Mais do que nunca, “agasalhem-se” é a palavra de ordem nas escolas – Eduardo Sá

 

Mais do que nunca, “agasalhem-se” é a palavra de ordem nas escolas

Estão 17 graus e chove, abundantemente, lá fora. À minha frente, tenho os meus alunos. Todos de máscara, claro. Um frasco de álcool em gel. Dos grandes. E toalhetes. As janelas estão todas abertas. As portas também. Na minha escola as correntes de ar mandam mais do que ninguém. Receio que esta ideia de criar condições para que um vírus não se intrometa entre nós e as aulas seja generosa. Mas se com 17 graus já é impraticável conciliar o frio, as correntes do ar e o barulho da rua quando se dá aulas, pergunto-me o que irá acontecer, depois, quando a temperatura cair. Estaremos todos mais “arejados”; sem dúvida. Mas as probabilidades de ficarmos constipados não pararão de aumentar. “No covid; only gripe”. Talvez seja mais esta a palavra de ordem.

No entretanto, todos vamos escutando que o “sistema” funciona. Mas não é verdade. O sistema “desenrasca” soluções. Com voluntarismo. Com as melhores das intenções. Mas engana-se quem dá a entender que tudo funciona de forma quase normal. Não é verdade! Tudo funciona, de forma quase inacreditável, dentro duma anormalidade de condições que não param de aumentar. Com os professores a darem o melhor de si. Sem as condições mínimas indispensáveis para que o seu trabalho seja consequente. Mas a quererem – muito! – ensinar. Com os alunos a condescenderem com tantos obstáculos à sua aprendizagem que os tornam n’ “o exemplo” de educação para a cidadania. Que nos devia levar, a todos, a olhar para eles. E com os pais, no meio das suas mil preocupações, a esperar que ninguém se magoe demais, no meio disto tudo. Mas – hoje, mais do que nunca – para além de esperarem que a escola aconchegue os seus filhos a zurzirem-lhes aos ouvidos para que o seu “amor à camisola” não lhes permita ir só de t-shirt para a escola. Hoje, mais do nunca, a palavra de ordem das mães será: “Agasalhem-se!!!!”. Mal sabem aqueles que não estão na escola porquê.

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/10/mais-do-que-nunca-agasalhem-se-e-a-palavra-de-ordem-nas-escolas-eduardo-sa/

2 comentários

    • RF on 21 de Outubro de 2020 at 11:41
    • Responder

    Converseta e mais converseta. Que tal escrever qualquer coisa com sentido crítico? Qual a necessidade de tecer um elogio generalizado aos alunos, se há muitos que relaxam no cumprimento das regras sanitárias, quando não se opõem a elas ou as violam? Qual a razão por que não se aponta o dedo às condições em que o governo quis que se efectuasse o regresso às escolas? (Já agora: por que carga de água é preciso apresentar uma imagem idealizada e aparvalhada do professor como alguém que quer “muito!” ensinar? Eu quero ensinar, mas a minha vontade de o fazer é constantemente posta à prova pela resistência à aprendizagem de muitos alunos, pela pequena e grande indisciplina… Quero ensinar, mas o sentido da minha vida não passa por servir quem despreza o meu trabalho e o auxílio que ele representa).

    • Filipe on 21 de Outubro de 2020 at 12:51
    • Responder

    Vão ter os alunos no Inverno com temperaturas negativas no exterior e janelas abertas ? Então , instalaram nas escolas uma espécie de campo de concentração Comunista só visto em Patarei ou Fascista visto em campos concentração NAZIS . Os membros do Governo também estão nos seus aposentos de janela aberta no Inverno ? Acho normal depois acontecerem coisas diabólicas como aconteceu em França a um professor , é a normalidade das culturas a funcionarem , pelo bem e pelo mal .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: