Sobre o Particular Pouco se Tem Falado

E fica mais uma vez uma denúncia sobre o tratamento diferente que a AEEP “promove” dentro das suas escolas ultrapassando mesmo o que determina o Contrato Coletivo de Trabalho que foi recentemente denunciado pela própria AEEP.

 

 

Nos últimos anos, os professores do ensino particular e cooperativo têm vindo a ver os seus horários letivos aumentados na componente letiva à custa do ensino profissional, podendo mesmo chegar aos 30 tempos letivos por semana. Os horários têm sido calculados tendo por base a divisão do número de horas a lecionar no ano pelos meses do ano, esquecendo que a componente letiva tem lugar a uma equivalente componente não letiva que não tem sido atribuída. Assim estes docentes apesar de estarem a contrato ou efetivos na escola são pagos como se de um recibo verde se tratasse.

Os diretores esquecem também que a hora letiva de um professor é de 50 minutos e não de 60, como está definido no Despacho normativo 7/2003 de 11 de junho de 2013.

Esta diferente forma de tratamento dos docentes do particular em relação ao ensino público necessita urgentemente de ser averiguada.

AL

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2013/07/sobre-o-particular-pouco-se-tem-falado/

8 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Caçador De Bestas Quadradas on 31 de Julho de 2013 at 22:32
    • Responder

    Estão à espera que vos ofereçam os direitos que a lei determina? Lutem por eles! Há muitas formas: uma queixa formal nas autoridades competentes, uma greve, etc. Sim, eu sei, lutar pelos direitos é uma chatice. Onde estavam vocês no dia 17 de junho de 2013? Pois …

    1. apoiado colega

    2. olhe que no privado despedem mais fácil do que mudam de camisa. Eu não seria capaz de escrever o que vc escreveu. Aliás é esse regime de brutal escravatura medieval que os Mec’s gostariam de impôr no Estado (e depois passar tudo para os privados que sacam as benesses – $$$ – do Estado e assim passariam a recebê-lo, ao orçamento para a educação, todo ou quase)

      1. não se deixem escravizar , sujeitem-se ao concurso nacional e não pactuem com os colégios privados querem sol na eira e chuva no nabal? Ninguém vos dá nada, se não lutarem por isso.

    3. Lol descobriram a pólvora lol

  1. No ano letivo de 2011/2012, “dei” 35h letivas semanais, ao 3º ciclo, no ensino particular, na Zona da Grande Lisboa. A “Direção Pedagógica” refugiava-se no contrato que tinha assinado relativas a um período semanal de trabalho de 35h (não especificado). Daria “pano para mangas”, mas não havia tempo para um sindicato (entrava às 8h e saía às 18h, “non stop”, apesar dos telefonemas para o sindicato e do “help” desesperado, a srª que atendia, mto prestável, só pedia que “fosse ao apoio a sócios”_já agora, adianto, SPGL, continuo sindicalizada, mas triste…tanto mais que a dita srª há mais de uma década que presta serviço no sindicato através de uma empresa de recrutamento, ou seja, não é funcionária do SPGL, contraditório, certo?). É claro que na dita “escola” o contrato não foi renovado, que não sabiam se teriam alunos para o ano seguinte, que em caso de necessidade que me ligariam em setembro….as conversas habituais…também não queria e não me admirei: “bufei ” na sala dos profs. durante o ano letivo…adianto: “Opus Dei”!

    • maria on 1 de Agosto de 2013 at 0:27
    • Responder

    será que a inspecção não inspeciona privados???

    1. Inspecciona. Mas não é a mesma coisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog no Facebook