Burnout já é classificado como uma doença pela Organização Mundial da Saúde

“Burnout” já é classificado como uma doença pela Organização Mundial da Saúde | Medicina | PÚBLICO

O burnout – síndrome do esgotamento profissional – já entrou oficialmente na Classificação Internacional de Doenças (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS). A aprovação da 11.ª revisão desta lista, que também inclui os videojogos como uma doença mental, aconteceu no sábado durante a 72.ª assembleia da OMS em Genebra.

“Esta é a primeira vez” que o burnout é incluído nesta classificação, referiu Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS, citado pela agência AFP. Esta síndrome foi incluída na 11.ª revisão da CID, que tem como objectivo padronizar a codificação das doenças e outros problemas relacionados com a saúde e que entrará em vigor em 2022.

“A CID-11 foi actualizada para o século XXI e reflecte os avanços críticos na ciência e na medicina”, lê-se num comunicado da OMS. O rascunho da actualização desta lista foi lançado no ano passado depois das recomendações de vários especialistas em saúde de todo o mundo. No comunicado, adianta-se que a CID-11 é completamente electrónica e pode ser incorporada em aplicações electrónicas de saúde e sistemas de informação, “tornando esta ferramenta muito mais acessível”.

Nesta lista, reconhecem-se os “distúrbios com videojogos” e o comportamento sexual compulsivo como transtornos mentais e muda-se a classificação do transgenderismo dos transtornos mentais, passando-a para o capítulo das “perturbações relacionadas com a saúde sexual”. O burnout inclui-se no capítulo dos “problemas associados com o emprego e o desemprego” e tem o código QD85.

Na lista, o burnout é definido como “uma síndrome que resulta de um stress crónico no local de trabalho que não foi bem gerido”. Também se destaca: “O burnout refere-se especificamente a fenómenos no contexto profissional e não deve ser aplicado para descrever experiências noutras áreas da vida.”

Ao todo, descrevem-se três dimensões desta síndrome: sensações de esgotamento de energia ou exaustão; aumento da distância mental do emprego ou sentimentos de negativismo e de cinismo relativamente ao emprego; e uma reduzida eficácia profissional.

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2019/05/burnout-ja-e-classificado-como-uma-doenca-pela-organizacao-mundial-da-saude/

1 comentário


  1. Foi exatamente por isto (ou se calhar não, já não me lembro) que pedi a LSVLD – Licença sem Vencimento de Longa Duração.
    O meu copo não quer levar com a última gota e transbordar de vez. Para quem está a pensar no mesmo, ficam aqui algumas considerações pessoais:
    https://profemlsvld.blogspot.com/
    Está apenas iniciado e pretende abrir espaço para todos os profs de alguma forma sensíveis à possibilidade de abandonar o barco.

    Cumprimentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: