Pesca à linha (sem bicha)

No JN

No DN

Ministério estuda fim de aulas extras de Inglês e Música

Como o MEC não sabe o que vai fazer para 2012/2013 o mais fácil é lançar a cana ao mar e ver o tamanho do peixe que lhe sai, Guterres fazio-o bem.

Tenho as minhas ideias formadas sobre uma possível revisão curricular, pelo que estranho que quem governe ainda não as tenha. E assumo aqui que as minhas posições não são de ESQUERDA, antes pelo contrário, e que me deixa muita pena que esta direita ande coxa.

Eliminar currículo para diminuição da despesa do estado nunca pode ser uma medida de direita, se PPC se assume como Liberal que liberte a responsabilidade do estado em financiar todo o currículo e determine, por exemplo, que as AEC sejam pagas pelas famílias que possuam rendimentos para isso. 100 euros por ano para manter a “escola a tempo inteiro” no 1º ciclo não está ao alcance de grande parte das famílias portuguesas? E se calhar pelo mesmo valor implementava-se essa “escola a tempo inteiro” no 2º e 3º ciclo.

A diminuição da oferta do ensino público só pode ter como objectivo alimentar as GPS e outras organizações privadas deste género que se irão aproveitar da fraca prestação de serviços do estado para se irem engordando. Se a direita é isto então realmente não sou de direita.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/11/pesca-a-linha/

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • on 11 de Novembro de 2011 at 23:06
    • Responder

    As AECS deveriam ser, apenas para alunos cujos pais comprovem que após a componente lectiva, estejam a trabalhar. Nos vários agrupamentos por onde tenho passado, são inúmeros os pais, mães, tias, primas e o que venha que todos os intervalos estão junto ás grades a ver, permitam-me a expressão “as suas crias” e quantas delas motivadoras de conflitos, quer entre alunos quer entre os próprios. Ainda há aqueles que querem que os meninos durante o período citado, estejam junto deles não permitindo ao aluno brincar com os colegas, ou seja socializar… Como grande parte, da crescente insubordinação de alunos a atribuo à desresponsabilização dos pais, não faria nada mal a esses meninos que após as aulas ficassem a usufruir do “calor familiar” o que pouparia ao estado. Não menos grave é quando falta um professor das AECS é o professor titular de turma que tem que assegurar essas horas…. que nunca são contabilizadas, nem pagas…já não falando das inúmeras queixas que diariamente são comunicadas aos professores da turma. É crescente ver-se professores titulares de turma a prolongarem o seu horário de trabalho para ficarem na sala conjuntamente com alguns professores das AECS porque estes não conseguem estabelecer regras dentro da sala. Não pretendo ferir ninguém… mas o professor do 1.º ciclo é muito mal pago pelo serviço que faz.

      • Bruno on 12 de Novembro de 2011 at 12:04
      • Responder

      Eu sou Professor AEC’s, mas para quem não sabe, os Professores AEC’s têm um curso tal e qual como os Ex.mos Professores Titulares de Turma. Não somos nenhum coitaditos que não têm formação nenhuma, e que só vieram estragar os horários dos Ex.mos Professores Titulares de Turma (que em alguns casos o que mais lhe preocupa é não podenrem sair às 15h30). Eu entro às 9h00 saio às 9h45, volto a entrar às 11h15 e saio às 12h00, volto a entrar às 15h40 e saio às 17h30, andando de saco às costas (sou de Educação Física) como o Pai Natal, e ainda recebe o churudo ordenado de 550 euros por 17 horas de componente lectiva.
      Ainda acha que os Ex.mos Professores Titulares de Turma são mal pagos????!!!!!!!! Não se queixe…

    • Rui on 12 de Novembro de 2011 at 13:28
    • Responder

    Já fui professor nas aecs durante 2 anos e nos ultimos três anos tenho tido a grande sorte de ter uma turminha. Por isso consigo ver os 2 lados.
    Quando decidi trabalhar nas aecs, já no mês de janeiro, uma vez que naquele ano não conseguia colocação, fui o 6º a tomar posse de um horário de 9 horas, como é óbvio os alunos num espaço de 3 meses terem 6 professores diferentes (estou a falar numa só área) tentavam esticar a corda, passados 2 meses também tive oportunidade dum novo horário de 15 horas e mais 3 euros por cada hora lecionada. Como todos sabemos fazer contas a diferença justificava a mudança. Depois de mim, mais 2 colegas passaram pelo meu 1º horário. Que aprendizagem, que regras se podiam incutir, se em 9 meses fomos 8 a passar pelo mesmo horário. Mantive contacto com os professores daquele agrupamento e no ano a seguir devido ao insucesso no ano anterior não permitiram que as aecs fossem noutro horário senão entre as 15:30 – 17:30. E como havia muitas mudanças de professores ainda pensaram em fazer horários mais pequenos para que todos os colegas tivessem furos de modo a susbtituir quem faltasse.
    Enquanto eu, no outro agrupamento, no 2ºano consegui um horário de 18 horas porque todos os titulares de turma concluiram que quanto melhor fossem os horários mais estabilidade davam aos professores para lá se manterem e aí sim conseguia-se um trabalho continuo e com seriedade. Eu e mais 3 colegas mantivemo-nos no horário o ano inteiro e todas as mudanças de professor ocorreram até outubro, quando os colegas conseguiram colocação, ou seja, no máximo passaram apenas 2 colegas pelo mesmo horário. Chegou-se ao fim e mais uma vez concluiu-se o mesmo que no ano anterior.
    Agora como sortudo, titular de uma turma que diferença me faz disponibilizar às terças das 13:30 até às 15:30 para as aecs, e às quintas e sextas das 13:30 até às 14:30. Sei que os colegas das extras estão a fazer um excelente trabalho, e até ao momento ainda não houve nenhuma substituição de professor, uma vez que os horários são muito apetecíveis. E muito sinceramente esses furos no horário até me dão muito jeito para pôr as correções em dia. E no que depender de mim, se as aecs no ano a seguir continuarem nos mesmos moldes, não me importo nada de flexibilizar para melhorar os horários dos colegas (e se assim for, ja me sinto muito contente que é sinal que tenho turma e ao fim do mês não preciso de passar e pagar recibos verdes).
    Mas sim, sei que ao fim destes anos todos ainda há muitos colegas irredutiveis e não, não querem que mexam no seu horário, no seu rádio, no seu computador e claro, que não abram a gaveta da secretária para sequer tirarem o livro de ponto. Isto verifica-se mais no interior do país. Até porque sou do interior, mas sempre trabalhei no litoral.
    Abraço e bom trabalho a todos.

    • Bete Madeira on 12 de Novembro de 2011 at 18:06
    • Responder

    A mim faz-me espécie a questão da EMRC no 1.º ciclo. É curricular, mas parece que não encaixa em lado nenhum… Como funciona, nos vossos Agrupamentos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: