Reunião Técnica Para Análise de Vagas do Concurso Extraordinário

Reunião com SEAE acerca da análise do número de vagas de docentes a vincular no âmbito do concurso externo extraordinário – 8 de Junho (16H00) – Lisboa

 

 

A minha análise técnica está feita.

Existem 898 vagas a menos na vinculação extraordinária que só poderão ser subtraídas às 319 vagas da norma travão que se encontram a abrir vaga em ambos os concursos.

Faltam comprovadamente 579 vagas na vinculação extraordinária.

Tenho tempo…

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/06/reuniao-tecnica-para-analise-de-vagas-do-concurso-extraordinario/

32 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Margarida Almeida on 8 de Junho de 2017 at 10:22
    • Responder

    Vagas essas que poderiam ser ocupadas por docentes que se querem aproximar de casa e que ao longo de muitos anos têm estado fora??

      • Eulália on 8 de Junho de 2017 at 12:31
      • Responder

      E as vagas de quadro que não foram correctamente apuradas? Escolas que faz dois anos estão com 7 docentes destacados ou contratados apenas abriram uma ou duas vagas de quadro de escola e na aproximação vão voltar a abrir seis ou sete vagas para os QZP aproximarem. Outras com vagas negativas também vão abrir vaga. Algo vai mal nas contas do ME.
      É injusto, não basta entrarem pela porta do cavalo, também vão poder não cumprir o fim para o qual é designado o QZP, ocupar as vagas temporárias do sistema. Os QE são duplamente penalizados, sem vagas para entrarem neste concurso e ao concorrerem na 3ª prioridade na aproximação.

        • Fernando on 8 de Junho de 2017 at 12:33
        • Responder

        Concordo, então os QZP não servem para suprir as vagas temporárias da zona onde são afetos? Qual o motivo de concorrerem à frente dos QE, ainda por cima quando entraram num concurso reservado. É caso de polícia, ou melhor, de tribunal.

        • Marisa on 8 de Junho de 2017 at 12:37
        • Responder

        Ninguém percebe o motivo dos QZP do Minho concorrerem para Lisboa e Vale do Tejo em pé de igualdade com os dessa zona. É um mistério. Deveria haver um QZP nacional e pronto. Entrava-se para QZP Portugal e já está, pode-se concorrer para todo o lado e na na aproximação à frente dos QE e tudo. É por isso que nos Açores já acabaram com a figura de QZP, é tudo QE e pronto, vão retirando a pouco e pouco os QZPs que ainda por lá andam, vinculando-os em QE.

      1. É uma verdadeira vergonha, os milhares que entraram em concursos aos quais não pudemos concorrer e que agora vão ocupar as vagas à nossa frente. A FENPROF e a FNE façam as greves que quiserem, eu tenho mesmo é que amealhar o dia de salário para os kms que terei que fazer no próximo ano graças a estes violinistas. O Sr. Mário e o Sr. João Dias não descontam nos dias de greve pois não? E os que estão no sindicato sem horário também não, ne ce pas? CONCURSO INTERNO E EXTERNO, CHEGA DE PALHAÇADAS EXTRAORDINÁRIAS.

    • Seringador on 8 de Junho de 2017 at 10:59
    • Responder

    Governo diz que só pode dar mais 155 euros por mês a juízes

    Trata-se da reposição da totalidade do SUPLEMENTO REMUNERATÓRIO que tinha sofrido um corte de 20% em 2011. Francisca Van Dunem esteve no Parlamento e voltou a dizer que não há forma de fazer crescer salários dos magistrados.

    https://www.publico.pt/2017/06/08/sociedade/noticia/reposicao-de-155-euros-no-salario-dos-juizes-pode-nao-corresponder-as-pretensoes-1774969

    E as setôras e os setôres vão ter direito ao quê?????????

      • Seringador on 8 de Junho de 2017 at 11:01
      • Responder

      Já expliquei que fica mais barato dar pão de ló para alimentar um burro do que o tempo que perco com vocês.

      Acabei com a BCE e dos 51.000 desgraçados que andam a tapar-buracos vou vincular 3.000.

      Que mais é que vocês querem?????????????????????

      Já sei!… Querem uma carreira para poderem subir; querem mais vinculações; querem Aposentações; querem aumentos salariais……

      Chega!… Basta!…..
      http://mediaserver2.rr.pt/newrr/tiago_brandao_rodrigues_foto_andre_kosters_lusa1750e1b2.jpg

        • Seringador on 8 de Junho de 2017 at 11:02
        • Responder

        Eu sou o vosso chefe e como vocês são gente dedicada à causa pública e uma classe muito unida e coesa não vos vou dar uma medalha de cortiça.

        Vou sim dar-vos este Maravilhoso Balde de Plástico Verde (cor da esperança)

        (…)
        http://www.suprimax.com/media/catalog/product/cache/1/image/800x/9df78eab33525d08d6e5fb8d27136e95/f/i/file_21_2_3_1.JPG

          • A on 8 de Junho de 2017 at 12:23

          Querem continuar com as entradas no quadro pela porta do cavalo, desregulando um concurso único, fazendo o impensável, ilógico e ilegal para beneficiar os que sempre ficam ao pé de casa sem concorrem para mais lugar nenhum e depois se queixam que são contratados de longa duração? Já enchi o balde, pode despeja-lo na cabeça, o que vai lá dentro é certamente do seu agrado, bom proveito.
          Quanto descontam os dirigentes sindicais com a greve???? Pois!

    1. Vamos ter direito a mais um CONCURSO EXTRA”ORDINÁRIO” DE ENTRADAS PELA PORTA DO CAVALO.
      Fico feliz em saber que a desregulação dos concursos públicos é algo que alegra a FENPROF, o PCP e o BE.
      Acabaram com a contratação de escola, fazendo uma coisa parecida para os quadros. Só podem concorrer às vagas da EXTERNA EXTRA”ORDINÁRIA” um grupo selecto que entrou em vagas que as escolas guardaram na gaveta, às quais os QE e QZP não puderam nunca concorrer por só saírem uma ou duas semanas após a publicação das mobilidades. Agora entram e voltam para o lugar cativo, pois a escola não abriu a vaga para os QE e abre agora para os QZP.
      É que está-se mesmo a ver que vou fazer greve.
      Não tenho inveja nenhuma dos juízes, gostava era que o Sr. Mário Nogueira me desse um tacho no sindicato para não ter que ponderar sequer fazer greve.

        • Seringador on 8 de Junho de 2017 at 14:00
        • Responder

        Eu sei pá….tu querias mais uns cobres mensalmente….mas vais ter que te contentar com um BALDE DE PLÁSTICO VERDE (a cor da esperança)……

        ehehehehehe…..

        ………e dá-te por feliz enquanto não levas uma seringadela daquelas viscosas que ficam assim agarradas e custam a escorrer……

        ehehheehhe

          • A on 8 de Junho de 2017 at 15:54

          A experiência que o colega Seringador tem com baldes de plástico e seringadelas viscosas é assustadora. Espero que o escorrimento da viscosidade que ficou agarrada já lhe tenha passado. Não o invejo. Continue assim, o dono vai certamente dar-lhe um ossinho no final da (+-) “luta” e da “greve” aos mil e um motivos, dos quais não apoio apenas um, haver mais um concurso extraordinário, motivo pelo qual não faço greve. Resta desejar-lhe força camarada, estou certo que também não fará greve ou que provavelmente até é um sindicalista sem horário que nos dias de greve incentiva os outros sem descontar 1 cêntimo.

          he, he!

    • Serviços Minimos on 8 de Junho de 2017 at 11:07
    • Responder

    Face à falta de respostas do Sr. Ministro nem sei que fazer….

    SERÃO ESTES OS SERVIÇOS MÍNIMOS?

    Será que posso Fazer Greve ou só posso Fazer o Que Fiz Até Agora?

    Isto é um DILEMA!…
    (…)

    https://www.queridasaude.com.br/wp-content/uploads/2016/04/homem-sentado-em-vaso-sanitario-com-dificuldade-em-defecar.jpg

    1. É melhor fazer greve à voz do dono, que pedir ao dono que deixe de defender os seus interesses e actue em favor de toda a classe. Mais concursos extraordinário? Reclamam a falta de vagas nos extraordinários mas não os vejo indignarem-se com o facto do número de quadros de escola abertos ficaram muito abaixo das reais necessidades. A imagem apresentada elucida muito bem o que penso sobre esta greve e os donos das greves, os que nunca mais deram aulas e continuam a ganhar o mesmo havendo greve ou não.

        • Serviços Minimos on 8 de Junho de 2017 at 21:33
        • Responder

        Eu não faço Greve….Faz tu meu grande pacóvio….

        Os Professores estão muito bem pagos (na minha perspectiva) e quem não estiver bem que se ponha no Cxxxxho

        Ó Caramelo, está aqui a tabela. Vê e pensa……

        ====================

        http://www.arlindovsky.net/wp-content/uploads/2016/10/vencimento.jpg

        • Andorinha on 8 de Junho de 2017 at 21:37
        • Responder

        Eu também não faço Greve… quem quiser mais graveto que vá trabalhar para as obras.

        Amigo, estou contigo.

      • Ambrosio on 8 de Junho de 2017 at 13:54
      • Responder

      É pá!…vê se te decides….ou fazes a greve de dia 14 de junho ou a de dia 21 de junho ou fazes as duas ou NÃO FAZES NENHUMA DAS GREVES e assim ficas com o vencimento desses 2 dias para o Papel Higiénico.

      Sim!…Isto de perder 2 dias de salário coloca em perigo o meu WC….e os próximos rolos de papel higiénico….

      perder o salário do dia de greve!…Era só o que faltava…..Chiçaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa…..

      • Anti-greves on 8 de Junho de 2017 at 21:47
      • Responder

      Ó pá….tu ainda aí estás?

      Olha que só deves fazer os SERVIÇOS MÍNIMOS…..Nada mais do que os MÍNIMOS ……

      Já decidiste alguma coisa? Sempre vais fazer a Greve aos 2 dias?

      Pensa bem….acho que a coisa tá preta….

      Vê lá!…..

    • luis Torre on 8 de Junho de 2017 at 12:41
    • Responder

    Faltam 479 ou 579 ?

      • Legislador on 8 de Junho de 2017 at 14:37
      • Responder

      Ora exatamente!!! Pelas minhas contas Arlindo faltam, não 479, mas 579, ou seja mais 100 do que as contabilizadas por ti.

      1. Claro que sim. Ainda bem que há quem leia os artigos com atenção. 😉

    • Legislador on 8 de Junho de 2017 at 14:38
    • Responder

    Ahhh e só para dizer que sou a favor da oferta do Balde verde para os “Titulares Descontentes…” se concorreram para longe de casa é porque lá queriam trabalhar…

    1. Acontece que, ao contrário do que acontece agora, quando concorri para quadro de escola os QZP eram obrigados a concorrer a toda as escolas do QZP no concurso interno, logo, houve discriminação em relação aos quadros mais antigos que agora ficam presos longe de casa. Dá para ver o motivo da legislação atual estar neste frangalho. Legisladores há muitos palha…

  1. As ovelhas assustadas, debandaram pelo campo afora, quando a geringonça subiu lá no alto! https://www.youtube.com/watch?v=pDw9jHAKyBk&app=desktop

    O MEC, além das vagas retiradas por incúria (800 vagas), retira mais 319 vagas à Vinculação Extraordinária, resultantes dos candidatos da Norma-Travão!!!!
    PROFESSORES PRECÁRIOS PARA SEMPRE?!?!
    http://www.arlindovsky.net/…/reuniao-tecnica-para-analise-…/

    1. Há aqui mais um AMARELINHO….mais um INFILTRADO……mais um daqueles com mais de 60 ANOS DE IDADE que quer VINCULAR…..

      Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

    • Ultima Hora on 8 de Junho de 2017 at 19:09
    • Responder

    ULTIMA HORA

    Começam a ser divulgadas imagens da “Reunião Técnica Para Análise de Vagas”

    O Ministro Tiago Brandão Rodrigues dirigiu-se ao laboratório para analisar as propostas sindicais e observou que se trata de uma “Mistura Explosiva”.

    Já no final da reunião o Sr. Ministro veio tocar uma guitarrada para fora do edificio da 5 de Outubro.

    (…em actualização…)

    http://www.minhodigital.com/sites/default/files/styles/panopoly_image_half/public/news_articles/41-arcos-tiago-brandao.jpg?itok=v6Mz8ArO

    • COMUNICADO- FENPROF on 8 de Junho de 2017 at 21:26
    • Responder

    REUNIÃO TÉCNICA = ZERO

    8 de JUNHO DE 2017 – FENPROF – COMUNICADO

    Algo não bate certo entre o que diz o Primeiro-Ministro e o que faz o Ministério da Educação

    À mesma hora em que, na Assembleia da República, o Primeiro- Ministro António Costa afirmava que, em janeiro próximo, haveria nova vinculação de professores, dando, assim, a entender disponibilidade do governo para reduzir o elevado nível de precariedade que atinge este grupo profissional, no Ministério da Educação realizava-se uma reunião, sobre o mesmo tema, que não serviu para nada.

    A reunião hoje realizada no ME tinha um caráter técnico e destinava-se, como foi compromisso político assumido pela Secretária de Estado Adjunta e da Educação, em 6 de junho, a “picar um a um”, os nomes dos professores que reuniam os requisitos estabelecidos para abertura de vagas de vinculação extraordinária e verificar se todas essas vagas tinham, de facto, sido abertas.

    Recorda-se que, num primeiro momento, a FENPROF tinha detetado um desvio de 865 situações que deveriam ter dado lugar à abertura de vaga, mas não deram, para, atendidas as justificações do ME no sentido de contrariar a denúncia da FENPROF, fixar essa diferença em 827. Ou seja, as justificações do ME apenas permitiram eliminar 38 situações, o que significa que em vez de 3.019, o concurso deveria ter aberto 3.846 vagas.

    Na reunião de hoje, contudo, os representantes do ME recusaram fazer essa verificação de situações, limitando-se a repetir as justificações que já tinham sido antes dadas, alegando um inusitado sigilo relativamente aos candidatos. Como tal, e porque não houve verificação das situações em causa, a FENPROF reafirma, até prova em contrário, que, de forma ilegal, o ME não abriu 827 vagas para vinculação extraordinária. Assim, há 827 docentes que deveriam vincular e não vincularão e muitos dos que conseguirão vincular serão impedidos de obter colocação em zona pedagógica da sua preferência.

    A FENPROF, como os professores, não pode conformar-se com esta situação de falta de transparência e, sem prejuízo de continuar a insistir junto do ME, no sentido da resolução do problema, irá expô-lo, para já, ao Senhor Primeiro-Ministro.

    FENPROF E MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SEM ACORDO SOBRE “SERVIÇOS MÍNIMOS”

    Também hoje se realizou uma reunião na DGAEP, em que FENPROF e Ministério da Educação participaram, com vista a tentar chegar a acordo sobre a necessidade de serem, ou não, decretados serviços mínimos para o dia 21 de junho, data em que se realizará uma greve nacional de professores e educadores. Não houve acordo, na medida em que, para a FENPROF, os exames e as provas aferidas não constituem necessidades sociais impreteríveis, posição de que o Ministério da Educação discorda. Face ao desacordo foi constituído um colégio arbitral que irá agora decidir sobre a matéria. Recorda-se que esta é a quarta vez que tal sucede. Das três vezes anteriores – greve em 17 de junho de 2013; greve à PACC; greve ao exame PET/Cambridge, já em 2015 – nunca os serviços mínimos foram decretados.O Secretariado Nacional
    FENPROF E MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SEM ACORDO SOBRE “SERVIÇOS MÍNIMOS”

    Também hoje se realizou uma reunião na DGAEP, em que FENPROF e Ministério da Educação participaram, com vista a tentar chegar a acordo sobre a necessidade de serem, ou não, decretados serviços mínimos para o dia 21 de junho, data em que se realizará uma greve nacional de professores e educadores.

    Não houve acordo, na medida em que, para a FENPROF, os exames e as provas aferidas não constituem necessidades sociais impreteríveis, posição de que o Ministério da Educação discorda. Face ao desacordo foi constituído um colégio arbitral que irá agora decidir sobre a matéria.

    Recorda-se que esta é a quarta vez que tal sucede. Das três vezes anteriores – greve em 17 de junho de 2013; greve à PACC; greve ao exame PET/Cambridge, já em 2015 – nunca os serviços mínimos foram decretados.

    O Secretariado Nacional da FENPROF

    http://www.fenprof.pt/?aba=27&mid=115&cat=94&doc=10991

    • concursosdedocentes on 13 de Junho de 2017 at 11:53
    • Responder

    Sou docente de qzp e desde 2011 que procuro mudar para o qzp da minha área de residência e não consigo… Desde 2013 tem sido abertas vagas para os concursos externos no qzp da minha área de residência, às quais não posso concorrer… Continuo num qzp longe de casa desde 2011 e sou ultrapassado por docentes com menos graduação e do concurso externo…
    Solução para não comprometer o numero de novas vinculações: as vagas que os docentes de qzp libertariam nos seus qzps seriam ocupadas pelos docentes do concurso externo…
    Esta situação aparece nos motivos da greve do dia 21?

    • concursos on 13 de Junho de 2017 at 14:02
    • Responder

    Estou na mesma situação..Não consigo mudar de qzp (mais de quinze anos no mesmo qzp). Abrem vagas no qzp da minha residência e são ocupadas por colegas menos graduados, com muito menos tempo de serviço e do concurso externo…
    Injustiça gritante…

      • Alerta on 13 de Junho de 2017 at 14:32
      • Responder

      Há outra injustiça ainda mais gritante.

      De um total de 33 países da OCDE, a grande maioria (23 países!) detém um regime de vencimentos diferenciado em favor dos professores do secundário. Apenas oito países não registam diferenças salariais (Portugal e mais sete). Será que os outros 23 países é que estão errados? Penso que não! É de uma total injustiça colocar no mesmo “saco salarial” professores que têm uma complexidade de tarefas totalmente diferentes. É que volto à carga e não me canso de o afirmar: os docentes dos 2º e 3ºciclo e do secundário têm muito mais trabalho do que os docentes do 1º ciclo e pré-escolar, pelo que os regimes salariais deveriam ser totalmente diferentes.

      Ver aqui:

      http://maisumaaula.blogspot.pt/2012/11/dados-da-ocde-sobre-os-salarios-dos.html

        • concursos on 13 de Junho de 2017 at 15:15
        • Responder

        O que está aqui em causa é outro assunto. Não vamos dispersar.. Estamos a falar de uma injustiça concursal sem paralelo em qualquer país democrático.

        P.s.: Sou Professor do 3º ciclo e Sec.

          • Alerta on 13 de Junho de 2017 at 15:55

          Colega

          Já são MUITAS INJUSTIÇAS JUNTAS

          Estou solidário com o colega.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: