DOS PIORES PROFESSORES QUE O PAÍS JÁ TEVE – Carlos Santos

Há pensamentos que não morrem, apenas hibernam…
Todo o pensamento doutrinal que defende os contratos de associação, o cheque-ensino e a entrega de parte do ensino ao setor privado, baseia-se na falácia da má qualidade da escola pública. E sempre que se publica e se dá eco às perversas listas de ordenação qualitativas das escolas, tem um único objetivo.

Pois, não me venham falar de rankigs das escolas, nas quais, sem surpresa, as privadas estão no topo. Isto, porque os estudos se baseiam numa falsa ideia de igualdade na amostra que, na realidade, não existe, pois, o universo de alunos do público e do privado não é o mesmo, visto este último não aceita qualquer um. E esse conceito falseado que desacredita a escola pública só passa, porque demasiados comentadores a propagandeiam até à exaustão.
O que sabem muitos desses críticos sobre a escola pública se estudaram sempre em colégios privados?

Se o ensino público não tem falta de oferta de instalações escolares (até tem em excesso) e tem o mesmo universo de professores disponíveis que o setor privado, qual o motivo desta vontade voraz de o entregar a particulares?
E, francamente, sabendo-se que o setor da Educação movimenta mais verbas que o setor automóvel, entende-se de onde vem essa vontade.
Estrutura-se toda uma política assente na retórica dos rankings fazendo crer que a escola privada é de excelência e a pública, medíocre, para convencer a opinião pública a aceitar a entrega de uma boa fatia do ensino público ao lucrativo negócio do setor particular. Um negócio que beneficia uma elite, pago com os impostos descontados por todos nós, revela-se ofensivo.

Este desconsiderar do magnífico trabalho que os professores fazem em escolas em zonas isoladas ou problemáticas, evitando que se destrua o futuro de muitas crianças que a o particular rejeita, é insultuoso.
A escola pública é a única que assegura que nenhuma criança seja marginalizada nem deixada para trás; que permite que todos possam ter igualdade no acesso à educação; que recebe todos, independentemente da sua origem, do seu estatuto social ou condição financeira; é aquela que, funcionando como elevador social, possibilita retirar muitas crianças da pobreza dando-lhes a oportunidade de realizarem o sonho de poderem ter uma vida digna; que permite que, também elas, possam ter direito de serem felizes.

Eu sei que existe quem não entenda o que isto significa.
Sei que, esses tais, acreditam que terá sempre de haver os desfavorecidos para trabalhar para os filhos de quem mais tem e que, – com base nessa devastadora ideologia neoliberal de uma economia selvagem –, ainda tenham de agradecer e prestar vassalagem a quem lhes dá emprego (independentemente dos patrões os explorarem ou, eventualmente, optarem por pagar os seus impostos em paraísos fiscais).
Bem sei que ainda há uma visão delirante que só aceita um mundo no qual o acesso a certos bens e serviços não deva estar alcançável para todos, mas seja um exclusivo para quem pode (pagar).
Sei, perfeitamente, que muitos nunca aceitaram o 25 de Abril e a democratização do acesso ao ensino que possibilita à plebe rivalizar com as elites económicas e sociais.
Sei muito bem dessa ideia repugnante, que já escutei da boca desses monstros – que, nestes ciclos de febre neoliberalista, saem detrás das pedras para dizer barbaridades –, de que tudo gira à volta da seleção natural, na qual os menos capazes devem ser excluídos; de que, aqueles que estão em dificuldades, não são vítimas, mas uns fracassados na vida por não terem conseguido sustentar-se a si nem aos seus.
Sei, porque esse discurso de há uma década, de gente que venera unicamente o dinheiro, está de regresso e vai-se escutando de modo mais ou menos dissimulado em toda a parte onde existe uma dessas criaturas com uma boca falante com direito a tempo de antena sem confronto com o contraditório.

Eu sei do que falo, porque estudei muitas vezes só com fotocópias, andei debaixo de chuva, sol e neve às boleias na beira da estrada sujeitando-me a caminhar quilómetros para chegar a uma escola pública e conheci o sabor da fome e da privação para hoje ter o direito de exercer a profissão que escolhi.
Eu sei que foi um caminho difícil, mas, mesmo assim, bem melhor do que uma realidade que marcou a vida dos meus pais e avós, a quem lhes foi negada a oportunidade de poderem estudar ou prosseguir os estudos além da «4ª classe» (uma realidade que muitos saudosistas e muitos inconscientes se esqueceram ou desconhecem).
Eu sei que, mesmo na atualidade, com os enormes avanços que houve, estando ainda longe de ser um sistema perfeito, este permitiu que muitos saíssem da pobreza, se tornassem elementos válidos para a sociedade e se sentissem próximos da tão desejada igualdade de oportunidades.
Sei do que falo, porque muitos dos meus alunos não chegam à escola de viatura com motorista, porque ainda passam por muitas dificuldades pelas quais eu também passei.
Sei da vital importância desta escola de acesso livre quando, mais tarde, revejo alguns dos meus alunos – os quais a sociedade dava como perdidos –, encontrando-os bem na vida e felizes.
Eu sei, porque a escola pública não rejeita alunos carenciados, com deficiências, com necessidades educativas especiais, dificuldades de aprendizagem, económicas, minorias, cadastrados, problemáticos, marginalizados, rejeitados ou violentados pela vida. Eu sei, porque, todos estes, que os colégios particulares deixam à porta, têm as portas abertas nas instituições de ensino estatal com docentes empenhados em salvá-los e em dar-lhes uma oportunidade.
Assim, para essas instituições de ensino que seletivamente escolhem os seus alunos, é fácil apresentar resultados escolares acima da maioria daquelas que trabalham com todos, sem discriminação.
Eu e muitos dos professores que estão nos estabelecimentos de ensino estatal, sabemos de tudo isto, porque estamos lá a dar o nosso melhor para oferecer uma oportunidade a todos aqueles que os colégios privados rejeitam para lhes permitir, deste modo, estarem no topo dos rankings das escolas de que tanto se vangloriam.
Eu sei, porque, “alguns dos piores [professores] das gerações do presente”* que estão nas escolas públicas portuguesas, dão mais do lhes é exigido, sacrificando-se diariamente para que as nossas crianças e jovens possam ter acesso a um direito básico inscrito na Carta universal dos direitos humanos e dos direitos das crianças.
Carlos Santos
*Homem Cristo, Alexandre. In: jornal Observador, 11-8-2014

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2024/03/dos-piores-professores-que-o-pais-ja-teve-carlos-santos/

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,


  1. O novo ministro e a sua claque bem merecem ser criticados pelas ideias que apregoam e pelas políticas com que ameaçam a escola pública e o erário público. Todavia, o artigo é fraco. Na verdade, não serve a causa por que supostamente pugna. A escola pública bateu no fundo: o facilitismo e a indisciplina são problemas reais. A falta de qualidade de muitos professores, que brincam aos assistentes sociais, em vez de assumirem a tarefa de ensinar e valorizar o saber, que se acobardam no dia-a-dia escolar, em vez de serem, através da acção, guardiães do espírito crítico, é um problema real. A escola pública deve ser elogiada por ministrar ensino de qualidade a todos, mas não é isso que acontece. Está aberta a todos e serve para passar todos, por mais ignorantes e indisciplinados que sejam.
    Defende-se a escola pública, exigindo investimento nela, de modo a que se torne excelente. Não se defende a escola pública com um discurso miserabilista. Já agora, o João Costa, o Coveiro da Escola Pública, bem podia pôr um “gosto” neste artigo: https://www.dn.pt/sociedade/ministro-da-educacao-considera-que-rankings-das-escolas-sao-operacao-comercial-16539118.html/

    • Teresa on 31 de Março de 2024 at 12:34
    • Responder

    Dos textos mais verdadeiros, que li ultimamente e que deveria ser publicado em todas as redes sociais.

    • António Tavares on 31 de Março de 2024 at 14:49
    • Responder

    .
    Meu caro Carlos Santos

    Somos todos diferentes e com QIs completamente diversos.

    Dito isto,

    Importa referir que a Escola Privada e Cooperativa tem (neste momento) uma qualidade Muito Superior á escolinha publica que é um DESASTRE.

    outro aspeto igualmente importante é dar Liberdade de Escolha aos Encarregados de Educação para colocarem os seus Filhos onde entenderem. SÓ TEM MEDO DISTO OS MEDIOCRES.
    .


    1. E que tal voltares à escolinha para aprenderes a escrever!

    • A Prof on 1 de Abril de 2024 at 10:39
    • Responder

    O ensino privado está em decadência desde o escândalo do grupo GPS.
    São inúmeros os colégios com contrato de associação que já desapareceram. Os que ainda continuam, estão em profunda agonia.
    A História ensinou-nos que basta uma governação mais à esquerda para que o setor privado entre em declínio.
    Ora, nestas décadas em democracia, aprendemos que o povo pode eleger partidos mais à direita de quando em quando, mas a regra é vivermos sob a governança socialista.
    Haverá assim tantos tolos a investir no ensino privado nesta “brecha” da direita, para assistir novamente a uma derrocada quando o PS (garantidamente) voltar ao poder? Não me parece…
    Há que relembrar os altos em baixos do ensino privado desde os tempos de Sócrates, pessando por Passos Coelho e finalmente por Costa. Processos altamente desgastantes para quem gere colégios privados, concerteza


  2. “Com certeza” são 2 palavras. A forma como escreveu é em Port. do Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: