Sei de Alguns Casos

… que só não foram aprovados cursos vocacionais porque os diretores se esqueceram de submeter as candidaturas a tempo. E isso também é muito preocupante!

 

Diretores pedem a Crato que aprove turmas já constituídas

 

 

A Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP) lamentou hoje os cortes definidos na rede escolar divulgada pelo Ministério da Educação e espera que Nuno Crato aprove as turmas que já estão constituídas.
A imprensa de hoje noticia que o despacho da rede escolar do Ministério da Educação para o próximo ano, que chegou às escolas na sexta-feira ao final da tarde, define cortes nas turmas no ensino regular e nas turmas de cursos profissionais e Cursos de Educação e Formação (CEF).

Com o despacho, os diretores de turma das escolas viram não ser aprovadas turmas que já tinham sido constituídas e com alunos matriculados.

Em declarações hoje à agência Lusa, o vice-presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima, disse que esta situação é “muito preocupante” para diretores de escolas e alunos e exortou o Ministério da Educação a aprovar as turmas que já estão constituídas.

 

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2013/07/sei-de-alguns-casos/

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,


  1. Se calhar andavam ocupados a organizar o almoço ou o jantar de fim de ano lectivo, ou outra porcaria qualquer.

    • António Vinhas on 29 de Julho de 2013 at 15:26
    • Responder

    Coloca aqui os nomes das escolas que não submeteram as candidaturas atempadamente. Transparência é isto, Arlindo.

      • Borrachola de Vinho on 29 de Julho de 2013 at 23:01
      • Responder

      bai uma pinga ó vinhos

    • Professora e Prima do Crato on 29 de Julho de 2013 at 17:45
    • Responder

    A liberdade do aluno em escolher o que quer também fica demonstrada nestes despachos enviados de cima para baixo, à rebelia de todo um sistema educativo que se quer público, universal e democrático.
    Impedir que alunos sigam determinado curso obrigando-o a seguir vias pré definidas por um qualquer idiota sentado num gabinete em lisboa, é bem exemplo do que esta gente quer implementar nesta país em pleno século XXI.

    Caminha-se a passos largos para privatização total do estado, ficando o mesmo apenas responsável pelo pagamento dos serviços a terceiros que ficarão totalmente desregulados e atuarão cada vez mais como agentes dependentes do dinheiro de todos nós, mas autonomos para implementarem medidas próprias que levarão a um recuo brutal nos direitos dos trabalhadores, que são agora designados de colaboradores, mas não passam de meros assalariados à jorna diária.

    Sim, o futuro preocupa-me. Principalmente quando vejo gente, supostamente na posse de todas as faculdades mentais, que defendem este caminho e que votam nestas medidas.

    • Hernâni on 29 de Julho de 2013 at 19:10
    • Responder

    12 escolas nenhum diretor líder

    • Frankie on 30 de Julho de 2013 at 9:39
    • Responder

    Isso, culpem agora os directores!!!

    O que aconteceu, e só não vê quem não quer ver, é que o Crato, a exemplo de todo o governo, lida mal com manifestações e contestações, e vai dai toca a vingar-se do desaforo causado pelas greves docentes aos exames.

    Só para se vingar dos professores, vai prejudicar alunos ou pior ainda, deslocar alunos das escolas públicas para escolas profissionais:

    Mas, se calhar ou talvez não, é mesmo essa a sua politica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: