Rui Cardoso

Author's posts

Prova de Matemática 6º ano

imag1imag2imag3

 

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/prova-de-matematica-6o-ano/

Sobre a prova de Matemática de hoje..

…dizem-me que em muito se parece à de ontem… Numa prova de Matemática o Português é posto à prova…
Mais logo Partilho a prova para que todos façam o seu juízo.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/sobre-a-prova-de-matematica-de-hoje/

Quem anda a falar do 1º ciclo?…

Professor-aluno-cordas-bambas_03[1]

De facto, o 1º ciclo parece que anda na “berra”!

Tenho assistido a um interesse crescente pelo 1º ciclo, até já se fazem convenções e tertúlias. Fala-se sobre o número de alunos por turma, dos programas, das reformas… Até os Srs. ex-ministros, que na sua altura foram parte do problema, agora surgem com “ideias”… Ele é um corre, corre… Mas para que é que tudo isto servirá? Para onde levará o 1º ciclo?

Enquanto os senhores das “ideias” não se levantarem de detrás das suas secretárias, ricamente ornamentadas por estudos e mais estudos encomendados não se sabe muito bem a quem, não chegaremos a lado nenhum. Enquanto os profissionais, aqueles que todos os dias trabalham em sala de aula, não forem tidos nem achados sobre as reformas, vamos continuar a assistir a uma distorção do 1º ciclo, e não só.

O 1º ciclo necessita de uma reforma de fundo, nas suas bases. Mas essa reforma não pode sair de um qualquer gabinete, tem de sair de uma discussão entre os verdadeiros profissionais, aqueles que todos os dias entram nas salas de aula. São eles que sabem o que está bem e o que está menos bem, são eles que reconhecem as vantagens e as desvantagens da aplicação desta e de outra medida, eles são os especialistas. São reconhecidos por isso? Não. Mas são-no.

São esses profissionais que devem ter um papel ativo na discussão que, agora, parece estar na moda. Cabe-lhes a eles a responsabilidade de trazer a público as alternativas, credíveis, para que se execute uma reforma que, de uma vez por todas, assente nas necessidades que as crianças, a escola e até os governos (pelo menos dizem que sim) precisam para alcançar aquilo que todos querem, o sucesso das nossas crianças. Mas são esses profissionais, que não são ouvidos, que não têm palavra, que se resumem a aplicar aquilo que outros, sem qualquer experiência ou conhecimento real do que se passa nas escolas, têm decidido, que se põem de parte dessa discussão.

Até quando?

Até quando nos vamos manter como meros executores? Até quando o futuro do 1º ciclo vai estar nas mãos e na ponta da caneta de um qualquer burocrata? Porque é que ainda não foi constituída a Associação de Professores do 1º Ciclo? Porque é que têm de sair dos sindicatos as “ideias” de como realizar essa reforma? Porque é que têm de ser ou outros a falar por nós? Porque é que estamos calados?…

Isto não se aplica apenas ao 1º ciclo, há muitos outros grupos que sofrem do mesmo mal…

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/quem-anda-a-falar-do-1o-ciclo-1/

Prova de Matemática do 4º ano

Mais uma prova “fácil”…

Não diria tanto,… acessível será o termo mais adequado!

A prova continha algumas rasteiras, muito ligadas a Português, mas não é, por mim, considerada difícil ou por lá perto… O que me deixou quase perplexo foi a sua similaridade, na forma, às provas de anos anteriores, com Metas e tudo… Estamos perante o “rigor” e “exigência”…

Veremos como serão interpretados os Critérios de Classificação!

caderno 1 caderno 2 cc

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/prova-de-matematica-do-4o-ano/

De que irão falar e o que irão defender?

Clicar na imagem para ver programa.

 

Seminário Internacional

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/de-que-irao-falar-e-o-que-irao-defender/

Prova de Português 6º ano

Aqui fica o exame de hoje, Português 6º ano…

 

clicar nas imagens para aceder à prova de português (prova 61) e aos critérios de classificação.
1212 c

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/prova-de-portugues-6o-ano-1/

A prova de 4º ano de Português

Hoje, os alunos do 4º ano realizaram o exame da 1º chamada de Português.

Na minha opinião, e isso que fique bem vincado, o exame não foi acessível, foi fácil. Um exame como este serve unicamente para viabilizar politicas, para justificar a sua implementação. Um exame em que um dos textos foi, obrigatoriamente, trabalhado em sala de aula na Educação Literária e que consta de pelo menos num manual (Hans Christian Anderson, «Rouxinol», in Três Contos de Anderson, Texto Editores, 2013) (entre outros exemplos que se podem apontar), não me transmite o tal “rigor” e “exigência” que tanto tem sido “propagandeado”… Mas fica aqui o exame, cada um que tire as suas próprias conclusões, sejam elas quais forem…

PS: será que a febre das eleições já chegou a este ponto?…

 

clicar nas imagens para aceder às provas de português (prova 41) e aos critérios de classificação.

caderno1 caderno2 critérios

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/a-prova-de-4o-ano-de-portugues/

Impressões sobre o exame de 4º ano…

Os textos propostos na prova de Português “exigiam o reconhecimento do uso metafórico de certos conceitos que, nitidamente, não estão definidos/previstos nos programas ou nas metas curriculares”, indica a Associação Nacional de Professores de Português num parecer enviado ao PÚBLICO.

Não foi o único obstáculo identificado. A associação chama a atenção para o facto de existirem dois exercícios, nas perguntas de interpretação, que “implicavam a escolha de mais do que uma opção certa”, o que pode gerar “alguns constrangimentos”, uma vez que “algumas crianças estão habituadas a escolher apenas uma resposta”.

No geral a associação considera que o exame “não apresentou um grau de dificuldade muito elevado”, embora esta premissa não se aplique aos textos propostos. Socorrendo-se de uma tabela de análise da dificuldade ou facilidade da leitura/compreensão de textos elaborada pelo perito norte-americano Rudolf Flesch, a associação concluiu que os dois textos escolhidos para esta avaliação apresentam “um score de legibilidade que se situa entre os níveis difícil e muito difícil.

In http://www.publico.pt/sociedade/noticia/prova-de-portugues-exige-conhecimentos-que-nao-estao-previstos-para-o-4-ano-1696017

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/impressoes-sobre-o-exame-de-4o-ano/

Trabalho voluntário… no 1º ciclo!!!

Para a semana vai começar o trabalho voluntário. Terça feira cairão as sortes para Português e quinta feira para Matemática. As reuniões de informação e entrega dos exames serão na quarta feira para quem tiver a sorte de corrigir Português e sexta feira para aqueles que se entreterão com a Matemática.

Valha-nos o dinheiro de despesas de deslocação, uma fortuna, há colegas que até vão de férias à custa desse dinheirito…

No segundo ciclo está-se a preparar o mesmo cenário…

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/trabalho-voluntario-no-1o-ciclo/

Especificidades… retomando o apoio educativo no 1º Ciclo…

imagesRQE4M6R7Por três vezes fui colocado em apoio educativo, foi assim que comecei a minha carreira. Das três vezes, três organizações diferentes. Da primeira vez, colocado numa escola a apoiar uma turma, a direção propôs a divisão da turma em duas, ficando eu a lecionar dois anos e o colega titular de turma, outros dois. Permaneci todo o ano letivo nesse modelo. Da segunda vez, prestava serviço em três escolas, chegaram a ser quatro durante algum tempo, mas o modelo era mais conhecido. Andava de escola em escola, dando apoio, substituindo colegas que faltavam e que usufruíam de horas de redução para amamentação, ou seja passava o dia a calcorrear as estradas do concelho. O caricato deste modelo, é que recebia telefonemas já depois das 9:00, estando eu já numa escola tinha de me deslocar novamente, no meu carro, para outra escola e o mais rapidamente possível. Contava-me, um destes dias, um colega que, quando lhe acontecia tal situação se deslocava de transportes públicos, chegando à escola por volta da hora de intervalo e pedia a restituição do dinheiro despendido no bilhete… Da terceira vez, o apoio educativo, foi exercido em apenas uma escola, onde prestava serviço em três turmas, as substituições, duas, foram organizadas com tempo, uma vez que foram por períodos prolongados. Mas isto foi o que se passou comigo… tenho ouvido relatos de colegas que nem sei como classificar!!!

Pois, temos um colega, colocado em vaga de apoio educativo, no 1º ciclo, lá para os lados da capital, que, tendo os filhos em duas das turmas onde presta serviço, vê os seus filhos retirados das turmas onde estão matriculados durante o período em que lá se encontra, sendo que nenhum dos seus “rebentos” seja ou necessite de ser apoiado. Isto, não me parece muito correto. Não seria mais profícuo retirar da turma os alunos que beneficiam de apoio? Estamos perante um atropelo dos direitos dos filhos do colega, também eles, alunos como qualquer outro, em benefício de outros. Estamos perante um modelo que embora seja o normal, é de todo anormal para aqueles a quem prejudica. O apoio educativo tem como função a descriminação?

Um dos objetivos do apoio educativo é: Promover a integração e a igualdade de oportunidades para todos os alunos com dificuldades de aprendizagem, motivadas quer por necessidades educativas especiais, quer por serem originários de países estrangeiros com sistemas educativos diferentes.”, logo, quem não tem dificuldades educativas não tem direito a igualdade de oportunidades… é a tal equidade…

Também há muitos colegas que, em detrimento do apoio propriamente dito, são professores “enfeitadores”, enfeitam escolas com desenhos e cartazes, colam e constroem prendas e prendinhas, máscaras e mascarilhas, vestidos e vestimentas, tudo para agradar…

Falta ao apoio educativo, clarificação. Tem, de uma vez por todas, que se clarificar e organizar o apoio educativo, e as funções do professor de apoio no 1º ciclo. Não podemos continuar a ser “pau para toda a colher”. Ou somos professores de apoio, ou professores substitutos. Ou realizamos um trabalho com continuidade pedagógica, ou os resultados serão pouco significativos e essa figura não tem razão de ser.

Pergunto-me… Qual será o real objetivo do apoio educativo?…

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/especificidades-retomando-o-apoio-educativo-no-1o-ciclo/

Uma espécie de… Municipalização! Parte II

imagesCMV0LOJINem de propósito…

Ontem num jornal nacional aqui, surgiu uma noticia interessante.

“840 alunos sem papel higiénico”, era o titulo da noticia. relatava como num agrupamento de escolas lá para os lados da capital, os pais tinham de contribuir com 1 “eurito” para a compra de papel higiénico e toalhetes… isto nas 3 estabelecimentos de 1º ciclo e pré escolar, que estão sob a alçada da autarquia no que diz respeito a manutenção técnica, a produtos de higiene e afins… Referia, também, que são os professores a comprar detergentes para que se possa manter a escola limpa e com condições mínimas de higiene. isto é um exemplo que saiu das paredes de uma escola, mas exemplos como este são mais frequentes do que se julga. Não me esqueço de que no inicio do ano letivo um colega se queixava que, a direção lhe tinha pedido que trouxesse uma resma de papel de casa para que pudesse tirar umas fotocópias…

Aqui temos um bom exemplo de Municipalização e o que vai começar a acontecer por esse país fora…

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/uma-especie-de-municipalizacao-parte-ii/

Uma espécie de… Municipalização!!!

 

imagesCMV0LOJI

 

Este é um assunto que fará correr muita tinta, além da que já fez correr.

Andam por aí muitas entidades num corrupio, uns para receber o que julgam ser um “tesouro”, outros para se livrarem daquilo que consideram um peso excessivo para as finanças (este processo já está em marcha e com muitos exemplos). Mas, na perspetiva dos que recebem, e ainda não li ou ouvi ninguém falar sobre o assunto, já temos muitos e “bons” exemplos do que será o futuro das escolas a quem calhou e irá calhar a “sorte” de ter que encarar a municipalização como uma evidência. Sim, as escolas do 1º ciclo.

Pois… se olharmos para as escolas do 1º ciclo veremos parte do futuro das escolas municipalizadas. Até hoje as Câmaras Municipais têm a administração técnica dos edifícios do 1º ciclo a seu cargo. É olhar para este exemplo e termos a noção quase exata do que vai ser… Ainda não vale a pena falar dos novos Centros Escolares, recentes, que embora pareçam ter as condições ideais para o exercício do ensino, muito em breve se verificará que as suas deficiências virão ao de cima devido à fraca qualidade ao nível da construção, mas falemos do mais antigos, que são em muito maior número. Edifícios com idade superior a 20 anos, no mínimo, que oferecem condições de trabalho dignas dos tempos do outro senhor. Ele é, aquecimento deficiente e com ar condicionado natural(oriundo das janelas), é quadros pretos, velhinhos (os interativos nunca mais lá chegam, vêm a pé…), é material informático do século passado, que lá se vai arrastando, mas não suprimindo necessidades (as impressoras estão sempre operacionais, mas com os tinteiros a serem pedinchados a cada passo e que nunca mais chegam) e as fotocopiadoras sempre com os seus toners vazios, isto, as poucas que as têm, os espaços exteriores, é melhor nem falar deles… 

Não se iluda ninguém, porque para além do que se tem falado e discutido nas redes sociais, meios de comunicação e pelo que tem chegado às escolas por “vias travessas”, uma vez, que o segredo parece ser a alma deste negócio, a municipalização não passa disso mesmo, um negócio.

Esperemos que depois do processo concluído, nenhum iluminado se lembre de privatizar a escola pública…

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/uma-especie-de-municipalizacao/

Significados…

imagesZLGSHN3L

Aquele substantivo feminino, que carateriza um ser perfeito. Mulher que tem ou teve filhos, mulher carinhosa, protetora, que dá origem, um ser fantástico, uma espécie de sereia de água doce, uma pessoa que chora facilmente e ao mesmo tempo é a mais forte… considerada a principal entre outras do seu género. Aquela que nos empurra para a frente, que sempre lá esteve, está e estará…

Mãe, todos têm uma. É a única mulher da qual nunca nos poderemos separar e que nos acompanhará em todos os nossos momentos…

Obrigado, mãe…

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/significados-3/

Significados… trabalhador!

images[1]

Trabalhador (adj., sub. masc.), palavra que carateriza a pessoa que trabalha, aquele que produz. Homem laborioso, labutador, aquele que trabalha de enxada, jornaleiro. Mas também conhecido como “mouro”, “burro de carga” e pagador de Impostos ou contribuinte…

O problema é que anda por aí muita gente que, sem nada fazer muito se cansa…

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/significados-trabalhador/

Dia do Trabalhador…

O dia do trabalhador é hoje. Tudo isto começou com a luta dos trabalhadores pela jornada de 8 horas, isto em 1889. Exato!!! Em 1889. Passados 126 anos continuamos na mesma…

Como dizia Paulo de Carvalho, Hoje não vou trabalhar porque faz anos que sou trabalhador…

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/05/dia-do-trabalhador/

Vira o disco… ministro!!!

Palavras do nosso atual Ministro…

“Nós encontramos naquele documento, no que se refere à Educação, muitas preocupações que são coincidentes com as nossas. Encontramos alguns textos mesmo em que é difícil distinguir aquilo que esse texto diz daquilo que já dissemos em textos anteriores. Isto é altamente positivo”,

Ou seja, “vira o disco e toca o mesmo”, venha lá quem vier…

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/vira-o-disco/

Os exames do 4º ano estão à porta…

imagesP6JNUUQJEstamos com os exames aí à porta. Os exames do 4º ano estão aí à porta, os testes Intermédios do 2º ano, também. A ansiedade reina nas escolas entre alunos e professores. Pelo menos os professores já acusam essa ansiedade…

Este ano vão a exame as metas curriculares. Este novo modelo de “rigor” e “exigência” que este ministro quis implementar.

Neste momento o programa está “dado” as matérias foram e estão a ser trabalhadas, até ao ultimo dia, mas ninguém consegue prever o que se irá passar.

Não duvido, de forma alguma, que os professores e alunos estão a dar o seu melhor. Estão a trabalhar para que as aprendizagens se façam da melhor forma, mas as dificuldades têm sido muitas. A disciplina de Matemática é, mais uma vez, a que mais preocupações levanta. Os novos programas, em conjunto com as novas metas acresceram a sua complexidade e dificuldades por parte dos alunos. Matérias que costumavam ser ministradas no 5º e 6º anos, são hoje lecionadas durante o 1º ciclo. Não se teve em conta a maturidade dos nossos alunos, não se respeitou o tipo de sociedade existente neste país e está-se a tentar, através do “rigor” e “exigência”, convencer uma criança de 9 anos que na realidade tem 11… a antecipação de conteúdos sem ter em conta os níveis de abstração que as crianças têm, é a maior dificuldade a combater, mas não a única. O extenso programa é outro, os professores deixaram de ter tempo para consolidar aprendizagens, limitam-se aos manuais, não tendo tempo para que, com exercícios, se consolide a matéria. Para as crianças o problema é semelhante, é lhes debitada matéria para que depois, eles, em casa, a consolidem, muitas vezes sem o apoio desejado.

A Português o problema é o mesmo, embora se notem menos dificuldades, mas que tem vindo a fazer com que os resultados tenham baixado desde que as metas foram introduzidas.

Os últimos estudos referem que no 6º ano os alunos têm menos conhecimentos. Do 1º ciclo,… desculparam-se dizendo que dois anos não é suficiente para termo de comparação.

Esperemos para ver que exames aí vêm, se serão ou não exigentes. Todos nós sabemos muito bem como se pode provar que uma “política” é a mais acertada, mesmo que ela seja a maior das aberrações… veremos então a “exigência” ou o “rigor” a que nos têm habituado…

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/os-exames-do-4o-ano-estao-a-porta/

A saga dos 33 do 1º ciclo… parece que o 25 de abril não foi para todos…

19002_359407970933298_5751265166013977952_n[1]

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/a-saga-dos-33-do-1o-ciclo-parece-que-o-25-de-abril-nao-foi-para-todos/

Significados…

imagem burro

Existe uma palavra no nosso léxico com o seguinte significado, “que não tem capacidade para”.

Essa palavra carateriza todos aqueles que, não conseguem realizar uma tarefa que lhe é incumbida, para que o resultado surta o efeito desejado.

Infelizmente, a tal palavra, não é muito utilizada porque, os professores são pessoas bem educadas…

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/significados-2/

E vem mais uma…

images[8]Já se fala, hoje, que o Mandarim pode vir a ser uma disciplina de opção…. isto vais ser só chinesices… se o Limpópo sabe…

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/e-vem-mais-uma/

600…

imagesAGRB7EZJ

O Projeto de Iniciação à Programação no 1º ciclo do ensino básico teve uma adesão fenomenal…

600 Escolas aderiram ao projeto, um sucesso…

Não vamos ensinar as crianças a utilizar um processador de texto ou uma folha de cálculo, isso é irrelevante. Vamos ensiná-los a programar… qual escola lá do norte da Europa!!!

Em junho começa a formação express de 1800 professores… em apenas um mês vamos formar este pseudogrupo de docência…

Isto é uma Escola de Excelência… rigor…

Sempre quero ver onde as escolas vão arranjar os computadores necessários, vai ser um computador para cada 3 alunos… com alguns Pentium 386 e 486 à mistura e quem sabe, um ou outro Spectrum…

Quem estiver interessado em completar horário, tem agora uma boa oportunidade…

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/600/

(Re)organizando o 1º Ciclo… ou seja lá o que isso for…

imagesGR2V86GBComo ideias há muitas e cada um é livre de defender as ideias que assim entender, vamos a mais uma. (vou tentar manter-me “inopinionico” durante este processo, não quero dar ideias a ninguém).

Com o fim da monodocência, como muitos desejam, à espreita, começam-se a procurar soluções para o 1º ciclo. Uma das soluções que se tem defendido, não sei bem quem, é a de transformar o horário deste ciclo numa versão do horário do 2º ciclo.

Tentemos analisar isto da melhor forma. Vejamos…

Dividir o horário dos alunos em períodos de 45, 50 ou 90 minutos, conforme os gostos, onde serão acompanhados por professores da área a lecionar. Isto vai obrigar a uma ginástica fenomenal, quem elaborar estes horários vai arrancar os cabelos. Mas analisemos um exemplo, não mexendo na organização de tempos letivos existente neste momento…

 

Horário Turma
2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira
9:00 Português Matemática Expressões Matemática Português
9:30 Português Matemática Inglês Matemática Português
10:00 Português Matemática Inglês Matemática Português
10:30 Intervalo
11:00 E. M. Português Matemática Português Matemática
11:30 E. M. Português Matemática Português Matemática
12:00 E. M. Português Matemática Português Matemática
Almoço
14:00 Matemática E. M. Português A.E. Matemática
14:30 Matemática E. M. Português A.E. Inglês
15:00 Matemática Expressões Português Expressões Inglês
15:30 Intervalo
16:00 O.C. E.F Musica E.F. Musica
16:30 O.C. E.F. Musica E.F. Musica
17:00 Expressões E.F. Musica E.F. Musica

 

Fica bem patente que esta organização até é possível, não traz nada de novo (falaremos disso mais à frente), novidade é a supressão de uns tempos às célebres 25 horas, se não contarmos os intervalos como tempo letivo e a redução de tempos reservados para as AEC’s.

Podemos também refletir sobre um horário organizado em tempos de 50 minutos.

 

Horário Turma
2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira
8:30 Português Matemática Inglês Português Português
9:30 Português Matemática E.M. Português Português
10:30 E.F. Português O.C A.E. Matemática
11:30 E.M Português Expressões E.M. Matemática
12:30 Almoço
13:30 Matemática E.M Matemática Inglês
14:30 Matemática E. F. Matemática E.M.
15:30 Expressões Expressões O.C. E.F.
16:30 A.E. Musica E.F. Musica

 

Este modelo é bastante interessante, no que diz respeito à sua análise, é claro. Com as aulas organizadas em tempos de 50 minutos, os intervalos das crianças serão de 10 minutos entre aulas. Está-se a ver no que vai dar, estamos a falar de crianças da faixa etária dos 6 aos 9 anos. Quando os encarregados de educação aparecerem na escola a pedir satisfações, porque o seu educando não lanchou, os diretores de turma ver-se-ão de mãos cheias. Algo que salta à vista é a tarde livre, algo que muitos defendem há muito tempo para este grupo de docência. Os encarregados de educação terão de encontrar soluções para esta tarde, uma vez que a escola deixa de ser a tempo inteiro, mas só neste dia. Verifiquem, também, que as AEC’s estão “misturadas” com os tempos letivos. Uma das soluções passaria por, transformar estas atividades em obrigatórias e de não letivas a letivas. Sempre serviria para colocar mais uns quantos professores. Mas que professores ministrariam este horário? Bem, há várias hipóteses. Podemos manter o professor do 1º ciclo em regime de monodocência, ministrando Português, Matemática, Estudo do Maio, A.E., O.C. e parte das Expressões, até perfazer as tais 25 horas letivas ou já agora, 23 horas, como até permitido, as restantes por outros docentes das áreas em causa (sempre dava para completar uns horários). Ou então, podíamos optar por especializar professores. Que será isto de especializar? Estes cabeças… cheios de ideias… O professor especializado é aquele que só leciona uma disciplina, no máximo duas. Então, alguém lecionaria Português e A.E., outro surgiria para lecionar Matemática e E.M., … Os alunos não sentiriam qualquer tédio em relação a terem de fixar caras de professores, já para não falar na sua organização durante todo este processo. E o que faríamos aos professores de 1º ciclo, aqueles que não têm “especialização”, aqueles que se licenciaram em 1º ciclo? Ora, também temos duas hipóteses em relação a isso. A primeira, democrática, passa por dar a escolher ao docentes que área é que desejariam lecionar, a segunda seria a de “sortear” as áreas pelos docentes. Os docentes do 1º ciclo que têm especialização poderiam escolher entra a hipótese referida atrás ou em lecionar a área de sua especialização. Estão a ver exequibilidade? É uma organização fácil de operacionalizar. Uma das “facilidades” desta organização seria a elaboração de horários. Imaginemos um agrupamento onde o 1º ciclo está descentralizado em pequenas escolas, 2,3 ou 4 lugares no máximo, os Centros Educativos não são para todos, como se fariam os horários? Os professores a acelerar entre escolas, nos seus próprios carros, seriam alvos fáceis para um qualquer radar… Está visto que…

Ainda podemos organizar o horário de uma terceira forma…

Horário Turma
2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira
8:30 Português Matemática Inglês Português Português
9:20 Português Matemática E.M. Português Português
10:10 Intervalo
10:40 E.F. Português O.C A.E. Matemática
11:30 E.M Português Expressões E.M. Matemática
12:20 Almoço
13:30 Matemática E.M Matemática Inglês
14:20 Matemática E. F. Matemática E.M.
15:10 Intervalo
15:40 Expressões Expressões O.C. E.F.
16:30 A.E. Musica E.F. Musica

 

Neste exemplo, colmataríamos a dificuldade das crianças em organizar-se, quer com a deglutição do seu lanche, quer com o entrar e sair continuamente da sala de aula. Mas em relação à gestão de recursos humanos, a realidade seria bem diferente. Os professores teriam de andar a saltar de sala em sala, o mais rápido que conseguissem, uma vez que não se deixa uma turma sozinha dentro da sala de aula, a presença de um adulto é essencial. Se os professores tivessem de transitar entre escolas, essa missão tornar-se ia um pouco mais elaborada, bastava não ter em conta que há períodos em que os intervalos são inexistentes.

As mudanças no 1º ciclo são urgentes, mas para isso há que conhecer o terreno, há que, pelo menos, ter trabalhado nas diversas realidades. As soluções podem ser muitas, mas temos que pensar em todos os fatores. Não podemos olhar para o umbigo de uns e deixar os outros a apanhar frio… Quando, e digo quando, porque virá, se reorganizar este ciclo de ensino, devemos analisar as propostas de forma imparcial, sem favoritismos ou agendas escondidas.

Para refletir, «No 1.º Ciclo, o ensino é globalizante, da responsabilidade de um professor único, que pode ser coadjuvado em áreas especializadas».

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/reorganizando-o-1o-ciclo-ou-seja-la-o-que-isso-for/

Significados…

imagem burroAo procurar o significado de algumas palavras no dicionário, ainda uso o “calhamaço” de papel de vez em quando, deparei-me com uma célebre palavra, em tempos tão utilizada, “burro”. O seu significado continua o mesmo. “burro” mamífero menos corpulento que o cavalo, mas com orelhas mais compridas • adj. (ofensivo) estupido; imbecil. Fiquei perplexo… como é possível que nos dias de hoje ainda se caraterize o animal como estupido e imbecil? Está mais que provado que o “bicho” é só de ideias fixas, teimoso, e se lhe dá para não se mexer, não mexe. De “burro” tem muito pouco, tal caraterização é um insulto ao pobre animal, hoje em vias de extinção (nem sei como ainda, nenhum “amigo” dos animais se revoltou contra isto). Com tantos bons exemplos do que é ser estupido e imbecil hoje em dia…

Pois venho aqui sugerir que se encontre uma outra palavra para os mesmos significados. Tiremos esta pesada carga ao animal…

 

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/significados/

Como (re)organizar o 1º ciclo… Ideias?…

imagesGR2V86GBO fim da monodocência aproxima-se a largos passos, será o fim de uma era que, no nosso país, dura desde sempre.

Fomos caminhando, com pequenos passos, para o estado em que nos encontramos hoje, fomos aceitando as mudanças, adaptando-nos às desventuras de um nível de ensino em constante mudança, qual tubo de ensaio…

Os “illuminatum” nunca tiveram em consideração os interesses de todos os intervenientes, nunca viram o 1º ciclo como um todo.

Na última década as mudanças têm-se agudizado, são constantes, todos os anos se enfrentam novos desafios novas arbitrariedades. Se se têm em conta os interesses dos alunos? A meu ver, eles, só têm servido de desculpa para tais mudanças.

No próximo ano letivo, o do 1º ciclo irá sofrer uma das mais drásticas mudanças dos últimos anos. Não pelo seu conteúdo, mas pelo número de mudanças impostas. Um novo programa de Português, depois de verem implementadas as metas e um novo programa de matemática, a introdução do Inglês como disciplina obrigatória, o que lhes aumentará a carga letiva e para alguns, a disciplina de Iniciação à programação virá sobrecarregar ainda mais o seu horário, já por si, pejado de horas fechados dentro de quatro paredes. E isto das 9h às 17h:30m. É o horário chamado normal… mas muitos ainda frequentam outras instituições, seja para a prática de desporto, seja para a ocupação de tempos livres, pois os pais não têm horários que coincidam com a vida académica dos seus educandos. Tudo isto vai tornar as vidas das crianças ainda mais complicadas.

Isto tudo para dizer o quê?

Para dizer que o sistema de ensino no 1º ciclo, tal como está, e tal como está a ser projetado para o próximo ano letivo, não vai beneficiar os interesses da “bandeira”, leia-se alunos, que alguns usam como desculpa para tentar deixar marca. O sistema de ensino necessita de ser totalmente revisto e não estou a falar em termos de conteúdo, de número de disciplinas, do que deve ser ou não lecionado, estou a falar na sua organização.

O horário do 1º ciclo encontra-se, na maior parte das escolas, no espaço temporal das 9h até às 17h:30m. Isto, porque se entendeu ser mais benéfico no que diz respeito, à ocupação do tempo das crianças e à necessidade dos encarregados de educação de terem de exercer uma profissão e de a conciliar com os horários escolares. Mas será que beneficia as aprendizagens? A meu ver, não. O período do dia em que o cérebro está mais apto a exercer qualquer tipo de atividade que envolva a aprendizagem, isso está mais do que provado, não sou eu que o afirmo, eu só o constato todos os dias, é a parte da manhã. Não cabe na cabeça de ninguém lecionar uma aula de matemática ou português das 16h:30m às 17h:30m. Então, porque não organizar as atividades letivas exclusivamente nessa parte do dia?

A organização do sistema de ensino no 1º ciclo, e em qualquer outro, deve ter em atenção todos os fatores e intervenientes no processo. Os alunos devem poder aproveitar, da forma mais eficaz, a sua estadia na escola para que o processo ensino/aprendizagem se realize. Aos encarregados de educação, deve ser assegurado que os seus educandos têm um ensino de qualidade e que explore todas as suas capacidades. Deve também ser assegurada a escola a tempo inteiro, uma vez que, nos dias de hoje e na sociedade em que vivemos, Assim o exige. Deve também garantir aos profissionais de educação, vulgo, professores, o exercício da profissão aproveitando os períodos de maior concentração para as crianças desta faixa etária. E nisto devemos estar todos de acordo. Se os níveis de aprendizagem subirem, todos os intervenientes ganharão.

Mas porque é que o sistema se mantém? Porque é que, os responsáveis e os políticos, não olham com mais atenção para os tais países que tantas vezes usam como termo de comparação para outras matérias e veem que somos dos poucos países a persistir com este sistema? Isso, como se diz, “cada um sabe de si”… Só sei que este sistema está dado por adquirido, mais vale não se discutir porque, mudar dá muito trabalho, nem que seja para melhor.

Pois, muitos de nós, professores de 1º ciclo, temos a nossa opinião de como o sistema podia mudar e melhorar, mas não temos palavra nos órgãos decisivos. Uma coisa é certa, quase todos sabemos que a mudança é possível. E isso, tem sido assunto de conversa ao longo de muitos destes anos. Pessoalmente, também tenho a minha opinião…

Uma organização possível seria a que já é utilizada em outros países, atividades letivas da parte da manhã e não letivas da parte da tarde, como na Alemanha (ver aqui). Mas como operacionalizar? Como faze-lo sem aumentar a despesa com a educação? E é claro, sem ferir os princípios de uma escola a tempo inteiro? Vou tentar explicar da melhor forma.

Da parte da manhã, que passaria a ter inicio às 8h, ou perto dessa hora, nunca antes. Os professores titulares de turma organizariam as áreas curriculares, Português, Matemática, Estudo do Meio e as Expressões, constantes no programa curricular deste ciclo, durante este período. Terminaria, esta importante parte do dia, pelas 13h.

A hora de almoço decorreria das 13h às 14h:30m.

O período da tarde situar-se-ia entre as 14h:30m e as 17h:30m. Neste espaço de tempo, os alunos beneficiariam de atividades complementares e de enriquecimento curricular. Seria durante a parte da tarde que disciplinas como, o Inglês, obrigatório para os alunos do 3º e 4º anos, a partir do próximo ano letivo, a nova disciplina de Introdução à programação para o 1º CEB, o projeto de educação para a saúde, PASSE, aulas PRESSE, EMRC, orientação do estudo, bem como outros projetos ao nível de escola (hora do conto) ou concelhio e as AEC’S já existentes.

Como já foi mencionado acima, o horário letivo da parte da manhã seria mais produtivo para os alunos, embora a mancha letiva tenha um início “vespertino”, as crianças teriam a vantagem de assimilarem melhor as matérias lecionadas. Os “números” a que tanta importância é dada pelas organizações “observadoras”, isso espelhariam.

Na parte da tarde, o horário seria composto de atividades “mais” lúdicas, mas de igual importância no desenvolvimento das crianças. Dariam aos encarregados de educação a segurança de uma escola a tempo inteiro sem interferir nas atividades letivas e na performance académica dos alunos.

De seguida apresento dois horários possíveis, um de uma turma e outro de um professor, para que se possa visualizar a possibilidade apresentada.

 

Horário Turma
2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira
8:00 Português Matemática Português Matemática Português
8:30 Português Matemática Português Matemática Português
9:00 Português Matemática Português Matemática Português
9:30 Português Matemática O.C. A.E. Expressões
10:00 E. M E.M. O.C. A.E. Expressões
10:30 Intervalo
11:00 E. M. E. M. E.M. Português Matemática
11:30 E.M. Português E.M. Português Matemática
12:00 Matemática Português Matemática Português Matemática
12:30 Matemática Português Matemática E.M. Inglês
13:00 Matemática Expressões Matemática E. M Inglês
Almoço
14:30 O. Estudo In. Prog. Inglês PASSE/PRESSE In. Prog.
14:50 O. Estudo In. Prog. Inglês PASSE/PRESSE In. Prog.
15:00 Proj. Escola EMRC Proj. Escola O. Estudo Expressões
15:50 Proj. Escola EMRC Proj. Escola O. Estudo Expressões
16:10 Ed. Física Musica Expressões Ed. Física Musica
17:00 Ed. Física Musica Expressões Ed. Física Musica

 

 

Horário Professor
2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira 6ª feira
8:00  

 

 

Horário Letivo

8:30
9:00
9:30
10:00
10:30
11:00
11:30
12:00
12:30
13:00
Almoço
14:30 Reservado a reuniões Trabalho individual Atendimento Enc. Educ. Trabalho individual Trabalho individual
15:00
15:30 Hora de estabelecimento
16:00
16:30 Trabalho individual Trabalho individual
17:00

Nota: sexta feira das12h:00m às 13h:00m o professor cumpre uma hora de estabelecimento (não consegui formatar a tabela)

Em termos económicos, não creio que o orçamento do ministério da educação sentisse muita diferença, é tudo uma questão de maximizar recursos. É claro que tal mudança vai envolver alterações na organização dos agrupamentos. Mas somos todos professores, não é por ser professor do 1º ciclo, que deixo de ser professor para os alunos dos outros ciclos. Se tiver que exercer a profissão com esses outros alunos, dentro das minhas competências, vou faze-lo. A colaboração dos professores de EVT, dos professores bibliotecários, dos professores de apoio e até dos professores de Matemática e Português em coadjuvação, em apoio educativo ou em orientação ao estudo, professores de Ciências em atividades experimentais… Isto seria uma quase revolução…

Revolução! Revolução, seria os professores do 1º ciclo, na sua totalidade ou quase, terem condições dignas de trabalho nas escolas para efetuarem todo o tipo de trabalho a que estão obrigados. Mas isso é uma utopia.

E agora puxando a corda, a escola a tempo inteiro podia ir além das 17h:30m. Quando possível ainda se poderia acrescentar uma hora ao horário dos alunos, que disso necessitassem ou por razões académicas ou por impossibilidade de coordenação de horários Pais /Alunos. Já me estou a “esticar” muito. Mas se a organização for a adequada, até se poderia colmatar a falta de apoio que as nossas crianças tê na realização dos famigerados TPC. Um professor de apoio, uma hora por dia, a alunos que necessitassem mesmo da tal hora, o que já acontece em alguns agrupamentos e sempre existiu nos estabelecimentos de ensino particular e cooperativo.

É claro que este modelo não é consensual, é claro que as crianças vão estar fechadas dentro de quatro paredes o dia inteiro, é claro que o tempo para brincadeiras individuais será reduzido, é claro que, fora as disciplinas de carater obrigatório, as outras serão de carater facultativo, caberá aos encarregados de educação, como até hoje, optar ou não, pela sua frequência.

As vozes começam a levantar-se. O certo é que o sistema, conforme está, deixou de funcionar, deixou de dar respostas às exigências da sociedade atual. Os responsáveis têm andado a tapar buracos ao longo dos anos sem resolverem o problema. Só o têm piorado. Chegamos ao ponto que, ou o sistema se modifica, ou o sistema cai. É urgente a mudança, resta-nos saber para onde nos levará…

 

 

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/como-reorganizar-o-1o-ciclo-ideias/

De pequenino é que se torce o pepino… No 1º ciclo!

images[4]

Quando eu era criança, cada vez que os meus pais queriam que aprendesse algo de novo, foram muitas as vezes que ouvi a expressão, “de pequenino é que se torce o pepino”…

O MEC anda a levar essa expressão à letra. No próximo ano letivo, além da inovação que vai ser a introdução do Inglês no 1º ciclo, agora, lembrou-se de introduzir a disciplina de “Iniciação à programação no 1º Ciclo do Ensino Básico”.

Com a introdução do Inglês no 3º e 4º anos, as crianças vão sofrer um aumento da carga horária de 2 horas semanais, não tendo estas horas influência na carga letiva de 25 horas semanais já existente. Mas nesta nova “experiência”, é proposto que as 2 horas utilizadas para o efeito possam ser subtraídas às 25 horas letivas na área de Oferta Complementar ou então nas AEC. A primeira hipótese deixa em aberto o que farão os professores titulares nesse tempo. Aprenderão também eles a programar? Ou vamos assistir a uma dança entre salas onde ministrarão apoio educativo? Não se sabe, ficaremos atentos e expectantes em relação à organização do próximo ano letivo… mais um “pepino” para descascar…

A avaliação desta nova disciplina também não vem explicita. As crianças do 3º e 4º anos, não terão vida fácil nos próximos anos…

 

PS: A monodocência caminha a passos largos para a extinção. A organização do 1º ciclo, de forma camuflada e sem qualquer discussão, está a ser alterada nessa direção…

PS I: Há que referir que esta “medida” pode salvar alguns docentes da “mobilidade forçada”, quem tiver aptidões para esta nova área que aproveite…

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/de-pequenino-e-que-se-torce-o-pepino-no-1o-ciclo/

Aos “33”…

 

images[3]Não são 33, são centenas…

Nas redes sociais, tem-se dado enfase a 33 colegas do 1º ciclo que estão a defender um principio ético, através do direito à greve. Até é com orgulho que leio tal noticia. Não é característico deste grupo de professores um tal “finca pé”. Mas é um exemplo de união. Entre os professores de 1º ciclo, este tipo de luta não tem muita aceitação, mas os tempos mudam e as ideias também. O principio de que os professores são todos iguais quando toca à luta tem que se fomentar, sejam de que grupo forem, sejam contratados ou do quadro, a luta de um tem de ser de todos. Não vou estar aqui a “roubar” o papel a nenhum sindicato. Mas como professor, do 1º ciclo, é com orgulho e admiração que olho para os 33, surpreenderam-me… e, também, é com regozijo, que ouço falar das centenas de outros que, decidiram optar pelo caminho da união e defender um direito que não lhes está a ser sonegado. Tomaram em suas mãos a defesa dos direitos daqueles que, por muitos motivos (sejam eles quais forem), não se conseguiram defender.

 

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/03/aos-33/

Load more

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: