Em França todos os exames foram substituídos por avaliação contínua

 

O Ministro da Educação Francês, Jean-Michel Blanquer, anunciou que todos os exames nos diferentes ciclos, do “bac” e da “patente”, serão substituídos por avaliação contínua.

As avaliações consideradas em cada disciplina serão as obtidas ao longo do ano letivo, incluindo o terceiro trimestre, com exceção das avaliações obtidas durante o período de contenção.

No Reino Unido foi tomada a mesma medida.

 

Bac et Brevet 2020 : toutes les épreuves sont remplacées par les notes du contrôle continu

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2020/04/em-franca-todos-os-exames-foram-substituidos-por-avaliacao-continua/

8 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Zaratrusta on 4 de Abril de 2020 at 9:52
    • Responder

    Provavelmente estamos a falar de países nos quais os decisores políticos (ou quem os aconselha) percebem alguma coisa de educação.

    • MARIONETE on 4 de Abril de 2020 at 16:29
    • Responder

    Ora aí está uma decisão controlada… mas Portugal gosta mais de montar a tenda de circo…aulas por tv… ponderação de aulas presenciais em plena pandemia…ora diz uma coisa ora diz outra…ora vamos falar dia 3 de abril…ou então a 9 de abril …ora há aulas mas só poderá ser decidido até 4 de Maio ….TANTA COISINHA …TANTA CONFUSÃO…TANTA FALTA DE PULSO…TANTA MANIA DE QUE SOMOS BONS ….

    • pretor on 4 de Abril de 2020 at 16:40
    • Responder

    Nesses países há um ministro da educação que tem poder de decisão e sabe pensar.

    • Maria da Fonte, a genuína on 5 de Abril de 2020 at 16:10
    • Responder

    Por que razão não adotar a mesma estratégia em Portugal?
    No 12º ano, por que razão é que a nota da disciplina à qual os alunos fariam exame, não se transforma na nota de acesso ao Ensino Superior?
    Que condições terão os discentes para realizar exames? Foram os conteúdos lecionados de forma equitativa no país? E o acesso aos mesmos, foi igualitário?
    Mesmo apelando à resiliência, obrigação dos jovens nesta época, parece que a realização de exames está, na opinião de pais e docentes, claramente comprometida .

      • Mariana on 6 de Abril de 2020 at 9:15
      • Responder

      Os alunos do 12ºano já fizeram o exame das disciplinas específicas o ano passado. Eles já têm exames realizados! Os alunos do 11º podem fazer os exames para o ano. É preciso acabar com esta paranóia!

    • maria on 5 de Abril de 2020 at 18:35
    • Responder

    Considero sensatas as medidas destes dois países. Para o 12 ano , terem aulas presenciais no início do próximo ano, no natal , fariam os exames nacionais e entrariam na Faculdade em janeiro. Aulas presenciais em maio , parece-me cedo atendendo à situação que estamos a viver

    • Lígia Silva on 6 de Abril de 2020 at 12:27
    • Responder

    Por favor, não traduzam por “patente” o que na realidade é o equivalente das nossas Provas Finais de 9.º ano e que contemplam, em França, provas às disciplinas de Francês (como aqui Português), Matemática, Ciências (Naturais, e Física e Química), História e Geografia e, ainda, uma disciplina de opção.
    Quanto à notícia em apreço, não restam dúvidas de que se trata de países mais pragmáticos. No caso da França, contudo, é preciso salientar que o acesso ao ensino superior não depende de médias, pois a triagem dos alunos é feita pelas próprias universidades ao longo do curso.

    • José Calçada on 14 de Abril de 2020 at 14:28
    • Responder

    Esta história de manter os exames, na presente circunstância, não lembra ao diabo, mas lembra ao senhor que faz de ministro da educação. É a paranóia da classificação, em vez de se preocuparem com a avaliação. Por outro lado, uma situação como a que vivemos reúne em si mesma todas as condições para que se não aplique o ensino à distância — para que se não aplique, repito –, o qual não se compadece com improvisos técnicos e sociais. A equidade sairá gravemente ferida, uma casa não é uma escola: temos 2 milhões de pobres directos e mais 2 milhões que, não fossem os apoios sociais, também o seriam — estamos a falar de 40% da população do país! Vamos colocá-los ainda pior com esta aventura do ensino à distância? Ou acha alguém que esta é uma oportunidade para uma “modernice”? Assim, não vamos lá…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: