18 de Dezembro de 2018 archive

Segue-se o “2.º Round” de negociações (ainda não acabou)

Rui Cardoso

Latest posts by Rui Cardoso (see all)

 

As negociações que hoje terminaram ainda dizem respeito ao inscrito no Orçamento de Estado para 2018. Mas, como bem sabemos, no Orçamento de estado para 2019, mantém-se a obrigatoriedade de se proceder a negociações para a recuperação do tempo de serviço congelado para efeitos de carreira. Foi isso que ficou aprovado na AR com os votos favoráveis do PSD, PCP e CDS. Como também se sabe, o OE para 2019 só entra em vigor a 1 de janeiro de 2019, logo terá que se dar início a novas negociações, independentemente do que resultou da negociação que terminaram hoje.

Os sindicatos já falam em novas lutas para 2019, mas esperamos que tenham aprendido com as de 2018 e que inovem na forma de luta. Já demos conta que o governo não deu grande crédito pressão exercida. Já sabemos que vai haver quem fique prejudicado com a “luta” e que vão tentar fazer dos professores o “bicho papão”. Esquecem-se que deste lado o “bicho papão” são eles…

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/12/segue-se-o-2-o-round-de-negociacoes-ainda-nao-acabou/

Não Digam que Não Foram Avisados

Não abram a pestana que não é preciso!

 

Autonomia A 100% Na Dependência das Autarquias?

 

Teremos As Escolas PIPP (E As Escolas PIPIs)

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/12/nao-digam-que-nao-foram-avisados/

Reação de Mário Nogueira sobre a intransigência do ME

Rui Cardoso

Latest posts by Rui Cardoso (see all)

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/12/reacao-de-mario-nogueira-sobre-a-intransigencia-do-me/

Comunicado conjunto das Finanças e da Educação após a reunião suplementar sobre a recuperação de tempo de serviço dos professores

Rui Cardoso

Latest posts by Rui Cardoso (see all)

 

Comunicado conjunto das Finanças e da Educação após a reunião suplementar sobre a recuperação de tempo de serviço dos professores

Realizou-se hoje, por solicitação das estruturas sindicais, a reunião suplementar da nova negociação relativa à proposta de decreto-lei sobre a recuperação de tempo de serviço, tal como resulta da Lei do Orçamento do Estado de 2018 e da Lei do Orçamento do Estado de 2019.
Mais uma vez verificou-se a posição de intransigência das estruturas sindicais, que não apresentaram qualquer proposta que permitisse aproximar as posições entre as partes. Pelo contrário, mantiveram-se inflexíveis na recuperação dos 9 anos, 4 meses e 2 dias, apesar de essa solução ter sido expressamente rejeitada na votação na especialidade do Orçamento do Estado de 2019.
Assim, porque o Governo considera que este impasse não deve prejudicar os professores, avançará com a solução apresentada em decreto-lei para aprovação em Conselho de Ministros, que permite que todos os professores recuperem 2 anos, 9 meses e 18 dias, assegurando o equivalente a 70% de uma progressão, o mesmo que resultou da aplicação da lei para todos os outros funcionários públicos. Com esta proposta, assegura-se que entre 2019 e 2023 a carreira docente será uma das que terá maior valorização remuneratória em toda a administração pública, com um aumento médio acumulado de 19% e um custo total, nesse período, de cerca de 750 milhões de euros.
Desta forma, mesmo sem o acordo das organizações sindicais, e sem que a recuperação do tempo fizesse parte do seu Programa de Governo, no qual foi inscrito o compromisso de descongelamento das carreiras, o Governo não deixará de reconhecer, através do referido decreto-lei, a recuperação de tempo de serviço docente, tendo por referência uma visão integrada do sistema de emprego público, num paralelismo com a diversidade de carreiras e dos respetivos mecanismos de desenvolvimento remuneratório.
Com esta negociação, e face à ausência de elementos novos, o Governo considera concluído o processo negocial relativo à recomposição da carreira dos educadores e dos professores dos ensinos básico e secundário.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/12/comunicado-conjunto-das-financas-e-da-educacao-apos-a-reuniao-suplementar-sobre-a-recuperacao-de-tempo-de-servico-dos-professores/

Já não são 600 milhões, mas 750 milhões… Não há acordo!

Rui Cardoso

Latest posts by Rui Cardoso (see all)

ME e Sindicatos não chegaram a acordo e os números tiveram um aumento de 1/4 do valor indicado inicialmente… Não sei em que calculadora andam a fazer as contas.

 

“Com esta proposta, assegura-se que entre 2019 e 2023 a carreira docente será uma das que terá maior valorização remuneratória em toda a administração pública, com um aumento médio acumulado de 19% e um custo total, nesse período, de cerca de 750 milhões de euros”, refere o gabinete de Mário Centeno, na mesma nota.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/12/ja-nao-sao-600-milhoes-mas-750-milhoes-nao-ha-acordo/

Cartoon do Dia – Do DL 54… – Paulo Serra

Rui Cardoso

Latest posts by Rui Cardoso (see all)

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/12/cartoon-do-dia-do-dl-54-paulo-serra/

Sobre as férias dos docentes de baixa médica

Rui Cardoso

Latest posts by Rui Cardoso (see all)

 

Recomenda-se aos colegas a quem as secretarias “ameaçaram” “cortar” dias de férias, devido ao suposto efeito “suspensão de contrato” que se informem bem! Alguns agrupamentos estão a ler/interpretar abusivamente a lei. As férias NÃO vencem caso o docente permaneça de baixa após o término do ano civil! Transitam para o ano civil seguinte e podem ser gozadas em Agosto,dois dias por cada mês, incluindo os meses em que se esteve de baixa.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/12/sobre-as-ferias-dos-docentes-de-baixa-medica/

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog