Igualdades?

Dia 3 do XVIII Governo Constitucional

Pais de alunos com gripe A precisam de atestado médico para justificar faltas por causa dos filhos

É um “paradoxo”: os alunos com síndrome gripal afastados das escolas durante sete dias para evitar contágios foram dispensados de obter uma declaração médica, sendo as faltas justificadas pelos pais no boletim escolar; mas os pais continuam teoricamente a necessitar de atestado médico para poderem ficar em casa a acompanhar os filhos doentes. A crítica é do vice-presidente da Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral, Rui Nogueira, que confessa não entender a solução adoptada para dar resposta à necessidade de colocar em quarentena alunos infectados nas escolas.

A justificação das faltas vai ser o factor potenciador da “maior confusão” num futuro próximo, quando os casos de gripe A nas escolas se começarem a multiplicar, antecipa Rui Nogueira. “Já devíamos estar a acertar estes canais, valia a pena simplificar estes processos”, defende o médico, para quem “não faz sentido” que, por um lado, as autoridades aconselhem as pessoas a ficar em casa e, ao mesmo tempo, as obriguem a ir a um centro de saúde obter uma declaração médica. “É um paradoxo. É um problema meramente administrativo, não é ainda um problema médico, mas vai sê-lo”, prevê.

E esta questão é importante porque vai ser sobretudo nas escolas que o sinal de alarme da epidemia vai soar, em primeiro lugar. Mas até agora ainda não se fez ouvir com intensidade: o máximo observado durante uma semana foram nove clusters de infecção pelo vírus da gripe A (H1N1) em estabelecimentos de ensino, adianta Mário Carreira, da Direcção-Geral da Saúde e coordenador deste organismo para a monitorização dos serviços de urgência. “Ainda estamos no início da subida da curva epidémica”, explica o especialista. Os hospitais e centros de saúde não estão assoberbados de trabalho por causa da nova gripe. Pelo contrário. Os serviços só vão começar a sentir os efeitos da epidemia quando for ultrapassada a chamada “linha cinzenta” (30 casos por 100 mil pessoas) e apenas vão senti-los “a sério” quando se passar a barreira dos 90 casos por 100 mil habitantes, concretizou.

Vários casos de quarentena

Seja como for, já há alguns sinais de que a situação pode estar a complicar-se. Ontem, em pelo menos quatro escolas foram detectados vários casos de infecção, que obrigaram as autoridades de saúde a decidir ou a ponderar a colocação de turmas inteiras em quarentena.

Em Aveiro, três casos confirmados numa turma do 11.º ano da Escola Secundária Mário Sacramento levaram a delegação de saúde pública a manter os alunos nas suas casas até segunda-feira. Neste caso, as autoridades sanitárias concluíram que se justificava a suspensão das aulas porque 13 dos 28 alunos apresentavam sintomas de gripe, adiantou a Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro.

Também na região Centro, um surto de gripe que atingiu 19 alunos (três casos confirmados) levou à suspensão das aulas numa turma do 6.º ano do Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo até quinta-feira, segundo confirmou à agência Lusa o director, Fausto Luís. Na Escola Básica do 1.º Ciclo de Miranda do Corvo estava também confirmado um caso de infecção pelo vírus H1N1 no 4.º ano, mas na turma do aluno infectado as aulas decorriam normalmente.

Uma outra situação foi noticiada pela RTP: na Escola Básica de Carvide, concelho de Leiria, terá sido detectado “um número anormal de casos” de alunos com síndrome gripal mas o delegado de saúde achou que não se justificava a suspensão da turma inteira. Não havia ainda nenhum caso confirmado laboratorialmente, esclareceu mais tarde a ARS. Em Almada, na Escola Secundária António Gedeão, com três casos confirmados e vários a aguardar resultados das análises laboratoriais numa turma do 10.º ano, os pais aguardavam a decisão das autoridades de saúde, a comunicar numa reunião marcada para a noite.

Com o conhecimento de casos a que tem tido acesso exclusivamente pela comunicação social, Albino Almeida, da Confederação Nacional das Associações de Pais, acredita que tudo está a funcionar “com normalidade”. “O facto de não haver más notícias é bom sinal”, nota.

Anteontem, apesar do arranque das campanhas de vacinação em vários países, Portugal incluído, a comissária europeia da Saúde, Androulla Vassilou, disse acreditar que um terço da população europeia poderá ser infectada pelo novo vírus. De acordo com o último balanço, na Europa foram até agora registados 63 mil casos de infecção e 261 mortes.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2009/10/igualdade/

Para que serviu a “paridade”?

Dia 3 do XVIII Governo Constitucional

Portugal cai cinco lugares no índice global que mede a desigualdade de géneros

Pode não ter sido uma consequência directa, mas num ano marcado pela crise financeira, a desigualdade entre homens e mulheres ficou mais vincada. NoGlobal Gender Gap Index2009, que o Fórum Económico Mundial apresenta hoje em Nova Iorque, Portugal caiu cinco posições face a 2008 (tendo em conta o mesmo número de países analisados) e ocupa, agora, o 46.º lugar, numa tabela de 134 países dominada pela Islândia, Finlândia e Noruega.

Há um ano, Portugal conseguia mais pontos nos indicadores que medem a participação económica e as oportunidades de carreira dadas às mulheres, e conquistava vantagens no acesso à educação básica e superior. Comparando com 2008, há uma quebra na igualdade dos salários pagos para a mesma função, no acesso a cargos de topo nas empresas ou na justiça, e às profissões técnicas em geral. Mais: esta é a primeira vez nos últimos três anos que há uma descida na pontuação obtida. O ano passado, o fosso entre géneros reduziu 70,5 por cento. Hoje, essa diferença é de 70,1 por cento.

Nem tudo são más notícias. Olhando para os resultados gerais do ranking, Portugal está acima da média em três dos quatro indicadores utilizados pelo Fórum Económico Mundial para calcular os resultados. Apenas na participação política os pontos obtidos são inferiores (este indicador mede desde o número de mulheres no Parlamento, ao número de anos que uma mulher foi chefe do executivo). Portugal consegue atingir a igualdade de géneros nas profissões técnicas, no acesso ao ensino secundário e superior e na esperança média de vida.

O Global Gender Gap Index avalia a forma como cada país distribui as oportunidades existentes, independentemente do tipo de recursos de que dispõe. É por isso que à frente de Portugal estão o Uganda (40) e o Botswana (39). Este último conseguiu subir 26 posições graças a um enorme aumento da participação das mulheres na força laboral, e a uma maior igualdade salarial.

Na linha da frente da tabela está a Islândia, que subiu quatro lugares e tirou o pódio à Noruega, agora, empurrada para terceiro. Na Islândia há igualdade no acesso a todos os níveis de educação, na esperança de vida à nascença, na conquista de um lugar em profissões mais técnicas, e uma presença equilibrada dos dois géneros na política. Já a Noruega, por exemplo, é o país que mais se destaca pela presença de mulheres no Governo. A Finlândia mantém-se como o segundo país do mundo com menos desigualdade entre géneros.

Em 2009 houve estreias nos dez melhores: África do Sul (6) e o Lesoto (10) entraram pela primeira vez nos lugares cimeiros do ranking. O país de Nelson Mandela, em particular, saiu da 22.ª posição devido ao aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho, no Parlamento e no Governo. Já as Filipinas perderam o 6.º lugar (estão agora em 9.º), mas continuam a ser o único país da Ásia a liderar nesta matéria.

Alemanha (12) e Reino Unido (15) perderam pontos, mas dos países da União Europeia, a Itália continua a ser um dos mais mal classificados: está na 72.ª posição, caindo três lugares face a 2008 devido aos maus resultados obtidos nos indicadores sobre a participação das mulheres na economia.

Os países que menos fazem pela igualdade de género são o Iémen, o Chade, o Paquistão e o Benim

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2009/10/para-que-serviu-a-paridade/

CDS quer ajudar a resolver a avaliação de professores

O CDS-PP tem esperança de que o seu projecto seja uma peça essencial para encontrar uma solução para esta polémica, embora ainda não tenha havido qualquer negociação formal com o PS.

Nesse sentido, os centristas vão apresentar no Parlamento um projecto-lei que recupera o essencial do diploma discutido na legislatura passada e que teve o voto favorável de todos os partidos, à excepção do PS.

Uma proposta em 5 pontos, explicados pelo dirigente Diogo Feio: “Em primeiro lugar [pretendemos] uma avaliação de base pedagógica e científica e não tanto de funções que têm a ver com a organização da escola”.

 “Em segundo lugar, uma ligação entre quem avalia e a área do avaliado. Em terceiro, a possibilidade de arbitragem, que venha a resolver de forma rápida, possíveis conflitos. Quarto, uma avaliação simples, que seja perceptível e, em quinto lugar, muitíssimo importante, uma avaliação que tenha direcção, direcção de natureza pedagógica na forma como é feita” – explicou o dirigente centrista.

Do lado dos sindicatos, a FNE assume que o projecto do CDS é um bom ponto de partida “para que rapidamente se encontre uma solução transitória”.

“Temos vindo a defender que, tendo em conta que um novo modelo de avaliação consistente e duradouro poderá demorar um pouco mais de tempo, se tenha que estabelecer um processo provisório e esta proposta do CDS-PP pode, rapidamente, criar um consenso na Assembleia” – considerou, em declarações à Renascença, João Dias da Silva, da Federação Nacional da Educação.

Menos aberta à proposta está a FENPROF, que, pela voz do seu secretário-geral, Mário Nogueira, considera que “o modelo do CDS não tem qualquer conexão com a actual estrutura de carreira”.

“Eu não estou a defender a estrutura de carreira que temos. Acho que ela deve ser rapidamente alterada. Agora, não é possível alterar o modelo de avaliação no vazio e à margem de todo o estatuto [da carreira docente]” – explicou Mário Nogueira.

Para já não é conhecida a solução do novo Governo num processo de calendário apertado: até ao final da semana, as escolas têm que definir os seus planos de avaliação para o ano lectivo.

Se a proposta fosse a do PCP que diria MN?

Será que os professores se revêm na proposta do “PCP” para a Avaliação de Desempenho Docente?

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2009/10/cds-quer-ajudar-a-resolver-a-avaliacao-de-professores/

Estado garante até mil milhões ao BPN

Dia 2 do XVIII Governo Constitucional.

 

bpn

 

O Banco Português de Negócios (BPN) vai poder financiar-se até mil milhões de euros com recurso a garantia do Estado.

A operação, organizada pela Caixa Geral de Depósitos e que prevê recurso a emissão de papel comercial, foi divulgada esta terça-feira em ‘Diário da República’.

No despacho número 23497/2009 pode ler-se que o objectivo da medida é “assegurar o financiamento de todas as necessidades de tesouraria do BPN decorrentes das responsabilidades pecuniárias assumidas na sequência dos apoios de liquidez prestados pela CGD no contexto da nacionalização”.

O despacho assinado pelo secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, Carlos Costa Pina, fixa uma taxa de garantia de 0,2 por cento ao ano.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2009/10/estado-garante-ate-mil-milhoes-ao-bpn/

Primeiro Fax

Dia 1 do XVIII Governo Constitucional

 

Primeiro fax

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2009/10/primeiro-fax/

“Homens de Luta”

Homens de luta

Dia 1 do XVIII Governo Constitucional.

 

Segundo a subcomissária Carla Duarte, porta-voz do Cometlis, citada pela agência Lusa, os dois humoristas, conhecidos como «Homens da Luta», estavam a «perturbar uma cerimónia de um órgão de soberania», pelo que foram levados para identificação, por não estarem reunidas as condições para serem identificados pela polícia naquele local.

No entanto, várias testemunhas afirmam que os humoristas, que encarnam a dupla Neto e Falâncio, foram levados à força para o interior de uma carrinha celular da PSP, depois de terem surgido na entrada do Palácio da Ajuda quase ao mesmo tempo do que o Presidente da República, Cavaco Silva, e o primeiro-ministro, José Sócrates.

Durante cerca de meia hora, enquanto já decorria a cerimónia oficial de posse do novo Governo socialista e o discurso do Presidente da República, os «Homens da Luta» gritaram ao megafone «Sócrates amigo, a luta está contigo».

 

«Não fomos protestar, fomos dar o nosso apoio a José Sócrates. Os ‘homens da luta’ votaram no José Sócrates porque ele é o melhor primeiro ministro da luta que há desde o Vasco Gonçalves, em 1975»,

Ora toma.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2009/10/homens-de-luta/

Posição Individual

Posição Individual dedicada a todos os que pensavam que eu me tinha submetido a esta ADD.
luar

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2009/10/posicao-individual/

Isabel Alçada vista pelo Antero

ia

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2009/10/isabel-alcada-vista-pelo-antero/

A morte de Bunny Munro (Nick Cave)

amortedebunnymunro

Bunny Munro, caixeiro-viajante, casado e com um filho de nove anos. Este é o improvável protagonista de uma história dura e cruel, mas que se entranha na mente do leitor de uma forma indelével. Quando a mulher de Bunny se suicida, e este parte com o seu filho numa viagem pela costa sul de Inglaterra, o seu objectivo é esconder-se na vida boémia e vulgar que sempre levou, a fazer o seu trabalho. À medida que os eventos se sucedem, contudo, o que parece ser apenas mais uma viagem transforma-se numa descida à ruína e à degradação. Este é um livro forte e directo, sem misericórdia. À medida que o autor nos conduz através dos passos de Bunny Munro, não somos poupados às sombras, ao asco, ao horror e à tragédia. E, ao longo das páginas que constituem este livro, Nick Cave mistura, de forma magistral, o sexo, as drogas e a decadência da vida, com um elemento que é, ao mesmo tempo, esperança e mau presságio: um fantasma. Não há floreados neste livro, para tornar a história mais suave. Tudo nesta história é frio e duro e é assim que o autor a apresenta: clara, dura e precisa. E, à medida que o fim se aproxima, também a ligação do leitor ao protagonista vai mudando, desde o nojo inicial até uma compaixão quase inconsciente. Afinal, esta não é só uma história de decadência: é também uma reflexão sobre a redenção. Não será um livro para agradar a todos os leitores. A sua escrita dura e sem subterfúgios, acentuada por um forte cariz sexual e agressivo de alguns momentos, requer uma mente forte e aberta para ser compreendida em pleno. Para quem conseguir apreciar este tipo de livro, contudo, frio e, por vezes, violento, mas devastador na sua realidade, então A Morte de Bunny Munro será um livro inesquecível.

Magnífico.

Nick Cave will be hosting a series of events throughout Europe to coincide with the publication of his new novel The Death of Bunny Munro. Taking place in intimate theatre settings these unique shows will be a mix of readings and live music, with Cave joined by Warren Ellis and Martyn Casey.

Cave will read selected extracts from his new novel accompanied by live music from Ellis and Casey. The trio will also play a selection of songs from Cave’s extensive catalogue and fans will be given a rare opportunity to interact with the shows, as Cave takes questions from the audience. These shows will be nothing like a traditional concert.

“It will be informal, intimate and strange” says Nick Cave.
The score for the novel was composed by Nick Cave & Warren Ellis and features on The Death of Bunny Munro audiobook, which is available now to download from Audible/iTunes and also as a deluxe 7 CD and bonus DVD package. The audiobook was produced and directed by British artists Iain Forsyth & Jane Pollard, who have also created the lighting and visuals for these very special live performances.

October 2009

Sun 11thLondon, UKPalace
Mon 12thDublin, IrelandVicar
Tue 13thEdinburgh, UKPicture HouseSOLD OUT
Wed 14thAmsterdam, The NetherlandsRoyal Theater Carre
Thu 15thAntwerp, Belgium
Sat 17thHamburg, GermanyKampnagel
Mon 19thParis, FranceThéâtre Marigny
Tue 20thStockholm, SwedenChina Theatre
Thu 22ndMilan, ItalyTeatro Dal Verme
Sat 24thBarcelona, SpainCasino Aliança Poble Nou
Sun 25thLondon, UKPalace

Aguarda-me umas horitas no site www.ryanair.com a ver o que encontro de mais vantajoso.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2009/10/a-morte-de-bunny-munro-nick-cave/

Todas falharam no terceiro

CDS surpreendeu e só um estudo de opinião deu mais votos aos partidos da Direita juntos.

O terceiro lugar conseguido pelo CDS contrariou as sondagens publicadas nas vésperas das eleições. Não foi o BE o mais votado após o PSD e o PS. Quanto ao último lugar, só uma não acertou na CDU. E apenas uma também deu vantagem à Direita unida.

Dos 36,56% de votação nos socialistas, quatro sondagens estiveram a cerca de 1,5% de distância, uns para menos, outros atribuindo uma maior percentagem do que aquela que viria a verificar-se. Um dos estudos de opinião duplicou essa margem de erro.

A sondagem publicada no Jornal de Notícias foi uma das que deram mais 1,5% ao PS, atribuindo 38% ao vencedor. E a distância em relação ao PSD foi de 8%, semelhante à do escrutínio, que é de 7,47%. Ou seja, o estudo deu 30% ao PSD em vez de 29,09%.

As previsões lançadas pelo Público e TVI foram muito próximas também: 38% para o partido de José Sócrates e 29,9% para o de Ferreira Leite. A distância prevista pelo Correio da Manhã entre os dois era ainda maior, de 9,7%. Mas foi o que esteve mais perto do resultado conseguido pelo PSD.

A distância menor surge na sondagem do Expresso e SIC: apenas 34,9% para o PS contra os 31,6% dos sociais-democratas. Foi nos resultados previstos pelo Diário Económico e TSF que o partido do Governo chegou mais longe, com 40%, ou seja, mais perto da maioria absoluta.

O BE manteve-se, nas sondagens publicadas até dia 25, no terceiro lugar, com uma votação entre os 9% atribuídos no Diário Económico e os 11% publicados no JN e DN. O CDS-PP ficou, em todas, no quarto lugar, com excepção para o Público e TVI. Neste caso, eram atribuídos mais votos à CDU, com 8,4% contra os 7,7% dos democratas-cristãos. Ou seja, só aqui os comunistas não ficaram na última posição, enquanto, no Expresso, surgiu um empate entre CDS e CDU em termos de percentagem. Os resultados de ontem vieram confirmar o pior cenário para Jerónimo de Sousa: apenas 7,88% contra os 9,85% do BE e os 10,46% do CDS-PP.

Entretanto, se o partido de José Sócrates conseguiu 36,56%, os dois maiores partidos de Direita somam 39,55%.

Voltando às sondagens, aquela que foi publicada pelo Jornal de Notícias dava os mesmos 38% à Direita do que ao PS sozinho. No Público, CDS e PSD somavam 37,6% contra os 38% socialistas. A sondagem do Correio da Manhã previa 37,7% para os dois partidos de Direita e 38,8% para o PS. No Diário Económico, a distância foi mais curta, dos 39,8% totalizados por CDS e PSD até aos 40% do PS.

Apenas no estudo de opinião divulgado pelo Expresso, SIC e Renascença, os dois partidos da Direita conseguiram ultrapassar juntos a percentagem dos socialistas. Neste caso, a soma foi de 40% contra os apenas 34,9% previstos para o PS.

INCOMPETENTES

Até eu acertei.

Para lembrar as minhas previsões de dia 25:

PSD: 31,12

PS: 31,09

CDS/PP: 9,99

BE: 9,98

CDU: 6,50

Pois, eu sei. Errei no vencedor, mas também não conheço ninguém que viva do RSI. 😆

Mas estava a fazer uma sondagem tendenciosa como as outras e pronto, foi no que deu.

Se alguma empresa de sondagens utilizasse os meus dados, quem sabe se não seriam estes os correctos.

E mais, não utilizei aquelas margens de erro que dão para qualquer lado. Foram tiros certeiros, às centésimas.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2009/09/todas-falharam-no-terceiro/

Load more

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: