adplus-dvertising

Falta Oficializar

…que os meus 19 anos de serviço a completar em 31/08/2012 não permitem dar aulas na minha área de formação nos próximos 10 ou 15 anos numa escola próxima o suficiente para continuar com vontade de por cá ficar.

Sinceramente, estou-me a borrifar para tudo isto.

O mundo tem muitas zonas de conforto.

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2012/07/falta-oficializar/

49 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,


  1. Tenho 25 anos de carreira e 48 de idade, vontade não falta, mas…falta o resto, a oportunidade!

    • mariamanuel on 9 de Julho de 2012 at 23:11
    • Responder

    Arlindo não é hora de desanimar, mas de lutar! Desde a criação deste blog o Arlindo tem sido para a comunidade que o segue diariamente, um colega que apoia, informa, orienta, … Desanimar agora, significaria para tantos colegas que o têm como amigo, colega exemplar, orientador e até mesmo seguidor, um arromba na “nossa” (também me incluo) moral. Força amigo e por favor não desanime. A nossa força e luta irá de certeza servir para alguma coisa. Mas para isso precisamos de colegas como o Arlindo. Até dia 12. Um abraço solidário e amigo

    • Maria on 9 de Julho de 2012 at 23:34
    • Responder

    Sou contratada há sete anos. Por causa da instabilidade fui forçada a adiar projetos e sonhos. Quando chega o mês de julho começa o stress. Um stress a que infelizmente já me habituei… O que estão a fazer aos professores de quadro com tantos anos de serviço é absolutamente lamentável! Não se mudam assim de um momento para o outro as regras do jogo, ainda mais quando não há perspetivas futuras…
    Agradeço-lhe o trabalho que tem feito por todos nós e espero que ultrapasse esta fase menos boa.
    Um abraço.

    • Vítor Agostinho on 9 de Julho de 2012 at 23:54
    • Responder

    Meu caro, completo no mesmo dia 16 anos como contratado no grupo 400. Com duas filhas pequenas, sei muito bem o que está a sentir. Ter de ir novamente para longe da família é muito complicado para todos nós. Tenha esperança, pois no ano que passou também tudo parecia muito negro e a situação não foi tão má como se esperava. Claro que o seu grupo é dos mais afetados e a situação é dramática para muitos, sejam dos quadros ou contratados.

      • otilia afonso on 10 de Julho de 2012 at 10:19
      • Responder

      Olá Vitor

      Sou contratada e tenho 20 anos e uns meses de serviço no 400 e, apesar de má a situação não deve levar ao desespero, muito menos de pessoas como o Arlindo. Gostei da mensagem e reforço : Arlindo, desistir é morrer… Força Homem!

    • Cloé on 10 de Julho de 2012 at 0:11
    • Responder

    Arlindo, dou aulas há 18 anos, no grupo 400. Consegui efetivar à custa de muitos sacrifícios e muito longe de casa. Fui hoje informada de que vou a DACL, tal como já esperava. Olho em redor e vejo o quadro muito negro. Mas temos que manter a esperança, alguns de nós vão conseguir escapar. Se não, começa-se de novo, a vida é assim mesmo … Desejo que corra tudo pelo melhor!

    • Maria on 10 de Julho de 2012 at 0:15
    • Responder

    Não desista, assim desta forma. Tem dado tanta força a tanta gente, não pode desanimar assim. Aguarde pode ser que as coisas não fiquem tão feias como nos parecem agora.

    • César Paulo on 10 de Julho de 2012 at 0:20
    • Responder

    Boa noite Arlindo,

    ESTAMOS TODOS CONTIGO, ESTAMOS NA TUA LUTA!
    Foi vergonhoso o que foi feito ao teu grupo, sem qualquer tipo de estratégia demarcada no tempo.

    Mas não te esqueças que és uma das referências dos blogues nacionais de educação, e pessoas como TU são essenciais ao SISTEMA.

    Não desanimes! PERDEMOS APENAS ESTA LUTA, mas A GUERRA AINDA ESTÁ A COMEÇAR!

    Como professor contratado vivo momentos de algum desespero e angústia, mas tenho sempre bem presente que DEPOIS DA TEMPESTADE VEM A BONANÇA, e ainda CÁ TODOS ESTAREMOS PARA FESTEJAR o reencontro de todos nós num espaço de trabalho LIVRE, QUE NOS ACARINHE E NOS DEIXE SER O QUE REALMENTE GOSTAMOS DE SER: PROFESSORES!!

    Um grande abraço para ti e a minha inteira solidariedade com a tua causa.

    César


  2. Explica lá isso melhor…

    Se não há vagas em lado nenhum, ninguém vai para onde quer que seja…

      • Xana G. on 10 de Julho de 2012 at 9:52
      • Responder

      Ora cá está o Paulo com a observação mais sensata. Mentaliza-te de que vais coadjuvar o 1.º ciclo, Arlindo. No teu Agrupamento. Não desanimes!

        • Mau_Maria on 10 de Julho de 2012 at 10:50
        • Responder

        Ora aqui está uma coisa que estou para ver como vai ser: a coadjuvação no 1º ciclo….Ou muito me engano ou vai dar bronca!


  3. Boa noite! Não podia deixar de comentar..colega, pense que melhores dias virão e que já ajudou imensos colegas que por aqui passaram…desejo-lhe as maiores felicidades do mundo! bem haja! boa sorte


  4. Olá Arlindo.
    Acompanho, desde há alguns anos a esta parte, o seu blogue e a “sua” luta por uma melhor educação …
    Também eu, prestes a completar 22 anos de serviço, serei, em princípio, afetado pela reorganização curricular, uma vez que sou professor de EVT e também irei certamente para DACL. Obviamente custa um pouco quando, ao longo de mais de duas décadas, procurei dignificar a carreira docente e ser “o melhor professor do mundo”, colocando, quase sempre, a escola em primeiro lugar. Nesta sociedade do fast food sinto-me um pouco usado e deitado fora. Mas perante o que se adivinha temos 2 soluções: ou deitamos a toalha ao chão ou arregaçamos as mangas e vamos à luta e encaramos as adversidades como um desafio e uma oportunidade de “aprender” e “crescer”. Eu optarei pela última e espero que “o meu amigo” também! Força Pessoal!


  5. Calma, Arlindo!

    As coisas não estão fáceis para os professores, mas o Arlindo tem uma história e uma credibilidade que não deve desperdiçar.
    Já pensou fazer.-se pagar pelo serviço que aqui presta, por exemplo?
    Já pensou que pode liderar um movimento de professores contratados verdadeiramente independente, que tanta falta faz, e fazer-se pagar por esse trabalho?
    Já pensou que desistir é um verbo de conjugação proibida?
    Força! Há mais marés do que marinheiros!…

    • Susana on 10 de Julho de 2012 at 1:34
    • Responder

    Força Arlindo! Não desanime!


  6. Uiiii! Não percebi… Como é que é?!?!? :S

    • Maria Ferreira on 10 de Julho de 2012 at 1:52
    • Responder

    Tragam esses amanhãs o que trouxerem estes seus 19 anos touxeram-no até aqui, onde é para todos nós, colegas ou alunos, um exemplo (raro) de cidadania ativa . A fazer fé que realmente “Mesmo na noite mais triste em tempo de servidão há sempre alguém que resiste há sempre alguém que diz não”. O meu muito obrigada.


  7. Força Arlindo.
    O Arlindo tem prestado ao longo destes anos um grande serviço a todos os professores e à educação deste país.
    Tem sido um exemplo e uma inspiração para muitos.
    O colega Arlindo não é homem para deitar a toalha ao chão.
    Penso que seja apenas um desabafo perante a situação complicada do grupo EVT.
    Como ele existem milhares de professores do grupo 240 -EVT e do grupo 530-ET (praticamente eliminaram a disciplina) que estão numa situação complicada tendo sido “escolhidos ” como alvo a abater infelizmente.
    Por mim seria concerteza um otimo representante dos professores junto do MEC.
    Não se pode desistir melhores dias virão
    Obrigado

    • paula silva on 10 de Julho de 2012 at 7:29
    • Responder

    Então, onde está essa coragem colega? Todos temos dias assim, mas temos mesmo de acreditar que melhores dias virão. Vai certamente ter lugar se ficar mais longe veja como uma experiencia nova, com novos lugares…é ser lzen mo meio da palhaçada que é o nosso sistema de ensino. Tenha calma, e fé. Um grande abraço.

    • Paulo Simões on 10 de Julho de 2012 at 7:35
    • Responder

    Caro Arlindo, a situação é má? É! Podia ser pior? Podia! Eu sei que fazes parte de um grupo terrivelmente afetado (como eu), mas a vida tem de continuar! Agora no início, não se pode é fazer asneiras! Com 19 anos de serviço, tem de se concorrer a todo o lado. Fica-se muito longe? Pois, mas não ficar …é muito pior! Quem não ficar colocado, vai piorar a sua situação de ano para ano. Portanto, e se me deixares, deixo aqui um conselho: Concorre para todo o lado, porque cada ano que passar, vai ficar pior. O meu muito obrigado, pelo excelente trabalho aqui no blog.

    Abraço

    • Célia on 10 de Julho de 2012 at 8:53
    • Responder

    Bom dia, Arlindo

    não podia estar mais de acordo. Partilho inteiramente do seu desabafo. Depois de 11 anos a dar o “litro” pela escola pública, chego à conclusão que não estou mais disposta a abdicar da minha vida pessoal, familiar e principalmente de poder acompanhar o crescimento da minha filha, por causa de um contrato de trabalho precário! e que se calhar nem existirá mais… dada a situação atual.
    Para mim chega! Setembro ditará o meu futuro. Por agora, quero esquecer o ensino, e gozar pela primeira vez férias sem stressar com os concursos. Como disse, a vida tem outras zonas de conforto.
    Boa sorte para si Arlindo.

    • Miquelina Herédia on 10 de Julho de 2012 at 9:47
    • Responder

    Isto é desumano.
    Perdeu-se o respeito pelas pessoas.
    Tratam-se os professores de EVT como números a abater ao deficit.
    Que os alunos gostem da disciplina, que muitos alunos até só vão à escola porque têm em EVT um espaço de realização, NÃO INTERESSA.
    E os jornais, os lideres de opinião, os partidos, os sindicatos,…. não dizem nada!

    • Marco Melo on 10 de Julho de 2012 at 9:57
    • Responder

    Boas. porque não juntar o pessoal todo e fazer em setembro um mês dedicado à educação. Com Uma ou 2 grandes conferências no porto e Lisboa para lutar contra isto. Vejam os médicos, conseguiram 1800 lugares de quadro!! Temos de voltar a lutar, mas todos (quadros e contratados) pelo fim do ensino em Portugal.

    • Laura on 10 de Julho de 2012 at 10:21
    • Responder

    Arlindo, entendo o que sente… É legítimo não querer ir para longe… Sacrificar-se a si e os que o rodeiam, por causa de mais um ano de colocação que não lhe dá garantias nenhumas… pelo contrário, muitas deles despacham os contratados o mais cedo possível. De facto, esta profissão é cada vez menos gratificante, em vários aspectos. A precariedade é crescente.
    O Arlindo tem muitas capacidades, se não encontrar um lugar de que se orgulhe enquanto docente, tenho a certeza que conseguirá ser um óptimo profissional noutra área.
    Não podemos desanimar mas sim lutar. Se não ficar no Ensino, ficará noutra área, que será de certeza melhor que esta… Não é preciso muito. Venho ao seu Blogue todos os dias, não nos abandone, pelo menos aqui, sem nos preparar psicologicamente com bastante andecedência 🙂
    Que as coisas boas da vida lhe sorriam! Muitas vezes fecha-se uma porta e olhamos para o lado e está uma janela enorme aberta.


    1. Sou da mesma opinião que a Laura.
      Que as coisas boas da vida lhe sorriam! Muitas vezes fecha-se uma porta e olhamos para o lado e está uma janela enorme aberta.
      Venho todos os dias a este blog, várias vezes ao dia para estar sempre atualizada.Preciso deste alimento.
      Até sempre Rosária

    • Vítor on 10 de Julho de 2012 at 10:44
    • Responder

    Sem dúvida que são tempos difíceis para todos os profs de EVT. Esperemos que haja uma luz que os ilumine e vejam o descalabro em que estão a colocar a educação em Portugal. Um abraço.

    • Ana Sofia on 10 de Julho de 2012 at 10:51
    • Responder

    Força, Arlindo! Não se pode desanimar! Se já temos um grande problema não podemos arriscar-nos a arranjar outro: um problema de saúde!
    Pode ser que nem seja assim tão mau!
    Não desanime!

    • Sónia on 10 de Julho de 2012 at 10:55
    • Responder

    Arlindo compreendo perfeitamente o seu estado de alma mas quero pensar que é apenas um desabafo como tantos que eu tenho. Todos os dias venho ao seu blog e aqui encontro sempre notícias e atualizações deste turbilhão de informações que saem todos os dias mas também encontro aqui alento e força para continuar. Tenho 6 anos de contratos, felizmente não muito longe de casa (sou do grupo 350), mas para os que pensam que as coisas estão boas para “os de Espanhol” não é bem assim…Estou a ver que os horários que vão surgir vão ser incompletos e longe de casa. Tenho abdicado da minha vida pessoal em prol de uma escola de qualidade e, acima de tudo, pelo amor à camisola e aos meus alunos e agora a vida fica em “standby” mais uma vez até setembro. No entanto, apesar de ter momentos menos bons, a palavra “desistir” não existe no meu diciónário e por isso Arlindo não desista e pense que há muitos colegas que contam consigo todos os dias. O momento não é bom mas vai conseguir superar como bom profissional que é. Força!!!!!

    • Mau_Maria on 10 de Julho de 2012 at 11:00
    • Responder

    Compreendo perfeitamento o desânimo! A situação não está boa… aliás, está péssima. E penso que há por aí muita gente que no fundo tem esperança que o cenário não seja assim tão mau e alimenta secretamente o optimismo de que tudo ficará bem. Mas não. Não vai ficar. E é do reconhecimento de que estamos no fundo do poço que tem que vir a vontade de fazer algo significativo para vir ao de cima.
    Está mesmo na hora de abrir os olhos e perceber o que nos rodeia.

    Temos que que nos unir e fazer algo de significativo.

    Não basta uma manifestação. Há que aderir a ela mas a coisa não se pode cingir a um dia de luta. A verdadeira luta começa em Setembro. Para mim, quem tiver a sorte de ter trabalho, faça um boicote ao bom funcionamento da escolas. Se eu fosse colocada era isso que fazia… mas sou do 110, com o nº ordem superior ao 5 000, com apenas 5 anos de serviço completos… eu não vou ser colocada. Sei disso.

    • Isabel Fonseca on 10 de Julho de 2012 at 11:02
    • Responder

    Colega Arlindo,

    Compreendo inteiramente o seu desafo, todos os que visitam o seu blogue sentirão a mesma angústia. Tenho mais de vinte anos de serviço no 410, uma vida dedicada à escola e neste momento a revolta e o desânimo são inevitáveis.Mas como
    já disse o nosso colega Paulo César, depois da tempestade vem a bonança e não podemos baixar a cabeça!!Mais do que nunca os professores têm de se unir nesta causa e não desistir de lutar. O seu blogue é um instrumento fundamental para essa mobilização. Por isso, ânimo e votos de muita sorte para si, e obrigada por ter criado este espaço.

    • Prof110 on 10 de Julho de 2012 at 11:14
    • Responder

    Arlindo,
    Também tenho 19 anos de serviço, sou QZP-110, também sou profissionalizada no 240- EVT , no entanto , há 14 anos optei pelo 110 para evitar os contratos.
    Não tenho tido sorte nenhuma nos concursos e ando sempre a saltar de escola em escola, por vezes a fazer 3ooKm por dia. Este ano lá vou eu outra vez a concurso.
    Mas enfim …o que fazer? não podemos desistir de lutar, foi esta a profissão que escolhemos! temos que ir levando o barco e procure ser positivo.
    Obrigado pelo seu trabalho, tem sido muito, muito positivo, continue assim.
    Há males que vêm por bem. FORÇA

    • Miquelina Herédia on 10 de Julho de 2012 at 12:14
    • Responder

    É fundamental que a situação de EVT chegue aos jornais, como chegou a estória dos 4 euros pagos aos enfermeiros.
    Isto viola todos principios de um estado de direito e é profundamente imoral.
    Para onde vão agora milhares (pelo menos 3 500) de professores?
    Quem tem possibilidades que faça chegar o caso de EVT à comunicação social.
    Divulguem, divulguem,…..
    Já!

      • Jorge on 10 de Julho de 2012 at 13:00
      • Responder

      e os de ET…


  8. Arlindo… lamento. Pelo menos este ano vão-te pagar nem que seja para estares em casa. Presumo que à tua mulher também, embora menos. Não consigo dizer-te que tudo se vai compor. Não o creio. Mas tens alguma margem de manobra, estendida no tempo, para procurar outra zona. Se é de conforto ou não, isso só tu e os teus poderão avaliar. Uma coisa é certa: estás na linha da frente para seres o meu candidato a uma futura Ordem- se eu ainda andar mesmo que muito remotamente no sistema.
    🙂


  9. O presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) afirmou o seguinte: “O que os utentes preferem? Ser atendidos por médicos com carreira, avaliados e com exigência, ou por um médico que vai ali fazer umas horitas e depois vai fazer outras horas à tarde?”
    Por que razão é que os sindicatos e os professores em geral nunca tomaram posições deste tipo, conjugadas com greves a sério (exames, avaliação, dois, três dias…)? Terá alguma cooisa a ver com a nossa qualidade enquanto profissionais e cidadãos?

    jr

    • Maria José on 10 de Julho de 2012 at 14:31
    • Responder

    Arlindo, tb sou de EVT, mas contratada e com uns míseros 8 anos de serviço. Tenho uma filha, casa e carro para pagar…passei o ano desempregada e agora vou para a rua sem subsídio e sem trabalho. Há coisas assim. Mas o mal é geral, nós é que vamos na frente e o barco que vai colidir com um iceberg. Todo o mal foi a revisão curricular. Nunca devíamos ter aceite esta reforma absurda, mas muita gente deixou passar, achando que nada lhes dizia respeito. Muitas carreiras se vão destruir, e agora ninguém ouve as nossas lamentações.

    • Maria on 10 de Julho de 2012 at 14:34
    • Responder

    Compreendo perfeitamente o que sente e estou solidária. Ainda por cima somos todos iguais mas “uns são mais iguais que outros”! Ouço falar muito pouco nisto mas aconteceu e ainda permanece em várias escolas: tivesse o colega tido a sorte de ter caído nas graças de alguma equipa de direção das escolas por onde esteve e poderia estar requisitado e destacado (conheço casos que o estão há 20 anos) para fazer parte de um conselho diretivo, e depois de uma direção, sem sobressaltos no final do ano e ainda, nos últimos anos, com direito a suplemento remuneratório.

    • Inca on 10 de Julho de 2012 at 15:14
    • Responder

    Arlindo!
    “É nas quedas que os rios ganham mais força!”
    Sou professora há 29 anos e nunca senti tanto desespero e stress no seio da nossa profissão. Tenho um filha que quis seguir os mesmos passos (trabalhou na margem sul, em Lisboa, alguns meses no grupo 230). Se desiste neste momento, o que poderei dizer a uma jovem que como milhares tem sonhos? Por favor não desista e continue com o seu trabalho que tão útil tem sido para todos os professores!


  10. ainda relativamente ao meu último comentário. li agora o seguinte, no DN: “Há médicos a interromper as férias para poderem fazer greve. Um “facto inédito”, nas palavras do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e um sinal de “quanto a revolta e o desencanto grassa entre a classe médica”.
    Reparem: classe médica, ou seja, a classe, no seu todo, a lutar por alguns. Há semelhanças? Nem por mera coincidência.
    nós, para fazer uma greve aos exames!… cruz…credo…. e depois repetir aquilo tudo noutro dia!… e as férias?!… e o dinheirinho?!… a nossa arte (ou o nosso estado da arte) reside mais numa amostragem de bandeirinhas e refrões engraçados, vestidos alegremente e alegremente cantando.

    um abraço,
    jr

    • FarinhaDoMesmoSaco on 10 de Julho de 2012 at 18:06
    • Responder

    Eles estão a tratar os professores como material descartável mas quando derem conta já vai ser tarde. Ninguém está imune a esta pouca vergonha que se passa atualmente com a escola pública em Portugal. Tenho orgulho em ser português mas ao mesmo tempo vergonha do caos em que isto se transformou, muito à conta da classe política que nos tem (des)governado. Se fossemos uma verdadeira classe, outro galo cantaria mas pode ser que nos próximos dias/meses as coisas mudem de figura (pena já ser tarde).

    Cumprimentos a todos


  11. Não podia deixar de me manifestar aqui. O trabalho feito neste blog tem sido ABSOLUTAMENTE notável. Eu nem me posso comparar a muitos que aqui deixaram comentários, tenho apenas quase 3 anos de serviço quando terminar este ano lectivo. Mas sinto o mesmo que muitos de vocês, o querer construir uma vida, em comum com alguém e ter de sacrificar-me a mim, à minha companheira, aos meus amigos e familiares, ao meu amigo de quatro patas, o meu carro e a minha carteira para poder trabalhar naquilo para o qual estudei 5 anos e os meus pais investiram mais de 5000 euros (contas feitas MUITO por alto). Já muito se falou na minha escola e o panorama é bem negro….contratados serão absolutamente residuais. Resta-nos a esperança de uma substituição ou então a força para mudar de rumo….que é o que já estou a fazer neste momento.

    Um abraço Arlindo, que mesmo sem saber e nem sequer me conhecer, muito me tem ajudado.

    • Jorge Costa on 10 de Julho de 2012 at 18:44
    • Responder

    Arlindo
    Fala-te o Jorge Costa do Movimento pela Vinculação de Professores Contratados

    Não pensem os colegas contratados que podem ficar quietos em casa à espera que outros lutem por eles. a vida é para ser vivida com dignidade, e esta consegue-se lutando. Quer se queira quer não estamos a viver mais uma vez uma luta de classes. Não tenhamos ilusões, os fracos podem ser fortes, assim descubram e usem os meios mais eficazes de luta. O teu blog, Arlindo, é isso mesmo. Mete medo àqueles que querem dominar porque os deixa desarmados.
    Nunca pares de lutar. Isso era o que eles queriam, vencer em cima de miseráveis quase mortos. Vamos dar-lhes luta! Estamos vivos, estamos juntos!
    Obrigado por tudo o que tens feito Arlindo.

    • sandra on 10 de Julho de 2012 at 19:10
    • Responder

    ola arlindo
    não podia deixar de prestar a minha solidariedade…deve ser mm revoltante aquilo pelo que está a passar…eu tenho-me sentido revoltada todos os dias com a forma como nos têm tratado…fui hoje dispensada e não sei quando voltarei a trabalhar…mas temos de ter esperança…nunca desesperar…principalmente o Arlindo, que tem sido o nosso alento tantas vezes…descanse uns dias…vai ver que volta cheio de força para nos liderar nesta luta…
    abraço grande, FORÇA…

    • smacedo on 10 de Julho de 2012 at 20:32
    • Responder

    Arlindo,
    Estamos todos no mesmo barco , por favor, não desista desta luta desigual por uma melhor educação! O arlindo é , quase sempre a minha voz, revejo-me diariamente neste blogue … Força porque a luta tem que continuar…
    smacedo

    • ProfVanda on 10 de Julho de 2012 at 20:57
    • Responder

    Para Prof110:
    enho 12 anos de serviço, sou QZP-110, também sou profissionalizada no 220- Inglês , no entanto , há 8 anos optei pelo 110 para evitar os contratos mas também estou na mesma… ando de sitio para sitio e de ano para ano, mais afastada da minha zona de residência

    • manuel on 10 de Julho de 2012 at 21:21
    • Responder

    Vamos Arlindo força…onde anda o Mário Nogueira? quando aparece na TV é só para dizer que esta mal e vai estar pior,,,
    nunca se esqueçam de uma coisa um sindicato nunca pode ser forte quando quem paga é Ministério da Educação porque o dinheiro da cotas não dá para sustentar todos aqueles que então no sindicato..o patrão é o mesmo dos sindicatos e dos professores
    e como não quer o perder o lugar não se faz muitas ondas..eu fui sindicalizado sou contratado o que eles fizeram por mim nada, quando precisei deles disseram que não podiam fazer nada….

    • Aires on 11 de Julho de 2012 at 4:29
    • Responder

    E os professores continuam a dar tiros nos pés…continuem a achincalhar e a denegrir a classe…por muitos erros os sindicatos possam ter cometido é hora de união! É o período mais negro da classe docente desde sempre! A consumar-se tudo o que se adivinha (queriam que se dissesse que as coisas vão melhorar??..só um lunático) os contratados vão desaparecer e muitos professores do quadro vão ter horário 0 ou migrar para escolas bem longe da sua área de residência (voltar a fazer o que fizeram no início de carreira – é mais um retrocesso na carreira). Este ano foi o último que dei aulas (tomei a opção de enveredar por outra profissão) pois, além de não ter lugar no próximo ano como contratado, fartei-me de 8 anos de precariedade no sector da educação. Dia 12 é dia de união, temos de mostrar (mais uma vez) a nossa força!


  12. Mais um do 400… Contratado há dez anos e muito preocupado com a situação!


  13. Caro Arlindo,
    a situação é muito grave. sou contratada há 12 anos no grupo 300. é mesmo por amor à profissão que sou professora, senão teria desistido há muito. Desistir é uma palavra a riscar. Lutar, sempre.
    Obrigada pelo seu contributo , através deste excelente blog , para toda a nossa luta, nunca a nossa desistência.
    MCarreiras

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: