5 de Novembro de 2016 archive

Ó Mena! Não faço mais TPC…

AVISO: O relato abaixo contém alusão a vocabulário “menos próprio”…

 

– Ó Mena!

– Professora Filomena…

– Ó Mena! Quero falar contigo, porque isto não pode continuar. O Zeca não tem tempo para fazer os TPC! Eu não estou “pra” me “chatiar” “cu” gaiato todos os dias. Nem consigo ver a “nobela”…

– Mas…

– E depois, ainda me chega a casa a chorar, porque tu o chamaste à atenção em frente aos outros. Eu não quero, “pró” meu, menos que “prós” outros. Tens que tratar toda a canalhada da mesma maneira.

– Os outros fazem os TPC…

– Não fazem nada, que a “Jorgina” disse hoje no café, que não ajuda a filha a fazer TPC nenhuns.

– A Dona Georgina não sabe ler…

– Mesmo assim! Andas a arranjar-me problemas de “nerves”. O meu Alcino não me quer nervosa.

– A senhora não quer…

– Acabou! O Zeca não leva mais TPC. E se levar, não faz que eu não estou para isso.

– Espere lá! Mas quem é que não quer os TPC? É a senhora, ou o seu filho? Os TPC que o seu filho leva…

– Ai, o “Piiiiiii” !“Ca” velha é “Piiiiii”! Já disse! Acabaram-se os TPC. E se mandas mais TPC enfio co eles na “Piiiii”…

– Vai-me desculpar, mas assim não há diálogo. Faça o favor de sair.

– Saio o “Piiiiiii”, que tu aqui não mandas nada.

– Se não sai, chamo a polícia.

– Saio, mas saio porque quero, não por causa de ti, nem da “Piiiii” da policia. E ao “demais”, tenho a “Jorgina” à minha espera no café!

 

E assim vamos, andando e tinindo… “co” a saga dos TPC.

 

(Relato ficcionado. Qualquer semelhança com a realidade, é pura imaginação vossa.)

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2016/11/o-mena-nao-faco-mais-tpc/

“Se fosse ministro, reduzia carga horária para termos tempo de ser crianças”

 

Ontem, em Leiria, o Ministro da Educação ouviu os alunos dos diversos graus de ensino falar sobre a escola.

Eles não querem ser jovens formatados, mas sim cidadãos do mundo.

 

Alunos do 1.º ciclo ao ensino superior foram dizer ao ministro da Educação o que fariam se estivessem no lugar que ele hoje ocupa. Sugestões serão tidas em conta na revisão dos currículos que o ministério está a preparar.

Entre os alunos do 1.º ciclo, a escola ainda é basicamente “fixe e divertida”, o que já não sucede com os mais velhos. Mas todos coincidem no retrato da escola que queriam ter: mais aulas práticas, mais debates, mais trabalhos de grupo, mais visitas de estudo, possibilidade no secundário de poderem escolher disciplinas em vez de áreas compartimentadas, mais arte, mais cidadania, maior ligação à prática, turmas mais pequenas, menos trabalhos para casa, professores motivados e que não desistam dos alunos.

“Precisamos de saber que há mais vida para além da escola e não estar ali só para ir passando de ano”, comenta Manuel, aluno do 9.º ano de escolaridade. Do grupo do secundário vem a seguinte constatação: “A pergunta que mais fazemos aos professores é saber se o que estão a dar vai sair nos testes”. Consideram que o peso destes e dos exames está sobrevalorizado e que por causa disso não se podem “dar ao luxo” de aprender o que gostavam. Seja por causa disto, da extensão das matérias, das metas curriculares, queixam-se de que “professores e alunos andam todos stressados”.

(clicar na imagem) in Público

1085845

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2016/11/58735/

Sindicatos e processos pressionam ministério a vincular 2000 professores

 

O que virá por aí? É com ansiedade que se esperam as propostas da tutela. Ainda quero ver se é desta que a Norma Travão desaparece e voltamos a ter um concurso de vinculação justo…

 

Ministério já foi condenado em primeira instância, devido à “norma-travão” que exige cinco contratos sucessivos para aceder aos quadros. Sindicatos exigem mudanças. Tutela diz ter propostas para as reuniões deste mês

Integrar já em 2017 cerca de dois mil professores nos quadros, adotando ainda um novo sistema de vinculação, ou manter as regras atuais e continuar a enfrentar processos judiciais que, no futuro, poderão sair mais caros ao erário público . Estas são as duas opções que o Ministério da Educação tem em mãos, numa altura em que se prepara para iniciar – no final do mês – aquela que será provavelmente a mais importante negociação da atual legislatura na área da Educação, com os concursos de professores como tema.

(clicar na imagem) in DN

ng7808416

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2016/11/sindicatos-e-processos-pressionam-ministerio-a-vincular-2000-professores/

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: