Lista Ordenada por Tempo de Serviço Total e por Prioridades

Depois de conhecerem a vossa posição na lista nacional de ordenação, por tempo de serviço total, fica agora aqui a lista de ordenação total respeitando as prioridades no concurso de 2012/2013.

Comparem agora a vossa posição com a lista de ontem e imaginem as alterações que podem acontecer no próximo concurso.

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2012/09/lista-ordenada-por-tempo-de-servico-total-e-por-prioridades/

41 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Arlindo estive a ver as listas e não encontrei o meu nome. Sou professora do 400 com 5378 dias após a profissionalização e 365 dias antes da prof.
    Ainda não fui colocada.
    Logo que possa, gostaria de saber qual a razão.

      • Shue on 20 de Setembro de 2012 at 11:25
      • Responder

      A colega encontra-se no número 1183 da lista geral sendo o 205 com o número de candidato 8993543755. 😉

      1. obrigada Shue. Deve ser do “nervoso miudinho”, ou então estou a ficar pitosga. Mais uma vez muito obrigada

    • ana isabel aires almeida on 20 de Setembro de 2012 at 11:17
    • Responder

    Obrigada Arlindo; por estar presente, pela forma como está, discreta mas de uma auxílio inquestionável.
    Todos os dias venho a página e fiquei muito contente por estar de volta.
    Um bom dia

    • Maria Ferreira on 20 de Setembro de 2012 at 11:26
    • Responder

    Caro Arlindo,
    Com todo o respeito pelo trabalho fantástico que tem desenvolvido, acho que esta comparação não tem sentido nenhum. Compara o número de ordem na lista de cada grupo com o número de ordenação por tempo de serviço para todos os grupos. Para ser comparável teria de o fazer grupo a grupo.

    • Ana Guedes on 20 de Setembro de 2012 at 12:08
    • Responder

    Comparando as duas listas, só posso dizer qu,e para o ano, com os que estão a concorrer em 2.ª prioridade que depois vão concorrer na 1.ª, vai ser o caos! VINCULAÇÃO EXTRAORDINÁRIA este ano já! Caso contrário estamos feitos, colegas! O meu n.º diminuiu radicalmente!

      • Ana Sofia on 20 de Setembro de 2012 at 13:31
      • Responder

      Sim, se não houver vinculação este ano para o ano é impossível, com os profs da 2.ª prioridade a passarem-nos à frente.
      A minha proposta para a vinculação é esta:
      Vincular quem ficou colocado a 31 de agosto, independentemente do n.º de horas do horário, desde que tenha 3650 dias de serviço até 31 de agosto de 2012. Vinculava ao QZP a que pertence a escola onde ficou colocado a 31 de agosto.

    • Ana Rita on 20 de Setembro de 2012 at 12:12
    • Responder

    Excelente trabalho, realmente é pena não dar para filtrar por grupos.. Parabéns pelo trabalho..

    • Lina on 20 de Setembro de 2012 at 13:34
    • Responder

    Acho que deveriam vincular as pessoas que ficaram colocadas a 31 de agosto, independentemente do n.º de horas desse horário, desde que tivessem 3650 dias de serviço até 31 de agosto de 2011. Ficariam vinculadas ao QZP a que pertence a escola onde se encontram colocadas.

      • Ana on 20 de Setembro de 2012 at 14:04
      • Responder

      Só pode estar a brincar com tamanha estupidez que acabou de referir!!!!!!!!!!!!!!
      “independentemente do número de horas desse horário”??????????????????????? Era o que faltava!!!! Se assim fosse, eu teria concorrido para o código 3 a 400 kms de casa e teria ficado colocada!!!!!!!!!!!!!

        • Lili on 20 de Setembro de 2012 at 15:53
        • Responder

        Não concorreu porque não quis! Mas houve quem concorresse, sabia?

          • Ana on 21 de Setembro de 2012 at 14:39

          Sei. Mas a questão não é essa. Eu sei que não concorri porque não quis, nem estou arrependida. Às vezes nem parece que se fala para pessoas inteligentes. A questão é que, se me dissessem que iam vincular quem entrasse a 31 de agosto, independentemente das horas, tê-lo-ia feito, não lhe parece? Ou pelo menos teria tido essa escolha. Para explicar devagarinho, o que aqui está em causa é que se na hora de concorrer tivéssemos essa informação, as escolhas de muita gente teriam sido diferentes!

      • adão esteves on 20 de Setembro de 2012 at 14:32
      • Responder

      Boa tarde, e porque não aos que têm mais de 2190 (6 anos completo de serviço – o dobro do tempo que no privado uma pessoa demora a passar ao quadro)? O que tem de justo quem ficou colocado em 31 de Agosto de 2012? Dá jeito a alguns, mas não é assim que se faz justiça. O menos mau é respeitar a graduação, desde claro está, se limite ao tempo de serviço nas escolas públicas, excluindo o tempo no privado. Assim fazemos justiça ao professores que sempre apostarem e investiram nas escolas públicas. Graduação.

      • P on 20 de Setembro de 2012 at 17:45
      • Responder

      Lina, imagino que essa deva ser a sua situação, daí estar a defende-la. Certo???!!! Isto há com cada uma!

        • Lina on 20 de Setembro de 2012 at 21:16
        • Responder

        Por acaso até nem é! Fiquei num horário completo e anual. Mas há mts colegas, com mts anos de serviço, que este ano ficaram com horários incompletos. Será justo não vincularem por causa disso?

    • Mat on 20 de Setembro de 2012 at 13:46
    • Responder

    Não consigo descarregar a lista. Alguém me dá uma ajuda?

    • Marta on 20 de Setembro de 2012 at 14:18
    • Responder

    Arlindo, por favor, faça chegar à FNE a injustiça que seria se não fosse relevante o facto de muitos professores muito bem posicionados nestas listas terem dezenas e dezenas de anos de serviço em escolas privadas. Repare que mesmo alguns deles conseguiram aceder à 1ª prioridade porque ficaram na Casa Pia ou no EPE durante um ano, concursos para os quais é irrelevante o tipo de estabelecimento em que se tem trabalhado. É imprescindível que os anos de serviço (os 10?) tenham sido realizados integralmente em estabelecimentos de ensino PÚBLICOS ou ENTIDADES DIRETAMENTE DEPENDENTES DO ESTADO, em que os professores colocados tenham sido opositores a um concurso PÚBLICO. Por favor, não estraguem uma boa ideia com um mau regulamento.

    • Anocas on 20 de Setembro de 2012 at 14:25
    • Responder

    Acho que há erros na lista pois Colegas com menos tempo de serviço e graduação inferior estão à minha frente

      • Anocas on 20 de Setembro de 2012 at 14:27
      • Responder

      Arlindovsky pode apagar o meu comentário pf?

    • JMM on 20 de Setembro de 2012 at 14:31
    • Responder

    Não percebo esta lista, embora elogie o trabalho desenvolvido pelo colega! Volto a referir, a graduação não conta?! Agora sou ultrapassado por colegas menos graduados do que eu só por terem mais uns dias de serviço? Enfim…Começa-se a dar ideias ao MEC e cada vez mais injustiças se vão cometendo! Desculpem o desabafo, mas num ano como este, com um concurso plurianual a aproximar-se, qual o motivo de se forçar a antecipação do concurso para vinculação? Volto a insistir: há colegas com muitos contratos assinados e que não têm 8, 9 ou os já famosos 10 anos de serviço! Mas já andam nisto há 11, 12, 13 anos… A título de exemplo: um colega mais graduado é colocado num temporário, enquanto outro colega menos graduado é colocado num temporário que acabou por se transformar em anual! Isto pode acontecer mais do que uma vez ao longo do percurso profissional de cada um! O colega menos graduado teve sorte e acabou por obter tempo de serviço que o colega menos graduado não conseguiu! Mas o colega mais graduado, continua a ter uma graduação superior, se calhar por ter obtido melhor classificação académica! Será justo! Sou favorável à vinculação, desde que esta corresponda a critérios justos! Sei que muitos me vão contestar, mas é isto que penso! Estou cansado das injustiças que se vão repetindo, sobretudo, nos últimos anos!

      • Shue on 20 de Setembro de 2012 at 14:34
      • Responder

      Penso que o único propósito do Arlindo terá sido mostrar o panorama se considerarmos somente os anos de serviço. Mais nada. É óbvio que as coisas não podem ser colocadas em termos de serem assim tão simples porque não o são. Mas atendendo a diversos factores e a termos de ver as coisas por um prisma de realismo parece ser uma antevisão da solução a seguir pelo MEC. Não quer dizer que o seja. Mas tudo aponta para aí.

    • Maria José da Silva on 20 de Setembro de 2012 at 15:05
    • Responder

    Arlindo estive a ver as listas e não encontrei o meu nome. Sou professora do 330 com 4317 dias após a profissionalização e 365 dias antes da prof, na 1ª prioridade.
    Ainda não fui colocada.
    Logo que possa, gostaria de saber qual a razão.

    • tecas on 20 de Setembro de 2012 at 15:19
    • Responder

    Estive a comparar esta lista com a do último concurso para os quadros (2009-2010) e verifico que muitos destes nomes com 30 e mais anos de serviço não se encontram lá.
    Acho que este pormenor deve ser tomado em conta. A seleção deve passar pelos anos lecionados no ensino público. Se isso não acontecer muitos de nós perderão a hipótese de vincular.
    Estou apreensiva com estes detalhes, pois se os sindicatos não forem alertados…

    • Margarida420 on 20 de Setembro de 2012 at 15:58
    • Responder

    Bem haja pelo trabalho que apresentas Arlindo! permite verificar o nº de colegas com mais de 10 anos de serviço.Pode-se inferir que a integração destes será dificil nos quadros. Por outro lado se o nº de colegas com 10 e mais anos de serviço é elevado como é possivel integrar os de 5 e + anos. Continuo a afirmar, o sr.crato fala e os prof. ajoelham-se. Onde está a dignidade e respeito pela classe ???

    • sandra s. on 20 de Setembro de 2012 at 18:29
    • Responder

    Arlindo, com todo o respeito, mas tenho que dizer: tu és um espectáculo! Devias era trabalhar no MEC. Gastaram milhares de euros com técnicos de informática para fazerem aplicações que são uma porcaria e tu com os teus parcos recursos consegues fazer um trabalho grandioso destes….
    Subi cerca de 700 e tal lugares na segunda tabela relativamente à primeira. A maior parte dos colegas da 2ª prioridade são das escolas privadas ou com contrato de associação. Se estes concorrerem para efetivar, vão sugar as vagas todas. Quem trabalhou nas escolas públicas a dar o sangue estes anos todos vai ser literalmente chutado para o desemprego. Será o nosso fim!

      • LC on 21 de Setembro de 2012 at 1:23
      • Responder

      Os professores dos colégios privados não passam para 1ª prioridade, só os com contrato de associação… E subiu 700 lugares no seu grupo??? Não foi certamente mas era assim que devia ver!

    • Maria Otília Martins Afonso on 20 de Setembro de 2012 at 19:42
    • Responder

    Olá Arlindo. Sou o nº 27 na lista de Contratação Inicial de 31 de Agosto, grupo 400 e não consto da sua lista. Trata-se de um lapso ou a minha miopia está pior? Obrigada e continuação de bom trabalho.

    • Margo on 20 de Setembro de 2012 at 20:33
    • Responder

    A vinculação sem o critério da graduação é mais uma grande injustiça.Afinal não vale a pena estudar e os “Relvas” deste país é que estão certos.A partir de agora, os meus alunos mais velhos estão automaticamente aprovados na minha disciplina. Custa-me a crer que o Arlindo esteja de acordo com esta injustiça.

    • Daniel Serzedelo on 20 de Setembro de 2012 at 20:36
    • Responder

    Esta lista não faz qualquer sentido, pois não respeita a graduação profissional e não está distribuída por grupo… Nesta lista surge uma colega à minha frente 4000 lugares e que está atrás de mim 300 lugares na lista oficial do meu grupo (910)… Eu tenho média de curso superior e mestrado e doutoramento… Ela nada… Será justo o critério de tempo de serviço????

    • LC on 20 de Setembro de 2012 at 21:04
    • Responder

    Isto realmente só falta arrancar olhos!! Infelizmente é uma das caracteristicas dos professores (tirando os de Educação Física por estarem habituados à competição saudável), só olham para o próprio umbigo… Os professores das AEC’s não prestam porque é “foleiro” dar aulas nas escolas de 1ºciclo, os do privado não prestam porque trabalham perto de casa e os do público não prestam porque não fazem nada!! Nunca ouvi ninguém da mesma profissão criticar tanto outros colegas… Nunca ouvi um médico criticar outro porque este escolheu trabalhar no público ou no privado… Eles defendem a classe deles e é por isso que são fortes!!

      • I. Cruz on 20 de Setembro de 2012 at 23:36
      • Responder

      Apoiado, Colega; primeiro esfolam-se todos por causa das ofertas de escola, depois por causa das renovações e agora por causa das vinculações …. por isso o MEC fará sempre o que quer …..

    1. Infelizmente não é por isso que os médicos são fortes… É pelo seu reduzido número… Sabe porque os do privado e do público nunca se opõem? Porque a maioria deles (para não dizer a totalidade!) faz público e privado… Eis a diferença! Se em vez de formação de professores aos milhares se tivesse feito formação de médicos aos milhares, eles estariam na mesma situação…

        • PCCO on 21 de Setembro de 2012 at 16:39
        • Responder

        Concordo plenamente!
        Queria ver se dessem aos médicos apenas uma opção (ou trabalhar no privado ou no público)!
        Ia ser lindo, ia!!!
        E não me venham para aqui defender os médicos…toda a gente sabe que eles se acham os donos e senhores de tudo, de poderem fazer o que querem e lhes apetece (porque ainda há muita gentinha que os trata como se fossem deuses!!)
        Mas quando apanham alguém pela frente que os enfrente (falo dos pacientes e nada mais), é vê-los a meter o rabinho entre as pernas!!!

      • Anocas on 21 de Setembro de 2012 at 12:46
      • Responder

      Se é para ingressar nos quadros do público, os anos de serviço a serem contabilizados devem ser aqueles efetuados nas escolas públicas!!!! É assim em qualquer empresa privada e até pública: contabilizam os contratos efetuados nessas empresas e naão nas outras!!!

      • PCCO on 21 de Setembro de 2012 at 16:48
      • Responder

      LC, pelo seu comentário parece que só prestam os professores de Ed. Física.
      Não sei se reparou no que escreveu, mas acabou de fazer uma crítica a alguns professores…Quando diz: “Os professores das AEC’s não prestam porque é “foleiro” dar aulas nas escolas de 1ºciclo, os do privado não prestam porque trabalham perto de casa e os do público não prestam porque não fazem nada!! Nunca ouvi ninguém da mesma profissão criticar tanto outros colegas…” talvez devesse ter acrescentado que na sua opinião só os de Ed. Física prestam! E já agora comece a ouvir-se mais…já que gosta tanto de criticar e nem se apercebe que o faz!!

      Read more: http://www.arlindovsky.net/2012/09/lista-ordenada-por-tempo-de-servico-total-e-por-prioridades/#ixzz277TR4KSp

    • Manuel on 20 de Setembro de 2012 at 23:37
    • Responder

    Só o facto de existir a hipótese de que a seleção de docentes se faça única e exclusivamente pelo tempo de serviço já é um escândalo, se tal vier a acontecer os responsáveis por tal não passam de cretinos sem vergonha.

  2. A vinculação tem que seguir o critério da graduação profissional. De outro modo inverte-se toda a lógica do concurso e da forma como o tempo de serviço que agora se ordena foi alcançado! Os colegas que foram conseguindo mais tempo fizeram-no devido à sua graduação profissional de base, de outro modo não o teriam feito, já que se a sua graduação fosse mais baixa (ou mais alta) os outros conseguiam melhores horários (ou ficariam atrás deles). Acabar com este critério é subverter uma lógica concursal (para usar um termo tão querido à tutela) que tem décadas e permitiu a efectivação de todos os que actualmente se encontram no quadro…

  3. Ainda me hão-de explicar porque razão dez anos se tornou um número chave/mítico/messiânico para a vinculação! Sempre quero ver quem tem dez anos de serviço em alguns grupos carenciados… E quero ver entrar milhares de professores com dez anos em grupos onde já há excedentários no quadro… Para finalizar, nunca vi um concurso em que a lógica de entrada fosse dez anos! Alguém já viu esse critério em algum lado? Procuram-se enfermeiros para o quadro do hospital público X, mas só com dez anos de serviço… Que raio de lógica!

    • oleg on 21 de Setembro de 2012 at 8:41
    • Responder

    Para além de não concordar com a alienação da graduação profissional (o mérito!!!), há outro problema que não vejo ser comentado e que me causa alguma confusão. Quais serão os moldes desta vinculação extraordinária?
    Uma vez que seria insano que os colegas concorressem apenas para os locais que querem. Como se processará, sem que haja lugar a concurso de mobilidade interna? Será que os colegas com 20 e 30 anos de serviço, e que até agora não quiseram entrar no quadro (ou não puderam porque estavam no privado!!!) se sujeitam a entrar num quadro, sem saber onde serão colocados? Ou será que irá abrir uma bolsa de professores do quadro especiais para toda a obra? Em que os colegas terão de ir, dentro de uma determinada área, para onde os mandarem? Isto tudo parece muito estranho. Alguém mais iluminado que eu poderá fazer o favor de me esclarecer?

    • Manel do Burro on 22 de Setembro de 2012 at 2:37
    • Responder

    Dignidade meu caro, palavra esquecida no vocabulário da classe. Respeito porque com dignidade são “os donos da saúde” e nós poderiamos ser donos da “educação” mas perdemos a dignidade e o respeito. Basta ler o seu comentário para conucluir que na classe foi admitido tudo. Meu caro, a dignidade e respeito é o pilar de qualquer profissão, porém a nossa classe vendeu-a por um prato de lentilhas, acentam tudo… a troco de nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: