Ainda Vão a Tempo de Ouvir os Professores

…e recuar na ajuda que será dada ao PS se o Bloco seguir este caminho.

 

BE vai manter em plenário votação em especialidade e rejeitar condições de PSD e CDS

 

O Bloco de Esquerda vai confirmar em plenário a votação favorável à recuperação integral do tempo de serviço dos professores e rejeitar as condicionantes que PSD e CDS-PP anunciaram que iriam voltar a propor, anunciou hoje o partido.

Confirmaremos o voto favorável à recuperação de dois anos, nove meses e 18 dias a partir de 2019 e à negociação do restante tempo de serviço a partir de 2020 sem direito a retroativos”, refere o BE em comunicado, que acrescenta que os bloquistas vão manter “todas as votações feitas no processo de especialidade da apreciação parlamentares sobre a recuperação de tempo de serviço dos professores”.

Ou seja, o partido indica que rejeita “propostas que obrigam futuros governos a critérios impostos por Bruxelas para impedir a recuperação integral do tempo de serviço dos professores no futuro”.

Na ótica do partido, “os anúncios públicos de PSD e CDS pretendem condicionar o direito dos professores à contabilização do seu tempo de carreira a um conjunto de regras europeias que significam, na verdade, a negação desse direito”, pelo que o Bloco de Esquerda sublinha que “não está disponível para nenhum recuo face ao que foi aprovado nos Orçamentos do Estado para 2018 e 2019”.

“Seria esse o significado da aprovação das propostas de PSD e CDS”, vinca o BE.

Para o Secretariado Nacional do Bloco de Esquerda, que assina a nota divulgada hoje, “a solução aprovada na reunião da passada semana na comissão de educação dá sequência ao que havia sido aprovado nos Orçamentos do Estado para 2018 e 2019, reconhecendo o direito à contabilização integral do tempo de serviço da carreira dos professores em termos a definir por negociação”.

“O Bloco de Esquerda votou em consciência e em coerência com as posições públicas assumidas perante os professores e os trabalhadores da administração pública”, refere o comunicado, acrescentando que, “relativamente à sustentabilidade da proposta” o partido “limitou-se a replicar para os professores do continente o mesmo modelo de reconhecimento do tempo de serviço que o Partido Socialista propôs e fez aprovar na Região Autónoma dos Açores”.

O líder do PSD, Rui Rio, anunciou no domingo que o partido vai propor no plenário da Assembleia da República a inclusão das propostas de salvaguarda que apresentou na comissão parlamentar de Educação e que “o PS incoerentemente rejeitou”.

Para Rui Rio, “fica nas mãos do Governo decidir cumprir a legislatura ou criar a instabilidade gratuita, fugindo às responsabilidades com base em argumentos inexistentes”.

“Se o Governo e o PS persistirem em recusar a salvaguarda, o PSD não poderá votar favoravelmente o diploma”, anunciou.

Antes, a líder do CDS-PP indicou também que os centristas só votarão a favor, em votação final, do diploma dos professores se forem aceites as condições do partido, como sustentabilidade financeira e crescimento económico.

A posição foi expressa por Assunção Cristas num comunicado, dois dias depois de o primeiro-ministro, António Costa, ter ameaçado com a demissão do Governo após PCP, BE, PSD e CDS terem aprovado, no parlamento, o diploma para a contabilização total do tempo de serviço dos professores.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2019/05/ainda-vao-a-tempo-de-ouvir-os-professores/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Ave Rara on 6 de Maio de 2019 at 19:13
    • Responder

    .
    Se temos António Costa e o Partido Socialista no Governo, isso deve-se ao apoio do Partido Comunista (PCP) e ao Bloco de Esquerda (BE).
    Portanto, não estranho nada que a Catrina e o Bloco de Esquerda se prestem a fazer um favor a ESTE Governo rejeitando as propostas de Rui Rio e do PSD e de Assunção Cristas e do CDS.

    Não tenhamos ilusões António Costa (o turresmo) a Catrina e o Jerónimo fazem o mesmo jogo.

    .

    • Aluisio on 6 de Maio de 2019 at 20:46
    • Responder

    Então, a Sra. não tinha dito que 1º estavam os professores, que não partia para as negociações de forma intransigente?!

    Então, agora as ultrapassagens e os dois anos nove meses para todos já não interessam/são descartáveis?

    Ai minha nossa Senhora!

  1. O BE e o PCP deverão votar favoravelmente as condições do psd ou ao menos abster-se pois caso contrário nada fica aprovada e eles serão também os culpados. E mais serão principalmente os culpados!!!

    • José Silva on 7 de Maio de 2019 at 8:21
    • Responder

    O que elas dizem com essa conversa balofa é o seguinte:
    Caros professores vão ficando a dar aulas até aos 70 anos que nós vamos continuar a usá-los para a nossa luta com a qual ganhamos muitos lugarzinhos bem bons fora da falta de condições das salas de aula. Só tó-tós -ou diretamente interessados- vão atrás desse paleio. Qualquer pessoa com a 4.ª classe sabe que é impossível pagar independentemente das condições económicas do País. Esta gente quer fazer dos professores burros? Parece.

    • José Silva on 7 de Maio de 2019 at 11:19
    • Responder

    A ideia é ajudar Costa que é ele que arranjou maneira de lhes dar de mamar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: