Há Uma Pergunta que a Senhora DGAE Teima em Não Dar Resposta

O tempo de serviço para efeitos de concurso dos docentes que beneficiam do tempo de trabalho a tempo parcial, vulgo, meia jornada de trabalho, aprovada pela Lei 84/2015, de 7 de Agosto conta ou não conta?

 

A legislação é clara e diz que há contagem integral do tempo de serviço para efeito de antiguidade.

E é assim tão difícil dizer que para efeitos de concurso também há direito à contagem integral do tempo de serviço?

 

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2016/05/ha-uma-pergunta-que-a-senhora-dgae-teima-em-nao-dar-resposta/

12 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Meia Jornada:

    Trabalho 50%

    Vencimento 60%

    Tempo de Serviço 100%

  2. Não acho justo.

    1. Porquê?

      • Disparates on 24 de Maio de 2016 at 15:04
      • Responder

      Quando tiver tempo para ver a quem se destina esta medida vai ficar a saber a dimensão do disparate.

      1. destina-se a todos os funcionários públicos com filhos menores de 12 anos

        continuo a não entender 🙁

          • Disparates on 24 de Maio de 2016 at 16:18

          O disparate não é seu.

          • Pepe on 24 de Maio de 2016 at 17:03

          Não concorda que um funcionário possa optar por trabalhar menos e ganhar menos para dar mais atenção ao(s) filho(s)?

          Não me parece nada disparatado

          • Disparates on 24 de Maio de 2016 at 18:30

          Qual é a parte de “o disparate não é seu” que não percebeu?

          • AC on 25 de Maio de 2016 at 18:20

          Daqui a nada os portugueses estão a cobrar para ter filhos. Ser pai/mãe vai ser uma profissão remunerada. Resta saber se vão estar realmente preocupados com os filhos ou apenas em receber o dinheirinho, com as crianças largadas pelos cantos.

          • Disparates on 25 de Maio de 2016 at 19:08

          Só sabe dizer disparates.

          A baixa natalidade é dos maiores problemas que Portugal tem e vai ter na proximas décadas

          • AC on 27 de Maio de 2016 at 17:51

          Entendo que tenha o disparate dentro de si. Sabe, ter filhos não depende dos níveis de natalidade do país, nem do que se paga por criança. Ter filhos deve depender da capacidade e realização dos pais e não um negócio ou meio de melhorar as estatísticas do país, caso contrário, quem sofre são as crianças que vêm ao mundo apenas como um meio dos pais auferirem compensações monetárias e não por amor.

Responder a Arlindovsky Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: