Mais uma História do Interior

Caro Arlindo, Ultrapassado (ou não completamente…) o susto de 26 de Julho, com o desbaste brutal nas turmas da rede em tantas escolas do interior, e efeitos que se conhecem no aumento dos denominados professores a mais, eis que esta semana as mesmas escolas foram brindadas com mais uma investida cirúrgica do nosso ME – desta vez a acção punitiva (chamam-lhe eficiência e poupanças) foi sobre as idades dos alunos que ingressavam no primeiro ano, com instruções aos Agrupamentos para retirar todos aqueles que não perfizessem os 6 anos até 15 de Setembro. Estranha e ilegal exigência esta, absurda, descabida, injusta e estúpida com toda a certeza. O critério da idade, que a lei enquadra de forma adequada mencionando os 6 anos até 31 de Dezembro, e não como exigência cinequanon a 15 de Setembro, constitui apenas um dos elementos de todo um processo, muito mais importante, que contempla a avaliação pedagógica e maturidade dos alunos (por parte dos educadores que acompanharam as crianças bem como a avaliação dos respectivos EE) que, no seu conjunto e no final do ano lectivo (durante o Mês de Junho) sustentam o pedido de matrícula que segue para o agrupamento. Os órgãos competentes (director), perante este pedido, verifica se tem vaga e determina a aceitação da matrícula. Acresce a isto o facto dos alunos em causa (e famílias) sentirem que se completou uma etapa, que o jardim de origem assinalou com “festa de finalistas”, apresentada a nova escola / turma, e que a cerca de 20 dias do início desta nova vida, tudo volta para trás….Para os 18 alunos (a quem o ME recusa a inscrição no 1º ano numa das escolas do Concelho) – que faziam os 6 anos a 16, 17 de Setembro, durante Outubro e até Dezembro, sugerem que estes retornem aos jardins de origem, mesmo que privados como acontece com alguns. Ou seja, retorne-se à estaca zero, voltem a inscrever os meninos nos seus locais de origem e continuem a pagar as respectivas mensalidades pois, desta forma, com a fusão de turmas agora amputadas, se alcançará a poupança de uma/duas turmas….

Identificamos aqui em mais esta investida a tal tranquilidade (e confiança nas instituições) que o nosso ministro Crato tanto apregoa e invoca para as escolas? Esta foi mais uma história bem real, infelizmente bem comum no país…esta, e para que conste, foi no Concelho de Seia…Esta semana foram as idades, para a semana, quem sabe…..

Abr, Paulo Barata

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2013/08/mais-uma-historia-do-interior/

68 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Margarida Luísa Pinheiro on 10 de Agosto de 2013 at 11:11
    • Responder

    Aconteceu o mesmo em Évora. Criaram-se expetativas nas crianças e depois disso tudo foram informadas que não se podiam inscrever no 1º ano do 1º ciclo do ensino Básico. ESTE GOVERNO TEM DE IR PARA A RUA! ESTAMOS TODAS REVOLTADAS!!!!!! Nem sei o que vou fazer!!!


    1. Ó Margarida, o ensino é obrigatório logo os meninos não ficam em casa.

        • João Pires on 10 de Agosto de 2013 at 16:17
        • Responder

        Se fizerem 6 anos após 15 de setembro poem ficar.

          • João Pires on 10 de Agosto de 2013 at 16:18

          não é poemm, mas podem

          • Zico on 10 de Agosto de 2013 at 21:35

          Mas isso podem todos. Não sei onde está o problema.

      • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 15:20
      • Responder

      Os miúdos com 5 anos não têm maturidade para frequentar o 1º ano do 1º ciclo. Passam a vida a falar na Finlândia então olhem para lá e vejam que os miúdos só entram na escola pública aos 7 anos. A escola pública portuguesa não é um contentor de putos para que os pais possam fazer o que lhes apetece de bom e de mau.


      1. Uma criança que faça 6 anos no dia 15 de setembro tem e a que faz no dia 16 já não tem??? Cara orofa, pense um bocadinho…

          • madr on 12 de Agosto de 2013 at 0:37

          É o mesmo problema que existe entre uma criança que faz anos a 31 de dezembro e a de 1 de janeiro. Essa data “estapafurdia” (nunca percebi a lógica em termos de maturidade da criança) penso que terá a ver com o início do ano letivo. Todas as crianças com 6 anos têm matricula obrigatória e as de 5 anos são condicionais e só entram se houver vaga (o que é explicado aos pais no ato da matrícula em que eles assinam um termo de responsabilidade). A história das vagas é que é um berbicacho já muito antigo (não, não foi este governo que o inventou) e que sempre serviu muitos interesses. Eu ainda sou do tempo em que havia Delegações Escolares e eram estas que davam o parecer para a constituição das turmas incluindo os condicionais. Estes só entravam se na escola houvesse falta de alunos para completar as turmas de 1º ano (que nunca poderiam ter mais condicionais que dos outros), dividiam o total dos alunos de 6 anos (até 15 de setembro) por 25 (depois passou a 24 e agora está a 25/26/27…) e faziam as turmas. Neste processo nunca entravam todos os condicionais (apenas os mais velhos) o que era também uma grande injustiça. Penso que agora o processo seja idêntico com a diferença de, em vez de irem buscar condicionais para completar alguma turma, distribuem os alunos da turma incompleta pelas outras.

      • João Pires on 10 de Agosto de 2013 at 16:20
      • Responder

      Mas quem foi que criou as expetativas? Não foi o governo! As educadoras devem avisar os pais que os meninos que não façam os 6 anos até 15 de setembro poderão não entrar no 1.ºciclo.


  1. Olá a todos!
    Numa escola do 1ciclo do concelho de Montemor o Velho aconteceu ficar uma professora com os 4anos, pela primeira vez, porque na escola so havia19 crianças, mas não existiam as 20 necessárias para haver 2 professores porque não deixaram que uma das crianças que fazia 6anos em Novembro matricular-se nesta escola, dando 48horas aos pais para procurarem outra. A criança terá de acordar mais cedo, usar autocarro (quando a outra escola é ao lado de sua casa) e almoçar na escola quando na outra tinha os avós com quem podia partilhar a hora do almoço! Andam a brincar com todos e até mesmo com as nossas crianças!

      • José Ferreira on 10 de Agosto de 2013 at 19:56
      • Responder

      A criança só terá que fazer isso se os pais quiserem. Tem idade para estar no jardim

    • maria on 10 de Agosto de 2013 at 13:03
    • Responder

    no alentejo é só escolas teips,,,,com a entrevista metem quem querem,,,a lista graduada evapora-se.

    só desgraças…

      • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 15:25
      • Responder

      Cara maria tem toda a razão. A esquerdalhada tomou conta do Alentejo já há muito tempo. O sonho deles é transformar todos os alunos alentejanos em alunos com dificuldades de aprendizagem e alunos do ensino especial. Em resumo, coitadinhos. Foi para fugir a esta forma pobre e medíocre de pensar que foi “obrigada” a colocar os meus dois filhos num colégio privado ligado à Igreja Católica. Tem turmas de 40 alunos, há sossego nas aulas, os professores conseguem trabalhar, estão entre as 3 melhores de todo o alentejo (às vezes mesmo em 1º lugar) e preocupam-se realmente com os resultados dos alunos nos exames nacionais. Faço um grande sacrifício mas vale a pena. Os meus filhos estão primeiro. Obviamente anseio pelo cheque-ensino. Já cá devia estar há 20 anos.

        • Filipe on 10 de Agosto de 2013 at 16:28
        • Responder

        Quando chegar o cheque, a gente pobre de quem foges também irá para esse colégio e depois… lá se vai a mania de mãe que tem filhos especiais em locais especiais. Os teus filhos vão ter de partilhar os 40 lugares da sala com os pobres, barulhentos e a turma deixará de ser especial. O teu filho passará a baixar as notas e vais-te aperceber que a escola só era boa porque as elites pagavam o privilégio de ter turmas escolhidas a dedo. Por fim, quando o colégio tiver alunos idênticos a todas as escolas, quando começar a indisciplina, vais também perceber que os melhores professores estão nas escolas públicas. Por fim, irás verificar que a escola pública já foi destruída, não terá lugares para mais ninguém e o teu filho acabará deprimido, terá umas notas miseráveis, a solução será emigrar e tu ficarás sozinha, velha, acabada, neste país miserável. Nessa altura, terás o que mereces!

          • P on 10 de Agosto de 2013 at 18:48

          Que belíssima resposta!

          • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 22:33

          Naquela escola quem não anda na linha vai borda fora. Ou pensas que pago 400€ para ter o circo da escola público-esquerdista?

          • Bem Atento on 11 de Agosto de 2013 at 3:52

          A resposta do Filipe seria boa se não estivéssemos a falar de uma escola privada com um regulamento exigente. É simples: Numa privada, se o puto asneia, vai logo procurar outra escola !!!
          Exatamente como devia ser nas escolas estatais.

        • Maria on 10 de Agosto de 2013 at 17:05
        • Responder

        Caro Filipe… haja alguém com bom senso. Faço minhas as suas palavras.
        Para a “Prof.ª Farta de medíocres” só tenho uma palavra… “coitadinha”!

          • GP on 10 de Agosto de 2013 at 21:39

          Qual coitadinha! A “Prof.ª Farta de medíocres” tem razão e é das poucas que diz as “verdades” neste blog.

          • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 22:34

          Obrigado GP. A inveja faz parte da vida. Por isso é um pecado mortal.

        • Maria F on 11 de Agosto de 2013 at 0:35
        • Responder

        Profa pelo que percebo a escola onde és Profa farta de medíocres é no público. Comes na pia em que cospes. Lamentável o teu discurso, o que já fizeste para inverter a situação?

          • Profa farta de medíocres on 11 de Agosto de 2013 at 14:57

          Uma andorinha não faz a primavera, minha amiga.

          • Zitror on 11 de Agosto de 2013 at 15:29

          Se calhar a “Profa farta de medíocres” nunca andou a “parasitar” o contribuinte. Basta isso para ser considerado muitíssima coisa. E Vª Exª o que fez para evitar que poucos andem a “sustentar” muitos? Por alguma razão é que o país caiu no fundo. .

          • Profa farta de medíocres on 11 de Agosto de 2013 at 23:04

          Ó Zitror que sabes alguma coisa em concreto diz algo “hómi”. Não te acanhes.

      • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 15:26
      • Responder

      Já estive em duas escolas TEIP da região. A palavra certa para as definir é PODRIDÂO. Só quero ir para uma escola TEIP se a única alternativa for a fome.

        • Maria on 10 de Agosto de 2013 at 17:02
        • Responder

        Faça fisgas… pode ser que que comece rápido a sentir o cheiro dessa podridão.

          • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 22:39

          Espero bem que não. São lugares que dispenso bem.

        • andreia silva on 10 de Agosto de 2013 at 18:17
        • Responder

        Mas então a senhora quer um cheque pago por todos nós para colocar os filhos numa escola onde não possam estar os pobres que quer evitar…. ahahahah

          • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 22:38

          Em alguma das minhas frases/afirmações referi pobres? Vocês da esquerda abortadeira paga com os meus impostos passam a vida a falar nos pobres, mesmo quando ninguém falou em pobres. Seus tristes. Se tiveres que fazer uma prova de conhecimentos estás lixada. Nem sabes interpretar comentários com 3-4 frases.

    • sandra correia on 10 de Agosto de 2013 at 13:37
    • Responder

    mas isto anda tudo doido?????brincar assim com crianças de 5/6 anos…que criaram espectativas e não vão entender que não vão entrar para o 1º ciclo por “medidas economicistas”…uma vergonha…mais uma…quando é que mandamos esta gente embora???


    1. Será bem assim. Com seis anos entram sempre para o 1º ciclo.

        • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 15:29
        • Responder

        uy, eles não sabem o que dizem. Passam a vida a falar no modelo finlandês, mas quando este modelo faz o contrário do que eles defendem calam-se que nem ratos. Na escola finlandesa entra-se com 7 anos. Chama-se maturidade. Na Finlândia vai-se à escola para se aprender, não para se brincar.

          • IU on 10 de Agosto de 2013 at 21:44

          E mais nada. Tem toda a razão. Nesse país não “sustentam” quem não quer estudar. Já tive turmas em que alguns alunos não deixavam dar as aulas e “mandavam” nos restantes. Quando lhes apetecia faltavam mas ao almoço estavam sempre. Os iluminados que param por este blog gostava de ouvir a opinião deles se tivesse filhos numa turma dessa. Parabéns pelos seus comentários realistas.

          • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 22:41

          Sempre do lado da verdade, UI, sempre!!!

        • João Pires on 10 de Agosto de 2013 at 16:14
        • Responder

        Com seis até 15 de setembro sim, agora se fizerem os 6 após 15 de setembro está dependente da existência ou não de vaga.

          • Augusto Silva on 10 de Agosto de 2013 at 19:10

          Mas qual é a diferença de fazerem 6 anos até 15/09 e após dia 15/09?? No ensino pré-escolar isso não se põe. As turmas são feitas com os alunos que nascem num determinado ano e não com a indicação de quem nasce antes ou depois de 15/09. Como se sentem as crianças que vêm os seus colegas de turma progredirem e eles não???? Pelo que leio vão ficar felicíssimos!!!!!!!!!!!!!!

    • Isa on 10 de Agosto de 2013 at 13:48
    • Responder

    Só uma pergunta:
    Já não há horários zero?
    Parece que agora há turmas a mais…

      • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 15:30
      • Responder

      Mas o governo não tinha dado cabo de tudo?

    • Filipe on 10 de Agosto de 2013 at 13:50
    • Responder

    Para quando uma manifestação a sério, ao estilo brasileiro? Pois, país de brandos costumes, políticos fazem o que querem.


    1. Tem razão. Somos de brandos costumes pois se assim não fosse não tínhamos permitido que o anterior governo nos deixasse a pedir esmola e já tinham sido chamados à responsabilidade nem permitir as reformas vitalícias, por exemplo.

      • trr on 10 de Agosto de 2013 at 15:11
      • Responder

      Seja o 1º.

      • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 15:31
      • Responder

      Não há povo mais corrupto que o brasileiro. Os pobres só não são mais corruptos e não roubam mais porque não têm oportunidade.

        • PINTIU on 10 de Agosto de 2013 at 21:45
        • Responder

        Boa.

        • Profa farta de medíocres on 11 de Agosto de 2013 at 23:05
        • Responder

        Os ricos no Brasil são os pobres que tiveram oportunidade de roubar.

    • Professora e Prima do Crato on 10 de Agosto de 2013 at 14:04
    • Responder

    Vergonhoso.

    • Maria M. on 10 de Agosto de 2013 at 14:07
    • Responder

    E nem assim os pais / encarregados de educação se decidem a organizar um protesto conjunto com os professores e demonstrar a força da união, que até poderia surtir algum efeito nas atitudes do mec!
    É inacreditável como os pais estão sempre prontos e de lingua afiada para pôr os professores em cheque, causando-lhe problemas na sua profissão, (sei bem do que falo) mas depois ficam calados quando deviam a gir.

      • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 15:33
      • Responder

      No momento actual pais e professores não são compatíveis. Excepto num aspecto: ambos querem é rebaldaria e facilitismo. Reparem como os exames são sempre difíceis quer para pais quer para professores.

        • João Pires on 10 de Agosto de 2013 at 16:11
        • Responder

        Tem razão. Se os resultados são bons é porque o governo aposta no facilitismo, se os resultados são maus é porque fazem exames dificeis, mas afinal o que querem?

        • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 22:45
        • Responder

        Querem passagens administrativas. Depois tiram licenciaturas de vão de escada e vão trabalhar para Londres a 1000€/mês. Só em despesas de quartos lúgubres, sem janelas, e sem roupa de cama, são 190€/mês. Cumpriu-se o sonho, falta cumprir Portugal.

          • madr on 12 de Agosto de 2013 at 0:17

          Em Londres (Inglaterra) não se recebe nem se paga alojamento “ao mês”, lá o sistema de pagamento é à semana (os contratos referem a quantia que se recebe por ano). Gostaria também que me explicasse como se consegue viver com 1000€/mês numa das cidades mais caras do mundo e onde é que arranjou essa pechincha de quarto a 190€/mês (penso que nem os bancos de jardim serão tão em conta)?

          • Profa farta de medíocres on 12 de Agosto de 2013 at 14:54

          @madr. Tem toda a razão quanto ao preço dos quartos. Não é por mês é por semana. Como se consegue viver com 1000€/mês em Londres? Não se consegue. Os 1000€/mês é para o caso de cumprir o horário de trabalho. A malta depois tem de fazer horas extraordinárias à bruta. Trabalhar 14-16 horas/dia.

    • João Pires on 10 de Agosto de 2013 at 16:09
    • Responder

    No meu Agrupamento foi tudo aprovado, Ninguém levantou o problema dos miudos com 5 anos. Há aqui qualquer coisa mal contada.

      • Nuno coelho on 10 de Agosto de 2013 at 16:22
      • Responder

      A legislação permite que alunos que façam 6 anos entre 15 de setembro e 41 de dezembro sejam matriculados, desde que exista vagas nas turmas já existentes. Pelo que li, parece que estes alunos implicavam abertura de mais uma turma. Por isso é que não foi autorizda a matricual destes alunos.

        • João Pires on 10 de Agosto de 2013 at 16:31
        • Responder

        Exato, esse é um dos motivos para não aceitar os alunos com 5 anos.


  2. Escreve-se cinequanon desde quando?

      • Caçador De Bestas Quadradas on 10 de Agosto de 2013 at 21:05
      • Responder

      Desde que se ignora “sine qua non”

      • Profa farta de medíocres on 10 de Agosto de 2013 at 22:47
      • Responder

      Desde que a profissão docente recebeu os “restos” que os outros não querem.

        • Maria on 11 de Agosto de 2013 at 15:39
        • Responder

        Muito bem! Até que enfim alguém diz alguma coisa de jeito!

    • Maria on 11 de Agosto de 2013 at 4:36
    • Responder

    Sinceramente não percebo a questão?

    Porque é que os miúdos com 5 anos em 15 de Setembro devem entrar para o 1.º ano?

    Para existir mais alunos nas turmas desse ano? O argumento é esse?

    Mas já no passado era assim… havia uma data que no caso era 7 de Outubro, porque as aulas começavam nessa altura. Quem fizesse 6 anos a 8 de Outubro não entrava. É uma questão de critério. Entraria nas turmas do próximo ano… e?

    • Pestanaaberta on 11 de Agosto de 2013 at 10:51
    • Responder

    Não se pode confundir colégios com contrato simples (só para lá vai quem tem dinheiro para pagar)..e colégios com contrato de associação (onde os alunos não pagam nada…no entanto existem alguns diretores que cobram um montante, ilegalmente, claro….e estes são financiados por todos nós…e é aqui que reside o problema. Todos os contribuintes estão a alimentar esta gente que enriquece a olhos vistos.

    Se os pais tem disponibilidade financeira para colocar os filhos num colégio com contrato simples (estes não são financiados pelo estado)..força!!! Parabéns!!! Todos queremos o melhor para os nossos filhos!!

      • Pedro on 11 de Agosto de 2013 at 15:36
      • Responder

      Os contratos simples já estão também previstos em legislação ainda em vigor e de 1980!

      SUBSECÇÃO II

      Dos contratos simples
      Art. 17.º – 1 – Os contratos têm por objectivo permitir especiais condições de frequência às escolas particulares não abrangidas por contratos de associação.

      2 – No contrato estabelecer-se-á o montante do subsídio por aluno e a redução da
      propina a que a escola se obriga.

      Art. 18.º As escolas que beneficiarem de contratos simples obrigam-se a divulgar o regime de contrato, a estabelecer as propinas e mensalidades nos termos acordados e a entregar no Ministério da Educação e Ciência balancetes trimestrais e o balanço e contas anuais, depois de aprovados pelo órgão social competente.

      Decreto Lei 553/80, de 21 de Novembro

      http://www.appdae.net/documentos/leis/dl_553_80.pdf

    • rute giz on 11 de Agosto de 2013 at 12:49
    • Responder

    Eu nao sou mãe…mas isso comigo não ficava assim!!!! Para tribunal europeu…já! É uma VERGONHA SINTO-ME TÃO MAS TÃO REVOLTADA COM ESTES PULHAS!!

      • Zitror on 11 de Agosto de 2013 at 15:37
      • Responder

      Ó rute,não forem estes “pulhas” que criaram a lei. Esta lei já vem dos “pulhas” anteriores. A partir de 15 de setembro só entravam se houvesse vaga. Porque não se revoltou com o governo anterior? Também vai levar as reformas vitalícias e os privilégios dos antigos presidentes ao Tribunal Europue? Já agora, leve também os vencimentos dos sindicalistas. Porque razão o contribuinte não sindicalizado tem de pagar o vencimento desses senhores?

    • Ângela Gonçalves on 11 de Agosto de 2013 at 18:08
    • Responder

    O meu filho já tem 6 anos e consta numa turma do primeiro ano do Agrupamento de escolas da Sobreira. Na turma dele está também insrita uma aluna que apenas completa os 6 anos em Dezembro.Como é possível regras diferentes em escolas diferentes? A lei não é a mesma para todos?

      • Profa farta de medíocres on 11 de Agosto de 2013 at 23:08
      • Responder

      É porque nessa escola há vaga e não é preciso abrir mais nenhuma turma. Este é o meu raciocínio.

      • brincar às escolinhas on 12 de Agosto de 2013 at 19:07
      • Responder

      Veja-se o cenário…
      Alunos condicionados não entram, mas existem turmas de 1º ano com alunos a mais, apesar de existirem NEE e mais do que um nível de ensino; mas há escolas onde entram… (isto de poder entrar com 5 não é para todos….não! Só onde há vaga!!! E com esta explicação já se compreende e aceita!) Também há alunos itinerantes retidos que contam (mas que na prática não contam, pois dá jeito ficarem uns quantos…). Conclusão: alunos condicionados permanecem na pré, e como são os mais velhos condicionam a entradas de outros já inscritos que passaram ao estatuto de condicionados (ou seja descartáveis) e os mais novos ficam em casa, pois não têm lugar, pois o grupo está fechado… ficam alunos de fora e professores de fora, IUPIIIIII…. Não interessa se este cenário não está conforme o despacho desde que se cumpram os objectivos de redução, … as crianças não interessam…, aliás estas só atrapalham e os pais mais ainda (a não ser nas festinhas/palhaçadas de fim de ano e para vender rifas para angariação de dinheiro para a escola, aí são bem-vindos, pois o trabalho voluntário dignifica).
      Posto isto, os pais estão radiantes…já que estão desempregados, podem encarregar-se da educação e do ensino dos seus filhos, dispensando os professores e as escolas…
      Aliás, pode ser um pormenor… mas é de estranhar que se leia no despacho 5048-B/2013, art.3º 2 – “a frequência da educação escolar é facultativa…” cada um que interprete como quiser… THE END!

      PS: este cenário é fruto da imaginação perversa e qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.

    • hajapachorra on 13 de Agosto de 2013 at 19:26
    • Responder

    Em ano de eleições, e ainda por cima logo em setembro, há que aproveitar tudinho! Essa é que é essa, aqui no concelho/agrupamento!!!
    Sempre tudo no maior dos silêncios, sempre este critério a presidir a tudo e, como tal,, da direção nada emana. Nem das das diretrizes recebidas que até poderiam clarificar algumas decisões que depois aparecem PORQUE SIM! Quando abrem a boca é em segredo e cada um diz a sua coisa contradizendo quem já piou.
    Neste caos de interesses onde a educação se mistura com a política de forma bastante conspurcada, aceitaram-se todos os alunos, As bestas dos professores depois que se aguentem com turmas de 25 ou de 26, alunos com NEE e com 2 ou 3 anos de escolaridade! Penso que só uma turma ficará conforme a lei!

    E se digo penso é porque até agora, tudo está em segredo! Lá para a 2ª semana de Setembro se saberá! Não, não me enganei: 2ª semana!

    Entretanto, os pais dos alunos matriculados no 1º ano estão contentes (obrigatórios e facultativos), os das outras turmas, na grande maioria também (mantém o mesmo professor)! Se no decorrer do ano as coisas não correrem de feição aos Encarregados de Educação, terão sempre os professores para atacar e NUNCA PERCEBERÃO QUE NÃO HOUVE TOMATES PARA DIZER QUE NÃO HAVIA VAGAS PARA ALUNOS COM IDADE FACULTATIVA (ser o critério do 15 de setembro justo ou não, é outro debate)!!!

    SÃO VOTOS, SENHORES, SÃO VOTOS!

      • brincar às escolinhas on 14 de Agosto de 2013 at 0:54
      • Responder

      Os pais tal como os professores devem defender igualdade de tratamento e respeito pelos critérios já que estes existem! Se quem está na escolas não tem os ditos no sitio e não sabe comunicar com os pais, que saia…há muito professor competente por aí que está de fora. O mesmo já não se pode dizer dos vira casacas dos politicos…

Responder a uy Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog