A Entrevista de João Casanova ao Jornal Sol

sol - mais dois meses 2

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2014/01/a-entrevista-de-joao-casanova-ao-jornal-sol/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Contratado on 24 de Janeiro de 2014 at 18:10
    • Responder

    O meu comentário a esta entrevista e a tantas outras é simplesmente o seguinte: Mas porque “carga-d’água” é que nunca há um entrevistador à altura e que realmente faça as perguntas mais pertinentes, fica sempre o dito pelo não dito! Esta entrevista para mim vale zero para variar!

      • Tu e Eu on 24 de Janeiro de 2014 at 19:27
      • Responder

      Essa é fácil…
      Porque são entrevistas solicitadas pelo entrevistado e não o contrário.

        • Professora on 26 de Janeiro de 2014 at 10:30
        • Responder

        Muito bem observado colegas (“contratado” e “Tu e Eu”). Já agora gostaria de pegar em 3 ou 4 aspetos da entrevista:

        – “os docentes que entrarem não terão horário-zero” – então e os que já entraram para o sistema há muitos anos, também garante que deixarão de ter horário zero? E os desterrados também poderão aproximar-se de casa, já que também têm direito à estabilização que apregoa?;

        – “600 lugares = a horários anuais e completos” “6000 aposentados + 800 rescisões = 2000 novas vagas”; Por favor alguém do MEC disponibilize todas as listas ao Sr. Secretário e não apenas uma amostra representativa das mesmas!!!!

        – “Quero sublinhar que estes profs (novos vinculados) não vão passar à frente dos que estão nos quadros. Vão entrar para QZP e não para QE”. É só olhar para as listas de ordenação e colocação da mobilidade interna e constatar, exatamente, o inverso. 1º fez um concurso externo e depois é que abriu o concurso nacional interno e externo permitindo as ultrapassagens, se isto não é passar à frente, não sei o que será????

        – “horários COMPLETOS anuais” – todos os horários que não são completos ficam a dever-se à vossa “racionalização de recursos”, isto é, mais despedimentos e menos condições de trabalho com os alunos.

        – “Estamos a trabalhar para a estabilidade” – então concretize-a abrindo vagas em QE e não em QZP gigantes que não se coadunam com uma vida profissional e familiar de milhares de profs.

        – “Concurso externo extraordinário” – Basta o concurso NACIONAL INTERNO E EXTERNO, MAS COM AS VAGAS REAIS, que permitirá a mudança de quadro e o ingresso nos mesmos.

        – Sr Secretário não mande “areia para os olhos dos profs, porque nem quadro nem contratados andam a domir!!!!!!!

    • João Pestana on 25 de Janeiro de 2014 at 20:16
    • Responder

    Mais uma vez os professores que durante anos a fio andaram no PRIVADO, vão passar a perna ao pessoal contratado que andou no PARTICULAR.
    Deixem ser o tempo do serviço a contar e não o TEMPO DE SERVIÇO EM ESCOLAS PÚBLICAS e verão o que vai acontecer…
    JÁ VI ESTE FILME ANTES… OH SE VI!

      • João Pestana on 25 de Janeiro de 2014 at 20:17
      • Responder

      Queria dizer… Vão passar a perna a quem andou no Público…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: