Há disciplinas em risco de ficar sem professores numa década

Já disto tinha dado conta neste artigo.

 

Há disciplinas em risco de ficar sem professores numa década

 

A maioria dos grupos de recrutamento de professores vão perder mais de metade dos docentes de quadro até 2030. A disciplina de Educação Tecnológica (ET) pode desaparecer com a aposentação de 96% dos docentes.

No Pré-Escolar, vão sair 73% dos educadores; a Português, do 2.º ciclo, serão 80%. Geografia, História ou Filosofia são exemplos de saídas que rondam os 70%.

E o maior problema, alerta o Conselho Nacional de Educação (CNE), é que há cada vez menos novos diplomados para substituir quem se reforma. A Física e Química formaram-se, em 2016/2017, cinco (em 2012 foram 46); a Matemática foram 17 (há sete anos eram 87).

“É uma morte anunciada”, assume Carlos Gomes, presidente da Associação de Professores de Educação Visual e Tecnológica (APVET). A Educação Tecnológica deixou de ser disciplina obrigatória no 3.º ciclo e passou a ser oferta de escola. “É um grupo praticamente extinto. Só resistem os mais antigos”, afirma, frisando que “não há uma única universidade ou politécnico que ainda forme professores para este grupo”.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2019/11/ha-disciplinas-em-risco-de-ficar-sem-professores-numa-decada/

66 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Ricardo Pereira on 30 de Novembro de 2019 at 12:22
    • Responder

    Este estudo não aborda o grupo 540 (eletrotecnia), um grupo onde muitos dos docentes estão a regressar às empresas com melhores condições financeira e laborais. Este ano já houve problemas no recrutamento destes profissionais.

      • Vanda Maria de Bragança Serrão on 30 de Novembro de 2019 at 13:30
      • Responder

      Não nos devemos preocupar! Vamos voltar ao tempo da pedra lascada😁😁😁😁😁
      Governa – se melhor um país de ignorantes do que um país instruído. Agora é que vamos ocupar o primeiro lugar dos países mais corruptos.
      Gosto disto, sim senhor, gosto disto.
      A inteligência é uma arma muito poderosa para os nossos governantes.

      • Vanda Maria de Bragança Serrão on 30 de Novembro de 2019 at 13:34
      • Responder

      Este ministério tem de cair! E quanto mais depressa melhor

        • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 14:10
        • Responder

        Estas notícias nem sequer têm tido muita repercussão na opinião pública, é o costume. Enquanto isso não mudar os políticos fazem o que querem. Infelizmente esse é o nosso carma, uma sociedade egoísta que se mexe mais para comprar nas promoções do Black Friday do que para pressionar governos a resolver os problemas do SNS, da educação ou de outros problemas da nossa sociedade… enquanto for assim, cada um que se amanhe o melhor que pode, é triste, mas é assim, na realidade a maioria dos professores preocupa-se legitimamente com os seus problemas mas também não se mobilizam contra problemas noutras áreas, é o carma tuga, não será fácil mudar isto!
        Só com falhas muito numerosas e alargadas a quase todo o território, isto poderá ser um problema para o governo… eu ainda tinha esperança que eles criassem um subsídio para os professores deslocados, mas nem para isso se sentem pressionados pela sociedade! Ninguém se importa, desde que os filhos tenham onde ficar durante o dia, não interessa muito se têm ou não aulas de mais ou menos disciplinas…

    • Pardal on 30 de Novembro de 2019 at 14:59
    • Responder


    Vergonhosa forma de fazer jornalismo

    Pega-se no estudo da CNE e mandam-se umas ATOARDAS para ver se cola.

    Não!… Não cola.

    Os professores sabem bem que isto é uma enorme mentira. Há EXCESSO DE PROFESSORES. Estão aí os mais de 30.000 contratados à espera de umas horitas para comerem uma sopa, a confirmar esta Triste Realidade. Estão aí os milhares de PROFESSORES DESEMPREGADOS inscritos no IEFP, muitos deles a receberem Subsidio de Desemprego. Estão aí os milhares de formados em ensino e que trabalham em Callcenter, em supermercados, em trabalhos administrativos a auferirem ordenados de 600, 650, 700…euros, ansiosos que lhes seja dada uma oportunidade no Serviço Público de Educação.

    Mas como esta Triste Realidade fosse coisa pouca, não leram os Cenários Demográficos que apontam para Quebra Drástica do número de Alunos e, como é lógico, muito menos necessidade de professores.

    Mas como se isto não fosse suficiente, também não olham para a Quantidade de Gente formada em Educação pelas ESEs e outras Tascas que vai ser DESPEJADA PARA O MERCADO DE TRABALHO.

    Enfim….são estes jornalistasitos, também milhares deles precários que na tentativa de se afirmarem regurgitam um chorrilho de asneiras.

    O BLOG de Arlindo cavalga estas fake news para gáudio de uma minoria de docentes agitadores. Claro que as comunidades educativas sabem bem que o Serviço Público de Educação está claramente melhor e a funcionar em pleno. A dedicação da maioria dos professores e dos funcionários tem assegurado a Excelência da Escola Pública.

      • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 15:33
      • Responder

      O colega (se for colega) está a falar de formados em educação que tiram o curso, mas que não querem sair sua terrinha. E como sabe (ou deveria saber) quem quer trabalhar tem ir à vida e lutar.
      Contudo, existem pessoas que por motivos familiares, de saúde ou outros, que preferem trabalhar outras áreas do que ir viver para longe e tentar o ensino.
      Trata-se de uma opção pessoal e um direito, mas estes professores dificilmente irão ocupar lugar a ensinar nas nossas escolas públicas … a menos que seja uma escola que lhes fique ao virar da esquina.

      • Clube de fãs do pardal on 30 de Novembro de 2019 at 15:36
      • Responder

      💋💋💋 És um quiduxu!

      • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 17:40
      • Responder

      Eu sou um tipo calmo, nunca me envolvi em zaragatas, mas garanto-te que me apetece dar-te umas arroxadas!! Dizeres que há professores à espera de uma colocação para «comer uma sopa» é digno de um crápula nojento, sobretudo porque o repetes constantemente…
      Fake és tu que escreves o que te apetece, o que te dá jeito… onde é que estão os 30 mil de que faltas? Vai lá ver as listas agora, se lá estiverem 10 mil já não será mau. E obviamente que em alguns grupos a situação ainda não é grave, em algumas regiões também não, mas em alguns grupos e regiões a coisa começa a ficar negra… quer tu queiras quer não!! Diz-me lá uma coisa, quanto é que te pagam para andares aqui com esta conversa do bandido?! Ainda ninguém viu que o que estás a fazer serve exatamente para o contrário, já poucos podem com o PS, mas contigo aqui a dar este triste espetáculo… que vergonha para o PS, alguém que lhes diga alguma coisa, que isto é embaraçoso, até para mim que não voto PS desde há muitos anos!

        • Pardal on 30 de Novembro de 2019 at 18:13
        • Responder


        \”…onde é que estão os 30 mil de que faltas? Vai lá ver as listas agora, se lá estiverem 10 mil já não será mau.\”

        Meu caro Paulo Anjos

        Começo por lhe incutir calma, embora eu saiba que, por vezes, a verdade dói e coloca um certo nervosismo em mentes mais agitadas.

        Com que então, o meu amigo quer saber onde estão os Mais de 30.000 que aguardam por umas horitas!… Eu explico: – uns Milhares largos estão a Duplicar recursos Humanos no Serviço Público de Educação, isto é, estão a Substituir largos Milhares de Docentes que se encontram de Baixa Médica que, como bem sabe, neste momento, já ultrapassam as 10.000 Baixas Médicas Anuais. E outros Milhares estão nas Listas de Reservas de Recrutamento à espera que lhes saia em sorte umas horitas para poderem comer uma sopa.

        Só na cabeça de um lunático…de um Zombie é que existe uma suposta falta de professores.

        Aliás, segundo diz o seu próprio caso é um exemplo de alguém que andou largos anos a tapar-buracos de forma intermitente. Suponho que tenha dito que é professor contratado com 25 anos de serviço. Se o Serviço Público de Educação não fosse atrativo o meu amigo Paulo Santos já tinha ido para outro tipo de emprego. Se o não fez é porque o ensino público não é assim tão mau, pelo contrário há muita gente a desejar uma vaga no mesmo.

          • Pau feito on 30 de Novembro de 2019 at 18:56

          O Pardal é maricon!

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 19:09

          Que arrogante nojento mes saiste… a forma como falas de lá bem do alto, é exemplar do que infelizmente ainda temos muito por cá… falar daí de cima, a viver à conta de um tacho pago por todos nós… nem vergonha na cara tens!
          Bom, dos 30 mil que falas, afinal 10 mil estão a substituir quem está de baixa, tens previsões de que venham a diminuir as baixas?! Eu, sem conhecer muito do assunto, tenho sérias dúvidas de que isso venha a acontecer, até estou tentado a dizer que a tendência é para aumentarem, dado o envelhecimento da classe docente.

          Nas listas das reservas de recrutamento, neste momento, não devem estar nem 10 mil, ou já os foste contar?! És um triste que diz coisas sem saber o que está a dizer….

          Também já te disse, que não interesssa a tua retórica de não haver falta de professores, não sei se há nem me interessa. Mas tu nunca respondes ao facto de haver milhares de alunos sem aulas por falta de professor?! Se não há falta onde estão? Também não respondes à pergunta que te tenho feito de estas faltas se verificarem nos últimos anos, aumentaram significativamente este ano… só um lunático não vê isso… um lunático, ou um fanático partidário que enche os bolsos à conta disso!

          Quanto ao meu caso, é engraçado que referias esses 25 anos de contratado como se fosse algo natural… não é palhaço, isso é algo que se é possível num país que em muitas coisas de democracia tem pouco… basta ver pelo que fazes aqui.

          Ainda em relação a mim, também é revelador que não tenhas colocado a hipótese de eu continuar a leccionar porque gosto. Obviamente para alguém como tu o importante é o dinheiro, nem que tenhas que fazer estas tristes figuras para o ganhar, a escola, o país e os alunos que se lixem (na boa das verdades, os alunos não quereriam como professor alguém como tu)… e a realidade é mesmo essa, felizmente não preciso do que ganho na escola, nem para comer sopa nem caviar. Neste momento dou aulas porque gosto, porque é aquilo que neste momento me sinto melhor a fazer…

          Vai lá comer a lagosta à conta de todos nós, enquanto denigres aqui, de uma forma arrogante e nojenta, as pessoas que honestamente lutam para ter um futuro melhor, para si e para os seus…

          • MHB on 1 de Dezembro de 2019 at 16:24

          Você deve ser um boy do partido xuxalista e afins. Vem para aqui defender o indefensável! Ninguém quer ser professor, basta olhar para os cursos via ensino nas universidades! Actualmente a procura são as engenharias, informática e as ciências económicas, ganha-se muito mais! Consegue enxergar isso nessa pobre esfera que transporta em cima dos ombros e à qual chama cabeça ????? Mesmo que chamem os que estão nas secretarias não chega, já são cotas, nem é preciso chegar a 2030, basta mais uns dois ou 3 anos. A classe docente está velha, não há incentivo à profissão, os jovens candidatos ao ensino superior têm os ouvidos cheios da desgraça em que está o ensino em Portugal. Os governantes sabem bem o que se está a passar mas nada dizem, eles têm os números reais da situação, é como uma bola de neve que vem a rolar pela montanha abaixo.

        • Maria on 30 de Novembro de 2019 at 19:02
        • Responder

        Não ligue. Este sr. alimenta o seu ego com as respostas. O desprezo é a melhor arma .
        Ignorem, passem por cima. Ler???

          • Clube de fãs do pardal on 1 de Dezembro de 2019 at 16:55

          Basta olhar para foto e ler nas entrelinhas para perceber que o Pardal é um fofinho. É o quiduxu aqui da malta.
          Para ele só me apetece 💋💋💋💋💋
          🐥🐥🐥🐥🐥
          🌹🌹🌹🌹🌹
          💐💐💐🌼🌼

          • Caça pardais on 1 de Dezembro de 2019 at 16:58

          Não tenhas a menor dúvida Maria.
          Ele não passa dum triste palerma e frustrado.
          Só aqui lhe damos atenção.
          Coitado temos de ter pena.

    • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 15:10
    • Responder

    Por acaso nem sou grande defensora do subsídio a docentes contratados deslocados:

    Porque:
    1º Só concorre para longe quem quer.
    2º Ninguém é obrigado a concorrer para longe da sua residência ou para um local onde os arrendamentos sejam caros.
    3º O estado não tem pagar pelas nossas decisões pessoais.

    No caso de docentes do quadro deslocados, também não concordo com subsídios:
    1º Quando um professor é colocado num QZP então essa deve ser a sua nova residência, ele concorreu para trabalhar e morar lá, portanto não necessita de apoio, a menos que esse QZP seja muito grande e segundo parece os QZPs vão diminuir e portanto pode ir e vir e não necessita de subsídio de habitação. Contudo, se a distância for muita, e desde que resida nesse mesmo QZP (se não residir no QZP em si, ou muito perto do mesmo, não teria direito), um subsídio de transporte seria adequado.

    2º Se concorreu para uma vaga (de QZP ou Agrupamento) que não pretendia ocupar, então a deslocação para um outro agrupamento ou QZP, onde conseguiu colocação temporária, já é da sua própria responsabilidade e não tem direito a nada!!! Porque toda e qualquer despesa extra é da sua total responsabilidade.

    3ª Seria feita uma exceção para os recém colocados pelo concurso externo ou interno em novos QZPs ou Agrupamentos, para os quis deveria haver um subsídio de reinstalação e apoio na compra de nova habitação ou ao arrendamento de longa duração na região onde ficou colocado, mas só com a condição de lá estabelecer habitação permanente durante 4 anos (para os QZPs) e habitação permanente enquanto existir a vaga (no caso dos QA).

    Atenção ninguém ficaria preso. Todos são livres de mudar e escola/agrupamento de ano para ano ou de viver numa zona e fazer 300 km para ir trabalhar noutra. Mas a culpa não é do governo e portanto o mesmo não tem qualquer responsabilidade e relação a ajudas de custo.

    Quando vamos trabalhar para longe a decisão é nossa e só nossa.
    É ridiculo quando os professores ficam colocados longe porque concorreram para longe depois vêm choramingar para a televisão a dizer que culpa é do ministério da educação!!!!
    Ninguém os obrigou!!!! Foram para longe de livre e espontânea vontade!!!!

    Não se façam de coitadinhos e assumam as vossas responsabilidades!!

    Isto não invalida que Câmaras Municipais a titulo individual ofereçam apoios aos professores deslocados…. mas é só isso: uma oferta. Porque estes professores estão deslocados de forma voluntária. Ninguém os obrigou!

      • Rib on 30 de Novembro de 2019 at 16:19
      • Responder

      Tb concordo! Apenas deveria ser dado um apoio de deslocação para qd já não houvesse candidatos..
      É evidente que quem concorre para um determinado local tem de assumir a responsabilidade de ir para lá trabalhar ou então não concorra!

      • Zaratrusta on 30 de Novembro de 2019 at 16:20
      • Responder

      Mas acha que alguém se importa com a sua opinião. Já é conhecida neste blog por ter um QI muito abaixo da média. O que me espante é como o Arlindo a mantém como moderadora do chat.

        • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 17:29
        • Responder

        Pode não concordar com a minha opinião e tem todo o direito a apresentar os seus argumentos contra mesma.

        Agora a sua resposta foi insultar e isso não é resposta que se dê.

        Por favor, respeite este blog.

        Se tem uma opinião contrária, então deve apresentá-la e fundamentá-la… ou então fique calado.

        • Dark man on 30 de Novembro de 2019 at 22:59
        • Responder

        O Arlindo mantem-na como moderadora do chat porque está interessado no € que ganha com o blogue! 🤦‍♂️

        • Luluzinha on 1 de Dezembro de 2019 at 19:15
        • Responder

        Completamente de acordo consigo!

        • Luluzinha on 1 de Dezembro de 2019 at 19:17
        • Responder

        Completamente de acordo consigo.

      • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 17:51
      • Responder

      A colega provavelmente nunca teve de concorrer para longe para obter colocação, certo? Esse é o problema do país, cada um pensa no seu umbigo, os outros que se lixem. Para que conste, eu não teria direito a esse subsídio, caso fosse criado.
      Há muita gente que concorre a um sitio sem ter a perfeita consciência do que o espera, mas não tem alternativas, estão muito atrás nas listas e têm de arrriscar. Por isso é que há casos de pessoas que são colocadas e acabam por não aceitar o lugar, quando se apercebem da realidade do sitio onde foram colocados.
      E, já agora, até tenderei a concordar com a colega se acabassem com esse tipo de subsidios para juízes, deputados, etc!
      Por fim, se há prova de que ele é necessário, já algumas câmaras municipais se substituiram aos mesmos, disponibilizando alojamentos para os professores deslocados (pelo menos Oeiras já o fez).

        • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 17:55
        • Responder

        Fala dos apois das Camaras Municipais como se fosse uma oferta!?. Ou seja, oferecem porque querem, de boa vontade, essa oferta não surgiu de uma necessidade?! No estado atual em que as coisas estão, ou faziam alguma coisa ou alguns alunos ficavam sem professor…

          • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 19:15

          As Câmara têm uma necessidade e como têm essa necessidade oferecem incentivos.
          Portanto, é uma oferta.

          Qual é a dúvida?

        • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 18:54
        • Responder

        Por acaso já tive de concorrer para longe, muito longe mesmo.
        Mas ninguém me obrigou a fazê-lo!!!

        Ou será que alguém o obrigou???
        Se foi obrigado o seu dever é fazer queixa à policia.
        Apresente uma queixa crime por trabalho forçado.

        Se não foi obrigado, então a decisão foi sua.
        Qualquer cidadão em Portugal pode candidatar-se a trabalho na função pública em qualquer ponto do país, mas não vai receber mais por isso, nem vai ter apoio à habitação ou transporte.
        Acha que é mais que os outros?

        Os Juízes têm uma situação de exceção, mesmo tem termos de salário, pelo cargo que desempenham, a sua remuneração e deslocação tem de compensar para evitar a tentação de suborno nos tribunais, o que seria muito grave.
        No que diz respeito aos deputados, como só podem exercer a sua profissão num local no país, têm então o subsídio o seu ordenado a subsídios também estão sob a alçada de se tentar evitar eventuais tentações monetárias de lobbies ou mesmo de crime organizado (geralmente colarinho branco), como já, apesar de tudo, tem acontecido.

          • Maria on 30 de Novembro de 2019 at 19:06

          AH!AH! é mesmo isso. Pense. Os médicos…

          • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 19:20

          Maria

          Os incentivos dados aos médicos não são dados pelo Ministério da Educação.

          Geralmente são as Câmaras Municipais, mas também podem ser outras instituições.

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 19:21

          Bom, não percebeu o que eu escrevi, se calhar devia voltar a ler…

          Eu disse que não estou longe de casa, ou melhor, não estou longe de uma das minhas casas. Isso não quer dizer que não tenha consciência de que há pessoas que têm de escolher entre dar aulas longe de casa ou ficar o ano todo sem dar aulas. (Essa conversa da queixa à polícia é um exercício dispensável, embaraçador até :))

          Continua a falar como se fosse eu, quando eu escrevi no comentário anterior que não beneficiaria desse eventual subsídio… convém ler o que os outros escrevem para dar uma resposta adequada! Ou então faz mais ou menos o mesmo que aquilo que aqui criticou em relação a uma resposta de outro utilizador.

          Ai é?! Então e os deputados quando concorreram às eleições não sabiam que teriam de vir para Lisboa?! Foram obrigados? Se foram aconselho que vão fazer queixa à polícia. Os Juízes a mesma coisa, essa conversa de subornos e coisa e tal existe na mesma, não me diga que é por causa de um subsídio que eles deixam de estar tentados a meter uns milhares ao bolso para decidirem neste ou naquele sentido, era o que faltava…

          Então e os médicos no interior, qual é a razão para esses terem direito a isso?! Eu diria que o mesmo que estou a reclamar neste momento para os docentes, e que algumas camaras municipais já perceberam, se não derem o subsídio ou algo similar, não têm professores…

          • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 19:41

          Paulo Anjo Santos

          Não, não ficariam sem professores.
          O problema é que antes de conseguirem colocar quem quer mesmo ficar com a vaga, as escolas têm de chamar quem concorreu por concorrer para não aceitar ou para chegar lá e recusar, o que pode levar várias semanas, até chegarem aos candidatos que concorrem porque querem mesmo ser colocados.

          Se voltássemos a algum tipo de penalização mais grave para quem recusa ou não aceita uma colocação então… rapidamente teríamos professores colocados nas escolas (porque as pessoas só iriam concorrer para onde queriam mesmo ficar) e em seguida seria possível apurar com mais consistência, quais os locais onde onde existem mesmo falta de professores. Porque temos de distinguir entre colocação tardia por confusões nas listas e não colocação por falta de candidatos nas listas que tivesse concorrido para aquela escola e tipo de horário.

          Isto porque temos 2 problemas…. atrasos nas colocações e falta de professores em algumas áreas.

          Quantos aos médicos já respondi acima.

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 19:49

          Bom, então no que é que ficamos?! Se existem situações em que não há mesmo candidatos, será que o facto de existir um subsídio (quer seja da camara quer do estado, vai dar mais ou menos no mesmo) não ajudaria a resolver essas situações que são cada vez mais?!

          Quanto aos médicos, é o mesmo, acho que os incentivos são do estado e não das camaras, mas vai dar no mesmo, existem!

          Registo que não disse mais nada em relação aos Juízes ou deputados, fico sem saber se mudou de opinião ou se acha que eles devem apresentar queixa na polícia?

          • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 20:04

          O problema com um eventual subsídio é que iam atrair aqueles que em circunstâncias normais não iriam querem ficar colocados nestas escolas e que iriam ultrapassar quem lá quer mesmo ficar e está atrás nas listas.
          Acho que escolas querem quem quer mesmo ficar lá e não mercenários.

          A existir esse subsídio só deveria ser aplicado em contratação de escola, depois das listas terem chegado ao fim.
          Isto é: só deveriam ser aplicados a título excecional.

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 20:16

          Sim senhora, conseguiu responder uma vez sem me dizer para fazer queixa na polícia e usar o sarcasmo para me tentar ofender (obviamente sem sucesso)!!

          E está a ver que até conseguiu finalmente dizer alguma coisa de jeito. Ser calhar tem alguma razão, embora chamar «mercenário» a um professor contratado que vai lecionar para longe da sua família?! Até tenho receio de lhe perguntar o que chama a um professor do quadro encostado numa escola ao lado de casa, que faz o mínimo possível, falta que sempre que pode, e passa os dias no seu centro de explicações??

          Até porque, quando falo de subsídio não estava a pensar em 500 euros por mês, que é aquilo que alguns professores têm de pagar por um T0 aqui no Algarve… em Lisboa será pior. O que estava a pensar é numa ajuda, 150/200 euros… se calhar até se podia criar uma escala, em que quem está num horário completo recebesse menos do que quem está num horário mais reduzido…

          De qualquer forma, tal como sugere, concordo que um eventual subsídio deva ser pensado de forma a servir o sistema.

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 20:47

          Eu percebi isso tudo, mas não é ironia, é sarcasmo? Percebe a diferença?! E não acha desagradável? desnecessário?sobretudo chegar ao ponto de colocar a linha de apoio à vítima aqui?! Se não percebe que fugiu à argumentação com esse tipo de coisas que são sobretudo ataques pessoais… que é que quer que lhe diga!

          E registo que mais uma vez não respondeu? Os Juízes e os deputados, alguém os obrigou a candidatarem-se para os luares? No caso dos Juízes, alguém os obrigou sequer a tirar o curso de Juízes?! Por mais que pense, não consigo ver diferenças para os professores… e você não me está a ajudar!

        • Rib on 30 de Novembro de 2019 at 19:01
        • Responder

        Eu já corri o país todo de norte a sul e ilhas…e nunca tive apoio. E ainda hoje me encontro bem longe de casa, onde efectivei já com 42 anos. Sempre assumi as minhas escolhas. Nunca desisti de uma colocação…cheguei a ir para o interior alentejano com 16h e já sabia para o que ia…não andei por lá a chorar. Trabalhei para a aquecer! Sim, trabalhei! Mas ao concorrer para lá já tinha noção do que me esperava. Agora concorrer por concorrer sem saber o que esperam? Nahhh isso não…toda a gente sabe o q lhe espera se ficar colocado longe…portanto não quer passar pelo que prevê não concorre! Haverá certamente mais colocações em substituições em zonas mais confortáveis…é uma tendência. Eu vejo desta forma…mas é apenas a minha opinião.

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 19:27

          Pois, só que os tempos mudam e essa forma de pensar já era. Não perceber as mudanças das sociedades é normalmente um erro que traz contratempos, maiores ou menores…. aquilo que estamos a ver é que em muitas zonas dos país, ou há algum tipo de compensação ou os meninos ficam sem aulas. E a minha opinião é que a tendência é para a coisa piorar… parece que já hã quem tenha acordado para ele, uns conseguer ver a coisa depressa, outros demoram mais uma bocadinho… e outros não conseguem sequer ver mesmo quando já toda a gente viu!
          Isto não é uma critica pessoal a ti, é apenas a minha forma de ver as coisas, obviamente diferente da tua… eu também já lecionei longe de casa e não me queixei, mas os tempos mudaram muito!

          • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 19:51

          Se não quer ir para longe, não concorra para longe.

          Se é do quadro pode sempre rescindir se não quer estar longe.

          Os colegas que estão depois de si nas listas vão agradecer.

          Volto a repetir a pergunta:
          – Alguém o obrigou a concorrer?
          – Foi sujeito a qual tipo de pressão psicológica ou física para concorrer para longe?
          – Precisa de ajuda?
          – Se precisa pode ligar para aqui: 116 006 A chamada é gratuita e confidencial.
          Boa sorte colega e não tenha medo de pedir ajuda e denunciar, lembre-se que não está só.

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 20:01

          Então? Onde é que ficou a conversa lá de trás em que dizia que se não concordava devia argumentar e não ofender?!

          Você aparentemente ainda não percebeu que eu não preciso nem estou em condições de receber subsídio nenhum, e como está a ficar sem argumentos para rebater o que escrevo partiu para o ataque pessoal… você é mesmo moderadora do blogue, ou li mal lá atrás?!

          Vá beber um cházinho, dizem que ajuda! 😉

          • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 20:14

          1º Não sou moderadora do blog.

          2º A minha argumentação teve o propósito de demonstrar o quanto a sua argumentação era ridícula.
          Ou acha mesmo que eu estava a falar a sério quando o mandei telefonar para o número de telefone do Apoio à Vitima?
          Mas se não é vitima, não se faça de vitima. Ninguém é obrigado a concorrer.

          3ª Sou uma das moderadoras do chat do blog e confesso que não tenho tempo para lhe dar muita atenção. Mas fica bem entregue nas mãos do Tareco e dos outros. Isto é: a minha moderação é muito esporádica.

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 20:25

          1º Não tem tempo para responder aos meus argumentos, mas tem tempo para escrever coisas completamente desnecessárias sobre a polícia e linhas de apoio, etc’!?

          2º Onde é que eu me fiz de vítima?! VOU ESCREVER PELA ENÉSIMA VEZ, NÃO ESTOU EM CONDIÇÕES DE RECEBER NENHUM SUBSÍDIO NEM PRECISO DELE, ESTOU A DEFENDÊ-LO PARA QUEM ACHO QUE REALMENTE PRECISA.

          3º Então e os Juízes e Deputados? Continua a achar que faz sentido receberem subsídio?! È que não me respondeu, e eu pergunto-me, seguindo o seu raciocínio, se alguém os obrigou a concorrer para aqueles locais, ou às eleições quando já sabiam que tinham de trabalhar em Lisboa?! Afinal qual é a diferença em relação aos professores? Ou defende que eles devem apresentar queixa na polícia porque os obrigaram a concorrer?! Olhe que é estranho, eu costumo vê-los a saltar de alegria quando são eleitos… se calhar é uma forma diferente de se expressarem!

          • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 20:39

          Paulo Anjo Santos

          Mas será que ainda não percebeu que o comentário da queixa na Polícia foi ironia para expor o ridículo de quem concorrer, fica no local para onde concorreu ,e ainda vai choramingar para a televisão e jornais, que ficou longe de casa?

          Sabe o que significa ironia? Sentido figurado, expressões simbólicas, etc.?

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 22:19

          (Vou repetir este comentário porque ficou fora do local próprio, espero que agora acerte)

          Eu percebi isso tudo, mas não é ironia, é sarcasmo? Percebe a diferença?! E não acha desagradável? desnecessário?sobretudo chegar ao ponto de colocar a linha de apoio à vítima aqui?! Se não percebe que fugiu à argumentação com esse tipo de coisas que são sobretudo ataques pessoais… que é que quer que lhe diga!

          E registo que mais uma vez não respondeu? Os Juízes e os deputados, alguém os obrigou a candidatarem-se para os luares? No caso dos Juízes, alguém os obrigou sequer a tirar o curso de Juízes?! Por mais que pense, não consigo ver diferenças para os professores… e você não me está a ajudar!

      • Nuno Couto on 1 de Dezembro de 2019 at 19:40
      • Responder

      Ah Xaninha!

    • PROFET on 30 de Novembro de 2019 at 18:30
    • Responder

    Pois… a questão da Educação Tecnológica… Fazem um Perfil do Aluno todo bonitinho, em que consideram “essencial” o adquirir as aprendizagens essenciais de Educação Tecnológica, mas depois, na área de Educação Artística e Tecnológica do 3º ciclo colocam Educação Tecnológica como opcional e dão apenas um total de175 minutos semanais para EV, TIC e ET (ET, se por acaso a escola optar por colocar como oferta de escola, opcional). Para além disto, desde há cerca de quase 15 anos, só entraram para o quadro de efetivos 3 professores de Educação tecnológica (se não estou em erro, mas perto andará) porque não abrem vagas no concurso externo, e nas escolas não formulam horários completos e anuais, pudera, com uma carga de 1 tempo semanal (o que é vergonhoso para uma disciplina prática) será sempre difícil isto acontecer… e claro, como não dá para ter horários completos, os de 14h, 18h, etc. anuais não são considerados necessidades permanentes, ou seja os professores andam a lecionar uma vida inteira como contratados, numa precariedade vitalícia. Estes “Srs.” é só fachada e estão a enterrar bem fundo o ensino em Portugal, o futuro avizinha-se negro e está bem próximo.

    • CM on 30 de Novembro de 2019 at 20:21
    • Responder

    A Sorceress não defende o subsídio de mobilidade (vamos dar-lhe este nome), porque o mesmo seria aplicado no Algarve. Ora, existiriam pessoas a ficar lá em vez dela que lá reside. Não perceber que o preço das casas está astronómico para qualquer pessoa, que aos 40 ninguém devia dividir quarto com desconhecidos, etc, é só revelador de falta de empatia.

      • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 20:32
      • Responder

      Pois, eu também estou a residir no Algarve já há uns anos e não é por isso que não acharia a medida justa e eficaz em alguns casos mais complicados… na volta mora aqui ao lado de mim! 🙂

      • Rib on 30 de Novembro de 2019 at 21:23
      • Responder

      Será que não há habitantes algarvios ou lisboetas candidatos a professor? Que já lá vivem e querem dar aulas! Se não existem subam os ordenados, tornem a carreira atraente e vão vê-los a sair de debaixo das pedras.
      Sabe a quantidade de docentes que não aceita a sua colocação? E não estou só a falar nas zonas do Algarve ou de Lisboa. Isto tem de ser combatido e penalizar quem n quer trabalhar para onde se candidata.
      Sabe o que acontece nos Açores? Sabe pq existem prioridades? Durante anos centenas de professores do continente concorriam para os Açores só por concorrer e depois desistiam. A região resolveu o problema rápido…vamos dar uma prioridade que beneficia quem aqui quer trabalhar, inclusive para os docentes açorianos…que em x de saírem da sua zona de conforto e irem trabalhar para longe passam a serem beneficiados pq eles querem trabalhar aqui. Voilá. Dp aparecem colegas a aclamar aos céus que as prioridades são uma discriminação isto e aquilo qd nem se quer percebem a sua origem!

        • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 21:53
        • Responder

        Rib, candidatos há mas obviamente que não há suficientes em alguns grupos, eu estou em Lagos e os contratados são quase todos do norte, é incrível, ainda ontem falei com duas colegas, uma de Guimarães outra de Fafe. Concorrem para ali porque se concorrerem para mais perto não conseguem colocação. Também concordo que as penalizações deviam ser maiores para quem concorre e não aceita o lugar, mas acredito que muitos deles concorrem porque pensam que conseguem arranjar um sitio barato onde ficar, e a maioria não consegue… uns assumem o prejuízo, outros fazem contas à vida e tomam outra opção.
        Seja como for, isso pode atrasar em alguns casos a colocação do professor, mas o problema é que há casos em que não há mesmo candidatos, e nem em oferta de escola aparece nenhum… eu conheço casos desses já no ano passado, neste deve haver ainda mais, aqui em baixo, quem está na direção começam logo «a rezar para que apareça alguém», quando têm que substituir um docente a meio do ano.

          • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 22:46

          Está em Lagos???
          Ainda melhor.
          Soube por um colega que Câmara de Lagos começou este ano arrendar casas e quartos e professores….. agora o melhor está para vir.

          UM T0 É ARRENDADO PELA CÂMARA DE LAGOS DURANTE A ÉPOCA BAIXA POR QUASE 700 EUROS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! E DURANTE A ÉPOCA ALTA NEM ALUGA AO MÊS LOL LOL LOL

          PARABENS COLEGA, CONSEGUIU FICAR NUM CIDADE QUE DÁ INCENTIVOS AOS SEUS PROFESSORES LOL LOL LOL LOL

          O colega mandou-me uma cópia do mail que recebeu com os preços… quando os vi ia-me dando ou coisa ruim!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 23:04

          E o que é que quer dizer com isso? Sinceramente não estou a perceber?! É o primeiro ano que estou em Lagos, ou seja, estou lá há 3 meses, tenho casas em Portimão e concorro aqui à volta… mas sei que os preços em Lagos são muito elevados… mas se é isso que está dizer, só me vem dar razão, ou não percebeu isso?! É por saber que há lá muitos colegas que vêm do norte e que as casas são muito caras que acho que se justificava um subsidio ou outra ajuda qualquer… acho que se está a baralhar toda no raciocínio…ou então continua a não ler o que escrevo!

          • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 23:17

          Ainda não percebeu?
          Estes são os preços oferecidos pela Câmara Municipal de Lagos aos professores!!
          Na época alta o preço passa para quase 15 euros por dia (fui ver agora lol).

          Fica mais barato um T0 num condomínio com piscina lol

          E se o colega tem CASAS em Portimão não tem que se queixar, para si até é bom que o valor das rendas vá aumentando.

          • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 23:29

          Óh Feiticeira, não leves a mal, mas o comentário despropositado que está lá em cima que fala do teu QI, começa a não me parecer tão despropositado como inicialmente…

          Estou eu aqui preocupado com o estado da educação em Portugal e com os colegas que estão em situação complicada devido aos elevados preços que têm de suportar por estarem deslocados e você fala-me dos elevados preços que a CM Lagos pratica?! E de que eu não devo estar preocupado porque tenho casas em Portimão?!

          Se a CM de Lagos pratica esses preços(desconheço), pior ainda, ou não? E eu alguma vez lhe disse que estava preocupado comigo?! Não me tenho fartado de lhe dizer o contrário…

          Pare um pouco para pensar se favor… aproveite e vá ler o meu comentário lá em cima que fala dos egoísmo dos portugueses….

          • Pardal on 1 de Dezembro de 2019 at 14:00


          Caro Paulo Santos, Vª. Exa. é uma verdadeira anedota

          Agora Vª. Exa. diz:

          “…eu estou em Lagos e os contratados são quase todos do norte, é incrível, ainda ontem falei com duas colegas, uma de Guimarães outra de Fafe. Concorrem para ali porque se concorrerem para mais perto não conseguem colocação.”

          O que é isto se não MÃO-DE-OBRA DOCENTE EM EXCESSO??????????

          – Ninguem se desloca de Guimarães e de Fafe para LAGOS se a carreira docente no Sistema Público de Educação não fosse apetecivel.

          – Ninguem se desloca de Guimarães e de Fafe para LAGOS se tivessem oportunidade de ganhar para a sopa no Norte do País.

          E tu Paulinho que dizes andar à 25 anos como contratado a dar aulas por gosto, vai dar banho ao cão. Porque o que tu gostas sei eu.

          Se fosse “por gosto” como dizes ser, montavas uma salinha de estudo e davas aulas gratuitas lá na tua terrinha.

          • Rui Oliveira on 1 de Dezembro de 2019 at 14:54

          O Sr. Pardal, tem noção do que escreve? Deve viver numa outra dimensão. Há seres humanos que conseguem ser mais selvagens que o mais selvagem dos animais.

          • Paulo Anjo Santos on 1 de Dezembro de 2019 at 14:33

          Eu é que sou uma anedota e você é que é insultado por tudo e por todos e continua por aqui… cada um convence-se do que quer! 🙂

          Ainda pensei em responder-te ao que escreveste mas não, enquanto não escreveres alguma coisa sobre o que te perguntei não perco mais tempo contigo:

          1. Se não há falta de professores, porque é que há dezenas de milhares de alunos que ainda não tem os professores todos?
          2. Esta situação tem-se verificados todos os anos ou está a agravar-se?

          PS: Eu sei que para ti (infelizmente para muitas outras pessoas) o dinheiro é tudo, se não fosse, não te prestavas ao ridículo de andares por aqui a espalhar a palavra do «grande líder» e ser enxovalhado por todos. E nem te passa por essa cabeça de periquito, que há pessoas que regem a sua vida não apenas pelo dinheiro… que é que queres que te diga, és um triste, tenho pena de ti, tanto por seres assim como pelo viveres bem com o enxovalho que aqui aguentas sem arredar pé. Há pessoas que por dinheiro se prestam a tudo, outros não… cada um escolhe o seu caminho!

          • Jorge Marques on 1 de Dezembro de 2019 at 20:57

          Paulo Santos, poder-me-ia dizer de que grupo eram esses docentes que se deslocaram de Guimarães?
          Obrigado

          • Paulo Anjo Santos on 1 de Dezembro de 2019 at 21:09

          Olá Jorge, uma é de Guimarães, outra de Fafe, sinceramente não sei os grupos, foi uma conversa no bar da escola, entre duas aulas e eu só estou há 3 meses na escola, elas entraram depois disso… tenho ideia que a de Fale é de EVT e a de Guimarães de Inglês, mas não tenho a certeza, se me deres um e-mail posso dizer-te depois, mas há lá muita outra gente do Norte, há um colega de EF de Matosinhos.

    • Vampiro on 30 de Novembro de 2019 at 22:09
    • Responder

    A Feiticeira não conhece a realidade continental, além disso está a atravessar um período difícil porque pensa que o 200 vai ser invadido pelo 300, fenómeno ao qual dá o nome de “vampirismo”.
    Dispara e hostiliza tudo e todos e diz coisas absolutamente irracionais.

    Por favor, vamos dar-lhe um desconto.

      • Feiticeira on 30 de Novembro de 2019 at 22:47
      • Responder

      Está em Lagos???
      Ainda melhor.
      Soube por um colega que Câmara de Lagos começou este ano arrendar casas e quartos e professores….. agora o melhor está para vir.

      UM T0 É ARRENDADO PELA CÂMARA DE LAGOS DURANTE A ÉPOCA BAIXA POR QUASE 700 EUROS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! E DURANTE A ÉPOCA ALTA NEM ALUGA AO MÊS LOL LOL LOL

      PARABENS COLEGA, CONSEGUIU FICAR NUM CIDADE QUE DÁ INCENTIVOS AOS SEUS PROFESSORES LOL LOL LOL LOL

      O colega mandou-me uma cópia do mail que recebeu com os preços… quando os vi ia-me dando ou coisa ruim!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

        • Paulo Anjo Santos on 30 de Novembro de 2019 at 23:07
        • Responder

        Tá toda baralhada… então se sabe disso, continua a achar que não se justifica um subsídio para quem nem imagina o que o espera?! Se o problema não for seu…

          • Rui Oliveira on 1 de Dezembro de 2019 at 9:57

          Paulo Santos, tem toda a razão, Além de ter razão consegue demostrar o porquê de os professores serem uma classe sem classe. Não é Senhora feiticeira. Triste povo este que só pensa no umbigo.
          A senhora feiticeira deve achar que os deputados são Portugueses de primeira e o resto deve ser me€&. Tenha juízo antes de escrever por favor.

    • Alexandra Almeida on 30 de Novembro de 2019 at 23:08
    • Responder

    QUE NINGUÉM LIGUE AO PARDAL…
    É UM ANORMAL…
    NEM É DOCENTE…
    É UM INDECENTE!

    • José Ferreira on 1 de Dezembro de 2019 at 0:59
    • Responder

    O Pardal é filho de pai incógnito!

    • Pau muito duro on 1 de Dezembro de 2019 at 15:12
    • Responder

    Este confronto de ideias (brilhantes) está a ser muito estimulante e dignificante.
    Continuem, por obséquio!

    • Eme on 2 de Dezembro de 2019 at 19:16
    • Responder

    Vendo bem sempre são mais dez aninhos a explorar e a desconsiderar os professores. Aspecto positivo é que estes vão terminar a carreira sem chumbar nenhum aluno. Sucesso total para uma sociedade futura entregue a bicharada…

    • Sergio Silva on 19 de Dezembro de 2019 at 19:54
    • Responder

    Penso que a notícia carece de um aprofundamento e melhor clarificação e que forma se pretende intervir e no que se espera realmente. No que toca à afirmação da Educação Tecnológica , que deixou de ser disciplina obrigatória no 3.º ciclo e passou a ser oferta de escola, ao ser afirmado que “É um grupo praticamente extinto. Só resistem os mais antigos” é autenticamente estratégia e de forma agressiva de a levar ao abismo. Pois eu e muitos outros não somos os mais antigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: