7 de Setembro de 2018 archive

Comunicado – Governo avança com proposta de recuperação de tempo de serviço dos professores sem acordo dos sindicatos

 

Governo avança com proposta de recuperação de tempo de serviço dos professores sem acordo dos sindicatos

O governo irá aprovar um decreto-lei no sentido de permitir que a partir de 1 de janeiro de 2019, aos docentes do ensino básico e secundário cuja contagem do tempo de serviço esteve congelada entre 2011 e 2017, seja atribuída uma bonificação de 2 anos, 9 meses e 18 dias a repercutir no escalão para o qual progridam a partir daquela data.
Esta decisão surge na sequência do processo negocial que o governo manteve ao longo dos últimos meses com os sindicatos, que não apresentaram qualquer contraproposta, não tendo sido por isso possível alcançar um acordo.
A solução apresentada pelo governo significa uma aceleração muito significativa das progressões a partir de 1 de janeiro de 2019, no limite do esforço financeiro que o país pode fazer.
Esta solução tem subjacente uma visão global do sistema de emprego público, a diversidade das carreiras e dos respetivos mecanismos de desenvolvimento remuneratório nos termos em que foi reconhecida pelas decisões tomadas nas sucessivas LOE no período do congelamento.

LOE 2018 descongelou carreiras nos mesmos termos do seu congelamento O Programa do XXI Governo Constitucional determina como objetivo primordial aumentar o rendimento disponível das famílias, designadamente, para a Administração Pública, através “do descongelamento das carreiras a partir de 2018”. Este compromisso foi cumprido com a LOE 2018 (Lei do Orçamento do Estado para 2018).
Neste ano, o descongelamento veio remover o bloqueio que foi introduzido pelas sucessivas LOE entre 2011 e 2017. O descongelamento não alterou quaisquer regimes de carreira, não alterou regras gerais do sistema de emprego público nem alterou retroativamente as regras do congelamento. Veio, sim, descongelar cada carreira tal como foi congelada, passando a ser permitidas as valorizações remuneratórias que decorram dos respetivos regimes.
Foram estas leis que reconheceram uma distinção entre:
1) carreiras nas quais o elemento determinante para a progressão são os módulos de pontos que decorrem da avaliação de desempenho; estes pontos foram expressamente salvaguardados pelas sucessivas LOE entre 2011 e 2017;

2) carreiras nas quais o elemento determinante para a progressão são os módulos de tempo expressamente definidos nos respetivos regimes especiais; isto não significa que as progressões dependam unicamente do tempo, pois é em regra previsto pelo menos um momento de avaliação que ativa o efeito do módulo de tempo (desde que positiva); mas sem o decurso desse módulo de tempo, a progressão não se verifica; nestas carreiras, o tempo não contou.
O artigo 18.º da LOE 2018 opera o descongelamento de todas as carreiras, nada estabelecendo quanto à recuperação do tempo de serviço.
Deste modo, também a carreira docente descongelou a partir de 1 de janeiro de 2018, abrangendo todos os professores, os quais progredirão na carreira à medida que reúnam requisitos para tal. Ao longo do ano de 2018 vão progredir cerca de 46.000 docentes, processo que já foi concretizado até agosto para cerca de 30.000 desses docentes que completaram os respetivos módulos de tempo, desde 1 de janeiro, data em que o tempo voltou a contar.
Este foi o primeiro compromisso cumprido.
Governo cumpre Art.º 19 da LOE 2018 para mitigar efeitos do congelamento Questão diversa do descongelamento é a da recuperação do tempo de serviço. Esta questão nunca constou do Programa do XXI Governo Constitucional, tendo sido colocada pelos sindicatos e sendo, portanto, uma questão nova.
É também um assunto de elevada complexidade, pois implica reequacionar o regime do congelamento que nunca foi invalidado e poderia ter um impacto financeiro muito significativo.
Nesta matéria o governo nunca assumiu o compromisso de contar o tempo. Assumiu, sim, o compromisso de negociar com os sindicatos para avaliar formas de mitigação do congelamento do tempo, e a compatibilização com os recursos disponíveis.
O governo também cumpriu este compromisso de negociar. Com boa-fé e sentido de responsabilidade.
Em sede negocial, o governo e os sindicatos representativos dos professores dos ensinos básico e secundário e dos educadores de infância assinaram em 18 de novembro de 2017 uma declaração de compromisso que, entre outras matérias, estabeleceu o início de um processo negocial com vista a mitigar o impacto do congelamento, tendo em conta a especial natureza da carreira docente, enquanto carreira unicategorial.
Assim, a declaração de compromisso estabelece dois pressupostos fundamentais para a negociação:

1) a relevância do tempo, devendo ser construído um modelo assente em três variáveis – o tempo, o modo de recuperação e o calendário em que a mesma ocorrerá; e 2) a distribuição no tempo dos impactos orçamentais associados, num quadro de sustentabilidade e compatibilização dos recursos disponíveis face à situação financeira do país, com início da produção dos seus efeitos nesta legislatura e prevendo o seu final no termo da próxima.
O artigo 19.º da LOE 2018 1 reafirma ambos os pressupostos, remetendo a consideração do tempo para processo negocial com vista a definir o prazo e o modo para a sua concretização, tendo em conta a sustentabilidade e compatibilização com os recursos disponíveis.
Sobre a solução proposta
Assentando nestes pressupostos, a proposta apresentada pelo governo permite mitigar os efeitos do congelamento.
N as carreiras gerais, um módulo padrão de progressão corresponde a 10 pontos – que em regra são obtidos ao longo de 10 anos. Na carreira docente o módulo padrão é de 4 anos. Assim, os 7 anos de congelamento correspondem a 70% do módulo de uma carreira geral. De forma similar, 70% de 4 anos na carreira docente correspondem a 2 anos, 9 meses e 18 dias.

Lisboa, 7 de Setembro de 2018

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/09/comunicado-governo-avanca-com-proposta-de-recuperacao-de-tempo-de-servico-dos-professores-sem-acordo-dos-sindicatos/

1022 Contratados colocados na RR1

Davide Martins

Latest posts by Davide Martins (see all)

. Que estão distribuídos por grupo de recrutamento no quadro seguinte…

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/09/1022-contratados-colocados-na-rr1/

Reserva de recrutamento n.º 1

 

Publicitação das listas definitivas de Colocação, Não Colocação, Retirados e Lista de Colocação Administrativa – 1ª Reserva de Recrutamento 2018/2019.

Aplicação da aceitação disponível das 0:00 horas de segunda-feira, dia 10 de setembro, até às 23:59 horas de terça-feira, dia 11 de setembro de 2018 (hora de Portugal continental).

Consulte a nota informativa.

 

SIGRHE – aceitação da colocação pelo candidato

 Nota informativa

Listas

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/09/reserva-de-recrutamento-n-o-1/

Não há acordo…

 

Governo só vai reconhecer aos professores 30% do tempo de serviço congelado

A reunião de hoje acabou sem acordo e o ministro da Educação anunciou que o governo vai aprovar um decreto lei que só vai reconhecer dois anos, nove meses e 18 dias aos professores. Sindicatos prometem uma luta forte no arranque do ano letivo e dizem que a reunião foi deserta sem proposta do executivo.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/09/nao-ha-acordo/

Na expectativa…

Expectante…

O que irá sair hoje da reunião entre Governo e sindicatos dos professores? Uma pergunta que assola o pensamento de dezenas de milhar de professores que, como eu, esperam que as negociações cheguem a bom porto e que o governo apresente mais do que na última proposta.

Será que as posições se vão aproximar? O governo considera que o congelamento foi de sete anos e propôs devolver 2 anos, 9 meses e 18 dias, 30% do tempo considerado. Os sindicatos falam e sempre falaram no tempo real de congelamento, 9 anos, 4 meses e 2 dias. Temos também a proposta que inclui a aposentação para quem o entender…

Nos Açores, já foram recuperados 2 anos 4 meses e 2 dias, o governo regional espera pelos desenvolvimentos no continente para avançar. Na Madeira os docentes vão ver todo o tempo recuperado.

É desta que o OE será lei para se cumprir?

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/09/na-expectativa/

Concurso anual com vista ao suprimento das necessidades de contratação de pessoal docente, da Casa Pia de Lisboa, I.P., para o ano escolar de 2018/2019

Concurso anual com vista ao suprimento das necessidades de contratação de pessoal docente, da Casa Pia de Lisboa, I.P., para o ano escolar de 2018/2019

 

Informa-se que se encontra aberto, a partir de 5.ª feira (inclusive), 6 de setembro de 2018, pelo prazo de 5 dias úteis, concurso anual com vista ao suprimento das necessidades de contratação de pessoal docente, da Casa Pia de Lisboa, I.P., para o ano escolar de 2018/2019.

– Aviso n.º 12802-W/2018

Nota prévia: Informa-se que o formulário online se encontrará disponível 5.ª feira, 6 de setembro de 2018, até às 23 horas e 59 minutos, hora de Portugal Continental, do dia 12 de setembro de 2018.

– Formulário de Candidatura

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/09/concurso-anual-com-vista-ao-suprimento-das-necessidades-de-contratacao-de-pessoal-docente-da-casa-pia-de-lisboa-i-p-para-o-ano-escolar-de-2018-2019/

Opinião – Parentes pobres das escolas – Manuel Molinos

 

Parentes pobres das escolas

Uma escola não se faz de alunos e professores. Também não fica completa sem os pais. Mas enquanto todos não valorizarem devidamente a categoria dos assistentes técnicos, com a dignidade e o respeito que merecem, nunca teremos uma verdadeira comunidade educativa.

Os auxiliares têm sido, sistematicamente e ao longo dos anos, o parente pobre do sistema. São poucos, insuficientes, desempenham tarefas que garantem o funcionamento dos estabelecimentos de ensino e não têm os sindicatos a defendê-los da mesma forma que o fazem por outras classes profissionais.

Em contagem decrescente para o início do ano letivo, o Ministério da Educação contratou mais de 500 assistentes técnicos. Vão trabalhar menos de quatro horas diárias e vão receber 3,82 euros por hora.

Se já é grave, mau exemplo e imoral, o Estado contratar precários, como é possível garantir o normal funcionamento das escolas com medidas destas? Infelizmente, a escola não é um lugar seguro. É a própria UNICEF que o afirma. Metade dos alunos, em todo o mundo, passa por situações de violência nos estabelecimentos de ensino.

É, pois, com preocupação que os pais devem encarar o início de um novo ano. Já bastava o cenário de greves dos professores. Já chegava a confusão com os vouchers para os manuais e o atraso nos novos descontos dos passes. E esperemos, tal como a secretária de Estado adjunta e da Educação garantiu, que o ano letivo não arranque sem videovigilância em mais de mil escolas do Ensino Básico do 2.o e 3.o ciclos de todo o país. Mas também, se tal acontecer, não há problema. É que, segundo o Ministério de Educação, a situação não põe em causa a segurança das escolas uma vez que a monitorização de imagens só é feita após o encerramento dos estabelecimentos letivos. Traduzindo: no fim das aulas e com a escola fechada, os alunos nunca criam problemas. Ou melhor, se os criam já não é da responsabilidade da escola. Alguém que a assuma.

In JN

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2018/09/opiniao-parentes-pobres-das-escolas-manuel-molinos/

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog