Os Directores não sabem que é ilegal?

 

(Clicar na imagem para aceder ao artigo)

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2017/06/os-diretores-nao-sabem-que-e-ilegal/

9 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Fernanda on 8 de Junho de 2017 at 21:49
    • Responder

    Convoquem o CNE e mais os formadores do perfil do séc XXI. Convoquem tb o ME, tadito, que anda a apanhar bonés……..

    • Paulo Jorge Moreira on 8 de Junho de 2017 at 22:49
    • Responder

    Há outra situação mais urgente, que surgiu por e-mail este fim de semana, que ó o facto do IAVE estar a contactar Professores contratados para corrigiren Provas de Aferição do IAVE, quando o vinculo contratual destes é com a Escola ou o Agrupamento de Escolas. Isto óbviamente é ilegal.
    Como já um colega postou aqui no Blog:

    “Pois, há é alguns problemas legais graves, apesar de não parecerem, quanto à subcontratação de Professores contratados, quando o seu contrato é com uma Escola ou com um Agrupamento de Escolas, para corrigir tais provas. Este problema nunca antes tinha surgido, pois como não é legal, nunca se tinha chamado Professores contratados a corrigir provas a nível nacional, numa entidade que é um Instituto e não a sua entidade patronal momentânea. Recordo que o IAVE é um Instituto. Se não havia nas Escolas Professores de Quadro, logo com o vinculo legalmente necessário, não se começava este processo de provas de Aferição contando com mão de obra ilegal, pois são Professores contratados juridicamente alocados a uma Escola ou Agrupamento de Escolas. Mais grave, muitos deles têm micro-horários, não tendo nem componente, nem remuneração por este trabalho para esse Instituto. Não estará aqui uma situação de trabalho forçado e mesmo de escravatura. Alguém que me prove que estou errado. Assim volto a colocar a questão:

    “Até que ponto é legal um Professor contratado, com um micro-horário, cuja entidade patronal é uma Escola ou agrupamento de Escolas, seja obrigado a trabalhar obrigado e de graça para uma organização como o IAVE que não é a sua entidade patronal, para a qual, essa sim, tem um micro-vinculo laboral?…””

    • Indignação on 8 de Junho de 2017 at 23:36
    • Responder

    Também não será ilegal ter conhecimento do conteúdo das provas de HGP e comunica-lo, de antemão, aos alunos? Pois… parece que isso aconteceu e valerá a pena investigar quem fez sair essa informação que deveria ser sigilosa. Alegadamente alguns alunos foram privilegiados em relação a outros. Mas, como não conta para nota…serve para os professores desses alunos ficarem bem vistos na fotografia.

    • maria on 8 de Junho de 2017 at 23:36
    • Responder

    Até que ponto é legal um Professor contratado, com um micro-horário, cuja entidade patronal é uma Escola ou agrupamento de Escolas, seja obrigado a trabalhar obrigado e de graça para uma organização como o IAVE que não é a sua entidade patronal, para a qual, essa sim, tem um micro-vinculo laboral?
    Os docentes contratados com horários reduzidos são descontados x dias para a segurança social ? nalgumas escolas deixou de ser 30 dias. Por exemplo 14 horas, algumas escolas associação 10 dias de descontos. Assim, pergunto: essa regra proporcional que está a ser aplicada, não deveria ser também contemplado na distribuição de serviço para os exames ?
    Os contratados estão a ser mal tratados pelo sistema … !!!!

  1. 好好学习,天天向上

  2. 好好学习,天天向上

    • era_o_que_faltava on 9 de Junho de 2017 at 7:07
    • Responder

    Que os professores façam aos socráticos o mesmo que eles fizeram aos professores, discriminando-os negativamente face a outras classes profissionais. É bom que os psicólogos saibam que o PS deu a aposentação à GNR, à PSP e à polícia aos 60 anos (aos 56 passam à reserva dano o lugar a outros mais novos) com o argumento que são profissões de maior desgaste que dar aulas. Nunca, nunca dar sossego a essa gente. Greve, já!

    • Carla Malaquias on 9 de Junho de 2017 at 10:26
    • Responder

    E nalguns agrupamentos esta e outras situações são comuns, mas isso os sindicatos não querem saber.
    “docentes dispensados” de vigiar exames há nalguns agrupamentos e não pensem que são os que legalmente não podem vigiar por terem familiares a fazer exames. São detentores de cargos que são dispensados de vigiar porque, coitados, têm muito trabalho na época de exames. À conta disso, os outros docentes fazem 5 e 6 vigilâncias além de todo o outro trabalho, reuniões de avaliação, relatórios finais, direção de turma…
    Outra situação absurda e ilegal que ocorre ao longo do ano é, quando da ausência de docente por falta e principalmente no primeiro ciclo, serem substituídos por assistentes operacionais nas aec’s e mesmo nas aulas regulares…

    • Tótó on 9 de Junho de 2017 at 12:13
    • Responder

    Para vigiar Provas de Aferição que valem ZERO até os auxiliares de acção educativa servem.

    Estas provas é um FAZ DE CONTA….não contam para nada. Até os alunos gozam com aquilo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: