Pedido de Divulgação

Colegas e Amigos(as),

A Ata Negocial de 24 de junho (ver anexos), não contemplou a alteração em relação à obrigatoriedade dos professores (candidatos) contratados em  manifestarem, para efeito de concurso externo/contratação inicial, dois  quadros de zona pedagógica, recentemente aumentados em relação à área  geográfica. (n.º 2, do artigo 9.º do Decreto-Lei n.º 132/2012)

Assim, apela-se à divulgação e ao envio da questão incidente para o Professor Marcelo Rebelo de Sousa.

Carlos Dobreira

Professor contratado desde 1 de setembro de 1995

ENVIE PARA: perguntasamarcelo@tvi.PT

 

Exmo. Senhor Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa

 

Concorda que os professores contratados “ao concurso externo/contratação inicial”, sejam obrigados a manifestar preferências por dois quadros de zona pedagógica?

 

Anexo: Mapa de QZP

As Actas negociais encontram-se aqui.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2013/06/pedido-de-divulgacao-5/

50 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Miguel Castro on 26 de Junho de 2013 at 13:27
    • Responder

    Acham sinceramente que o Marcelo percebo do que se está a falar?

      • Ricardo on 26 de Junho de 2013 at 13:34
      • Responder

      É sempre a mesma coisa. Os contratados apenas servem para carne para canhão. Uma questão importantíssima como esta e os sindicatos “fazem-se esquecidos”. Uma vergonha e é por estas e por outras que os contratados não se sindicalizam.

  1. Sou contratada; sou sindicalizada; fiz greve; contribui com 10 euros para o fundo de greve; participei na manifestação. Ou seja servi para engrossar a moldura humana contra as propostas do MEC. Agora espero que se lembrem de nós.

      • Zaratrusta on 26 de Junho de 2013 at 15:22
      • Responder

      Pode esperar sentada.

        • Maria M. on 26 de Junho de 2013 at 20:15
        • Responder

        Espere sentada.

      • Já foi on 26 de Junho de 2013 at 15:58
      • Responder

      SE fez greve foi porque quis. A mobilidade só se aplica aos docentes dos quadros e a colega ainda não é. A greve não era para “meter” todos os contratados nos quadros.

        • Alex on 26 de Junho de 2013 at 16:45
        • Responder

        Excelente comentário, sim senhor! Sinceramente…

      1. Já foi, já fostes… Não percebeste nada do que a colega disse e, a julgar pelas tuas palavras, tenho comigo que fizeste greve só porque o “teu sindicato” te disse par fazeres.
        Continua assim que vais no bom caminho…

          • Professor de segunda on 26 de Junho de 2013 at 18:37

          Alguém fez greve quando, no anterior governo, dividiram a carreira em professo e professor titular?

        • Maria on 26 de Junho de 2013 at 20:28
        • Responder

        “Já foi”, deixe-me dizer-lhe que o seu comentário é muito desagradável e perfeitamente escusado.
        Sim, “professor de segunda”, fiz greve nessa altura, pela primeira vez na minha vida.
        Quanto à obrigatoriedade de concorrer a dois QZPs: não acho que devam ser obrigados, mas depois não se queixem que não têm horário e estão desempregados. O tempo das “vacas gordas” acabou…

      • Alberto on 27 de Junho de 2013 at 9:49
      • Responder

      Espera aí uns 50 anitos bem sentada… para os “sindicatos” contratado é carne fresca que se manda para a boca do sistema neoliberal.

  2. O Marcelo não percebe nada disto. Ele não sabe o que isto significa.
    Talvez se alguém lhe explicar:

    – um contratado, independentemente da idade e situação familiar, tem que concorrer obrigatoriamente a duas zonas geográficas que abrangem 3 ou mais distritos;

    – Esse contratado pode ser colocado, na melhor das hipóteses, com horário completo = 1100 limpos;
    -ou incompleto, ou seja, < 1100 limpos;

    – em ambos os casos, pode ser até ao final do ano ou não;

    – os quadros de agrupamento, que na sua maioria, devido à idade e tempo de serviço, estão a caminho ou com mais de 55 anos, ganham, em média, acima de 2000 euros e conseguiram não se afastar mais de 60 km;

    – será razoável pedir a um contratado que se desloque, digamos, 70 km da sua residência para ganhar, digamos, 800 euros ( 14 horas lectivas- uma reforma) , por exemplo, caso o horário seja incompleto, sendo que a SS já não cobre a partir daqui o que falta para o anterior subsídio de desemprego caso o contratado tenha tido horário completo a anual no ano anterior? Ou que a partir daqui possa perder esse subsídio porque ficou empregado mas a ganhar menos do que se estivesse desempregado?

    – que, mesmo na hipótese de não terem subsídio de desemprego ( 0 incoming), é razoável pedir a um contratado que vá trabalhar sem efectivamente ganhar dinheiro- ou pior- perdendo dinheiro?

    1. Se for ganhar menos do que o seu subsídio de desemprego, pode requerer subsídio parcial. Não sei bem como se calcula, mas já o requeri e sei que recebia a diferença entre o subsídio inicial e o salário mas uma percentagem.

      1. * mais uma percentagem

          • LaFolie on 26 de Junho de 2013 at 14:06

          Ana, cerca de 800 euros por mês ( 14 horas) já não tem o parcial. Aconteceu-me a mim este ano.

        • Nuno Botelho on 26 de Junho de 2013 at 23:31
        • Responder

        Sabe que o subsídio parcial pode ser um falso apoio. Se requerer o subsídio parcial estará a receber a diferença entre o valor do seu subsídio de desemprego e o valor bruto do seu ordenado e o tempo de subsídio irá sempre ser descontado.
        Caso prático: eu recebia 930 euros de subsídio de desemprego e fiquei colocado a receber brutos 811 euros. Ao pedir o parcial iria receber 120 euros por mês mas estaria a perder os dias que recebia. Mais vale guardar esse valor para quando estiver sem qualquer vencimento. é possível interromper o subsídio quantas vezes quiser mas a interrupção não pode ser superior a 3 anos. Nesse caso deixa de ter direito ao subsídio que interrompeu temporariamente.

    • Caçador De Bestas Quadradas on 26 de Junho de 2013 at 14:10
    • Responder

    Mas pensam que o prof Martelo é algum anjo da guarda? LOL!

    • Carlos on 26 de Junho de 2013 at 14:10
    • Responder

    Quando vão decorrer as manifestações de preferencias?

    • caos on 26 de Junho de 2013 at 14:41
    • Responder

    É incrível a quantidade de comentadores, que comentam tudo desde a meteorologia à política passando pelo futebol… É realmente incrível que estes fazedores de opinião falem com base no ouvir dizer,do parece que… enfim no conhecimento de senso comum. Resultado só asneiras em cima de asneiras. Uma regra de ouro, mesmo para quem se julga omnisciente: não sabe não fala.
    Qual será a lógica subjacente à obrigatoriedade de os Professores contratados concorrerem obrigatoriamente a 2 zonas??? Escapa-me!!! Sinceramente não a encontro. Será que há falta de Professores em alguns grupos em alguma zona?
    Eu sou contratado já lá vão 18 anos letivos, tenho filhos, casa, cão… Porque carga de água alguém se lembra, sem motivo aparente, contra minha vontade, de me mandar para 200, 300 Quilómetros de distância.
    Sou sindicalizado, entre greve aos exames e avaliações já vou em 3 dias de greve.
    Hoje mesmo já pedi a minha desvinculação sindical. Não me senti representado.

    1. Eu tb tenho 18 anos lectivos nas costas, mas não entram inteiros na minha graduação profissional para os concursos. Sou uma dinossaura da coisa, com graduação equivalente a 8 ou 9 anos de serviço.

    • tareco on 26 de Junho de 2013 at 14:48
    • Responder

    Desde 1994 que concorro para todo o país.
    Por que concorrer a menos hipóteses, logo nos momentos de menor oferta ???

    Só quem anda a ver navios com óculos de sol de Penafiel !

      • caos on 26 de Junho de 2013 at 19:06
      • Responder

      Olá tareco! Tu concorre para onde achares melhor. A vida é tua.
      O que escreves não tem grande sentido…!

      • fdoc on 26 de Junho de 2013 at 19:31
      • Responder

      Pela inteligência demonstrada no seu comentário, é normal que a sua família ( a exisitir ) até lhe agradeça que fique o mais longe possível. Cumprimentos

        • caos on 27 de Junho de 2013 at 10:36
        • Responder

        Tareco, tareco!! Ou devo dizer fdoc? Tu realmente és… não, não vou descer ao teu nível. Quanto à inteligência tareco, penso que o teu QI está muito acima da média , para Tareco.

          • fdoc on 27 de Junho de 2013 at 19:19

          O meu comentário era uma resposta ao Tareco e não a si.

        • caos on 27 de Junho de 2013 at 20:01
        • Responder

        Desculpa fdoc. Interpretei mal.
        O Tareco, por vezes, faz-me perder a paciência.

    • tareco on 26 de Junho de 2013 at 14:52
    • Responder

    Continua o mesmo paleio do ” ai que se esqueceram dos contratados” mas quando se pergunta o que queriam que fosse lembrado, nem uma palavra!

    …e isso do Marcelo, parece as sopeirinha ” Ai, vou escrever ao prof. Marcelo e ele vai resolver o meu problema” !

    enfim…é o que temos!

    1. Toma lá as whiskis e cala-te. 🙂

      1. eu digo-te: quero uma lisa de graduação que tenha mais respeito pelo tempo total de serviço, impostos pagos e contributo para a CGA/SS. Pode ser?

      • Zaratrusta on 26 de Junho de 2013 at 15:27
      • Responder

      Quem é esta besta?

        • tareco on 26 de Junho de 2013 at 16:59
        • Responder

        Besta é o senhor e a sua família toda, TODA!!!!!

          • Alberto on 27 de Junho de 2013 at 9:59

          Juízo… como contratado sabes a verdadeira verdade das coisas, por isso não avacalhes com os teus pares!!!

    • Ana Silva on 26 de Junho de 2013 at 15:09
    • Responder

    Já enviei!

    • Paulo on 26 de Junho de 2013 at 16:18
    • Responder

    A “besta” Tareco é um provocador apenas, e pouco dado a liberdades de escolha…

    A questão é a NÃO obrigatoriedade. Logo, quem quiser concorrer ao país todo concorre. Quanto a mais ofertas, cada um sabe de si. Isto é a liberdade.

    Cps

    Paulo

      • tareco on 26 de Junho de 2013 at 17:02
      • Responder

      Tadito do Paulo!

    • Frankie on 26 de Junho de 2013 at 16:19
    • Responder

    Faz-me uma certa confusão este post. A propósito de quê se vai reclamar ao Prof. Marcelo? Por acaso o homem têm alguma responsabilidade ou poder para alterar o que quer que seja?

    Porque não faz a reclamação directamente ao MEC ou ao Ministro?

    Além disso, qual o problema de os contratados serem obrigados a concorrer a dois QZP? E u contratdo concorro ao pais todo e pronto. Querem trabalho ou não? Não me parece

      • caos on 27 de Junho de 2013 at 10:48
      • Responder

      Já viu se concorresse para a China, estávamos todos tramados lá teríamos que concorrer também.

    • Mimi on 26 de Junho de 2013 at 17:19
    • Responder

    Frankie, ainda me custa entender porque cargas de água as pessoas que não conhecem a realidade dos outros gostam de dar palpites!!!!
    se tem uma situação pessoal/familiar que lhe permite andar a conhecer o país, fico contente por si! mas, por favor, não me diga que eu tenho de concorrer a duas zonas, candidatando-me a ficar cerca de 300km de distancia de casa quando tenho uma filha na escola e uma prestação de casa para pagar….
    vou passar a ver a minha filha ao fim de semana? ou levo-a comigo e aí ela só vê os pais e os avós ao fim de semana? e quando ela ficar doente ou não tiver escola eu fico em casa tomar conta dela porque não tenho com quem a deixar? ah! e pago duas rendas, não? que eu saiba os professores ainda não recebem subsidio de alojamento.
    por isso, fazendo as contas, sim, prefiro ficar desempregada!!!
    Quando não souberem do que falam, estejam caladinhos…

    • Maria on 26 de Junho de 2013 at 20:30
    • Responder

    Quanto à obrigatoriedade de concorrer a dois QZPs: não acho que devam ser obrigados, mas depois não se queixem que não têm horário e estão desempregados. O tempo das “vacas gordas” acabou…

      • Ana Costa on 27 de Junho de 2013 at 10:19
      • Responder

      A questão está na obrigatoriedade. A aceitar que um contratado seja obrigado a concorrer por 1000€ a concelhos a 300km de casa, está a abrir a porta à obrigatoriedade de concorrer ao país todo. E depois a Timor. E nós calados e de gatas a concorrer, porque ter trabalho já é um privilégio…
      Agora quanto a ficar desempregada, rende-me mais ficar em casa a dar explicações que ir para o outro lado do país. Por 1000€, estaria a pagar para trabalhar e – pasme-se – eu trabalho para ganhar dinheiro! Já para não falar nos condicionamentos familiares – ou agora um professor não pode ter família? Talvez saia uma lei que nos impeça de casar e ter filhos. Parece que haveria quem achasse que desde que se tenha trabalho, temos de nos resignar!

    • sandra s. on 26 de Junho de 2013 at 22:32
    • Responder

    Sinceramente
    É lamentável existirem “colegas” que acham que os contratados devem ser obrigados a concorrer ao país todo. E os efetivos? não deviam ir para onde há trabalho? Afinal, quem tem obrigações com o MEC? são os efetivos ou os descartáveis? Os efetivos é que deviam ser obrigados a concorrer para onde há trabalho, já que ganham o mesmo, quer tenham trabalho quer tenham horário incompleto, etc.. Devem ficar ali ao lado a receber o ordenado que os contratados nunca chegarão a ver nem que trabalhem mais 18 anos.

    • maria on 27 de Junho de 2013 at 0:16
    • Responder

    Lamentáveis certos comentários. Somos todos colegas uns mais velhos outros mais novos. Ninguém tem culpa da situação. Os QZP, que é o meu caso, 24 anos de serviço, não me agrada mas também tive que assinalar outro agrupamento fora do meu QZP. Se se acham tão injustiçadas, lutem por um quadro único afinal contratados somos todos.

    • Vanessa on 27 de Junho de 2013 at 10:13
    • Responder

    Será que alguém me poderá esclarecer uma dúvida?
    Sou contratada e neste último concurso percebi ser obrigada a concorrer aos tais 2 QZPs, mas soube por uma colega, também contratada, que afinal bastava pôr um e depois uma escola de outro. Essa colega fê-lo e foi tudo aceite e validado, sem qualquer problema. Alguém me confirma isto? Muito obrigada pela atenção e um resto de bom dia para todos.

      • Sofia on 27 de Junho de 2013 at 14:56
      • Responder

      Vanessa já não me recordo bem, mas penso que havia um mínimo de concelhos a pôr por QZP (penso serem 10 no mínimo), portanto, só 1 escola não me parece que dê…

        • Vanessa on 27 de Junho de 2013 at 19:28
        • Responder

        Obrigada, Sofia. Também estranhei o que a minha colega disse, mas enfim. Há gente com vontade de confundir os colegas, só pode.

    • Sofia on 27 de Junho de 2013 at 14:55
    • Responder

    Vanessa já não me recordo bem, mas penso que havia um mínimo de concelhos a pôr por QZP, portanto, só 1 escola não me parece que dê…

    • Maria on 27 de Junho de 2013 at 21:45
    • Responder

    Que tristeza de comentários!!!!! Acho que o Crato, o Coelho e o Gaspar adorariam esta espécie de debate. Professores divididos, o objetivo deles está cumprido, ser? dividir para reinar

  3. O tareco anda com o cio…natural nesta altura! Farta-se de levar e anda a ver se alguém lhe dá mais

    • maria on 29 de Junho de 2013 at 23:28
    • Responder

    O que está aqui em causa é a obrigatoriedade. Infelizmente existe pessoas com o miolo pequenino e querem que os colegas contratados corram Quilómetros. Que tristeza. Ao ler estes comentários fico com pena do nossos sistema de ensino porque temos pessoas muito pequeninas em pensamento e inteligência.
    Sou contra a obrigatoriedade, sendo a favor da escolha dos agrupamentos sem limite de concorrência. Alguém sabe explicar a razão de dois QZP obrigatórios ? porquê? a bem de quem ? qual a razão ?

    • Maria Emília Martins Pereira on 3 de Julho de 2013 at 13:38
    • Responder

    Não. Deviam só ter de concorrer a uma Z. Ped. e a uma escola de outra Z. Ped., tal como os de Quadro de Escola e/ou agrupamento, etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: