Bücherverbrennung ou a queima dos livros no Reino Unido

 

Bücherverbrennung ou a queima dos livros no Reino Unido

O Governo britânico baniu das escolas todos os livros e materiais escolares associados à promoção do fim do capitalismo. Assim sendo, nas escolas não se deve ensinar ou promover princípios opostos a uma economia cujo objecto único e primordial é a obtenção de lucro, de capital.

Ler mais aqui

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/10/bucherverbrennung-ou-a-queima-dos-livros-no-reino-unido/

3 comentários

    • FIlipe on 12 de Outubro de 2020 at 15:11
    • Responder

    Mais de 100 anos volvidos após a “gripe espanhola” , vivia-se uma Guerra Mundial e Portugal soube dar a volta , agora no presente , vai enterrar muita gente , mais que a Peste Negra e mais mortos e feridos do que a guerra de África provocou . A brincadeira de Governos totalistas fascistas travestidos em Socialismo não engana ninguém . A morte e sequelas está agora ao alcance de qualquer Português mesmo precavido . A guerra está ainda no princípio … “é só uma gripezinha” … dizia i outro , mas repetido por todos os Capangas do Governo , Lda. .

    https://www.noticiasaominuto.com/mundo/1602626/comecam-a-notar-se-sintomas-a-longo-prazo-da-covid-19-alerta-nhs

    • Alecrom on 12 de Outubro de 2020 at 19:58
    • Responder

    O capitalismo democrático é a sociedade em que vivemos e onde quero continuar a viver.

  1. O capitalismo é um sistema económico. A democracia é um regime político. O Alecrom parece incorrer numa confusão categorial, agravada pelo facto de o capitalismo ter um pressuposto antidemocrático: o império do lucro privado sobre todos os valores sociais (a própria democracia nada conta para o capitalismo). De resto, a questão tratado no artigo tem que ver com o condicionamento (antidemocrático) do acesso à informação e ao conhecimento por parte de um governo, o britânico, que endeusa os mercados, na esteira de Tahtcher, pondo em causa tudo quanto é público e promove uma redução das desigualdades, das económicas às “individuais”.

Responder a Alecrom Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: