adplus-dvertising

Confirmadas Mais 44 Anulações de Contratos

… no Agrupamento de Escolas Manuel da Maia.

Se entretanto quiserem perceber algumas das razões para a actuação da IGE podem pesquisar neste blog o nome do Agrupamento, ou então ir directamente aqui, aqui ou aqui.

Quem no fundo sofre são os professores que na maior parte das vezes não tiveram qualquer responsabilidade pelas graves actuações destas direcções. Mas quando o primeiro director tiver de pagar do seu bolso o ordenado de um professor contratado que perca o lugar, garanto que nunca mais voltam a acontecer estes problemas.

 

“A escola onde lecciono recebeu um ofício do Ministério da Educação que manda anular todos os contratos de 44 dos professores contratados, porque alegam terem sido baseados num processo de selecção ilegal… processo esse inicialmente aprovado pelo próprio Ministério. Não é de gritos?
Aproveito para agradecer o apoio incondicional demonstrado por todos os alunos da escola… SÃO GRANDES! Maiores qu………e tudo o resto… apenas lamento que o Ministério não os tenha em conta. Mas os 44 contratados desta escola manterão a mesma qualidade de ensino e amor que nos motiva, até virem outros que nos substitua. E, não… não vamos embora sem luta! Lamento por todos os colegas que não foram colocados mas isto é corrigir um mal com outro. Isto é revanche danosa de todos aqueles que deveriam ser os mais protegidos…os alunos. O meu coração está negro….

P.S.: E quando nos unirmos em luta, aí sim, ficaremos TODOS de luto. E agradeceremos todo o apoio de alunos, restantes professores, e encarregados de educação. Uma UNIÃO de toda a communidade colectiva.”

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2012/10/confirmadas-mais-44-anulacoes-de-contratos/

72 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • jose on 17 de Outubro de 2012 at 23:13
    • Responder

    Pois, pois,, sim sim são os alunos que querem especificamente estes prof., pura contra-informação.

      • Carolina on 18 de Outubro de 2012 at 0:24
      • Responder

      é triste qd colegas da nossa profissão se ataam uns aos outros! e pelos vistos o sr josé esta mt bem colocado e como um ótimo professor que deve ser, esta a marimbar-se para os seus alunos….

    • Kelinha on 17 de Outubro de 2012 at 23:40
    • Responder

    Boa noite!
    Já alguém denunciou uma oferta de escola com o esclarecimento da DGAE? Se sim, podem partilhar como “construíram” a reclamação?
    Obrigada

    • Paulo on 17 de Outubro de 2012 at 23:47
    • Responder

    Isto é uma vergonha ser dito por professores. Deviam ter vergonha e ir para casa sem falar nos alunos. Que exemplo são estes professores e este Director corrupto para os alunos? Não queria os meus filhos a serem ensinados por esta escumalha…

    1. Vergonhoso é o que o sr Paulo diz. Já alguma vez trabalhou em TEIP???conhece essas realidades???? eu gostava de saber que culpa é que os professores acima têm! se alguém tem culpa é o ministério que em agosto aceitou estes critérios. ou será que em agosto eram viáveis e hoje nao sao? Será que os amiguinhos dos ministros estao fora e incomodados com isso? tenham dó! é muito triste ler este tipo de comentarios….

        • TB on 18 de Outubro de 2012 at 18:43
        • Responder

        Os colegas têm culpa, pois deixaram-se selecionar, apesar de saberem que a escola estava a atropelar a lei.
        Ou será que reclamaram da própria colocação? Bem sei que estão agora numa situação difícil, mas alguma vez chamaram a atenção do diretor a este respeito? Como podem educar os seus alunos ao nível da cidadania se são coniventes com situações destas? Desculpe lá cara colega, mas o sr Paulo tem razão.

          • inhaa on 21 de Outubro de 2012 at 11:52

          Se a/o colega fosse colocada/o numa escola onde já esteve para dar continuidade ao seu trabalho, etc, etc… não aceitaria o horário?
          Muito me orgulha saber que há pessoas assim tão altruístas! Parabéns!

        • TB on 18 de Outubro de 2012 at 18:58
        • Responder

        Os professores têm culpa pois, apesar de saberem que a lei estava a ser atropelada, nada fizeram para parar a situação. Ou será que alertaram o diretor da escola a esse respeito? Bem sei que os colegas estão numa difícil situação, mas a lei tem de ser cumprida. Como podem estes professores educar a nível cívico os seus alunos, se são coniventes com estas situações? Desculpe cara colega, mas o sr. Paulo tem razão.

        • pras on 18 de Outubro de 2012 at 19:03
        • Responder

        Muitos dos que reclamaram conhecem a realidade TEIP tanto ou melhor que vocês, mas ficaram colocados em escolas que seguiram a lesgislação, sendo por isso ultrapassados por colegas melhor colocados e que por isso ficaram, com todo o direito, com o lugar. Por isso não me venha falar em realidade TEIP como justificação para ocupar um lugar de um concurso público que não obedeceu às regras que devem reger esse mesmo concurso, ficando apenas colocados alguns com base em amiguismos e compadrios. Uma vergonha…

        • pras on 18 de Outubro de 2012 at 19:15
        • Responder

        Muitos dos que reclamam conhecem a realidade TEIP bem melhor que a senhora, não tiveram foi um diretor que “atropelou” a lei para favorecer o amiguismo e o compadrio. Trabalharam em escolas TEIP que seguindo a lei selecionaram os candidatos melhor graduados, que obviamente mereciam o lugar. Andaram a gozar o prato beneficiando de lugares que jamais ocupariam se não estivesse bem “apadrinhados” e finalmente alguma justiça foi feita. Tenham vergonha…

        • scrpereira on 18 de Outubro de 2012 at 20:04
        • Responder

        Há uma pequena diferença entre critérios e subcritérios, tal como também há entre “tranches de 5” e um aviso “urgente” no site do Agrupamento para preencher uma grelha que só avalia os subcritérios ilegais. Existe uma portaria para além do DL132, convém ler a documentação toda antes de dizer asneiras. Bastou clicar no seu nome para saber onde trabalha, Agrupamento de Escolas Manuel da Maia.

        • pras on 18 de Outubro de 2012 at 21:21
        • Responder

        Muitos dos que reclamam conhecem a realidade TEIP bem melhor que a senhora, não tiveram foi um diretor que “atropelou” a lei, para favorecer o amiguismo e o compadrio. Trabalharam em escolas TEIP que seguindo a lei selecionaram os candidatos melhor graduados, que obviamente mereciam o lugar. Andaram a gozar o prato beneficiando de lugares que jamais ocupariam se não estivesse bem “apadrinhados” e finalmente alguma justiça foi feita. Tenham vergonha…

        • Pedro Rafael on 19 de Outubro de 2012 at 8:38
        • Responder

        Meus amigos,
        De tudo o que tenho lido atrás parece-me existir aqui alguma confusão que merece ser esclarecida. A questão dos critérios e sub-critérios passa para segundo plano se resumirmos esta questão a uma premissa muito simples, com tantos anos quantos os da democracia em Portugal.
        Um concurso público, seja ele qual for, deve ser isento, imparcial e independente. Não pode nem deve de forma alguma, descarada ou encapotada, fornecer a chamada “vantagem competitiva” a qualquer candidadto. Seja ele amigo, primo ou amante. Como se atrevem a vir aqui escrever que os critérios ou sub-critérios eram válidos em Agosto e supostamente o deixaram de ser em Setembro. Chega de parvoíce. Em causa está única e exclusivamente uma contratação que viola os princípios da democracia. Como tal, anulem-se estes contratos. JÁ
        Grande abraço a todos.

    • si on 17 de Outubro de 2012 at 23:50
    • Responder

    Será que muitos destes colegas não “sentiram” que estavam a passar à frente de muitos outros. Quantos destes denunciaram a sua colocação. Utilizando as mesmas palavras da defesa faço a minha acusação “E quando nos unirmos em luta, aí sim, ficaremos TODOS de luto (…) Uma UNIÃO de toda a communidade colectiva.”, é que poderiam ter sido estes colegasos primeiros a parar o primeiro Mal.

    • scrpereira on 18 de Outubro de 2012 at 0:03
    • Responder

    Quando aceitaram as colocações já sabiam que a escola estava a proceder ilegalmente e que iam ser alvo de reclamação.

    • ArlindoLevaNoCu on 18 de Outubro de 2012 at 0:07
    • Responder

    Oh DACL desempregado, daqui a dois anos vives do quê? Dos chulos que sustentam o teu blogue? Das putas que tens a atacar? Ou vais dar o rabinho para a estrada? Adeus oh desempregado, desesperado, candidato a prof despedido de seu nome Arlindo. Fdx, arranja um nome de gente ao menos e corta o bigode.

      • scrpereira on 18 de Outubro de 2012 at 20:07
      • Responder

      São professores destes que trabalham na escola acima mencionada? É grave.

  1. O meu coração também ficou negro quando vi estes “lutadores” todos abaixo de mim na lista de ordenação definitiva, a passarem-me à frente. Já para não falar da carteira que também ainda está negra, porque até agora não fiquei colocada nem recebi o subsídio de desemprego(ainda não recebi o mês de setembro sequer!). Não tenho dinheiro para comer nem pão nem leite como a criancinha de Quarteira. E agora…não querem fazer uma petição por mim? Não querem chamar a TV para fazer uma reportagem sobre a minha situação? Os adultos também precisam de comer!!!Cambada de “lutadores” cretinos que estes professores alpinistas saíram…

    • lorelei on 18 de Outubro de 2012 at 0:14
    • Responder

    “communidade colectiva”: qué isso? o contrário de communidade (!) individual? Nossa! Como isto anda! Pobres alunos!

  2. É à conta de “lutadores” como tu, do fim das listas de ordenação definitiva do concurso nacional, que o meu coração está negro e a minha carteira também.Não tive colocação e hoje dia 18 de outubro ainda não recebi o subsídio de desemprego. Não tenho dinheiro para comer nem pão nem leite. Não querem fazer uma petição por mim ou chamar a Tv para fazer uma reportagem à situação pela qual muitos professores estão a passar por causa destes colegas “tão lutadores”…Os adultos também precisam de comer!!!E não estou a falar só de um almoço…estou a falar de muitas refeições desde o início do mês de setembro!!!

    • 110 on 18 de Outubro de 2012 at 0:30
    • Responder

    A culpa tanto é do diretor, como dos colegas que aceitam uma colocação sabendo que a lei não está a ser respeitada. O amor que os motiva para ensinar, mesmo sabendo que “passam por cima” de centenas de colegas, deveria ser igual ao amor e respeito pelo próximo, pois só assim me parece que possam ensinar valores aos alunos.

    • Teresa on 18 de Outubro de 2012 at 0:54
    • Responder

    Lá estão vocês! Tudo isto já se vem arrastando a alguns anos. Quem me devolve o tempo de serviço que perdi por não ter colocação. Há 5 anos era o número 545 +- da lista de graduação do grupo 100′ agora sou o 1111 +- , que me devolve todo o tempo que perdi, por falta de Cunha?

    • orlando on 18 de Outubro de 2012 at 1:36
    • Responder

    Tão corrupto é o director(a) da escola como os colegas que foram colocados em condições ilegais. Claro que já tinham combinado a tramóia, apenas aguardaram ela fosse consumada. Chega de compadrio…!
    Já é tempo de o ME colocar os professores nessas escolas (autonomia e teip) pois qualquer professor profissionalizado está em condições de desempenhar o seu lugar… Mas esses colegas acham-se o supra sumo, é…?! Basta.

    • Manuel do Burro on 18 de Outubro de 2012 at 2:11
    • Responder

    Não sendo defensora desta forma correta de admitir candidatos (não os sensuro, mesmo estando eu sem colocação). O que torna a nossa classe desrespeitada e sem dignidade é a existência de Diretores que têm a liberdade de fazer estas propostas a quem precisa de trabalho. Esses Diretores é que enchovalham a classe. Esses é que deveriam ser punidos severamente.

    • Vítor Agostinho on 18 de Outubro de 2012 at 7:52
    • Responder

    Beneficiar de ilegalidades e depois vir com este discurso lamechas é no mínimo vergonhoso. Espero que este procedimento seja aplicado em mais escolas e que de agora por diante a lei se cumpra. Tantas vezes critiquei o MEC, mas agora aplaudo estes procedimentos e a publicação da Circular.

    • Nuno on 18 de Outubro de 2012 at 8:59
    • Responder

    Por muito que lhes custe, as razões invocadas pelos colegas não são atendíveis. A sua contratação constituiu um procedimento ilegal. Como tal, tem de ser corrigido. Já se podem dar por satisfeitos de terem lecionado algum tempo este ano, quando, provavelmente, os que foram por eles ultrapassados não o conseguirão fazer ou então tiveram que seguir outros rumos. Falta o devido procedimento disciplinar para os Diretores envolvidos.

    • anónimo on 18 de Outubro de 2012 at 10:19
    • Responder

    Mas será que ninguém vê que esta medida agora é impraticável? Senão como será feita a anulação das ofertas de escola? Serão todas anuladas, mesmo qas que seguiram correctamente os critérios da DGRHE? Além do mais, o principal problema nas Ofertas de Escolas, na minha opinião, não é das direcções das escolas, mas da DGAE que deu autorização para as escolas colocarem os tais critérios e mais grave ainda ordenou MAL os candidatos, colocando colegas não profissionalizados no grupo de recrutamento a que se candidataram à frente de colegas profissionalizados para esse grupo (esta situação verificou-se em quase todas as ofertas de escola) para não falar dos colegas que prestaram falsas declarações e não foram automaticamente eliminados.
    Por outro lado, os colegas que ficaram colocados nas Ofertas de Escola por processos ditos ilegais, poderiam ter sido já colocados em bolsa de recrutamento ou podem ter desistido de outras colocações. Se anularmos as Ofertas de Escola teremos que anular então as Bolsas de Recrutamento realizadas até agora? Caso contrário, continuamos a cometer injustiças.

      • Anónimo on 18 de Outubro de 2012 at 17:14
      • Responder

      Colega também sou da sua opinião, se anularem este concurso têm de anular todos os outros, pois houve colegas que estariam colocados na bolsa e foram ultrapassados por menor graduação. O problema disto tudo é que as regras do jogo mudam a meio.O M.E não conseguiu dar respostas as reclamações e o porquê de ter dado autorização para tais sub-critérios.Resolução mais fácil anular um concurso. Estou muito solidário com estes colegas eles não têm culpa.Por outro lado compreendo os outros, mas não é nesta altura que se resolve esta situação. Primeiro que tudo somos professores e o bem estar dos alunos está a cima de tudo. Por último acrescento que não entrei neste concurso, pois sou prof. do quadro, já palmilhei muito Portugal. Estou muito triste por esta situação mais uma vez estamos divididos.

    • PA on 18 de Outubro de 2012 at 10:36
    • Responder

    Toda esta situação criada com a conivência o Ministério da Educação é ruinosa para os que não ficaram colocados e para os que agora são ser demitidos sem responsabilidade, pois as colocações foram feitas pelos Directores!!! No final, não serão apuradas responsabilidades e nem Directores nem ME serão responsabilizados e tudo continuará como se nada tivesse acontecido, até porque, o povo é sereno…

    • serpico on 18 de Outubro de 2012 at 10:39
    • Responder

    A culpa tem de ser repartida, chegamos a um gueto onde os diretores são os maiores responsaveis, os profs contratados (como eu) coniventes com a situação de desgraça (desemprego) que se vive em Portugal o MEC, como tem sido apanágio, limita-se, a colocar tudo num tubo de ensaio e depois logo se vê o que sucede…se abanarmos bem esse mesmo tubo sai uma coisa tipo Maria de Lurdes, vulgo Milu…MERDA.

    • maria on 18 de Outubro de 2012 at 10:50
    • Responder

    Critériso feitos na medida certa para 88 pés, e agora falam em injustiça, é vergonhoso termos colegas como estes, quando têm um horário o resto não importa. Também os meus alunos me queriam a mim e vei alguém mais graduado e justamente ficou com o horário.

      • MMMMM on 18 de Outubro de 2012 at 16:12
      • Responder

      uma cambada de invejosos, é o que é…então lessem a legislação, se soubessem ler…, a lei permitia, por isso, não era ilegal. Só passou a ser ilegal quando começou a doer no cotovelo…acho que deviam fazer exames a todos os professores pois aí só ficariam os melhores, não dependeria de uma listazeca graduada cuja contagem assenta em dias de trabalho e não da qualidade do mesmo.

        • scrpereira on 18 de Outubro de 2012 at 20:13
        • Responder

        A lei não permitia ignorar as tranches de 5? A escola acima mencionada começou por pedir o CV apenas aos 10 candidatos melhor graduados, depois de ver que na Amadora não estavam a cumprir a lei, lembrou-se de fazer o mesmo e publicou um aviso “urgente” no site do agrupamento para que os restantes professores (do 11º até ao final da lista) preenchessem uma grelha. Muitos colegas nem sequer viram este aviso “urgente”, pois só lhes competia contactar a escola após receberem notificação por e-mail.

        • pras on 18 de Outubro de 2012 at 21:30
        • Responder

        Foi essa listazeca graduada, como lhe chama, que sempre serviu para ordenar os professores. Felizmente sou do quadro já mas ainda sou do tempo dos miniconcursos (não sei se sabe o que é) e desde essa altura que se faziam centenas de quilómetros e já existia a tal “listazeca”. Claro que para si é mais justo o critério de ser “afilhado/a” do diretor. É esse então no seu entender o critério que define melhor a qualidade de cada um como professor. Embora pertença ao quadro não posso deixar de achar repugnante a forma como alguns diretores desrespeitaram alguns colegas com a vergonha que foi o concurso TEIP. Quanto aos que beneficiaram desses cirtérios no mínimo obscuros, não os censuro, afinal queriam apenas trabalhar, mas deviam ter vergonha de vir para aqui fazerem-se de virgens ofendidas. Haja decência e vergonha na cara…

        • triste on 18 de Outubro de 2012 at 22:52
        • Responder

        mmmmmm (mais um que entrou por cunha)
        se foi decretado ilegal é porque a lei não permitia
        aqueles que apregoam ter qualidade são os piores profissionais que andam nesta profissão, vê-se bem que tens pouco tempo de serviço e só das aulas graças a cunhas, porque és parvo/a ao ponto de achar que a qualidade de um professor se vê num exame, deixa a profissão´é um favor que fazes aos alunos que possam cair nas tuas mãos.
        a qualidade de um professor é aferida pelo trabalho que faz com os seus alunos e apesar da lista não dizer tudo pelo menos é mais objetiva do que os critérios que se vê nas OE
        ou seguem as listas em todas as colocações ou acabem em todas

      1. para estas pessoas o mérito tem como critério ter lecionado nessa escola no ano anterior, é preciso não ter vergonha para defender isto…

    • Marco on 18 de Outubro de 2012 at 10:58
    • Responder

    Será que no final de agosto, quando eram convocados “contentores” de professores para “entrevistas” em muitas escolas, ninguém do MEC se apercebeu do caminho que isto ia seguir? Esses deveriam ser os primeiros a ter um processo disciplinar por pactuarem com isto.

    • prof. on 18 de Outubro de 2012 at 11:24
    • Responder

    Sabem o que me entristece, é saber que pertenço a uma classe sem classe nenhuma. Nunca, em toda a minha vida de professor, vi tamanho canibalismo numa classe (que nem a tem). Todos contentes, por terem ganho uma batalha, ao invés de se unirem num grupo grande e coeso e lutar pela dignidade de uma classe. Desenganem-se, apenas ajudaram o governo a derrubar mais uma parede, para o ano são vocês, os que estão mais abaixo na “cadeia alimentar”, e depois? Vão pedir ajuda aos sindicatos? Querem lá eles saber de vocês, apenas querem saber deles, e do “tacho”, ou “pote” como o dito 1º gostou de lhe chamar. E vocês vão na cantiga… coitados. Desejo-vos boa sorte.

    O ensino morreu! Viva o ensino!

    Prof.

      • Ana on 18 de Outubro de 2012 at 11:37
      • Responder

      Olhe, só me apetece responder-lhe: que p…. de lata e de conversa de m……..! Provavelmente é uma das atingidas com esta medida que é uma VITÓRIA SIM!!!!!!!!!! Diga lá uma coisa, não a “entristeceu” passar à frente de colegas melhor graduados e que há mais anos lutam por um lugar no ensino???? Não considera “canibalismo” ter usurpado um lugar que, em condições de justiça, não seria seu???? Pois pois, já dizia a minha avó: pimenta nos olhos dos outros é refresco!!!!!!! Se os sindicatos, como afirma, não querem saber de nós, mas só dos seus “tachos” ou “pote”, então só posso concluir que – a colega e os sindicatos têm algo em comum!!!!!!! E esta, hein???????

        • prof. on 18 de Outubro de 2012 at 11:51
        • Responder

        Não usurpei ninguém, ganhei o meu lugar com o meu mérito, tenho uma posição confortável, não estarei no desemprego no próximo ano, seguramente você estará e a atender, pela maneira como escreve (não deveria ser autorizada a leccionar), ainda bem.

          • profe on 18 de Outubro de 2012 at 22:59

          Se está tão segura que tem uma posição confortável para quê tanto alarido, volta a concorrer à OE e entra pelo seu mérito. Pois, se calhar não está tão segura assim que entrou por mérito, não é? É que a posição confortavel não chegou para ser colocada pelas listas. Isso sim é uma boa posição. Quanto a para o ano estar no desemprego, será o destino da maioria dos contratados,à exceção dos 1º 50 /100 de cada grupo e duvido que esteja aí…

          • j on 18 de Outubro de 2012 at 23:04

          para estas pessoas o mérito tem como critério ter lecionado nessa escola no ano anterior, é preciso não ter vergonha para defender isto…

        • Ana Marques on 18 de Outubro de 2012 at 12:28
        • Responder

        Estes colegas já sabiam que havia um horario e uma escola a sua espera… o melhor agora é o silencio. Até aqui nada os preocupou

    • Ana on 18 de Outubro de 2012 at 11:31
    • Responder

    Ao colega cujo coração está negro, pergunto: onde estava na luta pela ilegalidade das colocações em OE? Ao lado daqueles q foram injustiçados? Não, estava no seu canto a gozar do seu estatuto de privilegiado numa dessas oe, sem pudor nem peso na consciência por ter ultrapassado colegas bem mais graduados. Sim, pq n me venham com a treta q esses professores não têm culpa. Eles são quase tão culpados como os próprios diretores, pq conhecedores e coniventes com a situação. Pena dos alunos? Conversa fiada pois se para seu próprio benefício tivesse q denunciar contrato, por exemplo, não pensava duas vezes. Além disso, os miudos não vão ficar sem aulas! Pena desses professores? Pois digo-lhe honestamente. EU NÃO TENHO PENA NENHUMA! Muito pelo contrário, já tiveram foi mais do q merecem, pq em situações justas e normais estariam em casa a coçar….Este colega tão indignado faz-me lembrar o desabafo daquela croma de 32 anos e do seu já famoso “vão-se foder”, que só acordou para a vida qd lhe foram diretamente ao bolso, porque enqto viu meses de luta da função pública, dos camionistas, etc, ela estava do alto do seus 32 anos a gozar os seus subsídios!!!

    • Cristina on 18 de Outubro de 2012 at 12:03
    • Responder

    É à conta de “lutadores” como tu, do fim das listas de ordenação definitiva do concurso nacional, que o meu coração está negro e a minha carteira também.Não tive colocação e hoje dia 18 de outubro ainda não recebi o subsídio de desemprego. Não tenho dinheiro para comer nem pão nem leite. Não querem fazer uma petição por mim ou chamar a Tv para fazer uma reportagem à situação pela qual muitos professores estão a passar por causa destes colegas “tão lutadores”…

  3. É à conta de “lutadores” como tu, do fim das listas de ordenação definitiva do concurso nacional, que o meu coração está negro e a minha carteira também.Não tive colocação e hoje dia 18 de outubro ainda não recebi o subsídio de desemprego. Não tenho dinheiro para comer nem pão nem leite. Não querem fazer uma petição por mim ou chamar a Tv para fazer uma reportagem à situação pela qual muitos professores estão a passar por causa destes colegas “tão lutadores”…

    • Tânia on 18 de Outubro de 2012 at 12:09
    • Responder

    Sinceramente, continuo a dizer: se todas as contratações fossem feitas através da Bolsa, nenhuma destas tretas aconteceria!
    Sejam escolas TEIP, autonomias, horarios inferiores a 6 h… Bolsa para todos, com justiça e transparência!|

    • pois on 18 de Outubro de 2012 at 12:51
    • Responder

    Nessa escola os critérios eram super claros basta ver o link em baixo:
    http://agescolasmanuelmaia.net/attachments/article/92/Critérios%20de%20seleção%20de%20seleção%20de%20candidatos.pdf
    Só faltava o nome da pessoa, a graduação que se lixe, vergonha é tentar defender este processo pouco claro em que a cunha funcina, a decisão só peca é por tardia

    • Sónia Reis on 18 de Outubro de 2012 at 13:01
    • Responder

    Desculpem os colegas colocados, que me passaram à frente, mas também tenho muita dedicação e amor para dar aos alunos…. e também sabiam que estavam a compactuar com uma enorme ilegalidade!!!!!!!!!!

    • jose arlindo on 18 de Outubro de 2012 at 13:02
    • Responder

    Ana.. vejo que esta desempregada e tenho um cargo para si no sindicato. Esta disposta a aceita-lo? vencimento compativel ao das suas funçoes enquanto professora e contagem para tempo de serviço.

    • Sónia Reis on 18 de Outubro de 2012 at 13:05
    • Responder

    Também eu, que fui ultrapassada várias vezes, tenho amor e paixão pelos alunos…… Agora se compactuaram com a ilegalidade cometida pelas escolas, têm de sofrer as consequências com a mesma!!!!!!!!!

    • prof. on 18 de Outubro de 2012 at 13:12
    • Responder

    Para a “colega” Ana, eu estarei cá, estou efectivado à muitos anos, a colega, que seguramente é sindicalista (tem esse direito) provavelmente não. Mas em verdade lhe digo, a atender pela maneira como escreve, e como trata o próximo, talvez seja melhor assim. Afinal e em primeiro, os professores estão para ensinar, é uma actividade constante. Sabe que o falar articulado, com bons modos e linguagem cuidada é o que nos distingue dos restantes seres. Pelas suas exposições, pergunto-me, vai ensinar o quê? Como? e a quem? Não me parece digna de ser chamada professora, parece-me que apenas quer um emprego. Pobre das gerações futuras, as referências que terão…

      • Ana on 18 de Outubro de 2012 at 21:04
      • Responder

      Caro colega efetivo, permita-me que lhe preste alguns esclarecimentos. Ao indicar-me e escrever que está , e passo a citar, “efectivado à muitos anos”, deve utilizar não a contração da proposição “a” com o artigo definido “a” e que resulta no “à” que utilizou, mas sim o verbo “haver”. Assim, deveria ter escrito “estou efetivo há muitos anos”. (nem me vou alongar explicando-lhe a diferença entre efetivado e efetivo) Portanto, eu acrescentaria às suas nobres razões que nos distinguem dos restantes seres (eu teria dito seres vivos, mas tudo bem), o saber escrever corretamente! Como bem afirmou, os professores estão para ensinar…..falta saber o que é que ensinam…
      Quanto ao manifestar-se sobre a minha vocação, capacidade e afins….bem, nem sequer merece qualquer contra argumentação pela simples razão de que não dou importância a qualquer tipo de discurso que se limite a fazer juízos prévios, infundados e sem conhecimento de causa.

        • Ana on 18 de Outubro de 2012 at 21:05
        • Responder

        Por fim, na eventualidade de acreditar realmente no que alegou, não, não sou sindicalista. E permita-me que lhe sugira que leia novamente o meu comentário mais acima, esse que provavelmente o terá levado a fazer esse juízo e talvez compreenda o alcance das minhas palavras. Não quis de maneira alguma defender os sindicatos (nem manifestar qualquer opinião sobre eles, aliás), apenas estabeleci uma analogia entre aquilo que o/a colega tinha dito sobre os sindicatos (que só queriam tacho) e ela própria que tinha beneficiado de um também nestas OE que (e ainda bem) serão anuladas.

    • vergonha on 18 de Outubro de 2012 at 13:17
    • Responder

    O/A “colega” que escreveu o texto inicial devia ter vergonha na cara, professores que fazem tudo para passar à frente de colegas, desse tipo de pessoas os alunos não precisam certamente, isso é que é canibalismo.
    E fique muito contente porque já beneficiou de 2 meses de salário e de tempo de serviço que nunca deveria ter.
    Só vejo a sua preocupação como a admissão da culpa porque se as coisas foram feitas legalmente volta a ficar com o lugar, mas pelos comentários que já vi sabe que a fraude foi descoberta e não o vai volta a ter.
    Pode ser que o seu amigo diretor arranje alguma maneira de a voltar a colocar lá.
    Quando soube que passou a frente de colegas que deveriam ter ficado com o lugar não ficou com o coração preto, até se deve ter fartado de rir e pensado “mais um aninho que já cá canta, mais uns lugares que vou subir, porque respeitando as listas a hipótese é nula”
    Basta ir ao site do agrupamento para ver os critérios feitos por medida, só falta o nome
    A sua solução é típica do português… apesar de ser ilegal devíamos ficar calados que assim era bom para si. Não se juntou à luta para denunciar a ilegalidade mas agora quer luta para ela se manter, tenha vergonha!
    A maneira de resolver isto é acabar com as ofertas de escola demoram mais a colocar um prof que as bolsas de recrutamento, o único sentido de existirem é permitir a cunha…
    Deixem chegar a janeiro que vai tudo a oferta para verem mais palhaçadas deste tipo.

    • zeze cometa on 18 de Outubro de 2012 at 13:19
    • Responder

    Ana “revoltada”.. se eu lhe depositar um milhao de euros na sua conta.. Que culpa voce têm? ? mas depois poderei pedir para voce ser despedida e acusa-la de corrupçao. Acha bem a sua sensatez para com estes colegas que seguiram os passos que “alguem” permitiu??

      • Ana on 18 de Outubro de 2012 at 21:08
      • Responder

      Quer mesmo que eu lhe responda ou é mais uma anedota???

    • António on 18 de Outubro de 2012 at 13:48
    • Responder

    É preciso recordar que várias escolas cumpriram a legislação, aplicando os subcritérios em tranches de 5, privilegiando sempre a graduação profissional, divulgando todo o processo na respetiva página eletrónica, de que são exemplos os Agrupamentos de Darque, do Cerco, Ferreira de Castro, entre outros.
    E convém corrigir o colega do 1º comentário, pois o Ministério apenas validou os subcritérios e não o modo ilegal como foram aplicados, pois a legislação refere especificamente os subcritérios para ordenação dentro de cada tranche de 5, não sendo aplicados nunca ao universo de candidatos, nem podendo servir para excluir ou eliminar.

      • memória curta on 18 de Outubro de 2012 at 15:18
      • Responder

      Este ano sim o Cerco está de parabéns ( pois até chegou ao ponto de selecionar a mesma colega na plataforma nos 5 horarios do mesmo grupo só para seguir as regras) LOL
      Mas nos anos anteriores não foi bem assim. eu lembro-me mt bem dos seus critérios manhosos como era o caso de ter lecionado no agrupamento e o conhecimento do projeto TEIP2 daquela escola. Com isso conseguiu meter lá os amigos com medias baixas que antes tinham trabalhado lá nas AECs pq já tinham esperiência nesse agrupamento. Parece que já estão esquecidos do ano passado a critica da colocação de uma colega mt no fundo da lista do 110.
      Este é o problema do povo português, no próximo ano já não se vão lembrar do que se passou neste concurso e os colegas que este ano são contra as renovações no próximo já não vão ser pq até vão talvez renovar…

        • Raquel Santos on 18 de Outubro de 2012 at 21:40
        • Responder

        ESPERIÊNCIA????????
        Um “professor” a escrever experiência deste modo????

        • ginjaraquel on 18 de Outubro de 2012 at 22:00
        • Responder

        …tinham esperiência nesse…
        eSperiência??????????????????

    • Zé dos bonés on 18 de Outubro de 2012 at 14:29
    • Responder

    Temos pena.
    Deviam era agradecer a benesse do MEC em beneficiar o infrator com o pagamento do tempo lecionado e a contagem do tempo de serviço. Se isto fosse um país a sério, além de serem anulados os contratos, haveriam de indemnizar o estado.

    Discordando do ultimo comentário,e facilmente o comprovo, no grupo de recrutamento a que concorro mais de 90% das escolas utilizou um ou mais subcritérios ilegais. Portanto, serão poucas, as que cumpriram.

    Vou estar atento ao que irá suceder.

    • Lara on 18 de Outubro de 2012 at 16:18
    • Responder

    Então o colega faz um desabafo e pede para ser publicado com erros??? Termina falando na “communidade colectiva”… Então o colega não sabe que se escreve comunidade e que essa comunidade é educativa? Já agora, de acordo com o novo AO, é coletiva que se escreve… O colega não anda a fazer bem os TPC…
    Perdeu o “tacho”??? Temos pena!!! Finalmente foi reposta a legalidade!

    Acha juso que colegas com anos e anos de serviço tenham sido excluídos só porque nunca trabalharam numa escola TEIP? Ou porque nunca tenham tido um PIEF? Ou só acha injusto terem-lhe acabado com o “tacho”?
    Na minha escola, os últimos dois professores de espanhol fizeram um bom trabalho mas isso não lhes deu o acesso direto para este ano. O concurso que foi feito foi transparente e não prejudicou os mais bem graduados.

    • Pedro Rafael on 18 de Outubro de 2012 at 16:37
    • Responder

    Como podem Professores ser coniventes com tamanha ilegalidade? Falo em usurpação de funções, falo em adulteração dos critérios de um Concurso Público e falo em desrespeito para com colegas cujo lugar por direito lhes pertence.
    Não são os alunos e os pais que se devem manifestar… é a direção de escola que deve ser imediatamente destituída pelo MEC. Que pretendem afinal os supostos manifestantes? Que a ilegalidade perpetue na educação? Então viremos Portugal numa colónia siciliana, onde tudo é possível.
    Enfim, nunca pensei vir aqui ler tamanhos disparates vindos de docentes….

  4. É por causa de “lutadores” como tu, do fim das listas do concurso nacional, que o meu coração está negro e a minha carteira também. Não tive colocação e hoje dia 18 de outubro ainda não recebi o subsídio de desemprego. Não tenho dinheiro para comer nem pão nem leite. Não querem fazer uma petição por mim ou chamar a Tv para fazer uma reportagem à situação pela qual muitos professores estão a passar por causa destes colegas “tão lutadores”…

    • Paula on 18 de Outubro de 2012 at 17:39
    • Responder

    e na escola dos Marrazes no grupo 910, 200 e outros será que ninguém diz nada…também já está na hora…

  5. Bem graduados… a maior parte dos bem graduados são uns nabos. Conheço uns quantos lá na minha escola…

    • Carina on 18 de Outubro de 2012 at 21:24
    • Responder

    Não concordo com estas ofertas de escola, só dão origem a compadrios.Mas nesta altura do ano não me parece que “despedir” os colegas colocados de forma ilegal seja a solução.

      • PCCO on 19 de Outubro de 2012 at 15:52
      • Responder

      “não me parece que “despedir” os colegas colocados de forma ilegal seja a solução.”- Não??? Então qual será?? Deixar ficar tudo na mesma?? Aliás, eles não vão ser despedidos… se foram colocados de forma LEGAL vão voltar a ficar com o lugar, não é?
      “Mas nesta altura do ano ” – e qual altura do ano é melhor?? O final do ano letivo??

    • Anti-corrupção on 18 de Outubro de 2012 at 22:07
    • Responder

    É bem feito… Os colegas que agora estão a receber ordem de marcha, deviam ter percebido onde se estavam a meter. Com isto todos aprendemos uma coisa: “Não há cunhas para ninguém”. Custa-me saber que tenho amigos meus noutros agrupamentos, que ficaram literalmente “agarrados”, mas não posso contestar a justiça no centro desta decisão por parte do Ministério. Acho que esta atitude deveria ter sido tomada há mais tempo. Por outro lado, os agrupamentos irão ser mais sérios a partir de agora no processo de recrutamento de professores. Acabou a palhaçada em agrupamentos como o da Manuel da Maia, de colocarem professores no seu quadro através dos subcritérios arranjados. Posso não estar colocado e posso não vir a estar no futuro, mas pelo menos ao deitar irei saber que há menos parasitas e aldrabões a trabalharem nas escolas portuguesas.

    • marco on 19 de Outubro de 2012 at 0:58
    • Responder

    O motivo para não sermos uma classe unida esta visto, colegas a insultarem-se… Isto é uma tristeza…

    estou desempregado e provavelmente assim estarei. Já trabalhei numa TEIP (sem cunha) 2 anos, mas isso aconteceu porque era numa altura que ninguém queria aquele agrupamento, pois só assim foi possível lá ter trabalhado…

    Concursos irregulares devem ser repetidos mas atacar os prof que lá foram colocados (e nem todos são colocados por cunha) é injusto. É uma situação lamentável.

    Discutem muito a graduação por aqui, mas não vejo ninguém discutir as médias com que saíram da universidade (privado vs público) ou a qualidade do ensino (tempo de serviço não é sinal de ser bom professor, um efetivo não é melhor de um contratado e vice-versa) ou o que realmente importa, os alunos.

    enquanto a classe não se unir, formar uma ORDEM, acabar com as dezenas de sindicatos e criar ela as suas regras, nada avançará.

    boa noite

    • Santos on 20 de Outubro de 2012 at 13:51
    • Responder

    Para além dos insultos e de outras tretas que não interessam nada, creio que só falta dizer aqui uma coisita: se o MEC entende que houve ilegalidade, o DIRETOR DA ESCOLA TEM QUE SER PUNIDO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: