adplus-dvertising

Arquivos

Porventura, já olharam bem para o vosso recibo de vencimento deste mês?

Quando o vi pensei que, finalmente, os professores iriam passar a ser pagos decentemente… Entrementes, depois de uma segunda olhadela, voltei a assentar os pés terra e reparei que, infelizmente, no papelito digital estava acumulado o subsídio de férias. Evidentemente que o dinheiro na vida dos professores habita um mundo morto, vai definhando com a crescente perda de poder de compra.
A propósito, há quase 40 anos, quando Portugal e Espanha entraram na CEE (União Europeia), os salários dos professores dos dois países eram muito aproximados. Porém, é, na verdade, um tanto curioso que hoje em dia um professor no país vizinho ganhe cerca do dobro do seu congénere português. Isto é bem demonstrativo de que, por cá, os subsídios dados pela UE a fundo perdido, perderam-se sabe-se lá onde e por que bolsos, em vez de aproveitados para aumento salarial para melhorar as condições de vida das pessoas.
Se nos pagassem as imensas horas extraordinárias que fazemos e as ajudas de custo para deslocações e/ou alojamento – tal como fazem noutras profissões – certamente que nos habituaríamos a ver o valor que aparece neste mês de junho nos recibos do ano inteiro.
Tendo em conta que um estudo recente apurou que os professores trabalham, em média, mais de 46 horas por semana, onde está a remuneração das mais de onze horas semanais de trabalho extraordinário?
E se contarmos com visitas de estudo, correção de testes, provas de aferição e exames nacionais, projetos, acompanhamento a alunos, receção de pais fora de horas, resolução de problemas urgentes fora de horário, intervalos a trabalhar, trabalho organizativo e de planeamento, tempo de deslocação entre escolas, além das reuniões e muito mais, facilmente percebemos que ficam muitas horas extraordinárias por pagar.
Noutras profissões, as horas extraordinárias refletem-se nos recibos de vencimento que multiplicam o ordenado-base várias vezes. Com os professores nada disso existe, pois continuam a trabalhar de graça, a utilizar os seus recursos/materiais informáticos e didáticos e, muitas vezes, a financiar a escola com materiais pagos do seu próprio bolso. Temos estado a habituar muito mal o nosso patrão, na medida em que continuamos a cumprir as horas que nos exigem, independentemente do que está registado no denominado “horário semanal” que nos dão no início do ano letivo.
Se nos limitássemos a fazer apenas as horas que nos pagam, ao fim de pouco tempo as escolas paravam. Talvez, nesse momento, fossem obrigados a pagar o trabalho extraordinário que cumprimos para que as escolas pudessem funcionar.
Se este recibo de vencimento refletisse o salário mensal de um professor, hão de convir, seria da mais inteira justiça, em conformidade com o trabalho e responsabilidade exigidos e, mesmo assim, não repunha sequer os retroativos salariais de 12,5 anos de carreira que nos foram roubados (fonte: Paulo Guinote). Além de uma remuneração verdadeiramente merecida, seria da mais inteira justiça para uma classe sobrecarregada de trabalho (muito dele gratuito), subvalorizada, explorada, espoliada e mal paga.
Supondo, pois, que começando por aí, dava-se o primeiro de muitos passos necessários para atrair mais jovens para a profissão e evitar que muitos professores dela desistam.
Carlos Santos

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/06/porventura-ja-olharam-bem-para-o-vosso-recibo-de-vencimento-deste-mes/

Professor por uns meses

 

Os alunos e alunas estão sem professores durante meses e os professores e professoras que concorrem desistem, pois não conseguem lidar com tamanhas requisições. Uma energia que é sugada, não apenas pela aula e sala onde a ligação entre aprendizes e pedagogos acontece, mas pela teia burocrática a que estão votados.

Professor por uns meses

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/06/professor-por-uns-meses/

As Aprendizagens Essenciais, Os Manuais Escolares e as Provas de Aferição

Estava aqui a ver o calendário de adoções de manuais escolares e verifiquei o seguinte:

  • A última adoção de manuais escolares para o 1.º ano aconteceu em 2016 e para o 2.º ano foi em 2017;

 

Assim, tendo em conta que a prova de aferição do 2.º ano de Estudo do Meio, que foi aplicada ontem, tinha questões que não se encontram nos manuais escolares adoptados antes da entrada em vigor das aprendizagens essenciais é certo que a grande maioria dos alunos não têm manuais onde os principais órgãos – coração, pulmões, estômago e rins constem para estudo.

 

Nos manuais em vigor, apenas no 3.º ano os órgãos fazem parte do manual, pois nas anteriores metas esta área era lecionada no 3.º ano.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/06/as-aprendizagens-essenciais-os-manuais-escolares-e-as-provas-de-afericao/

Concurso Externo / Contratação Inicial / Reserva de Recrutamento 2022/2023 NOTIFICAÇÃO DA DECISÃO DA RECLAMAÇÃO

 

Encontra-se disponível para consulta, a notificação da reclamação.

SIGRHE – Notificação da decisão da reclamação

Nota informativa – Notificação da decisão da reclamação

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/06/concurso-externo-contratacao-inicial-reserva-de-recrutamento-2022-2023-notificacao-da-decisao-da-reclamacao/

Notificação da Decisão da Reclamação

A partir de agora é possível que a qualquer momento sejam publicadas as listas de colocação, ordenação e exclusão ao concurso externo anual.

 

Notificação da decisão da reclamação

 

Encontra-se disponível para consulta, a notificação da reclamação.

SIGRHE – Notificação da decisão da reclamação

Nota informativa – Notificação da decisão da reclamação

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/06/notificacao-da-decisao-da-reclamacao-3/

O desprezo, a empatia e a disciplina de português – Luís S. Braga

 

Terminei o ano letivo a tratar de um caso em que um grupo de alunos deixou de falar com um deles, durante semanas. Conheciam-se de sempre e não se dirigiam a palavra, fosse em que meio fosse. O excluído estava desfeito.
Não se pode obrigar a falar, mas pode-se fazer refletir.

A arma social do desprezo e da indiferença é hoje comum e usada com displicência., mas não é nova. O efeito agrava-se com as redes sociais.

Há um quadro de Veronese, que se chama mesmo “Desprezo” e “Le mépris” (desdém ou desprezo), além do livro de Moravia é um filme genial de Godard, com a lindíssima Brigitte Bardot e uma desprezível discussão de 34 minutos. O tema tem larga representação artística.

O desprezo de hoje tem nova escala.

A minha avó, quando me portava mal, “dava-me ao desprezo” uns dias. Não ouvir nada de alguém de quem gostava era um castigo terrível e angustiante para uma criança.
Preferia que me batesse, coisa que não fez. E muito me esforçava por obter uma palavra qualquer que fosse.
Ainda hoje o desprezo, mesmo momentâneo, de quem goste ou só estime me faz reviver esse tempo de angústia infantil.

A minha avó não conhecia a palavra empatia, mas usava um truque pedagógico essencial e que me fez ser mais empático: a indiferença e o desprezo dos outros, de quem gostemos, vêm de algum lado e é preciso dialogar para o resolver. E a um miúdo que foi abandonado pelo pai (me desprezou) a coisa batia forte. E acho que me fez melhor pessoa.

O problema é que isso da empatia dá trabalho, constrange e é difícil ensinar aos miúdos, como vi no caso concreto.

Além de terem dificuldades com a língua, não são treinados para ver o ponto de que o desprezo se deve evitar. E depois de entrar por aí é difícil sair, porque é preciso a empatia dos outros. Isto é, não nos darem ao desprezo.. E de desprezo em desprezo o mundo ficará desprezível.

No caso concreto falaram e fez algum efeito. Por isso Português não pode ser só gramática.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/06/o-desprezo-a-empatia-e-a-disciplina-de-portugues-luis-s-braga/

Em Portugal paga-se mal

Em comparação com os restantes Estados-membros, Portugal é dos que paga pior e tem menor produtividade.

O relatório “Estado da Nação: Educação, Emprego e Competências em Portugal” revela que a pandemia dificultou a entrada dos jovens no mercado de trabalho e o ensino à distância provocou perdas de aprendizagem que podem ser irreversíveis.

Ter canudo compensa? Salários de licenciados caíram 11% em 10 anos

A má notícia é que o salário médio, nestes dez anos, só aumentou para quem tinha o ensino básico. Uma subida na ordem dos 5%, puxada pelo aumento do salário mínimo.

Quem tem o ensino superior perdeu 11% do rendimento, quem concluiu o secundário, viu o salário médio cair 3% em dez anos.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/06/em-portugal-paga-se-mal/

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: