Das Ilhas

Se o Ministério pretende sair bem disto e não atrasar mais o concurso interno bem que podia publicar a lista de colocações ao concurso externo extraordinário e abrir novamente o concurso para os candidatos das ilhas.

E se algum desses candidatos das ilhas ocupassem uma das 603 vagas que estiveram a concurso o MEC abria excepcionalmente mais lugares de QZP para esses docentes.

É que tenho quase a certeza que isso não ia acontecer.

O MEC foi condenado a admitir ao concurso os sócios do SDPA

 

SPRA TINHA RAZÃO!

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2013/04/das-ilhas/

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. A proposta do Arlindo seria uma saída airosa para o MEC. Não tenho dúvidas que é isso que vai acontecer.

    1. Os candidatos que estão nos Açores e Madeira, normalmente são os que têm uma classificação profissional mais baixa, salvo uma ou outra excepção. Assim o MEC praticamente não teria de abrir nenhuma vaga adicional porque estes candidatos não teriam hipótese de chegar a um lugar elegível. Logo o MEC pode ir por esta via, pois os prazos estão a esgotar-se para se dar início ao concurso ordinário a tempo de as etapas serem cumpridas sem atrasos significativos de forma a não se comprometer o início do ano escolar.

        • ginbras on 10 de Abril de 2013 at 16:33
        • Responder

        fia-te nisso. conheço mts contratados das ilhas com mais de 15 anos de serviço!

      1. Penso que nas R A existem colegas que ao abrigo do DL 29/2001 têm melhor graduação do que 20.145. no grupo 910. Nós continentais estamos a esquecer que esse decreto tambem é para as “Ilhas”.

    • Helena Mendes on 10 de Abril de 2013 at 12:30
    • Responder

    Mas não é isso que os sindicatos querem. Essas agremiações sinistras sabem bem que nenhum contratado das ilhas reune condicoes para vincular dentro das 603 vagas.
    O que os sindicatos querem é criar condições para uma última negociata de contratados.

    Espero que, desta vez, o ME seja sério e não claudique face à chantagem miserável dos sindicatos.
    A verdade é que os contratados têm muito mais razão para confiar no MEC do que nos sindicatos.

    Força, ministro Crato! Ponha estes mercenários na ordem e nao admita que os contratados sejam uma vez mais usados como mercadoria ilegal.

      • ferpin on 11 de Abril de 2013 at 15:38
      • Responder

      Você detesta mesmo os sindicatos. Você confia mais no MEC como protetor dos contratados, quando o MEC pretende que não sobre praticamente nenhum quando isto acabar, incrível.
      Será que suspeita que os sindicatos além de quererem despedir os contratados ainda querem abusar sexualmente deles? Não vejo alternativa melhor, mas aguardo…

    • Mena on 10 de Abril de 2013 at 16:08
    • Responder

    Espero que seja assim.
    O objetivo dos sindicatos é só proteger os professores que já estão no quadro e impedir que os cotratados entrem

  2. Este concurso foi uma treta desde o início, CANCELEM-NO e lancem as vagas no concurso interno.

    • Maria on 10 de Abril de 2013 at 20:07
    • Responder

    Pois … eu, recuso-me, MAIS UMA VEZ, a entrar nessa do “caguem mas é nas ilhas e bora lá com isto…” . Ou as coisas funcionam bem de uma vez e para todos, ou cancele-se o concurso extraordinariamente torto!!!! ALIÁS, cancele-se o extraordinário absurdo com base na nova ordem do GASPAR: ninguém mexe, ninguém respira, ninguém vincula.

    • Maria on 10 de Abril de 2013 at 20:09
    • Responder

    E isso do “os das ilhas não apanhavam nenhuma vaga e não”, é um bocado como “você não entra neste restaurante porque tem cara de quem não tem dinheiro”.

    • Helena Mendes on 10 de Abril de 2013 at 20:41
    • Responder

    Desejo, Maria, uma rapida mobilidade especial também para si e que o desemprego subsequente lhe seja agradável.

    Porque merece!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: