O estado das progressões na carreira docente

 

Professores demoram a progredir na carreira

Os professores em Portugal são profissionais muito qualificados e estão envelhecidos, mas só 0,02% estão no topo de carreira, revela o mesmo relatório, que alerta para o longo tempo para se progredir.

“Em Portugal, o tempo para chegar ao topo da carreira é longo e a diferença entre a remuneração no topo de carreira e no início é muito significativa, quando comparado com outros países europeus”, refere o Estado da Educação 2018.

A carreira dos professores divide-se em dez escalões e, na maioria dos casos, cada escalão deveria equivaler a quatro anos de serviço. No entanto, os professores do 3.º escalão, por exemplo, têm em média 22,6 anos de serviço e mais de 48 anos de idade.

No topo da carreira estão “apenas 0,02% dos docentes (…) e têm em média 61,4 anos de idade e 39 anos de tempo de serviço”, indica o relatório. O congelamento prolongado das carreiras e a não recuperação da totalidade do tempo de serviço são as razões apontadas pela CNE para esta situação.

A contagem integral do tempo de serviço é uma das grandes reivindicações que os sindicatos que têm prometido não deixar morrer, depois de ter provocado uma crise política na anterior legislatura, mas sem o resultado obtido pelos docentes.

Em 2017/2018, havia menos de 150 mil professores do ensino obrigatório, ou seja, houve uma redução de mais de 30 mil apenas numa década. O relatório mostra que aconteceu um decréscimo em todos os níveis e ciclos de educação e ensino.

Também tem vindo a diminuir o número de alunos nas escolas e este ano várias notícias deram conta da falta de docentes nas escolas. Para a presidente da CNE, neste momento não faltam docentes mas é preciso fazer “um planeamento para a vaga de aposentações que se aproxima e a baixa procura de cursos de formação de professores”.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2019/11/o-estado-das-progressoes-na-carreira-docente/

3 comentários

    • Pedro Besteiro on 27 de Novembro de 2019 at 22:01
    • Responder

    As notícias são sempre as mesmas!
    Alguém se lembra daqueles que tendo 35 anos de serviço e está no quarto escalão?
    Fazem o mesmo que todos os outros. Tudo! Mas são bacharéis!
    A própria classe esquece elementos seus!

    • cel on 27 de Novembro de 2019 at 22:23
    • Responder

    Tenho 29 anos de serviço – na educação- e 58 de idade.
    Também estou no 4º escalão, como se tivesse 16 anos de serviço…
    (Vergonha para as “mentes brilhantes”do min edu. e do min fin.)
    Subi para o escalão em 2009, mas as notas informativas e as FAQ nunca se referem aos docentes nestas situações!!!.

    • Alexandra Almeida on 28 de Novembro de 2019 at 23:06
    • Responder

    Por que será preciso fazer “um planeamento para a vaga de aposentações que se aproxima e a baixa procura de cursos de formação de professores”?
    Deixa-me adivinhar…
    Porque os docentes estão velhos, muitos terão de trabalhar para além dos 67 anos… e dentro de 2 ou 3 anos saem do ativo.
    Porque com os maus-tratos que a tutela dá aos professores, poucos jovens decidem seguir a docência.
    Então e se o Ministério repusesse a contagem integral do nosso tempo de serviço, e se desse condições aliciantes aos jovens professores? Se calhar resolveria o problema da “baixa procura de cursos de formação de professores”. Pois… mas estão à espera de milagres…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: