Janeiro 2011 archive

Se julgam que as coisas ficam por aqui…

… enganam-se.

Tudo ainda está por começar.

Basta juntar isto

com a portaria 1181/2010 de 16 de Novembro.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/se-julgam-que-as-coisas-ficam-por-aqui/

Cartaz EVT

Adoro o Amarelo. 😀

Professores de EVT juntos, por Razões Pedagógicas, por Melhor Educação

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/cartaz-evt/

A explicação das reduções

VEJA AQUI COMO SÃO FEITAS AS REDUÇÕES

Nos vencimentos superiores a 2.000 euros, a fórmula aplica-se da seguinte forma: o valor da remuneração até aos 2.000 euros sofre um corte de 3,5 por cento, enquanto na parcela superior (até aos 4.165 euros) é aplicado um corte de 16 por cento.Por exemplo, um vencimento total ilíquido (excluindo todos os subsídios, o chamado ordenado base) de 2.100 euros, até aos primeiros 2.000 euros é aplicado um corte de 3,5 por cento – do qual resulta uma redução de 70 euros -, e nos 100 euros acima desses primeiros 2.000 euros de vencimento sofre um corte de 16 por cento – do qual resulta um corte de 16 euros.

No final, a redução de uma remuneração até aos 2.100 euros é de 86 euros, ou 4,095 por cento, como está previsto na tabela dos cortes publicada pelo Governo, que indica o corte de 86 euros para um vencimento de 2.100 euros, do qual resulta uma percentagem de corte de 4,1 por cento, percentagem arredondada.

Uma vez que o corte é realizado com a fórmula da legislação (acima citada) a referência a procurar na tabela não é tanto a percentagem (que pode sofrer ligeiros arredondamentos) mas sim o corte em valor nominal, neste caso os 86 euros.

Para que o corte seja aplicado da forma que o Governo indicou e que resulte na poupança por cada salário consoante a escala progressiva, este é calculado com o previsto na lei: entre os 1.500 e os 2.000 euros o corte é de 3,5 por cento; acima dos 2.000 sofre um corte adicional de 16 por cento; todos os salários superiores a 4.165 euros são reduzidos na sua totalidade 10 por cento.

Valor da remuneração total…….Valor da ReduçãoTaxa
            1.000…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.050…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.100…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.150…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.200…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.250…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.300…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.350…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.400…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.450…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.500…………………………………………0,00……………..0,00%
            1.550…………………………………………50,00…………….3,50%
            1.600…………………………………………56,00…………….3,50%
            1.650…………………………………………57,75…………….3,50%
            1.700…………………………………………59,50…………….3,50%
            1.750…………………………………………61,25…………….3,50%
            1.800…………………………………………63,00…………….3,50%
            1.850…………………………………………64,75…………….3,50%
            1.900…………………………………………66,50…………….3,50%
            1.950…………………………………………68,25…………….3,50%
            2.000…………………………………………70,00…………….3,50%
            2.050…………………………………………78,00…………….3,80%
            2.100…………………………………………86,00…………….4,10%
            2.150…………………………………………94,00…………….4,37%
            2.200…………………………………………102,00……………4,64%
            2.250…………………………………………110,00……………4,89%
            2.300…………………………………………118,00……………5,13%
            2.350…………………………………………126,00……………5,36%
            2.400…………………………………………134,00……………5,58%
            2.450…………………………………………142,00……………5,80%
            2.500…………………………………………150,00……………6,00%
            2.550…………………………………………158,00……………6,20%
            2.600…………………………………………166,00……………6,38%
            2.650…………………………………………174,00……………6,57%
            2.700…………………………………………182,00……………6,74%
            2.750…………………………………………190,00……………6,91%
            2.800…………………………………………198,00……………7,07%
            2.850…………………………………………206,00……………7,23%
            2.900…………………………………………214,00……………7,38%
            2.950…………………………………………222,00……………7,53%
            3.000…………………………………………230,00……………7,67%
            3.050…………………………………………238,00……………7,80%
            3.100…………………………………………246,00……………7,94%
            3.150…………………………………………254,00……………8,06%
            3.200…………………………………………262,00……………8,19%
            3.250…………………………………………270,00……………8,31%
            3.300…………………………………………278,00……………8,42%
            3.350…………………………………………286,00……………8,54%
            3.400…………………………………………294,00…………….8,65%
            3.450…………………………………………302,00…………….8,75%
            3.500…………………………………………310,00…………….8,86%
            3.550…………………………………………318,00…………….8,96%
            3.600…………………………………………326,00…………….9,06%
            3.650…………………………………………334,00…………….9,15%
            3.700…………………………………………342,00…………….9,24%
            3.750…………………………………………350,00…………….9,33%
            3.800…………………………………………358,00…………….9,42%
            3.850…………………………………………366,00…………….9,51%
            3.900…………………………………………374,00…………….9,59%
            4.000…………………………………………390,00…………….9,75%
            4.050…………………………………………398,00…………….9,83%
            4.100…………………………………………406,00…………….9,90%
            4.150…………………………………………414,00…………….9,98%
            4.200…………………………………………420,00…………….10,00%

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/a-explicacao-das-reducoes/

A minha redução homóloga é de 9,893%

Sempre considerei que em tempo de crise não me importava de contribuir com uma redução do vencimento de forma temporária ou até mesmo definitiva desde que o mesmo fosse capitalizado para um fundo que pudesse ser-me entregue numa prestação única no momento da minha aposentação ou no caso de uma situação de desemprego ou de doença grave. Para mim o único sentido de uma medida deste género passava por aí. Assim, lutarei e participarei em todas as medidas (seja de que Sindicato for) contra esta forma de TAXAR os funcionários públicos com mais de 1500€ de vencimento.

Feitas as contas ao período homólogo foi-me reduzido o valor do trabalho (CASH) em 9,893%.

Antes de o mundo ter mudado em quinze dias o panorama era este onde ainda existia o abono de família. Não faço a comparação homóloga com o mês de Janeiro de 2010 apenas porque nessa altura ainda não recebia o recibo de vencimento por mail.

Depois veio o primeiro PEC.

E finalmente em 2011 este é o vencimento a que tenho direito.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/a-minha-reducao-homologa-e-de-9893/

Não deixam ambos de ter razão

Cavaco: Segunda volta teria custos “pela via da contenção do crédito e subida das taxas de juro”

Francisco Lopes: Engolir um sapo? “O povo é que decide quem vai à segunda volta”

Esta campanha Presidencial vai muito fraquinha.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/troca-de-mimos/

Manifesto dos Professores de EVT

Foi acabadinho de publicar o Manifesto dos Professores de EVT que foi aprovado por UNANIMIDADE e SUBSCRITO pelos Professores presentes no Encontro Nacional da APEVT, a 15 de Janeiro de 2011, em Aveiro.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/manifesto-dos-professores-de-evt/

4º Aniversário

Apesar de já ter sido alterado já por duas vezes o Decreto-Lei 15/2007 faz hoje 4 anos.

Se o dia 19 de Janeiro ficou no esquecimento como o dia de Luto quero só lembrar que tudo começou nesse dia…

… e que ainda não parou!

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/4%c2%ba-aniversario/

Requerimento para adiar a ADD por 1 ano

O Sindicato Democrático dos Professores dos Açores elaborou um requerimento a solicitar o adiamento da Avaliação de Desempenho por um ano pelo facto de o tempo de serviço em 2011 não contar para efeitos de carreira.

Parece um documento bem elaborado e não fosse algum tratamento de excepção que tem ocorrido nos Açores um requerimento do género até podia ser feito no continente, com as devidas adaptações.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/requerimento-para-adiar-a-add-por-1-ano/

Vencimentos 2011

No Pé-ante-pé

No Adduo

No Umbigo

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/vencimentos-2011/

O voluntariado chegou à Presidência da República

Cavaco mandou suspender vencimento de Presidente

As novas regras ditam fim da acumulação de pensões com vencimentos públicos. Chefe de Estado opta por reformas de 10.042 euros.

O Presidente da República mandou suspender o seu vencimento de 7.415 euros mensais, dando seguimento às novas regras de contenção orçamental que acabaram com o direito de acumulação de reformas com vencimentos públicos a partir de 1 de Janeiro. Cavaco opta, assim, pelas duas pensões de professor catedrático e de reformado do Banco de Portugal que somam 10.042 euros mensais, num total anual de 140.588 euros. Uma opção [suspensão da remuneração] que, de acordo com a lei do Orçamento de Estado deve ser feita com declaração do interessado, à semelhança de todos os detentores de cargos políticos, mas que o Chefe de Estado ainda não entregou. Em alternativa, deu uma ordem directa aos serviços da Presidência para suspender o processamento do seu salário.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/o-voluntariado-chegou-a-presidencia-da-republica/

Só existe uma solução para se perceber a dimensão dos cortes

Que é o de simular o próximo ano lectivo com as regras pré-anunciadas pelo Ministério da Educação na proposta de Organização do Ano Lectivo 2011/2012 e na proposta de alteração curricular terminando esse trabalho com a entrega dos horários às famílias dos alunos e fazendo a distribuição do serviço aos docentes, identificando os que ficam sem componente lectiva.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/so-existe-uma-solucao-para-se-perceber-a-dimensao-dos-cortes/

Ofertas de Escola dia 18-01-2011

Às 11 horas do dia 18 de Janeiro de 2011 existem em concurso 835 horários, assim distribuídos:

Grupos de Recrutamento: 815

Técnicos Especializados: 13

Desenvolvimento de Projectos: 7

Fica aqui disponibilizado o ficheiro em Excel das duas ofertas de escola que já disponibilizei em 2011 para quem pretender fazer o tratamento dos dados de outra forma.

Tanto jeito vai dar a este Ministério da Educação ter professores do quadro excedentários para tapar os buracos que vão aparecendo todos os dias.

E assim se constrói um Currículo.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/ofertas-de-escola-dia-18-01-2011/

A prova do que tenho andado a dizer

…sobre a obrigatoriedade da observação de aulas no 2º e 4º escalões incidirem apenas no ciclo imediatamente anterior à mudança de escalão está expresso neste documento da DREN, elaborado em articulação com a DGRHE e datado de Janeiro de 2011.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/a-prova-do-que-tenho-andado-a-dizer/

INDIGNAÇÃO

Ex.mo Senhor Ministro da Finanças
Ex.ma Senhora Ministra da Educação

O(A) signatário(a) vem manifestar a sua profunda indignação e a mais viva contestação ao ataque brutal concretizado pelo Governo português contra todos os trabalhadores da administração pública e particularmente contra os docentes e os trabalhadores de apoio educativo das escolas, através de medidas que se concretizam na redução de salários, no congelamento de pensões, para além de um desmesurado crescimento da carga fiscal que acaba por se abater sobre todos os portugueses.

Considera, assim, de uma inaudita insensibilidade a decisão do Governo de reduzir os salários daqueles que têm sido ao longo dos anos os mais afectados com decisões governativas anteriores, no que concerne não só às suas condições de trabalho, como aos seus vencimentos.

Deste modo, rejeita as medidas violentas e ofensivas dos mais elementares direitos dos trabalhadores da Administração Pública constantes do Orçamento de Estado para 2011 e que reduzem substancialmente o seu salário.

Para além deste forte protesto, informa que não deixará de usar todos os meios legais ao seu dispor para contestar estas medidas cegas do Governo que, uma vez mais, desrespeita os docentes e demais trabalhadores das escolas, revelando-se insensível às dificuldades dos mais frágeis e dos que menos podem suportar as medidas de austeridade que lhes estão a ser impostas.

Neste sentido, exige que o Governo reponha a legalidade, repondo os vencimentos sem o valor dos cortes que indevidamente lhe estão a ser impostos.

21 de Janeiro de 2011

O(A) Signatário(a)

PODEM SUBSCREVER NESTE LINK

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/01/indignacao/

Load more

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: