“Temo que em breve haja muitas dificuldades em ter professores para dar aulas”

 

“Temo que em breve haja muitas dificuldades em ter professores para dar aulas”

 

“Temo que muito brevemente tenhamos enormes dificuldades em ter professores para dar as aulas e assegurar o funcionamento das escolas”. O aviso é feito por David Sousa, vice-presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (Andaep), perante as manifestações crescentes de “mal-estar” entre o corpo docente que diz sentir nas escolas, o número de reformas que tem superado as próprias estimativas do Ministério da Educação e a pouca atratividade atual da carreira.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/12/temo-que-em-breve-haja-muitas-dificuldades-em-ter-professores-para-dar-aulas/

27 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Vanda Maria de Bragança Serrão on 12 de Dezembro de 2019 at 11:05
    • Responder

    E de quem é a culpa? Não só olhar para o aluno e para os encarregados de educação, tem que se olhar também para os principais agentes da aprendizagem – o Professor- coisa que há muito, mas muito tempo , ninguém faz.

    • Pardal on 12 de Dezembro de 2019 at 11:53
    • Responder


    Este Senhor Diretor (que é também ele professor) está equivocado. Não existe qualquer carência de professores em Portugal. Pelo contrário, existem professores em excesso para as necessidades do País.
    Acresce que a oferta de mão-de-obra docente é de tal ordem que há docentes que aceitam horários de 5, 6, 7…horas letivas cujo salário apenas dá para as despesas de alojamento e alimentação. Isto é a prova inequívoca do excesso de professores.

    Este tipo de afirmações deste diretor (também ele professor) insere-se num discurso já conhecido por “choradinho”, mas não colhe.

      • N.Ribeiro on 12 de Dezembro de 2019 at 12:07
      • Responder

      Lol.

      • João on 12 de Dezembro de 2019 at 12:42
      • Responder

      Amigo Pardal, você já sabe alguma coisa sobre o novo ECD? Obrigado.

      • Paulo Anjo Santos on 12 de Dezembro de 2019 at 12:54
      • Responder

      É lá, conseguiste falar da falta de professores sem falar em sopas nem em baixas fraudulentas e outras coisas demonstrando total desprezo para com so professores ?! Quem te viu e quem te vê…

      E eu pergunto-te, se há muitas pessoas a dizer isso, será porquê? Se já há muitas escolas que não conseguem contratar professores de algumas disciplinas e os alunos vão estar o ano inteiro sem professor, e sabemos nós que se vão reformar muitos professores nos próximos anos, será que não é normal que haja muita gente preocupado com isso?!

      Por acaso, pela primeira vez desde que dou aulas, meti baixa esta semana e vou precisar de ser substituido, porque dificilmente poderei ir trabalhar antes de 3 meses. O meu grupo nem é dos mais carentes mas eu não sei se vão arranjar facilmente alguém que me substitua. Talvez sim porque é um horário completo, mas é no Algarve…

      Depois também me pergunto porque é que insistes em não ver a realidade do que se passa?! Ganhas alguma coisa com isso? Na realidade se as falhas aumentarem chegará a um ponto em que já não podes fingir que não vês (de certa forma não sei como é que ainda não chegaste), a tua teimosia não vai fazer nada pelo problema, e fica-te mal fingir que não vês. Tal como já fiz em relação à tua postura aqui, vou mais uma vez ajudar-te nesta situação para que faças bem o teu trabalho de «Boi» do PS. Em vez de teres essa postura diz antes que realmente por várias questões a falta de professores em algumas zonas jé é um problema mas os teus camaradas estão atentos à situação e a fazer tudo para que o problema não se agrave e se possa resolver no futuro… depois pagas-me alguma coisa pelas ajudas que te tenho dado, podes entregá-las numa instituição de apoio social… mas vê lá se escolhes uma que não seja daquelas que os teus amigos do partido criam para sacar mais uns milhares.

      • Francsico on 12 de Dezembro de 2019 at 14:03
      • Responder

      Os professores são tantos que até dá para distribuir destacamentos especiais aos “bois “, alguns travestidos de aves raras, que proliferam por essa blogosfera.

      • Paula Cataluna on 12 de Dezembro de 2019 at 14:54
      • Responder

      Caro
      Acredite que em breve bem essas horas existem professores a aceitar e de certeza que não é contratado senão saberia o porque de se aceitar esses horários.. tem noção que para conseguir ser colocado num horário de 14h que já é uma ajuda tb tb de concorrer para os de 8hhh… e depois temos o azar de ficar num de 8h.. sabe a diferença salarial entre ambos?? Então pense… mas, não esqueça que os mais novos nas escolas a maioria já está quase nos 40 anos e muitos de serviço e ainda contratados??? Que vai haver falta vai… mas lógico que não é nos próximos 3 anos… mas muito em
      Breve

      • Pardaleca on 12 de Dezembro de 2019 at 19:32
      • Responder

      Pardal=Labrego

        • maria on 23 de Fevereiro de 2020 at 22:26
        • Responder

        Concordo. Pardal=Labrego

      • Paulo Anjo Santos on 12 de Dezembro de 2019 at 20:59
      • Responder

      O pardaleco quer fazer passar a ideia que um professor aceita um lugar de 6 ou 7 horas longe da sua residência porque não tem outra opção… é preciso ter mesmo muito pouco material dentro do crânio para lhe passar uma coisa dessas pela cabeça, ou pensar que é possível fazer os outros pensarem em tal parvoíce!
      Quem aceita esse tipo de horários são colegas que têm horários incompletos e arranjam assim forma de os completar. No limite podem ser colegas que não tem outro horário mas vivem perto da escola e complementam esses horário com outra/s atividade/s.
      Mas estás tão bem comportadinho, foi-se a arrogância, o desprezo, a altivez, só falta ir-se a partidarite… ah pois, isso não pode ir, é o que te dá o graveto ao fim do mês, não é?

      • FM on 12 de Dezembro de 2019 at 22:14
      • Responder

      Vai levar na cloaca Pardal Rosa!

      • Vanda Maria de Bragança Serrão on 13 de Dezembro de 2019 at 7:03
      • Responder

      Deve estar a dar no particular?

      • Enganadinha da Silva on 13 de Dezembro de 2019 at 18:18
      • Responder

      https://www.youtube.com/watch?v=pP_J2eqSde0

      • Enganadinha da Silva on 13 de Dezembro de 2019 at 18:27
      • Responder

      https://www.youtube.com/watch?v=IOdr0J2U4Gc

      • maria on 23 de Fevereiro de 2020 at 22:26
      • Responder

      Concordo. Pardal=Labrego

    • Jfg on 12 de Dezembro de 2019 at 12:55
    • Responder

    Pardalito… ja pensou que aceitamos 5 6 7 horas para completar horarios de formar a conseguir tempo de serviço e dinheiro mesmo implicando estar em 2 ou 3 escolas… e se conseguimos essas colocacoes mais um sinal que existe falta…..

    • iluminnati mor on 12 de Dezembro de 2019 at 12:58
    • Responder

    O lema do pardal

    • José Dimas on 12 de Dezembro de 2019 at 13:14
    • Responder

    Um pardal é um pardal e um idiota é um idiota.

    • P.da Silva on 12 de Dezembro de 2019 at 15:14
    • Responder

    “Temo que em breve haja muitas dificuldades em ter professores para dar aulas”
    A sério?! Acordaram agora para o problema? Tantos e tantos anos a assobiarem para o lado, a apoiarem as políticas estalinistas da MLR , Cratos e Brandões que adocicaram com complementos remuneratórios os bolsos dos diretores(as) e quejandos para os arrebanha,r e agora dizem-se, todos surpreendidos! Deixem de ser hipócritas e juntem-se aos pardais ou aves de rapina, mas não façam de nós idiotas!!! Alimentaram, enquanto deu jeito, a Besta e agora perceberam que ela é insaciável. Benvindos ao maravilhoso mundo criado pelo PS e pelos costistas onde a Escola Pública morre em lenta agonia – e ninguém parece dar por isso , nem tão pouco se importa – e a proletarização docente se alastra como um letal vírus pedagógico. O objetivo é claro. À americana! Por este caminho, num futuro bem próximo, quem quiser escolas (instalações), professores e ensino de qualidade vai ter de matricular os filhos no ensino privado. O Costa, e outros como ele, pensa que sai mais barato e os professores deixam de chatear…

    • Jm on 12 de Dezembro de 2019 at 16:10
    • Responder

    Os princípios negacionistas do Pardal estão muito bem para a actualidade. Estou abismado! Não me admirava que o o Trump (com a falta de gente qualificada que tem para integrar a sua equipa) o venha contratar.
    Entretanto pode ser que “o céu lhe caia em cima”.

    • Alexandra Almeida on 12 de Dezembro de 2019 at 21:59
    • Responder

    Eu interrogo-me como é que o Pardal ainda não foi banido deste blog…
    E já agora, aproveito para dizer que no ano passado, por esta altura, parti um braço. Tive de meter baixa desde o dia do acidente (22 de novembro). Em Lisboa… Português do 3º ciclo… e a escola não arranjou ninguém porque eram 14h (redução de 8h por idade) mas que, para um contratado, era trabalhar 25h e ganhar tostões…
    Com as férias do Natal lá deu para voltar à escola a 4 de janeiro e “não fazer muita mossa”…
    Professores a mais?…. Só na cabeça do Pardal.
    Incentivos à docência… não vejo.
    Isto vai lindo…

      • Vanda Maria de Bragança Serrão on 13 de Dezembro de 2019 at 7:06
      • Responder

      Deve estar comprometido com o ministro da educação.

    • FM on 12 de Dezembro de 2019 at 23:09
    • Responder

    O Pardal Rosa ainda não foi banido deste blog porque o seu amigo Arlindo é mais uma ave rara que está à procura de um novo poleiro. E ter amigos como o Pardalito é meio caminho andado para um bom tacho.

    • rosa on 13 de Dezembro de 2019 at 11:01
    • Responder

    Com toda a certeza , já nos próximos dez anos se vai sentir a dificuldade de ter professores, e aí, passamos a viver como nos anos 70 e 80 , que todos os licenciados serviam para o ensino. Mas também com a abolição das retenções, não será necessário muita exigência, qualquer coisa serve… forma de rentabilizar os licenciados que vão trabalhar para as caixas de supermercado e afins.

    • Pedro on 13 de Dezembro de 2019 at 18:40
    • Responder

    Acho que não se deve banir o pardal. Todos devemos ter acesso a um pardal, por pior que ele cheire. Aliás, apesar de alguns acharem que o nosso pardalito de estimação cheira a rosas, estou certo que os nossos narizes estão equivocados e que será outra coisa. Muito provavelmente Gino-canesten poderá resolver.

    • Manel on 13 de Dezembro de 2019 at 23:55
    • Responder

    Ele teme, mas eu tenho a certeza!
    Pelo menos BONS PROFESSORES, não vai haver, de certeza!
    Com horários com 27 horas de trabalhosemanal marcadas no horário, como em escolas que eu conheço (o que significa um horário das 9h às 5h, porque o tempo para ir à casa de banho, beber um copo de água ou falar com um colega sobre um qualquer assunto de trabalho, ir à reprografia só na profissão de professor não conta como tempo de trabalho mas é considerado um “intervalo”…), fora as horas de trabalho não marcadas no horário, como as reuniões de grupo, de departamento, de articulação, intercalares e do raio que os parta (que também não são consideradas tempo de trabalho, porque não estão no horário, embora dêem direito a falta ao serviço…), o montão de documentos a preencher em triplicado, emails a ler e a responder quase diariamente, uma permanente diarreia de legislação a analisar e elaborar pareceres, atas e relatórios de tudo e mais alguma coisa a elaborar, todo o trabalho de preparação de aulas, pesquisa e elaboração de powerpoints e outros materiais didáticos, de fichas de testes e respetiva correção, que se levam todos os dias para casa…
    Com a obrigação de frequentar cursos de formação OBRIGATÓRIOS ao sábado e pagá-los do próprio bolso porque, ao contrário das empresas privadas e das outras profissões da função pública, a entidade patronal obriga a fazê-los, mas não os paga…
    Com uma licenciatura de 4 ou 5 anos (os mais velhos, aqueles que se reformarão em breve), mais um estágio profissional com parte curricular (que, de facto é uma pós-graduação), além de (muitos) com mestrado e alguns com doutoramento…
    Ser mimoseado continuamente com falta de reconhecimento, e enxovalhos pela comunicação social, pelo ME, pela opinião pública, por pais sem condições para o serem, desejosos de se descartarem dos filhos para outros que os aturem….
    Tudo isto para levar para casa no fim do mês menos de 1.300-1400 euros durante 20 ou 30 anos de carreira?????
    Nos EUA vários estudos concluíram que os melhores professores abandonam a carreira ao fim de um máximo de 2 anos, devido às baixas remunerações da profissão docente .
    Na Inglaterra há professores gregos e de países de leste, que não falam sequer inglês, a dar aulas de ciências e de matemática no ensino secundário, porque os jovens ingleses fogem da profissão como o diabo da cruz.
    Claro que haverá sempre alguns “professores”. Serão é poucos (como demonstra já o declínio crescente do número de jovens candidatos aos cursos universitários da via ensino) e de qualidade muito duvidosa (porque os melhores farão como os seus colegas americanos e ingleses)… É a lei do mercado, mas os nossos políticos (tal como o Zé Povinho) só vão perceber isso quando a casa lhes desabar em cima da cabeça. E nem vai ser preciso esperar pela próxima geração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog