Professores desconfinados à força

 

Desconfinados à força

Quando olhamos para o estado da educação no nosso país é inevitável não pensarmos nas desigualdades que se vão acentuando no seio da comunidade estudantil. Ficamos legitimamente indignados, porque sabemos que tudo isto poderia ter sido certamente evitado, tivesse o Governo planeado com a devida antecedência um possível regresso ao ensino à distância que se tornava cada vez mais inadiável com a escalada no número de novos casos de Covid-19 registado diariamente no país. Mas, infelizmente, como se costuma dizer, uma desgraça nunca vem só e parece-me que ultimamente a comunicação social se tem esquecido, talvez até propositadamente, da peça essencial do ensino em Portugal: os professores.

No dia 14 de janeiro, o Governo aprovou um Decreto-Lei que obriga ao teletrabalho, sempre que este é possível (o incumprimento desta medida constitui uma contraordenação). Perante uma situação de teletrabalho e a menos que haja alguma estipulação a este respeito no contrato de trabalho em contrário, está previsto que o empregador forneça o material tecnológico para informação e comunicação ao trabalhador, garantindo a sua instalação, manutenção e pagamento de despesas inerentes. É deveras intrigante que o próprio Ministério da Educação se mostre incapaz de cumprir tal exigência. Face a esta falha tão gritante, não houve, sequer, a preocupação de procurar qualquer tipo de consentimento da parte dos membros do corpo docente para utilizarem, quando o possuem, o próprio material tecnológico, oferecendo em troca uma compensação que, ainda que pudesse ser simbólica, reconheceria o esforço de todos aqueles que dedicam agora ainda mais horas do seu dia para levar o ensino até casa do maior número de alunos possível.

E se o docente for infetado com Covid-19 no local de trabalho ou na deslocação até lá, quem será o responsável? Será ele próprio? Porque são os professores coagidos a saírem das suas casas e a violarem o confinamento obrigatório para fazerem algo tão simples, mas tão essencial como dar uma aula? Muitas destas questões não têm resposta e provavelmente também não terão num futuro próximo.

Resta-nos esperar que possam servir de reflexão e que, desta vez, um possível terceiro regresso ao ensino à distância seja planeado cautelosamente e com a devida antecedência.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2021/02/professores-desconfinados-a-forca/

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Lecturer on 14 de Fevereiro de 2021 at 11:02
    • Responder

    E aqueles que se deslocam às escolas para apoiar alunos q não têm condições em casa nem computador, pois mesmo sendo escalão A, não foram integradis na fase escassa da escola digital?
    E aqueles que vão à escola ajudar pais e alunos a configurar os computadores?
    E aqueles q vao entregar e receber trabalhos?

    • Belagris Marques on 14 de Fevereiro de 2021 at 13:19
    • Responder

    E os professores de Educação Especial que continuam a trabalhar? E em que condições?

    E ninguém fala nem nos professores de Educação Espacial nem dos alunos da Educação Especial.

      • Ovelha on 14 de Fevereiro de 2021 at 13:52
      • Responder

      Trabalha e não bufes Tareco…
      És um triste.

        • salsera on 15 de Fevereiro de 2021 at 11:49
        • Responder

        Vai para o pasto Ovelha…

    • fernandasobralinho on 15 de Fevereiro de 2021 at 11:29
    • Responder

    É redigir um documento para a direção assinar em como assume as responsabilidade cível e criminal por eventual infeção e suas consequências no docente e suas famílias.
    Assim, caso haja infeção com consequências graves e/ou casos de morte as direções podem ser acusadas no Ministério Público por tentativa ou mesmo homicídio por negligência.

    • Rosário on 15 de Fevereiro de 2021 at 17:33
    • Responder

    Desconfinados à força estão também os docentes de educação especial das unidades, que trabalham com alunos sem máscaras, sem rastreios, sem vacinas e sem garantias de segurança, alguns dos quais trabalharam inclusivamente no período da interrupção letiva. Destes ninguém fala!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: