E Já Só Faltam 10 Anos Para 2025

 

Já em 2060, os pensionistas receberão só 30,7% daquilo que foi o seu último ordenado.

 

Em 2025, a sua pensão será menos de metade do último salário

 

Se o atual sistema de pensões se mantiver, em 2025 cada pensionista receberá de reforma menos de metade do que auferiu no seu último salário. Cálculos da Comissão Europeia indicam que a taxa de substituição será de 44,8%. E pior: em 2060 cairá para 30,7%.

Ainda que em 2013 a média da zona euro fosse inferior (taxa de substituição de 46,3%, contra 57,5% em Portugal), no último ano a que o estudo se refere o nosso país ficará muito aquém dos 38,6% de média europeia.

Estes cálculos estão patentes no documento Ageing Report e são consequência do envelhecimento da população, que se traduz na diminuição da população ativa, aliado às dificuldades económicas.

De acordo com o Público, se em 2013 o número de pessoas com mais de 65 anos era equivalente a 29,8% da população entre os 15 e os 65 anos, em 2060 será 63,9%.

Na perspetiva de economistas ouvidos pelo Público, o que falta é tomar medidas no sentido de mudar a adequação do valor das pensões.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2015/05/e-ja-so-faltam-10-anos-para-2025/

10 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • manuelavaz on 31 de Maio de 2015 at 21:20
    • Responder

    No meu caso isto é verdadeiramente animador!!!!!!!!! Estou neste momento com 36 anos de serviço completos e………………… 57 de idade. Segundo as regras actuais, reformar-me-ei em 2015….
    E pensar que eu comecei a trabalhar em 1978/1979 e continuei a estudar ao mesmo tempo. Um dos objectivos: reformar-me cedo, esperando ainda ter qualidade de vida para poder fazer muitas coisas.
    Eu fiz tudo bem, mas a realidade é que não só me tiram os anos de vida como ainda me tiram o montante de reforma para que descontei.
    E às tantas queriam que eu não estivesse revoltada.

      • Antonio Pinto on 31 de Maio de 2015 at 22:25
      • Responder

      Cara Manuela
      Estamos empatados, mas eu para não perder tudo com estes coiotes e como não temos sindicatos, solicitei a rescisão “amigável” como forma de capitalizar o diferencial perdido, com as penalizações na reforma aos 66A. Fiz uma progressão aritmética e verifiquei que a prejuízo era de +/- 120€/mês. Não tenho saudades da Escola.

    1. Tens de pagar a reforma dos outros que têm direitos adquridos!

  1. Continuem a trabalhar mais que as horas legais; a prolongar reuniões com inutilidades; a furar greves; a armarem-se em animadores culturais/guias turísticos/psicólogos/assistentes sociais; e acima de tudo nunca se esqueçam de mostrar a dentuça porque isso de andar de trombas “dá mau ambiente”.

  2. Com toda a justiça, andaram a queixar-se alguns pobres reformados de lhes cortarem 100 euros em pensões de 2000 e 3000 mil euros mensais. Um tribunal que se diz constitucional deu-lhes razão. Chegará o dia em que o Estado não terá 300 euros para dar a cada um dos novos pensionistas, e talvez nem uma sopa dos pobres…. Quero ver o que dirá o tal TC quando os mesmos continuarem a receber 2000 e 3000 mil e os outros 200 e 300. Invocarão o princípio dos direitos adquiridos ou o da igualdade?…

    • Litapeaies on 1 de Junho de 2015 at 11:03
    • Responder

    Sim mas os reformados de 2000 e 3000 euros também tem diderenças, alguns descontaram 40 e tal anos para a reforma.Uns foram aos 60 e poucos anos e outros aos 50 e poucos.Porque não congelar as reformas a quem se feformou por completo antes dos 50 até ganharem uma determinada % dos que estão no ativo? Porque não retirar a reforma a todos os políticos antes dos 6o e tantos anos?

      • anónimo on 1 de Junho de 2015 at 13:41
      • Responder

      E porque não congelar as reformas que ultrapassam os anos e os valores descontados? É que descontar 30 anos metade do que se recebe de reforma durante 40 anos… é mesmo ara afundar o país e deixar os que hoje trabalham à mingua num futuro muito próximo…

        • Fartodecongelados on 1 de Junho de 2015 at 14:22
        • Responder

        Esta é uma versão correta, pois realmente quem está no ativo nem tem uma vida digna no presente nem no futuro.Entretanto há fulanos que estão reformados há muito tempo, cheios de saúde(e querem chegar aos 500 anos) etem um nível de vida para andar a fazer cruzeiros.Sim a justiça social passa por aumentar os salários a quem está no ativo e não pode ir para o estrangeiro.Os jovens partem e ainda bem, tem mais que fazer que sustentar reformadosperétuos.

          • anónimo on 1 de Junho de 2015 at 15:57

          Pois, isso ninguém quer ver. Desconta-se durante 30 anos e vive-se 40 a usufruir de reformas altíssimas com valores muito superiores aos descontos feitos nesses 30 anos é mesmo para hipotecar as gerações mais jovens…. o pensamento é sempre o mesmo – “os que vem atrás que fechem a porta. Agora queremos DIREITOS”…
          Enfim

    • Ana Pinto on 2 de Junho de 2015 at 9:48
    • Responder

    Se não tivessem destruído emprego, se não tivessem mandado sair do país os jovens, se os interesses da Banca não fossem prioritários, se não tivessem destruído as pescas, se não tivessem destruído a agricultura, se não tivessem vendido empresas nacionais, se…….não estávamos assim!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: