos que ainda se vão esforçando por ter um futuro melhor.

    • João Pereira on 5 de Julho de 2017 at 14:30
    • Responder

    E este o sucesso que os socialistas querem impor aos portugueses. O mérito nao conta, logo que no futuro tenhas cartao do partido esta tudo bem. É este o exemplo que o governo do Costa dá aos alunos que se aplicam. É isto o futuro de Portugal. Queimar as pestanas para quê?

    • Micas on 5 de Julho de 2017 at 14:51
    • Responder

    uma pergunta inocente.
    são estes professores que passam a gangada toda que andaram a fazer greve?
    querem mais dinheiro para este trabalho de excelência?
    deviam era ter vergonha da borrada que andam a fazer ás gerações mais novas.

    • Realidade on 5 de Julho de 2017 at 23:18
    • Responder

    Cada vez mais atual.

    “As nossas escolas são fábricas de analfabetos. No meu tempo, os alunos com a quarta classe davam menos erros do que alguns ministros agora. A escola, hoje, é mais uma das falsificações do regime. O ensino é uma farsa para apresentar estatísticas.”

    Henrique Medina Carreira

    • Realidade on 5 de Julho de 2017 at 23:24
    • Responder

    Cada vez mais atual.

    “Temos um ensino que é uma vergonha. A escola inclusiva quer dizer: um sujeito, quer queira quer não queira, quer estude quer não estude, quer saiba quer não saiba, tem de estar ali. Isto inquina toda a qualidade do ensino. Porque nós somos diferentes nas aspirações, nas capacidades. É natural que uns andem para diante e outros fiquem para trás – isto é da vida.”

    Henrique Medina Carreira

    • Realidade on 5 de Julho de 2017 at 23:29
    • Responder

    Cada vez mais atual.

    “Este regime de 76 preocupou-se com a quantidade – o que não era mal – mas desprezou a qualidade. Temos um ensino que é uma vergonha. A escola inclusiva quer dizer: um sujeito, quer queira quer não queira, quer estude quer não estude, quer saiba quer não saiba, tem que estar ali. Isto inquina toda a qualidade do ensino. Porque nós somos diferentes nas aspirações, nas capacidades. É natural que uns andem para diante e outros fiquem para trás – isto é da vida. Esta ideia [da escola inclusiva] é uma burla da política portuguesa, é uma fantasia. O sistema educativo foi abandonado a umas loucuras e a uns loucos. Esta é a única maneira de acabar com a pobreza e a desigualdade: valorizar a cabeça. Aqui em Portugal pratica-se a desvalorização da cabeça. É uma sociedade cujo futuro está hipotecado por décadas.”

    Henrique Medina Carreira

    • Fátima Carvalho on 6 de Julho de 2017 at 14:25
    • Responder

    Eheheheh, ihihihi, ohohoho, a não perder a leitura da crónica de António Lobo Antunes, intitulada “Liceu Camões”, uma referência a nível nacional, sobretudo os saudosistas do ensino do passado, das velha geração. Talvez por essa razão haja tanta corrupção em todas as instiuições do estado e não só, tanta falta de humildade, tanta arrogância.

      • Setorinho on 6 de Julho de 2017 at 15:18
      • Responder

      ,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

      Volta António de Oliveira Salazar que fazes muita falta….

      Grande parte das setoras que hoje andam armadas em professoras iam era limpar escadas e tratar dos campos….

      A ABRILADA é só nojeira ….é como uma ventoinha junto de um poio de ME#DA ….é TRA#PA POR TODO O LADO…

      ai…ai….ai…ai as fatinhas deste País….estavam bem fxxxdas…

      ……o que vale é que a História repete-se…é tudo uma questão de tempo….e já faltou mais…….

      ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

        • Setorinho on 6 de Julho de 2017 at 15:21
        • Responder

        ……………………………………..

        Legenda:

        ABRILADA = 43 aninhos de me#da

        ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: