Simplificando a falta de professores- Luís S. Braga

 

9,43 €. Este é o salário líquido hora de um professor com 27 anos de serviço e formação larga (4º escalão).
Um professor em início de carreira ganha muito menos e nem tem o benefício de um lugar de quadro ou alguma previsibilidade para ter emprego. Além da distância à familia e residência, em tantos casos.
Este professor concreto demorou 10 anos a ter o lugar de quadro e 23 a ficar na terra onde mora.
E nunca vai passar do 8º escalão (onde já devia estar, se o que estava previsto à entrada na profissão fosse cumprido pelo “patrão pessoa de bem”).
Escrevam os tratados nos jornais e blogues que quiserem, dêem as voltas que derem, os comentadores, opinadores, etc não podem fugir a isto.
Paguem melhor, que não vai haver falta de professores e qualificados (as pessoas procurarão a qualificação se ela compensar).

Vamos simplificar a discussão? E ir ao ponto…..

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2022/04/simplificando-a-falta-de-professores-luis-s-braga/

10 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,


  1. Estamos no 3º período de mais um ano (desde 2018-19 que me lembre, como professor e encarregado de educação) em que há falta de professores durante a maior parte do ano em vários gruos disciplinares. Nada de relevante foi feito e agora querem soluções “urgentes”, claro que “no interesse dos alunos”. Nesse interesse, sublinhando que a minha petiza já não tem de ter professores de Português contratados em saldos para fingir que teve a disciplina no 12º ano, eu volto a propor que @s mais de 800 director@s se dignem ir 5 horitas de aulas (ainda seriam umas 4000 semanais) e os restantes elementos das “equipas directivas” com direito a forte redução de horário (serão, pelo menos, uns 2500) façam o mesmo e assim conseguiremos mais 125.000 horas). Não digam que, com isso, as escolas deixariam de funcionar porque eu quero acreditar que com o cansaço que isso lhes causaria talvez deixassem de inventar “pintelhices” (linguagem à catroga) para os outros fazerem e quase todos ficaríamos mais felizes.

      • Airam on 18 de Abril de 2022 at 15:23
      • Responder

      Não poderia ser mais “objetivo” … parabéns … a melhor via para acabar exatamente com o que diz … “pintelhices”!!! Mas olhe, colega … há por aí muito diretorzeco que não consegue pegar numa turma … em Faro há um exemplar perfeitíssimo … diretor “galardoado” pelo PSD local … nunca foi capaz de lecionar na verdadeira aceção da palavra … mas quem o ouve falar … até o diabo “convence” (este entre aspas tem um vernáculo correspondente!!!)

    • Jotas on 18 de Abril de 2022 at 14:49
    • Responder

    Se o estado pagar melhor e permitir melhores condições de trabalho, terá os profissionais que são necessários.
    São as regras de mercado a funcionar.

    • joao on 18 de Abril de 2022 at 15:58
    • Responder

    o estado com a ajuda dos outros partidos vai é fazer turmas de 40 alunos, dar horas extraordinárias obrigatórias aos profs , diminuir a CNL e colocar no sistema brasucas a preço de saldo.

    tudo em nome da €€€€€ ops …qaulidade

    ps- quanto mais te baixas….

  2. Isto é uma citação que não está atribuída, dando a sensação que foi o autor a colocá-la.
    Não é bem assim.
    E não havia nexexidade do “truque”.

  3. Sim, aos diretores e ajudantes sobra tempo para campanhas políticas, pó de cânticos, aparições por cima da azinheira à porta da escola quando há muito popó e muito papá para ver e ser visto,…tempo para longos telefonemas para espiões de passagem e de ancoragem, tempo para engendrar maquiavelice e passear pelo bar e secretarias.
    Que vão mas é dar aulas! Dessa forma não faltarão professores, terão um melhor conhecimento da realidade e tornar-se-ão mais eficientes!
    Aí um fifty fifty chega bem! 50 a lidrar, 50 a dar o exemplo!

    • João Almeida Pinto on 18 de Abril de 2022 at 21:12
    • Responder

    Espero bem que no ME leiam estes comentários/propostas.
    Para situações excecionais medidas excecionais! Colocar os colegas das direções das escolas, coordenadores de estabelecimentos,… a assumirem (mais) turmas enquanto o déficit de professores se verificar, deverá ser uma opção em cima da mesa.
    Em tempo de guerra não se limpam armas.

    • Lucinda Pereira on 18 de Abril de 2022 at 22:39
    • Responder

    Uma mulher a dias ganha mais à hora que um professor no 4º escalão, ao pé de casa e sem despesas de transporte.rsrsrs

    • Vianense on 18 de Abril de 2022 at 23:01
    • Responder

    O Braga não é vice-diretor??
    Eheheheh

    • Prof Possível (aka Maria Indignada) on 19 de Abril de 2022 at 6:07
    • Responder

    Pois eu sou um desses professor que retratam.

    Não estou perto de casa, nem tenho transportes públicos como opção para ir trabalhar.

    Entre combustível e portagens gasto cerca de 400€/mês para trabalhar, ao que acresce o cansaço acumulado ao longo dos mais de 20 anos a comer alcatrão para ir trabalhar. Acresce a não consistência nas condições concursais ano após ano, e como resultado ando a saltar entre quadro de QZP e quadro de escola a tentar optar pelo que me será mais favorável para me aproximar mais de casa mas sem sucesso algum.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: