adplus-dvertising

Outro Extraordinário? Será? Irá mesmo acontecer? Veremos…

 

Ainda não resolveram os problemas deste concurso extraordinário, já lhes andam a “pressionar” outro…

Não seria de pressionar para que os problemas do último fossem resolvidos?

Se alguém não está satisfeito, será de protestar, e muito, agora, porque amanhã pode ser tarde e ver-se ultrapassado mais uma vez…

Talvez estes “pressionantes” pressionem um novo diploma de concursos, antes da abertura do novo concurso extraordinário, e se lembrem que em vez de nos distribuírem por três filas o façam em apenas uma…

 

Governo pressionado a vincular mais 3500 professores já em 2018

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/08/outro-extraordinario-sera-ira-mesmo-acontecer-veremos/

102 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • José Jorge on 30 de Agosto de 2017 at 14:19
    • Responder

    A política a falar mais alto! Sabemos que não há lugar para muito mais! Já há ultrapassagens de todo o tipo dentro dos QE por serem muitos e os lugares poucos! E a redução de alunos?

      • Pinguim on 30 de Agosto de 2017 at 18:38
      • Responder

      .
      Portugal – Número Total de Nascimentos

      1960 = 213.895
      1970 = 180.690
      1980 = 158.309
      1990 = 116.321
      2000 = 120.008
      2001 = 112.774
      2002 = 114.383
      2003 = 112.515
      2004 = 109.298
      2005 = 109.399
      (…)
      2012 = 89.841
      2013 = 82.367
      2014 = 82.367
      2015 = 85.500
      2016 = 87.126

      Fonte: PORDATA

      https://www.pordata.pt/Site/MicroPage.aspx?DatabaseName=Portugal&MicroName=Nados+vivos+de+m%C3%A3es+residentes+em+Portugal+total+e+fora+do+casamento&MicroURL=14&

      O sistema de ensino VAI CONTINUAR A PERDER ALUNOS devido á evolução demográfica.

      “Outro Extraordinário? Será? Irá mesmo acontecer? Veremos…”

      Há aqui qualquer coisa que não encaixa.

      Se o número de alunos diminui progressivamente a conclusão óbvia é que o Número Total de Docentes alocado ao Sistema também diminua. A não ocorrer esta situação algo vai mal. Muito mal mesmo. Talvez má gestão dos recursos humanos e dos dinheiros públicos.

      .

        • Zé do Boné on 30 de Agosto de 2017 at 18:40
        • Responder

        .
        O MEC tem um Gabinete de estatística o que lhe permite fazer projeções a longo prazo.

        A evolução da população é determinante no que se irá passar a nível de necessidades do Sistema de Ensino.

        O que podemos ver em termos de evolução da população é uma acentuada diminuição da Taxa de Natalidade. Logo menos necessidades de equipamentos e de mão-de-obra no Setor da Educação.
        .

          • Programa Nacional Natalidade on 30 de Agosto de 2017 at 18:43

          .
          ULTIMA HORA

          O Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, propõe-se tomar medidas no sentido de alterar a evolução da população.

          No sentido de alterar o Número de Nascimentos em Portugal será colocado em cada Agrupamento de Escolas um Macho Latino. O Coordenador deste Programa Nacional será ZÉZÉ CAMARINHA.

          https://www.youtube.com/watch?time_continue=2&v=2Hv1uPfbJig
          .

      • rc@ on 30 de Agosto de 2017 at 18:47
      • Responder

      “Talvez estes “pressionantes” pressionem um novo diploma de concursos, antes da abertura do novo concurso extraordinário, e se lembrem que em vez de nos distribuírem por três filas o façam em apenas uma…”

      Por imposição da FENPROF, com o compromisso da secretária de estado, Alexandra Leitão, (alvíssaras para Vítor Godinho, o pai mor deste novo Diploma de Concursos), conseguiu-se o inimaginável: estragar o que estava bem e introduzir um conjunto de normas que prejudicam muitos e poucos ou nada beneficiam. Mas foi um compromisso da geringonça. Deste modo, com PAPAS e BOLOS se enganam os tolos.
      Em vez de três filas, façam apenas uma e verão se não é mais justo para todos.
      Só os menos atentos é que não viram que este diploma ia dar problemas. Este se não é o pior diploma de concursos, deve andar lá perto.
      A embrulhada é tão vasta que só há uma alternativa: Negociação imediata de um novo Diploma de Concursos e de seguida um NOVO Concurso, em todas as suas etapas.


      1. Acontece que o modelo de concurso com as “diferentes filas” foi introduzido porque houve um concurso com fina única para contratados que queriam integrar a carreira (mas só nas vagas que ocupam ano após ano sem que sejam disponibilizadas aos QE). Relembro que um dos pressupostos da entrada dos contratados no quadro por VE, em 2014, era o de que concorreriam ao 1º concurso interno a todas as vagas de QE da sua zona, prática usual a todos os QZP antes de 2013, motivo pelo que muitos dos atuais QE estão longe de casa e impossibilitados de aproximar, sendo esta a lógica de, ao terem sido ultrapassados por docentes a contrato que não vincularam seguindo as normas instituídas para a contratação e vinculação em funções públicas. passam a beneficiar da 1ª prioridade no Concurso Interno.

        • Alexia on 31 de Agosto de 2017 at 11:17
        • Responder

        Na primeira fase do CI para suprir as necessidades permanentes já houve fila única. Na MI, também, para quem não tinha horário, fosse QE/QA ou QZP. Mas há sempre alguém que não está satisfeito, pois muitos consideram que o concurso de docentes existe para suprir as necessidades dos docentes e não do sistema.
        (Embora este ano fique a sensação que também foi para suprir algumas necessidades individuais… hum… ou talvez seja o vírus da teoria da conspiração… hum…. ou então talvez haja meia dúzia de iluminados encarregues destas coisas dos concursos que se distraiu ou fez asneira… ou não percebiam nada da coisa… Arre!)

      • António on 31 de Agosto de 2017 at 10:03
      • Responder

      No documento: O Recrutamento de Trabalhador Publico, emanado da provedoria da justiça é referido que o concurso público:
      “a) Decorre do conceito de concurso aplicado ao recrutamento de trabalhadores (2.1.), que envolve uma sequência lógica necessária
      (2.2.);
      b) Implica a organização e condução do concurso segundo princípios essenciais que decorrem do enunciado do artigo 47.º, n.º 2, da Constituição da República Portuguesa (CRP), que consagra o
      «direito de acesso à função pública em condições de igualdade e
      liberdade, em regra por via do concurso». E, concomitantemente,
      a observância de garantias que constituem regras de atuação necessárias
      (2.3.).”

      • António on 31 de Agosto de 2017 at 10:09
      • Responder

      Provas de que as VE foram e são concursos que de forma alguma se poderiam ter realizado à luz da nossa legislação, sejam abertos por portaria, por decreto ou por ideologia política:
      “No que se refere à necessidade do recrutamento, a aferição desta cabe ao
      dirigente máximo do serviço. No entanto, a necessidade só é configurável
      para efeitos da abertura de concurso depois de ter sido, por esta ordem,
      esgotada:
      a) A possibilidade de ocupar o posto de trabalho através de trabalhador
      em mobilidade especial;
      b) A possibilidade de recrutar através de «outros instrumentos de
      mobilidade» (rectius, mobilidade interna e cedência de interesse
      público);
      c) E a reserva de recrutamento constituída no âmbito de anterior
      procedimento de recrutamento ou de concurso destinado unicamente
      a esse efeito.
      Trata-se de uma aplicação do artigo 22.º, n.º 1, alínea c), e n.º 3, do regime
      de administração financeira do Estado (…)
      Sem a demonstração de que não é possível a utilização de qualquer uma
      das referidas vias para concretizar o recrutamento de trabalhador não é
      possível decidir validamente pela abertura de concurso.”

      In O Recrutamento de Trabalhador Público – Publicado pela provedoria da justiça.

        • António on 31 de Agosto de 2017 at 10:13
        • Responder

        “1.1.1. A REGRA DA PRECEDÊNCIA DO RECRUTAMENTO
        INTERNO
        A lei estabelece uma precedência legal no recrutamento de trabalhador por tempo indeterminado, impondo que primeiro se recrute quem tenha uma relação jurídica de emprego por tempo indeterminado. A regra constitui um instrumento de controlo do número de trabalhadores e da inerente despesa pública e um instrumento de gestão racional dos recursos humanos, decorrentes dos princípios da prossecução do interesse público e da boa administração, que exigem, v.g., que a realização da despesa
        pública obedeça aos requisitos da «economia, eficiência e eficácia».
        Esta precedência significa que, em regra, a necessidade de recrutamento de trabalhador deve, primeiro, ser assegurada através de um «concurso interno», isto é, um concurso limitado aos trabalhadores com relação jurídica de emprego por tempo indeterminado, e que só depois de esgotadas as possibilidades de recrutar internamente, e certificada esta, se pode realizar um «concurso externo», mediante «parecer favorável dos membros do Governo responsáveis pelas finanças e pela Administração Pública»”

        In O Recrutamento de Trabalhador Público – Publicado pela provedoria da justiça.

          • António on 31 de Agosto de 2017 at 10:15

          “Coloca-se a questão de saber se é possível abrir um «concurso misto », isto é, aberto simultaneamente a candidatos com relação jurídica de emprego por tempo indeterminado e a candidatos sem esta (quer com
          relação jurídica de emprego por tempo determinado ou determinável quer sem qualquer relação jurídica de emprego público anterior). O recrutamento de candidato sem relação jurídica de emprego por tempo indeterminado só pode acontecer quando exista «impossibilidade de ocupação» do posto de trabalho por trabalhador com relação jurídica de emprego por tempo indeterminado. A «impossibilidade» reporta-se ao recrutamento e este só acontece ou se concretiza pela constituição da relação jurídica de emprego.
          Significa isto que o controlo do princípio segundo o qual não se pode recrutar um trabalhador sem relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado sem previamente se ter apurado a impossibilidade de se recrutar um trabalhador com relação jurídica de emprego público
          indeterminado se tem de verificar «sempre», relativamente a qualquer procedimento de recrutamento, tenha este sido organizado a partir de um concurso interno ou a partir de um concurso externo.”

          In O Recrutamento de Trabalhador Público – Publicado pela provedoria da justiça.

          • António on 31 de Agosto de 2017 at 10:29

          Não basta dizer que a única forma de vincular estes docentes foi através das VE, é falso, a grande maioria dos docentes que estão no quadro não entraram com concursos desta natureza, esta foi a forma de poderem despachar uns quantos professores do privado para o sistema sem que houvesse grandes ondas, porque as ondas foram a da ultrapassagem dos contratados em relação aos do quadro, não a dos privados passarem a contar como se sempre estivessem estado no público.
          É pena a FENPROF, a FNE. o BE e o PCP terem uma cegueira pré-eleitoral tão grande que fecham os olhos a esta imoralidade.
          Proposta – vou iniciar uma petição para ser feito pelo SIGRHE a contabilização do número de docentes sindicalizados em cada sindicato, para se saber com certeza o peso de cada uma destas instituições na política educativa, facilmente as escolas transmitem estes resultados, basta saber quem desconta para onde. Penso que continuar a fechar os olhos e deixar que os Srs. Mário Nogueira e João Dias da Silva continuem a validar e invalidar políticas educativas representando uma minoria dos professor não está certo.

    • paula on 30 de Agosto de 2017 at 14:33
    • Responder

    Aconselho os professores do Norte a terem filhos para contribuírem um pouco para o aumento de natalidade a norte do país. A sul vejo cada vez mais crianças e o problema da natalidade na minha zona de residência não existe. Parece-me que falam como se o país fosse todo igual e não é! Os professores do norte vinculam a sul e não querem esses lugares, depois querem refazer listas para irem para o norte do país… acho que o que está mal é isso! querem mobilidades por doença e fazem tudo para voltar para uma zona onde de facto não existem crianças e a população decresce (a Norte). Resumindo existem ex. 1000 lugares a sul que são ocupados por 900 professores do norte (só 100 são do sul), esses 900 querem ir para perto da residência onde não existem horários. Só vejo uma solução ou mudam de residência ou não concorram para QZP do Sul. Agora não digam que não existem vagas e que as escolas estão a abarrotar, isso é a realidade do norte do país (é a minha análise a uma situação que não se resolve com mudanças constantes de diplomas e regras de concursos).

      • Contribuinte Indignado on 30 de Agosto de 2017 at 18:48
      • Responder

      .
      “Outro Extraordinário? Será? Irá mesmo acontecer? Veremos…”

      Mais outro concurso para meter mais professores e depois temos professores a dar 6 Horitas de Aulas e a ganharem o Salário por Inteiro.

      O Ministério se tem gente a mais deve é mandar esta maralha para o QUADRO DE DISPONÍVEIS.

      Isto é delapidar DINHEIRO PÚBLICO.

      Os CONTRIBUINTES não devem pagar para gerar EMPREGO FICTÍCIO.

        • Contribuinte Indignado on 30 de Agosto de 2017 at 18:57
        • Responder


        Porreiro Pá!……

        Isto com a chamada Geringonça é a BANDALHEIRA TOTAL.

        Nogueira….Nogueira….diz à malta que vai tudo para professor nem que só tenham meia turma para dar aulas…..

        O que importa é AUMENTAR A DIVIDA PÚBLICA.

        O Dinheiro dos CONTRIBUINTES serve para gerar EMPREGO ARTIFICIAL.

        Quando for pedido NOVO RESGATE ao FMI e à UE vai tudo para o QUADRO DE DISPONÍVEIS e cortam-se os salários aos restantes.
        —————————————————————
        O Ministério se tem gente a mais deve é mandar esta maralha para o QUADRO DE DISPONÍVEIS.

        Isto é delapidar DINHEIRO PÚBLICO.

        Os CONTRIBUINTES não devem pagar para gerar EMPREGO FICTÍCIO.

          • Pedro on 31 de Agosto de 2017 at 8:26

          Uns com meia turma outros com vinte a tal turmas.
          É uma autentica palhaçada.
          Gostava de saber onde estes políticos se formaram.

          • Xoné on 3 de Setembro de 2017 at 11:23

          Podiam dari aulaz aus maix velhus purque tem muituy vilhus a ptizizarem de aptenderi… o fotoro é dos veilhus.

        • paula on 30 de Agosto de 2017 at 19:36
        • Responder

        leia o que escrevi! isso acontece no Norte.

          • Contribuinte Indignado on 30 de Agosto de 2017 at 21:36

          .
          na sua zona não existe problema de Natalidade. MUITO BEM

          Mas existe um GRANDE PROBLEMA DE NATALIDADE em PORTUGAL.

          Mais Professores para quê?????????????????????????????
          .

      • Paulo Trinta Florim on 31 de Agosto de 2017 at 2:01
      • Responder

      o comentário mais idiota do ano. Este fenómeno acontece desde sempre e em várias áreas. Na Polícia, no exército, no ensino. é muito comum os nortenhos terem de ir efetivar a Lisboa para depois tentarem voltar. O que a menina não diz e nao sabe é ter de andar anos a fio longe da família a sacrificar-se.

      • gin on 31 de Agosto de 2017 at 11:47
      • Responder

      Paula_Corroboro. Sou do norte e tenho trabalhado a contrato sempre no sul e confirmo tudo o que disse.
      Aliás, trabalhei com centenas de colegas contratados do norte a trabalhar no sul, com filhos, (em situações em tudo idênticas mas na sua maioria piores do que os que se têm queixado agora) aguentaram o barco.
      As pessoas querem efetivar a todo custo, candidatando-se a zonas que não têm interesse apenas para garantir o seu lugar de quadro..e dp não têm a responsabilidade de assumir as suas escolhas!

    • Contratada1975 on 30 de Agosto de 2017 at 14:36
    • Responder

    Novo concurso para todos em 2018, este ano foi uma vergonha para TODOS! QA/QE/QZP/ Contratados, devíamos fazer uma petição!

    • anabela on 30 de Agosto de 2017 at 14:37
    • Responder

    Muito bem reponham a justiça que há tantos deixa os professores contratados na precariedade… mas façam novo Concurso Interno, este ano foi uma vergonha! A petição devia ser para realizar novo Concurso para TODOS no próximo ano e não para anular uma lista!

    • palermices on 30 de Agosto de 2017 at 14:39
    • Responder

    Os sindicatos ainda se vão lembrar de colocar numa prioridade para os candidatos do Interno acederem ás vagas da VE para nos calar e depois quero ver, porque só querem saber de prioridades e de sócios. O MEC está farto de saber que a VE é um concurso público que não pode ter esse tipo de regras para selecionar, é como escolher pela cor dos olhos, é inconstitucional! Esperem para ver não tarda nada só vamos ver ideias brilhantes!

      • Joana Lemos on 30 de Agosto de 2017 at 16:27
      • Responder

      Se é inconstitucional parem com isso, temos que fazer uma queixa à provedoria, mas que é isto? VE atrás de VE e nós mumificados sem vagas! Se elas existem para os contratados não existem para nós porquê?

        • manuek on 30 de Agosto de 2017 at 17:22
        • Responder

        Já tens a tua escola

          • Virgulino Lampião Cangaceiro on 30 de Agosto de 2017 at 18:55

          Isto é algum argumento?
          Se, por exemplo, forem abertas 3000 vagas e todos os professores dos quadros puderem concorrer a elas, os que ficarem com as novas vagas libertam outras para os VE. Basta tratar do assunto “vagas a não recuperar”.

    • Ana on 30 de Agosto de 2017 at 15:53
    • Responder

    Os Qzp´s têm o lugar assegurado, foram colocados para locais onde concorreram e gostariam de estar (como é lógico…) e ainda se queixam!

      • paula on 30 de Agosto de 2017 at 17:25
      • Responder

      Queixam-se porque vincularam no sul e querem trabalhar no Norte.

        • Marmelo on 30 de Agosto de 2017 at 17:38
        • Responder

        Se eu concorrer para entrar nos quadros da Sonae como diretor de Marketing em Lisboa, será que posso dizer ao “Tio Belmiro” que o que eu queira mesmo era ter essa função em Bragança? Com a agravante que é um efeito bola de neve… Ano após ano os QZPs “libertam-se” do seu QZP e criam “falsas” vagas nos quadros para contratadas que voltam a vincular a sul e que logo a seguir pedem destacamento para Norte. Se continuasse assim daqui a uns 10 anos teríamos dezenas de milhares de QZPs 7, 8, 9 e 10.

          • paula on 30 de Agosto de 2017 at 19:33

          eu sei disso, por isso não compreendo as queixas, concorrem para a Madeira, Açores e Sul do continente para depois (quando entram nos quadros) irem para o Norte do país, é claro que o Norte está cheio de professores. Mas concordo que reduzam o números de alunos por turma, em zonas problemáticas tantos alunos problemáticos dão cabo da cabeça de qualquer professor, ainda por cima não temos apoios….de outros professores (falo do que conheço em escolas superlotadas de alunos)

    • Raios partam isto tudo! on 30 de Agosto de 2017 at 15:56
    • Responder

    Mais uma injustica!! Mais milhares de vagas para os contratados às quais o pessoal do quadro não poderá concorrer???? Então abriram o concurso interno com uma miséria de vagas e agora mais um concurso extra? Estou farto desta política. Onde estão os horários???? É SÓ INJUSTIÇA. Desde 2013 que é esta porcaria e ainda não chega???? O BE e o PCP acham bem estas colocações. São justas??? Vão passear…para ser bem educado.

      • Pedro on 30 de Agosto de 2017 at 16:21
      • Responder

      Pensa um pouco, e verás qual o objetivo de tantos concursos extraordinários.
      Há professores a mais, e esta será a via mais eficaz para se verem livres de tantos professores, porque muitos vão ficar com horário zero.

        • Paulo Pereira on 1 de Setembro de 2017 at 2:18
        • Responder

        Ficando ou não com horário zero, a despesa para o Estado sobe quase para o dobro por professor. Um professor vinculado ao Estado com horário zero tem garantido o seu vencimento. Não percebo essa lógica de se verem livres dos professores.
        O que vai acontecer é um rombo nas finanças públicas à conta de gente idiota da extrema-esquerda. Onde se vai buscar o dinheiro para se pagar essa gente com horário zero? E, para paradoxo, garantir rendimento a gente que se sabe que vai ser improdutiva?

      • PLM on 30 de Agosto de 2017 at 16:23
      • Responder

      Temos que fazer como eles chamar os jornais e ir para a DGAE passar a noite, estamos fartos mas não fazemos nada e os sindicatos nada fazem… concordo se houver VE exigimos Concurso Interno com mais vagas, não nos podemos calar!
      É escrever para o PCP e para BE, fazer um movimento o raio que os parta… estou cansado disto. Temos que nos unir.

        • paula on 30 de Agosto de 2017 at 17:13
        • Responder

        Mas as vagas que abrem é para o sul! quere trabalhar no QZP 7 ou 10? se quiser …. o problema é que quem vincula num QZP deve lá permanecer, não se admite na escola dos meus filhos existirem imensos contratados e nem sequer terem apoios para os miúdos com mais dificuldades e a Norte terem professores a rodos! existem desigualdade a vários níveis. Todos os colegas que viviam e vincularam no meu QZP 7, estão satisfeitos e ficaram perto de casa.

      • Domingos on 30 de Agosto de 2017 at 16:28
      • Responder

      Vai receber o vencimento por completo agora em setembro? Eu vou estar no Centro de Emprego, 20 anos e 28 escolas depois.

      • PLM on 30 de Agosto de 2017 at 16:38
      • Responder

      Devíamos trocar emails e começar a movimentar-nos com protestos e o que for preciso os sindicatos não fazem nada pelos quadros, as injustiças pelas quais passamos, que dizem, alguém tem alguma ideia de como fazer isto? Vamos tentar?

    • Filipe on 30 de Agosto de 2017 at 15:59
    • Responder

    No final desta legislatura acabamos todos a centenas de kms de casa ou na requalificação com tantas entradas. Sabendo que mais de 2000 não têm ainda horário nesta altura como é que se pede novo extraordinário. Acho melhor acabar com os sindicatos antes que eles acabem connosco.

      • PLM on 30 de Agosto de 2017 at 16:37
      • Responder

      Devíamos trocar emails e começar a movimentar-nos com protestos e o que for preciso os sindicatos não fazem nada pelos quadros, as injustiças pelas quais passamos, que dizem, alguém tem alguma ideia de como fazer isto?

        • manuek on 30 de Agosto de 2017 at 17:20
        • Responder

        Despede-te e passa a contratado


      1. As VE já estão a ser julgadas em tribunal desde 2014, infelizmente a coisa tarda em vir, mas quando vier pode ser que rolem cabeças, é que a petição é de que seja impugnada a lista de colocação desse ano e subsequentes, o tribunal publicou a lista dos colocados em 2014 para se poderem apresentar como contra-interessados mas nenhum se manifestou, pelo que consentem que entraram pela porta do cavalo de forma ilegal. O processo é o 3176/14.6BEPRT no TAF do Porto. A iniciativa partiu de um grupo de colegas que em três dias juntaram 150 interessados que contribuíram para a abertura do processo. Como já disse, a justiça é cega, surda e demasiado lenta.

      • Laurinda Dias on 30 de Agosto de 2017 at 16:53
      • Responder

      Boa tarde Filipe,
      No Decreto-Lei n.º 28/2017 de 15 de março, onde foi republicada a legislação dos concursos, no Artigo 47.º -G, a Requalificação aparece
      (Revogado.) Assim sendo não há lugar a requalificações… nesse ponto pode estar descansado.

        • Filipe on 30 de Agosto de 2017 at 17:45
        • Responder

        Não há agora, quando forem muitos há de certeza. E se mudar de partido passa a haver no dia seguinte. Ou pensa que os outros vão pagar salários a 10000 professores sem horário, que é o que vai acontecer em breve.

          • Margarida on 30 de Agosto de 2017 at 18:08

          É isso mesmo!
          Se o governo mudar, volta logo a requalificação!
          Estão a brincar com a vida das pessoas!

          • Ana on 31 de Agosto de 2017 at 8:33

          E estes concursos têm como objetivo isso mesmo, mas à colegas super satisfeitos, que vem aí mais um concurso extraordinário.

          • Laurinda Dias on 30 de Agosto de 2017 at 18:14

          Boa tarde Filipe,
          Não sei que lhe diga….sou QA e já perdi a conta ao número de anos em que fui horário zero. Quase todos os anos se repete…sofrer até nova colocação ou retirada das listas.

        • Paulo on 31 de Agosto de 2017 at 8:31
        • Responder

        E desta forma, uns têm meia dúzia de horas, e outros estão totalmente sobrecarregados de trabalho (turmas+outras tarefas). Porque não aumentam o salário a que está super sobrecarregado?

          • Laurinda Dias on 31 de Agosto de 2017 at 11:07

          Bom dia Paulo,
          Não sei se corresponde à realidade. Já estive em escolas, como horario zero, a aguardar colocação na reserva de recrutamento e o meu horário de zero não tinha nada. Fazia tudo que eram substituições… estive tão perto da requalificação que ela ter sido revogada, nem que seja por algum tempo…

      • João da Ega on 30 de Agosto de 2017 at 18:43
      • Responder

      Não têm ainda horário mas vão ter. Os tais incompletos que toda a gente quer…

        • Emplastro(a) on 30 de Agosto de 2017 at 23:09
        • Responder


        Eu também quero um Horário Incompleto …..e já agora…..um Aumento de Ordenado…..
        .

          • Beto on 31 de Agosto de 2017 at 8:35

          Eu também.

          “Eles vão arranjar-me qualquer coisa que fazer, porque tenho horário zero”… É o comentário de muita gente!

    • João da Ega on 30 de Agosto de 2017 at 17:26
    • Responder

    Então os contratados não têm direito a um vínculo, depois de anos e anos a contrato?
    Há grupos em que todos os QZP foram colocados e ainda houve direito a contratações. A sul.
    Quem não queria trabalhar num determinado QZP não deveria ter concorrido para aí vincular. Haveria com toda a certeza contratados interessados nesses QZP.
    E acrescento que os “enganados” foram os contratados, que fizeram o seu concurso a pensar nos horários que costumam aparecer logo na CI nos anos anteriores. Alguns estarão em pânico ao perceberem que o facto de terem arriscado para tentarem cumprir os requisitos para a norma travão poderá significar (esperemos que não…) um ano sem colocação.
    E alguém os ouve reclamar?…

      • Joana on 30 de Agosto de 2017 at 17:46
      • Responder

      Então que cumpram os anos da norma (4 anos) e entrem, não com vagas imaginárias criadas pelos sindicatos.

        • manuek on 30 de Agosto de 2017 at 17:52
        • Responder

        Lei geral do trabalho

        • manuek on 30 de Agosto de 2017 at 17:52
        • Responder

        Não é imaginário

          • Virgulino Lampião Cangaceiro on 30 de Agosto de 2017 at 19:01

          A lei geral do trabalho não diz que têm de ser abertas 3000 vagas só para alguns.

          • Mara on 30 de Agosto de 2017 at 19:34

          A lei geral do trabalho fala em contratos sucessivos, não refere vagas abertas porque pessoas têm x ou y anos. A norma travão já garante o que diz a lei geral do trabalho, os extraordinários são invenções de partidos e sindicatos irresponsáveis.

          • João da Ega on 30 de Agosto de 2017 at 21:02

          Nem a norma travão garante o que diz a Lei Geral do Trabalho…

        • João da Ega on 30 de Agosto de 2017 at 18:27
        • Responder

        Vagas imaginárias?! Volto a referir que há QZP em que todos os docentes de quadro foram colocados e ainda houve contratações.
        Vagas imaginárias não há, lamento. Que todas as vagas deviam ir a concurso interno, isso é outra história.

          • Laura on 30 de Agosto de 2017 at 19:36

          Atualmente têm 2500 efetivos sem horário, podem vir na trabalhar mas muitos deles em horarios incompletos. Quer colocar mais mais 3000 mil nessas ou piores condições. Os contratados que forem necessarios cumprem os 4 anos sucessivos e entram pelas leis gerais, neste caso a norma travão. não precisa deste folclore do BE

          • João da Ega on 30 de Agosto de 2017 at 20:06

          Todos os que hoje são quadros cumpriram os 4 anos sucessivos, com horários anuais e completos no mesmo grupo de recrutamento para entrarem nos quadros?
          Tudo muda ao longo da história…

          • Fátima Carvalho on 30 de Agosto de 2017 at 21:27

          Muitos professores acomodaram-se e estagnaram no sofá.

          • paula on 31 de Agosto de 2017 at 9:40

          Como justifica os horários completos que vão para contratados? são vagas que os QZPs não querem, então para isso acontecer mandem os QZP preencher essas vagas

      • Fátima Carvalho on 30 de Agosto de 2017 at 21:26
      • Responder

      Sou QZP e concordo plenamente consigo. Acrescento que a seleção deveria ser feita submetendo os milhares de docentes do quadro a uma avaliação de conhecimentos e pedagógica. É terrível o que se passa em Portugal.

        • Contribuinte Indignado on 30 de Agosto de 2017 at 21:38
        • Responder


        Minha cara amiga

        Não posso estar mais de acordo consigo.

        Subscrevo na integra. Conte com o meu apoio incondicional.
        .

    • manuek on 30 de Agosto de 2017 at 17:50
    • Responder

    As pessoas se escolhem um QZP tem que assumir as suas escolhas

      • Fátima Carvalho on 30 de Agosto de 2017 at 21:28
      • Responder

      Nem mais, assim como qualquer QA/QE e contratado.

      • Tozé on 30 de Agosto de 2017 at 21:36
      • Responder

      Comentário típico de quem entrou pela porta do cavalo (VE) num QZP do seu interesse, e com menos graduação que os colegas de carreira que queriam essa vaga, e agora ainda quer acentuar essa injustiça…

      • Alexia on 31 de Agosto de 2017 at 10:36
      • Responder

      Há quem tenha escolhido vincular num QZP que, entretanto, bem depois da escolha ter sido feita, triplicou de área… E claro que me refiro a quem vinculou há uns aninhos atrás.

    • REAL on 30 de Agosto de 2017 at 17:52
    • Responder

    HA 2500 PROFESSORES EFETIVOS A AUFERIR SALÁRIO E SEM HORÁRIO NESTE MOMENTO. ALGUEM QUE AVISE OS JORNAIS DESTE FACTO ANTES QUE O BE LEVE A TODOS PARA A REQUALIFICAÇÃO E O PAÍS À FALENCIA. SERA ISTO QUE QUEREM OS SINDICATOS

      • Contribuinte Indignado on 30 de Agosto de 2017 at 21:41
      • Responder

      .
      Só há 2500 PROFESSORES EFETIVOS A AUFERIR SALÁRIO E SEM HORÁRIO NESTE MOMENTO.

      Ilustre Professor, olhe que são bastantes mais.

      Mas não faz mal. OS CONTRIBUINTES PAGAM.
      .

        • Albino Pinto Albino Pinto on 30 de Agosto de 2017 at 23:07
        • Responder

        Por acaso devem ser uns 100000. Tenha calma…

    • Alecrom on 30 de Agosto de 2017 at 19:58
    • Responder

    Eu posso testemunhar o facto de haver professores a mais; são os professores contratados. Esses sim, são demais.

      • Contribuinte Indignado on 30 de Agosto de 2017 at 21:43
      • Responder

      .
      Ilustre professor

      Olhe que NÃO…..Olhe que NÃO……

      Há Professores já com Vinculo ao Ministério a mais.

      Sabe o que vai acontecer um dia destes????????

      Eu sei. Nem é bom pensar nisso.

      .

    • Serafim Saudade on 30 de Agosto de 2017 at 20:01
    • Responder

    .
    Dívida pública cresceu quase 10 mil milhões no primeiro semestre

    Endividamento do Estado no final de junho de 2017 ascendia a 317,7 mil milhões de euros. No primeiro semestre, enquanto a dívida pública subiu 9,9 mil milhões, a dívida privada cresceu 1000 milhões.

    O endividamento público no final de junho ascendia a 317,7 mil milhões de euros, com um aumento de 9,9 mil milhões em relação a dezembro, revela uma nota de informação estatística publicada esta terça-feira pelo Banco de Portugal (BdP).

    http://expresso.sapo.pt/economia/2017-08-22-Divida-publica-cresceu-quase-10-mil-milhoes-no-primeiro-semestre

    ESTAMOS NO BOM CAMINHO
    .

      • Contribuinte Indignado on 30 de Agosto de 2017 at 21:52
      • Responder

      No Bom Caminho para afundar o País.

      Os professores ainda vão sofrer muito com estes excessos.

      Não vai demorar muito.

        • antonio on 30 de Agosto de 2017 at 22:45
        • Responder

        Sou do QA, estou longe de casa e porque é que os QZPs que foram colocados agora na MI e estão abaixo de mim na lista graduada ficaram em escolas que são mais perto!!!? A MI devia ser por lista graduada , independente de ser QA/QE ou QZP. Isso sim, era justo.

        A mudar, tem que se mudar tudo. Os QZPs têm sido amplamente beneficiados: quase sempre perto de casa enquanto quem arriscou ficar colocado em QE/QA mais longe, concorre à MI atra´s dos QZPs. Isto é miserável!!!

          • Contribuinte Indignado on 30 de Agosto de 2017 at 23:15

          .
          Este Governo que prometeu muito nada está a fazer. Por outras palavras, este Governo está a seguir a politica do Sr. Eng. José Sócrates e de Maria de Lurdes Rodrigues.

          Ampliou as injustiças e com as Vinculações Extraordinárias coloca em causa a estabilidade de todos aqueles que São Quadros de Agrupamento(QA) e que correspondem ás necessidades permanentes do Sistema Público de Educação.

          António Costa, Catarina Martins e Jerónimo de Sousa estão verdadeiramente empenhados em levar o País a mais um PEDIDO DE RESGATE.
          .

          • Alexia on 31 de Agosto de 2017 at 11:08

          Mas concorreu à frente dos QZP na primeira fase do concurso, ou não reparou nisso? E não se esqueça de que, nesta fase, os QZP estão a concurso, tal como os contratados, para suprir necessidades (supostamente) temporárias do sistema, ao passo que um QA a concorrer nesta altura está num lugar permanente (a não ser que não tenha horário e aí concorreu em 1ª prioridade), ou seja, está a concorrer para suprir as suas próprias necessidades de aproximação à residência… e não necessidades do sistema. O concurso existe para isso mesmo: suprir necessidades do sistema e não necessidades individuais.
          E se realmente acredita nisso de que os professores de QZP são beneficiados, porque não tenta mudar para o QZP da sua área de residência? Mas também poderia acontecer que andasse quase todos os anos em mudanças ou a chegar a Junho/Julho sem saber se ficava na escola em que estava ou não… Ou que ficasse colocado a 2 e 3 horas de viagem da sua residência… por quatro anos. Ou não. Mas também podia tentar a permuta… Mas mesmo assim, sempre correndo o risco de só ficar um ano na escola que lhe fora atribuída. Ah, vida de professor é difícil, não é? Seja QA/QE, QZP ou Contratado. Cada um com as suas especificidades, mas todos professores… Ah, bem, quer dizer… pela forma como se comportam… nem sempre parece que assim seja!

          • Que tal? on 31 de Agosto de 2017 at 11:39

          A colocação “devia ser por lista graduada , independente de ser QA/QE ou QZP” OU CONTRATADO. “Isso sim, era justo.”

    • Monhé on 30 de Agosto de 2017 at 23:38
    • Responder


    Sinto que estou a começar a ficar entalado….

    Os professores parecem Indignados……

    https://cdn1.newsplex.pt/media/2016/8/15/538991.jpg?type=artigo

      • Mário Nojeira on 30 de Agosto de 2017 at 23:42
      • Responder

      .
      Costa!….Não te preocupes que eu seguro a malta.

      Faço umas manifestações e um dia de greve para libertar energias e as tropas ficam mais calmas
      .

      http://2.bp.blogspot.com/-G7fAgbn5lEY/UFxlooKM8iI/AAAAAAAAZaY/AEmzJfRJRys/s1600/Mario_Nogueira_Fenprof_Lusa.jpg

        • fne + fenprof on 31 de Agosto de 2017 at 8:59
        • Responder

        A fenprof vai fazer uma conferência de imprensa no dia 1 de setembro ao invés de juntamente, com a FNE, se ter deslocado ao ME, logo na segunda-feira dia 28, e não saírem de lá até conseguirem falar com o ministro para republicar as listas com todos os horários. Esta gente continua a exigir a VE de mais contratados. É por essas e por outras que deixei de ser sindicalizada há 2 anos.

          • paula on 31 de Agosto de 2017 at 9:47

          Você vincula num QZP que não quer e isso sim deveria ser proibido, vincularam então teriam que trabalhar lá no mínimo 5 anos (é lá que a escola precisa de vocês e não no Norte em horários zero). Enganam quem com essa dos horários zero? Passam por cima de todos e ainda vem dizer que a escola está cheia de horários zero! Espero bem que o sindicato não vá atrás de gente que de honesta para mim tem pouco…. Vá para onde precisam de vocês e assim já podem dizer que não é necessário ter contratados com mais de 10,12,…. anos na precaridade a sul do pais

    • José Carlos Vinagre on 31 de Agosto de 2017 at 3:43
    • Responder

    Claro, a situação extraordinária e insuportável de trabalhar sem vínculo 10, 15, 20…anos tem de acabar. Se isso se faz com Vinculação extraordinária é outro problema.

    • António Silva on 31 de Agosto de 2017 at 13:16
    • Responder

    Como é possível colegas com filhos serem afastadas dos mesmos e parasitas sem filhos (que se aproveitam dos outros para terem alunos para lecionarem) ficarem ao lado de casa.?

    • António Silva on 31 de Agosto de 2017 at 13:46
    • Responder

    Como é possível colegas com filhos serem afastadas dos mesmos e parasitas sem filhos (que se aproveitam dos outros para terem alunos para lecionarem) ficarem ao lado de casa.?

    • gerimbeco . on 31 de Agosto de 2017 at 14:43
    • Responder

    Esta profissão é mesmo uma merdinha! Quando se fala em possibilidade de entrar para os quadros, de poder atingir alguma estabilidade, só se ouvem invejas, acusações e filhadaputisses!
    Como é que “não há lugar para muito mais”, se todos os anos milhares de professores contratados conseguem horários?
    Quando as reivindicações interessam a alguns, principalmente dos quadros, somos todos professores e tal, lutamos todos pelo mesmo, até se fazem manifestações brutais em lisboa!
    Curiosamente, não me lembro de ter lido, visto ou ouvido os “colegas” do quadro manifestarem-se quando nós, contratados, carne para canhão, que levam com o lixo que eles não querem, com os horários de merda que sobram depois de eles se terem banqueteado, manifestarem a sua indignação por muitos milhares de colegas terem sido roubados no tempo de serviço; terem sido ultrapassados por outros, por exemplo, pela sacanice da norma travão; terem sido roubados no direito a concorrer a um lugar de trabalho no grupo 120 pelas merdas efetuadas pelo ministério da educação e pelas direções e secretarias das escolas; pelo facto de ainda não termos sido admitidos nos quadros, tendo mais de 10 anos de serviço; pelo facto de estarem a ser atribuídos horários do grupo 120 a docentes que nem sequer possuem formação para tal!
    Nessas situações e em milhões de outras, em que os “colegas contratados” são tratados abaixo de lixo, como se fossem escravos, não vi esta histeria, não vi a “força dos sindicatos”, não vi nem ouvi nada.
    Só agora, que lhes toca na pele é que lembram que “somos todos professores”?
    Claro que não são todos os professores do quadro que pensam e agem desta forma, mas são muitos, demais a pensar e a agir assim.
    Se houvesse unidade enquanto classe, podíamos estar melhor, mas somos como o país, pequeninos…

      • Contribuinte Indignado on 31 de Agosto de 2017 at 15:46
      • Responder

      .
      Tu és um gajo com um crânio…..Tu é uma INTELIGÊNCIA!…….

      Badameco ….então!….Com que então!…….” Como é que “não há lugar para muito mais”, se todos os anos milhares de professores contratados conseguem horários? ”

      És mesmo um PARVALHÃO. O que me assusta é andares a fazeres que dás aulas……dasseeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee…………..

      Estuda estatística….faz projecções antes de regurgitares aquilo que te puseram na latrina à hora de almoço.

      BANDALHO
      .

        • gerimbeco . on 31 de Agosto de 2017 at 15:58
        • Responder

        Não deve ser professor, porque se fôr, é uma vergonha ver alguém tão mal educado nesta profissão.
        Fico admirado como conseguiu escrever “regurgitares” sem dar erros.
        A capacidade para ouvir a opinião dos outros é que nos distingue dos animais irracionais.
        Quanto a si, não existem diferenças!

          • Contribuinte Indignado on 31 de Agosto de 2017 at 16:10

          .
          Tinha vergonha de ser professô……é gente que não sabe fazer mais nada na vida.

          Triste….muito triste…..

          Vai em frente Professô Gerimbecosssssss……Tu és um um crânio…..Tu é uma INTELIGÊNCIA!.

          O Sistema Público de Educação precisa de ti. Fazes análises brilhantes.
          .

          • Elisabete Mateus on 31 de Agosto de 2017 at 18:17

          E a ala de psiquiatria de um qq hospital precisa de ti!!

          Concorre que tens futuro!!Não podes é ser tão mal educado que o pessoal lá não está para te aturar!!

          • gerimbeco . on 31 de Agosto de 2017 at 18:22

          Certamente faço análises mais capazes do que as suas, que estão ao nível de um parasita idiota que nem sabe o que diz.
          Provavelmente vive à custa do rendimento mínimo, e passa o dia a mamar minis sentado no café, enquanto eu e outros como eu tentamos incutir alguma educação na manada que gerou.

          • Contribuinte Indignado on 31 de Agosto de 2017 at 19:55

          .
          “parasita idiota” é Vª Exa. Sr. Professô gerimbeco e outros iguais que andam a COMER O DINHEIRO DOS CONTRIBUINTES. Sim….de todos aqueles que produzem riqueza no País.

          Disto não tenho qualquer dúvida.

          Mas repito!… O Sistema Público de Educação precisa de si e outros iguais, porque quanto mais depressa afundarem isto, melhor é. Um dia explico a razão desta afirmação.
          .

      • Contribuinte Indignado on 31 de Agosto de 2017 at 15:50
      • Responder

      .
      Vai trabalhar para a Caixa de um Hipermercado, para um Call Center, para o Balcão de uma loja, para repositor, para a Construção Civil. para a apanha do tomate no Alentejo…….que prestas um melhor serviço à Economia Portuguesa.

      Isto precisa é de gente que trabalhe e não de gente que faz profissão a salivar.
      .

      • paula on 31 de Agosto de 2017 at 20:34
      • Responder

      Concordo, somos tratados muito mal pelos do quadro ( agora não querem mais vinculações! tem medo de quê?). Ainda bem que não são eles a mandar…

        • Virgulino Lampião Cangaceiro on 1 de Setembro de 2017 at 14:04
        • Responder

        Coitadinha, tão mal tratada pelos do quadro… Ainda não apresentou queixa na polícia?

    • Constança BACANO de Sousa on 31 de Agosto de 2017 at 15:57
    • Responder


    Eu sou a dos INCÊNDIOS, mais conhecida pela Ministra de Pedrogão Grande.

    Se o fogo está a alastrar entre os Professores eu envio para aí os Bombeiros Espanhóis e aquele avião Canadair que Marrocos emprestou.

    Tenham calma que nós tratamos disso.
    .
    http://mediaserver2.rr.pt/newrr/constancaurbanosousa_castelopaiva_130816_fotojosecoelholusa2201998d.jpg

      • José Alberto AZEDO Lopes on 31 de Agosto de 2017 at 16:14
      • Responder

      .
      Eu José Alberto AZEDO Lopes, o Ministro das Armas de Tancos.

      Se os Professores estão revoltados podem ir a Tancos buscar armas se ainda lá estiverem algumas…..
      .
      http://static.globalnoticias.pt/storage/DN/2016/dn2015_detalhe_topo/ng5699975.jpg

        • Tiago CAGÃO Rodrigues on 31 de Agosto de 2017 at 16:18
        • Responder

        .
        Eu sou o Tiago CAGÃO Rodrigues, Ministro das Guitarradas.

        Eu vou tocar mais um fadinho para vos embalar.
        .
        http://www.nivelsuperior.com/web1/wp-content/uploads/2015/12/mw-1920.jpeg

          • Menino Tonecas on 31 de Agosto de 2017 at 17:34

          .
          Ó Tiaguinho…..olha que a malta está a ficar farta desta trampa……..

          Afina lá a guitarra e toca aquela musiquinha

          Fui ao jardim da Celeste

          Fui ao jardim da Celeste, giro-flé, giro-flá.
          Fui ao jardim da Celeste, giro-flé-flé-flá.
          O que foste lá fazer, giro-flé, giro-flá.
          O que foste lá fazer, giro-flé-flé-flá.
          Fui lá buscar uma rosa, giro-flé, giro-flá.
          Fui lá buscar uma rosa, giro-flé-flé-flá.
          Para quem é essa rosa, giro-flé, giro-flá.
          Para quem é essa rosa, giro-flé-flé-flá.
          É para a…, giro-flé, giro-flá.
          É para a…, giro-flé-flé-flá
          .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: