O que se espera do novo Ministro da Educação?

 

Com franqueza, do novo Ministro da Educação, Fernando Alexandre, espero:

– Uma acção governativa norteada pela honestidade intelectual, pela ética, pela transparência e por uma perspectiva humanista da Educação…

O novo Ministro da Educação é Doutorado em Economia, sendo também considerado por alguns como um “perigoso” neoliberal, alegadamente acérrimo defensor das políticas económicas “ultraliberais”…

Independentemente do grau académico, do currículo, da Área de proveniência ou das eventuais convicções em termos de economia política, não pode deixar de se esperar do novo Ministro da Educação:

– Uma acção governativa norteada pela honestidade intelectual, pela ética e pela transparência…

– Uma acção governativa norteada por uma perspectiva humanista da Educação em geral e em particular da Escola Pública…

Se a acção governativa e a competência deliberativa do Ministro da Educação forem guiadas pelos anteriores desígnios, dificilmente serão tomadas decisões e concebidas medidas injustas, ludibriosas e desleais ou se maltratarão os profissionais que trabalham diariamente na Escola Pública…

Se o anterior se concretizar, Fernando Alexandre conseguirá, com certeza, ganhar o respeito e o apoio dos que diariamente trabalham em contexto escolar, contribuindo para que a escola continue a ser um lugar de efectiva esperança…

Mas só poderá haver esperança se houver credibilidade, respeito e confiança…

Estará Fernando Alexandre à altura desse desafio?

Espero que sim, a bem da paz e da serenidade, tão necessárias na Escola Pública, sobretudo depois dos últimos oito anos, em que a mesma foi notoriamente maltratada, humilhada e descredibilizada…

Uma parte significativa dos profissionais de Educação estará neste momento embrenhada num misto de alívio relativamente à anterior Tutela e de apreensão face à incerteza do que se seguirá…

Essa inquietação advirá sobretudo do facto de Fernando Alexandre ser apontado por muitos como um “especialista e devoto dos números” e como um desconhecedor da Área que irá tutelar… À partida, e com franqueza, não parece que tal seja necessariamente mau…

Competirá a Fernando Alexandre demonstrar que um “especialista em números” não é forçosamente alguém desumano e insensível, com a intenção de gerir a Escola Pública como uma empresa, cujo principal objectivo seja a obtenção de lucro…

Competirá a Fernando Alexandre demonstrar que consegue ser um bom Ministro da Educação, isento de dogmatismo e de atitudes déspotas e sobranceiras, e contrariar, pela própria acção, as expectativas mais negativas a seu respeito…

Esperam-se, em resumo, medidas concretas que dignifiquem a Escola Pública e que valorizem os profissionais de Educação…

Uma Escola Pública, actualmente dominada pela perspectiva do entretenimento, presa num “reino de fantasia”, onde pululam algumas ideias delirantes, frequentemente confundidas com inovação educacional, e que a transformaram num misto de incoerência, desacerto, alucinação e pensamento mágico…

A Social-Democracia, aquela ideologia política que dá nome ao PSD, mas que, muitas vezes, parece esquecida pelos próprios líderes desse Partido, terá que decidir e clarificar urgentemente que caminho quer seguir…

Se o caminho for o da causa neoliberal, convirá, talvez, informar os cidadãos dessa decisão, sobretudo os que votaram no PSD, e admitir a hipótese, muito provável, desse Partido Político deixar de ser uma alternativa confiável de governação, a partir do momento em que a escolha for essa…

Luís Montenegro e Fernando Alexandre talvez não devam escamotear que quem votou no PSD confiou num Partido Político fundado na Social-Democracia e não no Liberalismo/Neoliberalismo…

Muito provavelmente, os profissionais de Educação estarão entre os que pior reagirão se se sentirem enganados por essa eventual mudança de identidade do PSD, feita à revelia e sem aviso prévio…

“Just saying”…

Paula Dias

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2024/03/o-que-se-espera-do-novo-ministro-da-educacao/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Daniel Romeiro on 31 de Março de 2024 at 11:17
    • Responder

    Mais um ministro da Educação cuja area de formação não é a Educação, mas sim em economia. Portanto será a logica economicista que estará subjacente às suas decisões e não a educativa. Não é a Educação que preocupa este ministro, mas sim as despesas com a Educação. Agora pensem aquilo que quiserem, mas não esperem melhoras

    • Teresa on 31 de Março de 2024 at 12:24
    • Responder

    Não sei quem escreveu o texto. Mas, a minha intuição diz-me, que não serão bons ventos, nem bons casamentos, que irão chegar.

    • Estêvão on 31 de Março de 2024 at 14:26
    • Responder

    Perspectiva humanista não me parece que tenha. Basta ter presente as suas opiniões mais ou menos recentes.
    Este senhor não pertence ao “Instituto + Liberdade”? Acho estranho não pertencer ao IL. Só vê números….

    • Comandante on 31 de Março de 2024 at 16:59
    • Responder

    O que serve mudar de ministro se a canalha perdedora fica lá toda a “sabotar” as diretrizes superiores? E a fazer “panelinhas” uns com os outros tal uma seita. Desde do delegado Regional de Educação até à direção da administração Escolar, deviam ser todos corridos e colocar lá gente bem formada e competente para desempenhar tais funções!


  1. Para terem uma opinião mais balizada basta ver as suas intervenções no programa da RTP “Mais Economia”. Quem não deve ter ficado mesmo contente foi professor Ricardo Paes Mamede” , seu colega de painel, que discorda em absoluto das suas ideias. LM 1 ministro disse: A situação dos professores é para ficar resolvida nos primeiros 60 dias de mandato. Bem podemos sentados…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: