E@D – Ensino à distância ou Exames à distância?

E@D – Ensino à distância ou Exames à distância?

Os tempos não estão fáceis. Todos (ou quase todos) já perceberam. O Ministério da Educação, diretamente ou através das suas várias secções (DGEST, ANQEP, Direção-Geral), já anda num frenesim muito comum, mas habitualmente menos mediático, a exigir mundos e fundos aos professores. Ao enviar às Escolas “8 Princípios Orientadores para a Implementação do Ensino a Distância (E@D) nas Escolas”, onde parece querer conduzir-nos a um admirável mundo novo, ignora-se que muitas das medidas até já são aplicadas e são prática relativamente comum na relação dos professores com os seus alunos e respetivos encarregados de educação, contudo intermitentemente.

O problema é que alterar tudo, passando a ser algo ordinário, em tão curto espaço de tempo, com as condições técnicas (leia-se informáticas) já de si miseráveis, é tarefa hercúlea porque a Educação, apesar de toda a propaganda, tem sido o parente pobre do Estado. Começa pelos professores, cujos congelamentos e ausência de progressões na carreira, limita necessariamente a sua disponibilidade financeira para grandes investimentos tecnológicos. Aliás, muito é feito já, pois não deve haver classe profissional que tanto investimento próprio canalize (do seu parco rendimento) para meios que, em rigor, deveria ser a entidade patronal a disponibilizar. Termina, naturalmente, nas famílias que, na sua grande maioria, dispõem de parcos recursos e de meios limitados para estarem tecnologicamente apetrechadas para este E@D. Como vai ser possível, portanto, superar esta questão? Somos famosamente conhecidos pela nossa capacidade para o “desenrasca”. Mais uma vez certamente irá acontecer!

E os exames? Também serão à distância? É que, neste hipotético ensino à distância, preparar alunos para exames presenciais, segundo a tradição, é diferente de terminar simplesmente o ano letivo, com experimentalismos, com maior ou menor rigor. Exige-se saber se os alunos farão exames nos moldes tradicionais, de acordo com a calendarização já estipulada ou outra a indicar, seja para os professores programarem as atividades a desenvolver, seja por uma mera questão de honestidade. É inadmissível que, à pressão dos exames, se junte a incerteza total. Os ministros (ou quem tutela) têm esta responsabilidade e não podem escusar-se de tomar decisões. Embora a espada de Dâmocles pareça pender para os lados do Ministério da Educação, é nesta altura que precisamos de decisores efetivos. É para isto que são escolhidos entre muitos outros excelentes, dado que a coisa pública exige uma confiança absoluta na integridade moral e ética do Estado. É que não basta ser honesto, é também preciso parecer honesto!

 

José Viegas – Professor de Português na AE Santos Simões – Guimarães

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/04/ed-ensino-a-distancia-ou-exames-a-distancia/

6 comentários

6 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Marco Ferreira on 1 de Abril de 2020 at 11:42

    “ignora-se que muitas das medidas até já são aplicadas e são prática relativamente comum na relação dos professores com os seus alunos e respetivos encarregados de educação, contudo intermitentemente.”
    Em que se baseia para escrever isto?
    Já agora: Educação a Distância.

    • José Viegas on 1 de Abril de 2020 at 12:58

    Marco Ferreira, baseio-me em vinte e quatro anos de prática letiva consecutiva e na observação do trabalho feito pelos demais professores das diversas Escolas onde já tive o privilégio de trabalhar. Quanto ao “à ou a Distância”, como professor de Português (com formação em Latim e Grego), gostaria imenso de discutir a questão e tenho lido muitas interpretações sobre esta e outras expressões similares, mas este não é o espaço nem o tempo mais adequado.

    • Marco Ferreira on 1 de Abril de 2020 at 13:13

    Então… senso comum.
    Não fique aborrecido com o “a”. Use como quiser.
    Longe de mim querer ocupar o espaço com coisas que não considera apropriadas.

      • José Viegas on 1 de Abril de 2020 at 14:47

      Um abraço, Marco! Não fiquei aborrecido, era o que faltava! Pelo contrário, agradecido por ter lido com interesse o que escrevi (e que não passa da minha perspetiva). São estas discussões que, como certamente concordará, nos fazem questionar e, consequentemente, crescer. Desejo-lhe muita saúde!

    • Marco Ferreira on 1 de Abril de 2020 at 14:49

    Igualmente!

    • João Martinho on 2 de Abril de 2020 at 15:43

    Completamente de acordo contigo, amigo Viegas. Mais, para que se saiba: o Ministério da Educação é a empresa no mundo que mais escritórios tem, a casas dos professores! E, sim, “ensino à distância”! Já estamos habituados à incompetência de quem escreve os documentos “oficiais” não só na escrita, mas em muito mais…
    Um abraço e muita saúde!
    João Martinho

Responder a João Martinho Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog no Facebook