Novo Contrato Coletivo de Trabalho FNE/AEEP

Um novo CCT pela regulação do setor privado da educação

 

 

A FNE, no âmbito de uma frente sindical de sindicatos da UGT concluiu com um acordo o processo negocial sobre o Contrato Coletivo de Trabalho para o ensino particular e cooperativo.

O atual contrato coletivo está em período de sobre vigência, até ao fim deste ano, na sequência da denúncia do contrato apresentado pela AEEP (Associação dos Estabelecimentos do Ensino Particular e Cooperativo). Ou seja, os docentes e não docentes deste sector em breve deixariam de ter um instrumento de regulação das suas condições de trabalho. Os trabalhadores ficariam nas mãos de cada um dos patrões dos estabelecimentos de ensino privado. Por um lado, uma parte da regulação das condições trabalho passariam a ser estabelecidas pelas regras do código de trabalho, mas uma outra parte da regulação das condições de trabalho seriam estabelecidas escola a escola, ao livre arbítrio do empregador.

A FNE e os sindicatos da UGT desenvolveram um grande esforço para a obtenção de um novo Contrato Coletivo de Trabalho. E conseguiram-no porque se teve sempre presente que era melhor lutar e empreender esforços para que houvesse um novo contrato coletivo, do que deixar os docentes e o pessoal não docente à sua sorte. Temos a consciência de que não temos um contrato igual ao anterior. A proposta de partida da AEEP apresentada há cerca de um ano era de um grande retrocesso para as relações laborais no ensino privado. Confrontámo-nos com matérias muito difíceis de negociar. No entanto, o processo decorreu com grande seriedade, grande capacidade de diálogo e uma enorme abertura para concertar posições quer do lado sindical, quer do lado patronal.

Com este novo contrato coletivo podemos afirmar que se chegou a um ponto de equilíbrio. Vencemos várias barreiras que se colocavam quase intransponíveis, mas estamos conscientes de que não foi possível debelar um ou outro obstáculo.

Com este processo é nossa convicção que os educadores, professores e pessoal não docente ganharam. Ganharam porque têm na mão um instrumento de capital importância para o desenvolvimento da sua carreira, da regulação dos tempos de trabalho e das relações laborais. Os trabalhadores estão mais protegidos com um contrato coletivo, porque se estabelece uma relação de forças mais equilibrada e regulada entre empregador e empregado.

O trabalho ainda não terminou. Durante os próximos meses continuaremos a trabalhar na consolidação de algumas matérias, nomeadamente na construção de uma carreira única para o pessoal docente e no desenvolvimento de uma tabela única que englobe todo o pessoal não docente.

 

Folha informativa FNE (comparação da proposta incicial da AEEP e o resultado final das negociações)

 

Download do documento (PDF, 218KB)


 
Contrato Coletivo de Trabalho entre FNE e AEEP

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2014/07/novo-contrato-coletivo-de-trabalho-fneaeep/

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Maria on 23 de Julho de 2014 at 21:16
    • Responder

    Olha, a FNE voltou de viagem… hipócritas, a sacrificar os mais fracos.


  1. Olha, a FNE voltou da hibernação…ninguém vos perdoará co…


  2. Se a FNE acordou (nos dois sentidos), estamos lixados!

    • shaka zulu on 24 de Julho de 2014 at 0:37
    • Responder

    Ao serviço de alguma coisa, não dos professores.
    Além das baixas efetivas de salário, ainda há redução de 15 % de salário nos estabelecimentos em dificuldades financeiras… Os donos, igreja e afins, a apresentar prejuízos e os professores a pagar!
    A FNE no seu melhor. Mais uma vez.
    Só por curiosidade, se desse prejuízo, eles queriam mesmo as escolas?


  3. Arlindo, tu e a FNE que vão passear macacos!


  4. coitadinhos dos macacos, ainda lhe assinavam a sentença de morte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog