adplus-dvertising

Decisões na tábua

É difícil atingir a concórdia com tanta gente junta à mesma mesa. E cada vez era pior, sobretudo, porque o homenzinho das tabelas coloridas insistia em criticar cada decreto-lei produzido, teimava em apontar defeitos em cada lei primorosamente refletida em cada gabinete simpaticamente inspirado à beira Tejo.

Estava farto o excelentíssimo secretário de estado da educação e exigia que se desse exemplo de celeridade e competência dos serviços. Havia dias em que, em coro, lhes apetecia apenas, a todos, mandar o homenzinho das listas coloridas, enervante e intriguista, comer as tripas todas.

Não havia sossego com aquele tipo sempre a imiscuir-se nas tarefas alheias. Por isso, a excelentíssima diretora dos serviços gerais ordenou à respetiva secretária assessora que trouxesse consigo já uma solução definida para acelerar os procedimentos.

Determinada a cumprir o pedido, ponderou numa ideia visionária para resolver os contentos. Largamente dada às espiritualidades, pareceu-lhe, até, bastante óbvio o caminho. Por isso, logo no início da reunião, apresentou uma tábua de ouija que assentou sobre o centro da mesa.

Os presentes entreolhararam-se com uma efervescente curiosidade e escutaram a sua interlocutora que explicou com uma aquática clareza as regras, ponto por ponto.

– Meus senhores, para evitar detenças e assumirmos com eficácia e confiança as decisões aqui tomadas, há que escutar o que nos diz a tábua. Cada um coloca suavemente o dedo sobre o indicador móvel. Repito, suavemente, para não se aldrabarem as respostas. A questão é lida e o indicador seguirá para a resposta mais adequada a cada caso. Não há cá dúvidas, ok? É o que a tábua manda, certo?tabuleiro-tabua-ouija-madeira

Um burburinho de entusiasmo apoderou-se do conselho, que ninguém gosta de chegar tarde a casa, e todos assentiram. Depois, posicionaram-se ordeiramente sobre o tabuleiro e o representante do conselho jurídico começou a ler a listagem de questões com voz bem sonante.

– Então, vamos lá a saber, podem os professores colocados no MI permutar?

E, ligeirinho e célere, o indicador desenhou um simpático sim.

Os presentes sorriram e registou-se a resposta dada para integrar num decretozito seguido de uma notinha informativa que esclarecesse quaisquer dúvidas sobrantes.

– Os permutantes devem ser os de 1ª prioridade?

E, ligeirinho e célere, o indicador desenhou um simpático sim.

– E os de 2ª prioridade também podem permutar?

E, ligeirinho e célere, o indicador desenhou um “depende”. Os presentes entreolharam-se, espantados e o representante jurídico prosseguiu:

– Os de 2ª prioridade que ficaram colocados permutam?

Logo ali surgiu um “sim” esplenderoso.

– E os que não ficaram colocados?

E, ligeirinho e célere, o indicador desenhou um enfático “não”.

A excelentíssima diretora dos serviços gerais engoliu em seco, porém a respetiva secretária assessora, apossada de um poder irrefutável pela hierarquia ali presente, rematou quaisquer dúvidas que subsistissem.

– Pronto, agradeçam e despeçam-se. A tábua nunca falha, nunca se engana.

E, assim, pela primeira vez na história dos serviços administrativos da educação houve consenso absoluto e uma reunião de breves 10 minutos em que tudo se decidiu a contento de todos e todos seguiram para lanchar ainda em casa.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/09/decisoes-na-tabua2/

5 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • o crente on 8 de Setembro de 2015 at 14:12
    • Responder

    fantástico..e eu a pensar que esta tábua era só utilizada em algumas decisões no meu agrupamento…já chegou lá em cima!!!!!!!! é mesmo excelente esta tabuinha….

    • Mónica Raquel Vieira Curato Cu on 8 de Setembro de 2015 at 15:56
    • Responder

    É desolador pensar que aqueles que tomam decisões relativas “às vidas” dos outros, o fazem desta forma…desvalorizando essas mesmas vidas, fazendo-lhes sentir a dor da injustiça…

    • Sofia Branco on 8 de Setembro de 2015 at 16:34
    • Responder

    Muito bom! Agora somos nós a brincar com a tábua: vamos lá colocar os dedinhos… “Vamos ficar tristes e desolados enquanto estes senhores brincam connosco?!”…. NÃO!

    • A S on 8 de Setembro de 2015 at 17:02
    • Responder

    Medida arbitrária mesmo!!! Sem lógica nem justiça!!!!

    • Maria João Branco on 8 de Setembro de 2015 at 17:04
    • Responder

    Alguém já fez uma exposição por escrito sobre o assunto para o Ministério. No sindicato aconselharam-me a fazer e tenho pouco jeito para este tipo de escrita oficial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: