A Culpa é de Nuno Crato? Alexandre Homem Cristo Responde

1. Saíram os resultados do TIMSS 2019. Esta é uma avaliação internacional de referência, como o PISA da OCDE, que monitoriza as competências dos alunos do 4º ano a matemática e ciências, de 4 em 4 anos. Em Matemática, os alunos portugueses pioraram claramente, entre 2015 e 2019.
2. A matemática, em 2015, Portugal teve score de 541. Em 2019, caiu 16 pontos, para 525. Este score é até inferior ao de 2011 (532). Pioria não foi só o anular dos excelentes resultados de 2015, mas queda profunda. Em Ciências, a aparente pioria não é estatisticamente significativa.
3. No detalhe, observa-se uma queda em competências-chave. No raciocínio, é brutal: 519 (2019), quando antes estava consolidada — 532 (2015) e 531 (2011). Queda também no conhecimento (548 em 2015, 523 em 2019). Seja números, geometria ou dados, a pioria acontece em todos domínios.
4. Isto reflectiu-se no ranking internacional. Em 2015, Portugal teve o 13º melhor desempenho. Em 2019, caiu 8 lugares, para a 21º posição. Isto revela que a pioria em Portugal não foi acompanhada por outros países. Ou seja, é um problema português, não é uma tendência global.
5. Estes resultados espelham os efeitos das políticas públicas do PS na educação desde 2015. Não haja qualquer dúvida: os ciclos do TIMSS estão alinhados com ciclos governativos. Em 2015, o TIMSS foi também o teste de algodão das políticas públicas então implementadas (2011-2015).
6. O TIMSS 2019 testa alunos que fizeram 1º ciclo (2015-2019) sob governo PS. No relaxamento imposto pela eliminação de exames. No desvalorizar das metas curriculares de 2012 (criticadas pelo governo desde a 1ª hora). Sob novas orientações e Aprendizagens Essenciais no seu 4º ano.
7. Do mesmo modo, o TIMSS 2015 testou alunos que fizeram 1º ciclo (2011-2015) sob governo PSD-CDS. Com provas finais de ciclo, com novas metas curriculares, com uma declarada ambição de exigência na aprendizagem da matemática. E num contexto de crise económica.
8. O contraste político entre 2015 e 2019 é absoluto. São duas visões antagónicas em confronto. Já sabíamos. Mas o TIMSS tem a vantagem de clarificar efeitos, porque alunos dessas edições são produto das visões respectivas, realizando 1º ciclo sob orientações políticas específicas.
9. Mais: em 2019, houve condições óptimas para alcançar melhores resultados. Maior orçamento na Educação, mais professores nos quadros, menos alunos (sangria demográfica) e por isso melhores rácios de recursos por aluno, contexto económico de crescimento. Mas resultados pioraram.
10. Então, o que explica a queda em 2019? Duas coisas. Primeiro, a ausência de exames, que baixaram o compromisso de aprendizagem (como a literatura científica avisou que aconteceria). Ao eliminar as provas finais do 4º e do 6º ano, o governo PS promoveu relaxamento nas escolas.
11. Segundo, as alterações curriculares — desde a flexibilidade curricular (gestão de 25% do currículo nas escolas) à rejeição das metas curriculares (acusadas de serem demasiado exigentes), passando por fim pelas Aprendizagens Essenciais, a fasquia baixou estruturalmente.
12. O governo já responsabilizou PSD-CDS/ Nuno Crato pelos maus resultados em 2019 🤣. Pelo exposto acima, a acusação é objectivamente falsa. É só desespero e spin político. Estes alunos começaram escolaridade obrigatória sob o PS e levaram com todas as alterações então efectuadas. E, já agora, pela lógica do PS, em 2015 os bons resultados seriam mérito de quem? De Isabel Alçada? 😂 Enfim, é mesmo só para rir.
13. Nota final. Entre 2001 e 2015, Portugal avaliou alunos do 4º ano, com provas de aferição ou exames finais. Desde 2016, o governo acabou com essas avaliações. Por isso, o TIMSS tem a importância reforçada de ser a única fonte de informação fiável sobre os desempenhos no 4º ano.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/12/a-culpa-e-de-nuno-crato-alexandre-homem-cristo-responde/

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Ai Cratinho, ai cretino! on 8 de Dezembro de 2020 at 13:19
    • Responder

    O Crato foi a pior coisa que podia ter acontecido no ensino. Quis estar acima da lei para abater professores. Resultado, foi para a rua. Pena ter ido tarde de mais!

      • Renato on 8 de Dezembro de 2020 at 14:11
      • Responder

      Acha que sim? Depois depois “ver” o consulado do Tiago Brandão Rodrigues? O seu comentário impressiona!

      • Carlos on 8 de Dezembro de 2020 at 14:19
      • Responder

      Tiaguinho & Amigos, Lda, são 30x piores.

    • PG on 8 de Dezembro de 2020 at 14:18
    • Responder

    Em 2019, os alunos do 4º ano que começaram a escolaridade em 2015, desceram pela primeira vez desde 1995 os resultados em Matemática. O actual Governo, sob cujo mandato estes alunos fizeram todo o 1º ciclo culpa o anterior e as “políticas de Nuno Crato” que tinham permitido em 2015 prosseguir os ganhos anteriores. Isto é um nível superior de desonestidade política. Ou apenas não saber contar de 4 em 4.Em 2019, os alunos do 4º ano que começaram a escolaridade em 2015, desceram pela primeira vez desde 1995 os resultados em Matemática. O actual Governo, sob cujo mandato estes alunos fizeram todo o 1º ciclo culpa o anterior e as “políticas de Nuno Crato” que tinham permitido em 2015 prosseguir os ganhos anteriores. Isto é um nível superior de desonestidade política. Ou apenas não saber contar de 4 em 4.

    • Alecrom on 8 de Dezembro de 2020 at 14:23
    • Responder

    “A evolução negativa, como avaliado pelo TIMSS entre 2015 e 2019, é particularmente reveladora do efeito da política educativa em curso. Esta consegue mesmo anular os efeitos positivos dos fatores externos à escola, nomeadamente a expansão do ensino pré-escolar, a evolução da escolaridade dos pais e do rendimento económico das famílias (estimativa de 34.000 euros para 2019) nas aprendizagens dos alunos.”

    https://observador.pt/especiais/precisamos-de-mais-nao-menos-exames-um-comentario-aos-resultados-do-timss-2019/

    Alecrom: lol

    • Alecrom on 8 de Dezembro de 2020 at 14:41
    • Responder

    A acusação não é falsa,
    é…
    socialista, lol.

    • Francesc Ferrer Y Guárdia Um Bocadinho Manco on 8 de Dezembro de 2020 at 15:51
    • Responder

    concordar com o Homem Cristo dói-me um bocado… mas desta vez é verdade! É de um descaramento atroz deitar as culpas ao Prof. Nuno Crato, que também não admiro… Toda a gente sabe o que se passa hoje nas escolas portuguesas com a aplicação do 54 e do 55… A exigência é zero, o currículo já nem existe : é esmagado até que bufe” aprovado”. Uma legislação catastrófica pare estes resultados de catástrofe… Mas ainda está só a começar… está mesmo só a começar… porque nos próximos anos irão aprofundar-se as consequências absolutamente calamitosas desta pedagogia da treta! Mas quem serão os culpados? Ora , meus caros amigos, os professores que não souberam aplicar uma política tão bem gizada… Crónica de uma morte anunciada!!!

    • Prof on 8 de Dezembro de 2020 at 16:51
    • Responder

    Gosto particularmente de ” (como a literatura científica avisou que aconteceria).” Que literatura científica? Nem aos meus alunos eu admitiria uma afirmação tão mal sustentada. Mas estes senhores, novos baluartes da educação neoliberal, adoram atirar areia para os olhos em terra onde poucos possuem mais do que um.

      • Jorge on 9 de Dezembro de 2020 at 9:32
      • Responder

      Tem toda a razão. É um artigo muito pouco sustentado cientificamente e de quem pouco percebe de educação. Se assim não fosse, apresentaria argumentos pedagógicos e não políticos, mas percebo que é mais fácil… Caiu no mesmo erro do Governo: faz acusações que nada servem para analisar a situação. Mesmo nas afirmações verdadeira, peca por falta de argumentos. Bom seria que se fosse à verdadeira raiz do problema. Os professores de matemática que estão no terreno bem sabem as razões do insucesso. Perguntem-lhes.

    • Zabka on 8 de Dezembro de 2020 at 17:10
    • Responder

    Este sai ao bisavô

    • curioso on 8 de Dezembro de 2020 at 21:49
    • Responder

    Continuo a ver pessoas que nem com provas:
    Quanto mais se “relaxar” pior será o nível de aprendizagem, basta ver aquilo que os colegas professores fazem com os respetivos alunos: “Este período vamos relaxar e não vamos fazer teste(s)” e depois os alunos irão melhorar porque não têm a pressão dos testes!!!! Tenham piedade de mim por favor. ACORDAI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: