adplus-dvertising

Arquivos

Professores em monodocência sentem abandono político e injustiça no estatuto

Os professores do primeiro ciclo e os educadores de infância reclamam igualdade de estatutos, em relação a colegas de outros ciclos de ensino. Querem a redução da carga horária semanal, à medida que a idade de serviço avança.

Professores em monodocência sentem abandono político e injustiça no estatuto

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/10/professores-em-monodocencia-sentem-abandono-politico-e-injustica-no-estatuto/

6 – Possibilidade de Reinscrição na ADSE

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/10/6-possibilidade-de-reinscricao-na-adse/

Violência nas escolas contra professores – Dinis Salgado

Agora, a palavra de ordem é: que as entidades governativas tomem urgentes medidas que ponham cobro a estes desmandos vergonhosos; e o que passa primeiramente pela criação de legislação que proíba e puna tais manifestações de violência e de maus tratos sobre os professores, vindos de pais, encarregados de educação e de alunos; depois, porque o bullying entre alunos tem aumentado assustadoramente, crie-se igualmente legislação que desincentive e proíba estes comportamentos, psicológica e fisicamente reprováveis, para que reine nas escolas a desejada colaboração e paz entre todos.

Violência nas escolas contra professores

Cresce nas nossas escolas a violência contra professores; e, quer exercida por alunos, quer por pais e encarregados de educação, toma geralmente a forma de agressão física ou verbal.

Frequentemente os meios de comunicação social dão conta desta anómala situação a que os sucessivos governos têm dado pouca ou nenhuma importância; e se nem ao comum dos cidadãos esta triste e vergonhosa realidade escapa, pasma-se como aos governantes sobram alheamento e orelhas moucas necessários para deitar o assunto para trás das costas.

Ainda, há tempos, li num órgão de comunicação social que uma mãe, através das redes sociais, mobilizou os pais com filhos na mesma turma do seu para, em grupo, se dirigirem à escola a fim de pedirem contas à professora sobre a reprimenda que exerceu sobre o seu filho; claro que, embora não ocorressem todos os convocados à chamada, o ajuste de contas aconteceu e não correu minimamente pacífico, pois os avisos, as admoestações e as ameaças à professora foram mais do que muitas e de elevada insolência.

Ora, a escola é um local onde o mais importante e prioritário é a educação e aprendizagem; e para que o ato educativo resulte em absoluto é fundamentalmente necessária a colaboração estreita e confiante entre professores e pais e nunca o virar de costas ou, mais grave ainda, a agressão e obstrução de qualquer forma e jeito.

O professor sempre foi considerado e reconhecido como um agente, um promotor de ações educativas e pedagógicas para cujo êxito converge a colaboração, franca e leal, de todos: professores, pais, encarregados e educação e comunidade local; e, se assim não for, comprometido está o futuro das novas gerações e, consequentemente, do país.

Sei, por experiência própria, que ser professor, hoje, não é tarefa fácil e isenta de controvérsia, uma vez que a execução e valorização do ato educativo nem sempre é reconhecido nem aceite por muitos pais e encarregados de educação; e, até, porque, demitindo-se da função de serem os primeiros educadores, não querem passar essa prerrogativa para as escolas e seus diretos agentes – os professores; e esta negativa demissão no acompanhamento e compromisso da formação académica, psicológica e social dos filhos pode estar na base da comprovada rejeição do papel educativo dos professores e, consequentemente, destes atos de agressão e confrontação.

Pois bem, nestes quarenta e oito anos que já levamos de vida democrática o sistema educativo não tem passado de cepa torta e frequentes têm sido avanços e recuos, frustradas experiências laboratoriais, ausência de consensos partidários e de vontade política para lançamento e execução das reformas necessárias que tracem o rumo desejado, certo e seguro para o seu futuro; e, por aqui, passa inevitavelmente a instalação nas escolas da insegurança, da indisciplina, do desinteresse, do abandono e do indesejado conflito de interesses entre os agentes e intervenientes no ato educativo.

Penso que muitos pais ainda vivem obcecados pela figura do professor do antigamente que se consumia a impor a disciplina, a imobilidade e o silêncio dos alunos na sala de aula para que o escutassem na transmissão de um reportório de ideias, de comportamentos e conceitos teóricos; e, assim, alheios continuam à imagem moderna do professor que é mestre-tutor que acompanha silenciosamente e, em muitos momentos, o trabalho ativo dos alunos, individual ou em grupo, com espírito observador, colaborante e autónomo

E, assim deste jeito, o professor passa a ser sujeito criativo, impulsionador e implicativo no progressivo desenvolvimento do conhecimento, da inteligência e das emoções dos seus alunos; e a sala de aula já não é mais um local inerte, sorumbático e ameaçador, onde o aluno detesta estar, mudo e alheio aos estímulos, propostas e ensinamentos do professor que agora ouve mais e fala menos, pouco dirige e mais orienta e estimula.

Por isso, não cabe na escola de hoje a agressão, a violência, a intolerância contra o professor, seja vinda dos pais, seja desencadeada pelos alunos; e, a existir, só se compreende por desconhecimento, alheamento e virar de costas ao envolvimento que realmente nela acontece.

Agora, a palavra de ordem é: que as entidades governativas tomem urgentes medidas que ponham cobro a estes desmandos vergonhosos; e o que passa primeiramente pela criação de legislação que proíba e puna tais manifestações de violência e de maus tratos sobre os professores, vindos de pais, encarregados de educação e de alunos; depois, porque o bullying entre alunos tem aumentado assustadoramente, crie-se igualmente legislação que desincentive e proíba estes comportamentos, psicológica e fisicamente reprováveis, para que reine nas escolas a desejada colaboração e paz entre todos.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/10/violencia-nas-escolas-contra-professores-dinis-salgado/

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: