Ena, Tantos!

500 alunos começam a aprender mandarim nas escolas

 

500 alunos começam a aprender mandarim nas escolas

 

Negociação com autoridades chinesas prevê criar 20 turmas do secundário em setembro. Será disciplina obrigatória para os alunos de humanidades e opcional para os restantes, a partir do 10º ano
A presença de Nuno Crato na inauguração do Instituto Confúcio da Universidade de Aveiro na semana passada – o terceiro a abrir portas no nosso país depois das unidades nas universidades do Minho e de Lisboa – não se ficou a dever apenas a uma visita de cortesia. A nova unidade foi criada com a missão específica de contribuir para a implementação do mandarim – o principal idioma da China – no ensino secundário português. E, ao que o DN soube, esse objetivo está muito próximo de ser concretizado: já em setembro, 20 turmas, com capacidade para um máximo de 500 alunos, deverão reforçar os projetos já existentes, um no ensino público e outro no privado.

A confirmação das negociações em curso foi dada ao DN por Teresa Cid, presidente do Instituto Confúcio da Universidade de Lisboa (ULisboa): ” O ministério está a trabalhar num novo projeto-piloto, apoiado pelo Hanban [o equivalente chinês ao Instituto Camões], em que haverá um número limitado de ofertas de chinês mandarim em várias escolas do país”, contou, esclarecendo depois que “a hipótese que está a ser posta, ainda em reuniões de trabalho, aponta para uma média de 20 escolas, com uma turma em cada”. Uma “oferta de secundário”, a começar no 10.º ano de escolaridade, que será “uma disciplina curricular no caso das Humanidades”, podendo também ser escolhida como opção pelos alunos de outras áreas

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2015/04/ena-tantos-2/

8 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Anónimo on 27 de Abril de 2015 at 15:03
    • Responder

    Arlindo, só aí na sua terra e na terra vizinha deverão existir este numero de alunos… 🙂

    1. Sim, já tive alguns alunos chineses. Mas o que eles precisavam era de reforço no Português Língua não materna e eu no mandarim. 😉

    • JSerra on 27 de Abril de 2015 at 17:00
    • Responder

    É uma decisão acertada. Para o “nosso” ministério a Educação parece chinês (ou mandarim).

    • Frei Ricardo Caramujo Pepineir on 27 de Abril de 2015 at 20:17
    • Responder

    As voltas que o Mundo dá!

    No meu tempo era Portugal que tinha uma colónia na China.

    Agora parece que é a China que tem uma colónia na Europa…

    • Fafe on 27 de Abril de 2015 at 20:20
    • Responder

    Valha-nos ConfúZion!

    • Fafe on 27 de Abril de 2015 at 23:08
    • Responder

    O ministério paga ao Hanban para que o impluda!

    • Chinoca on 27 de Abril de 2015 at 23:45
    • Responder

    Com 3 anos não dá nem para saudar um chinês. Mas alguém acha que saber uns rudimentos desta língua vai ajudar a ter emprego? Nem aqui nem na china, já diz o ditado. Seria muito mais útil que aprendessem melhor o inglês porque é nesta língua que os empresários chineses comunicam. Isto deve ser mais um lobby para alimentar as Universidades… que ministram mais uns cursinhos… bem caros

  1. Que despropositada, e pouco habitual neste desgoverno, tamanha falta de ambição!
    isto em gente que supostamente gosta de estabilidade e consolidação… em gente com capacidades de visão e abrangência extraordinárias… em gente com conhecimento profundo dos sistemas e finalidades e planificação exemplares…

    – Deveria ser introduzida no 1.º ciclo… afinal até às 20 h ainda restam muitas horas para ocupar aos putos…

    – Qual opção (isto das opções no secundário não serem curriculares… “taditos”), dizia eu, qual opção qual quê… obrigatória para todos!!!! – podem sempre eliminar o português … que com o mandarim e o inglês já podem integrar-se no mundo globalizado e ser mão-de-obra baratinha por esse planeta fora… (e mais “nadinha” – que isto de ter gente instruída e crítica é perigoso)

    O quê? Como? Terão dito que não há professores para tanta ambição? – Resolve-se rapidamente e de forma nada estranha: Formação de umas horitas a 1 professor por agrupamento, cada um desses professores replica a formação que teve a todos os colegas do agrupamento e já está! É só competência em mandarim!

    Como??? Alguns problemitas de execução??? Serão sempre casos pontuais e de resolução simples:
    Por exemplo:
    Nas planificações basta colocar: 規劃

    Nos critérios de avaliação coloca-se: 知道名字 – 百%

    Nos relatórios indica-se: 普通話 – 絕對的成功

    … …

    (Também se pode legislar, pura e simplesmente, que os prof. de línguas (que não as da boca) passam a ser competentes para leccionar mandarim e… mais nada! )

    Ainda os tentei mandar para o tal sítio mas o tradutor teve manifestas dificuldades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: