A verdadeira razão para o fim dos “chumbos”

A retórica tem sido muita, uns a favor, outros contra, mas ninguém fala da razão pela qual o governo vai avançar com esta medida, que é única e simplesmente financeira.

Os flexíveis e os inflexíveis têm-se degladiado, cheios das suas razões, argumentando pelo fim ou pela manutenção das retenções, mas nenhum fala do real interesse desta medida, poupar. Não está em causa o futuro da Educação, mas o futuro das finanças públicas, há que poupar. Na educação onde se deve investir, os políticos poupam.

250 milhões que não se gastam. As escolas que se desenrasquem, sem investimento para a aplicação destas medidas, sem recursos humanos, materiais…

Há que flexibilizar o futuro de uma geração.

Fim dos chumbos até 9º ano permite poupança de 250 milhões de euros

 

O chumbos até ao 9º ano deverão ser eliminados, segundo está previsto no Programa de Governo, o que deverá permitir uma poupança de 250 milhões de euros por ano ao Estado.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/11/a-verdadeira-razao-para-o-fim-dos-chumbos/

23 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Lelo on 4 de Novembro de 2019 at 11:24
    • Responder

    Mas ainda havia dúvidas da bondade da ação?

    Acrescento além do ÚNICO objectivo ser poupar há outro secundário. Que é ficar BONITO nas tabelas estatísticas de educação na CE.

    • CJ on 4 de Novembro de 2019 at 12:22
    • Responder

    O maior objetivo é criar ignorantes, são muito mais fáceis de manipular.
    Estratégia dos ditadores, já se esqueceram dos três F do botas?

      • Eu on 4 de Novembro de 2019 at 19:21
      • Responder

      É que é mesmo isso. Concordo em absoluto.

    • Maria on 4 de Novembro de 2019 at 12:38
    • Responder

    Qualquer animal social protege as suas crias e permite-lhes ganhar as habilidades indispensáveis à sobrevivência. É só.

    • Pardal on 4 de Novembro de 2019 at 12:47
    • Responder


    Esbanjar Dinheiro dos Contribuintes

    Esbanjar Dinheiro Público.

    Sim!…É disto que se trata. Criando postos de trabalho para professores em duplicado. Postos de trabalho completamente desnecessários.

    E querem os professores ser respeitados? Querem mesmo?…Não me parece.

    Há um conjunto dilatado de acéfalos que ainda não pegou numa folha de papel para fazer contas. Como referi ontem as contas fazem-se com muita facilidade.
    As retenções ficam anualmente por um valor que oscila entre os 250 MILHÕES e os 300 MILHÕES de Euros/Anuais – Numa Legislatura de 4 anos, este valor ultrapassa os 1.000 Milhões de Euros.

    Claro que isto cria um conjunto de MILHARES DE PROFESSORES DESNECESSÁRIOS e perfeitamente dispensáveis.

    Isto é apenas uma das INEFICIÊNCIAS da Escola Pública.

    Mas há mais. Urge atacar numa luta sem quartel a DUPLICAÇÃO DE PROFESSORES NO SISTEMA devido:

    – ás 10.000 Baixas Médicas Anuais que correspondem a 10% da mão-de-obra;

    – outros 10% de funcionários (Assistentes Operacionais e Assistentes Técnicos) de Baixa Médica.

    Este fenómeno corresponde a uma INEFICIÊNCIA com valor superior ao das Retenções.

    Por fim, existe ainda outro fenómeno que transporta mais acréscimo de Despesa Pública que está relacionado com o ECD e as progressões dos professores por Tempo de Serviço e não por Mérito. Aqui andaremos na ordem dos 130 Milhões de Euros Anuais de desperdício.

    Resolver estes problemas já no inicio da legislatura e com principal ênfase durante o ano de 2020 caberá à Dra. Alexandra Leitão e ao Drº. Brandão Rodrigues. Só esta articulação poderá trazer ganhos de eficiência.

    Temos que valorizar a Escola Pública.

    Temos que valorizar os seus protagonistas.

      • Gato Sócas on 4 de Novembro de 2019 at 14:03
      • Responder

      Pardais fritos
      Ingredientes
      16 passarinhos
      5 dentes de alho
      1 ramo de carqueja ou 1 folha de louro
      Sal q.b.
      1 colher de café mal cheia de pimenta cayenne
      Limão
      1,5dl de vinho branco
      Preparação
      Depois de arranjados, tempere os passarinhos com sal, a pimenta, os dentes de alho picados, as folhas de carqueja, o limão cortado em cubos com a casca e o vinho. Tape com película aderente e deixe a marinar durante cerca de 2 horas. Retire os passarinhos da marinada, escorra bem e frite-os numa mistura de azeite e banha.

      • Paulo Anjo Santos on 4 de Novembro de 2019 at 14:19
      • Responder

      Diz-me uma coisa, tu és contra alguma medida que este governo proponha ou execute?! Não vês que não tens credibilidade nenhuma aqui? Acusas com muita facilidade, chamas acéfalos a quem entendes que não percebe coisas que para ti são básicas, mas ainda não percebeste que, dada a tua postura, és completamente inútil, não tens credibilidade porque estás sempre do mesmo lado, não tens opinião, defendes este governo da mesma forma que um adepto de futebol fanático defende a sua equipa… e ainda te dás ao luxo de chamar acéfalo a outros?! Há muita coisa de que não tenho a certeza, mas desta tenho, ÉS O MAIS ACÉFALO QUE POR AQUI ANDA, PORQUE SIMPLESMENTE NÃO PERCEBES QUE JÁ NINGUÉM LIGA AO QUE ESCREVES, SE PERCEBECES ESSA COISA BÁSICA DEIXAVAS DE ESCREVER, OU MUDAVAS A TUA POSTURA…

      Em relação ao tema, sou daqueles que acha que é benéfica em alguns casos, é prejudicial noutros, por isso tenho dificuldade em expressar um sentido claro de voto… mas tenho poucas dúvidas de que a medida visa sobretudo poupar, o resto logo se vê… de qualquer forma acho para os professores acaba por facilitar, não é preciso grandes discussões à volta da retenção ou não de um aluno!

      • Caça pardais on 4 de Novembro de 2019 at 16:14
      • Responder

      Olá pardalito. Como tenho pena de ti. Não estou a ser irónico, é mesmo verdade. Não preciso de ter um parecer de um psicólogo ou de um psiquiatra para perceber o quanto és limitado. Talvez por isso deva agradecer a quem te deu a suposta licença para deixares as salas de aula. Coitados dos alunos que te passaram pela sala. Felizmente tiveram professores que conseguiam colmatar as falhas.
      Caros colegas tenhamos pena desta pobre alma. As limitações são evidentes e a falta de capacidade de pensar por si também o é.

      • TM on 4 de Novembro de 2019 at 21:16
      • Responder

      Pardaleco, pardaleco, que ridículo que tu és!!!

    • Lelo on 4 de Novembro de 2019 at 12:57
    • Responder

    Porque é que o Arlindo não bloqueia o ip e o mac address do troll Pardal?
    É apenas um troll. Não é uma pessoa fidedigna.

    • Alexandra Almeida on 4 de Novembro de 2019 at 13:23
    • Responder

    ALINDO, PELO AMOR DE DEUS… BLOQUEIE O ACESSO DESTA BESTA DO PARDAL!……..

    Vou gastar o meu latim para dizer como é que, se o governo quer “acabar com os chumbos”, a única solução viável PODE SER esta:
    À semelhança do Reino Unido, os alunos seriam divididos por níveis. Explico:
    Um aluno Muito Bom ou Bom na disciplina de Português, frequentaria as turmas A e B
    Se o aluno for médio, frequentaria as turmas C,D,E
    Se o aluno for fraco, frequentaria as turmas F,G…
    MAS este mesmo aluno que poderia ser muito bom a Português, poderia ser fraco a Matemática. E então, frequentaria as turmas A ou B a Português, mas as turmas F ou G a Matemática.
    Este exemplo é válido para TODAS as disciplinas do currículo.
    Ora, assim sendo, os docentes dão as aulas conforme os alunos que têm pela frente… E nas turmas mais fracas, slides, videos… tudo serve…
    No final dos 12 anos de escolaridade, vem o exame.
    Quem tem aproveitamento, recebe um diploma que lhes permite arranjar um trabalho decente, pois concluíram a escolaridade com sucesso. E se pretender ingressar numa universidade, terá o 13º ano com as disciplinas específicas para acesso ao curso que pretende.
    Quem não tem aproveitamento, fica com um Certificado de frequência na escola, que não lhe serve para nada, apenas diz que não é analfabeto.
    SE QUISEREM FAZER ASSIM EM PORTUGAL, tudo bem.
    MAS PARA ISSO é preciso criar estruturas. É necessário criar condições para que 1 aluno possa frequentar turmas de nível A ou B na disciplina X, turmas C,D,E na disciplina Y e turmas F ou G na disciplina K.
    Será preciso explicar muito bem à comunidade que a mudança é radical. Será que a tutela será capaz disso?
    Porque “abrir a cabeça dos garotos” e meter-lhes a matéria lá dentro não é possível…
    SE insistirem nesta ideia sem ser deste modo, é a morte da escola pública.
    Dentro de poucos anos, será impossível ter condições de aprendizagem. E depois…
    Quem tem dinheiro vai para os Colégios privados que não aceitam alunos com dificuldades de aprendizagem;
    Quem não tem posses para isso mas ainda pode “gastar um bocadinho”, põe os filhos nos Centros de Estudos onde vão aprender aquilo que não conseguem aprender nas escolas.
    E a escola pública será o refugo do povão. É isso que querem? Grandes socialistas!……..

      • HMM on 4 de Novembro de 2019 at 16:15
      • Responder

      Concordo. Já lecionei no Reino Unido nos tempos da crise. Não será o ideal mas funciona. Protege-se os melhores alunos e dá-se oportunidade a todos. Um abraço.

        • maria on 4 de Novembro de 2019 at 17:25
        • Responder

        HMM
        Na Alemanha acontece algo semelhante.
        Concluído o ensino primário , é feita uma triagem passando os alunos a frequentar uma de 4 escolas, cujas características ( mais “académicas” ou mais práticas) se adequam ao seu perfil (cognitivo e outros) .

        Usando as suas palavras : numa protegem-se os melhores alunos ; nas restantes – de tipo e exigência diferente – dá-se oportunidade a todos.
        E ninguém se queixa. Será que os alemães vivem no erro e não sabem?

          • HMM on 4 de Novembro de 2019 at 23:54

          No Reino Unido, discrimina-se os alunos por níveis de desempenho, tal como referido pela Alexandra Almeida, mas qualquer aluno pode subir ou descer de nível, ao longo do ano letivo, consoante o seu desempenho. Portanto, qualquer aluno, se demonstrar um desempenho melhor, pode subir para um grupo turma melhor. Por isso, eu afirmei que se dá oportunidade a todos. Ao proteger os melhores alunos, eu queria dizer: também proteger os melhores alunos e não só os maus. Por outro lado, ao termos os alunos divididos por níveis de desempenho, facilita a preparação das aulas. Como já referido, não é o sistema ideal, mas numa situação em que não há retenções não conheço melhor.

    • N. Ribeiro on 4 de Novembro de 2019 at 14:11
    • Responder

    O Pardal é um frustrado.

    Gostava de ser professor, mas nem isso conseguiu. O seu ordenado curto não lhe garante o status que queria alcançar, fruto da sua inteligência medíocre de quadro médio e não licenciado.

    Como militante socialista, Pardal obteve algum retorno social e mérito dos pares, que o utilizam, tal como na sua ocupação profissional, como veículo de comunicação de mensagens que não querem ser acusados de verbalizar.

    Pardal era um aluno satisfatório, mas limitado. A culpa era dos seus professores que não o preparam para o acesso a uma licenciatura que lhe desse o tão almejado curso.
    A sua filha é uma aluna satisfatória, mas também limitada. Com muito esforço tira alguns níveis quatro,mas Pardal não aceita e atribui o défice cognitivo da filha(e seu também) às práticas docentes que designa de incompetentes e ultrapassadas. A única alternativa era colocá-la no ensino privado de prestígio como tanto sonha, mas a prestação do carro e da casa não o permitem.

    Assim, Pardal,o frustrado, continuará toda a sua vida implicar com os professores.

    Coitado.

    • Paulo Anjo Santos on 4 de Novembro de 2019 at 14:25
    • Responder

    Há uma coisa que não percebo, talvez alguém aqui me consiga explicar (talvez o Pardal que tanto falou da poupança, será que sabe como ela é gerada?!). Porque é que esta medida leva a poupanças de 250 milhões de euros?! Os alunos que ficam retidos em algum ano letivo são normalmente os que só ficam no sistema até aos 18 anos. Ora, esses alunos vão obrigatoriamente ficar até aos 18 anos, só que em vez de estarem no 7º ou 8º com 18 anos vão estar no 10º, daí poucos passarão. Não estou a ver onde é que são geradas as poupanças?!

    • orquidea neves on 4 de Novembro de 2019 at 14:44
    • Responder

    A ineficiência da escola é consequência da existência de muitos professores? duplicação de professores? 10.000 baixas médicas? e porquê? Progressões nas carreiras não por mérito? Cada retenção onera em 5mil ou seis mil euros a despesa do estado? Desperdício na educação?
    Vá a um psiquiatra. Nem perco tempo com loucos.

    • Agnelo Figueiredo on 4 de Novembro de 2019 at 15:55
    • Responder

    Acabar com os chumbos e poupar dinheiro é muitíssimo fácil.
    O problema é que a escola se tornará muito mais seletiva. Apenas os filhos dos pais que reconhecem o valor da escola conseguirão realizar aprendizagens significativas. Os outros, a maioria, virá a engrossar o contingente dos trabalhadores não qualificados.

    • PROFET on 4 de Novembro de 2019 at 16:40
    • Responder

    Vai ser a detioração de todo o sistema de ensino… a pior medida de sempre que alguma vez poderia ser imaginada, quanto mais implementada. Ora vejamos, vou colocar-me na posição de um aluno: “Eh pá! Não vão haver chumbos? obaaaaaaa!!! Assim nem preciso de estudar nem de empenhar-me, né? Para quê, se vou passar na mesma! E para além disso posso abandalhar as aulas à vontade! Fixeeeeeee!!!”… E até mesmo aqueles que normalmente se empenham e comportam-se bem vão começar a ter as mesmas atitudes, pois irão pensar: “Aqueles colegas rufias da turma fazem tudo o que querem e estão-se a marimbar e passam na mesma, para quê estudar se vou passar também!”… E aqueles poucos que continuarem a ser empenhados e bem comportados, vão também ser prejudicados, por se verem metidos num contexto de atitudes e comportamentos desadequados dentro e fora da sala de aula, o que lhes irá dificultar e prejudicar as sua aprendizagens… Para os professores e funcionários, vem aí o inferno! Poupança? Onde? Avizinha-se um aumento das baixas médicas que poderão ascender ao dobro, triplo ou, quem sabe, mais. E, muito provavelmente, a percentagem de retenções no secundário irá aumentar significativamente. Quanto ao futuro do país, esse vai ser o espelho desta medida, pois o nível de conhecimentos e teor de atitudes e comportamentos irá ser afetado irremediavelmente… algo que irá começar logo a ser verificado nas baixas notas dos exames nacionais. E depois não digam que não avisei! Essa gentinha de poleiro… nem merece um desaforo da minha parte, pois teria muita dificuldade em escolher o mais apropriado.

      • TM on 4 de Novembro de 2019 at 21:14
      • Responder

      Concordo em absoluto… uma pergunta a FENPROF anda onde? Apoia ou esconde-se?

    • Eu on 4 de Novembro de 2019 at 16:41
    • Responder

    Com essa poupança os FP já podem ter aumentos?

      • Mais um enganado on 4 de Novembro de 2019 at 17:01
      • Responder

      Não. Com essa poupança já se pode pagar o acréscimo da despesa direta e indireta com o engordar do número de elementos no novo governo.
      Necessitam de verba para justificar que o aumento do governo não interferiu no atingir das metas. (Ou será das competências essenciais?!?!).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog