adplus-dvertising

Apelo ao fim do 2.º Ciclo

Directores e pais pelo fim do 2.º Ciclo

Directores de escolas e pais pedem ao ministro o fim do 2º ciclo.

“Escola primária com seis anos e com vários professores pode tornar-se realidade”

Na edição em papel do Correio da Manhã.

Nunca discordei desta solução antes de serem gastos inúmeros recursos com a qualificação das escolas do 1º ciclo. Actualmente discordo da ideia já que as requalificações que foram feitas nunca tiveram como hipótese esta solução.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2011/12/apelo-ao-fim-do-2-%c2%ba-ciclo/

12 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Maria on 11 de Dezembro de 2011 at 16:10
    • Responder

    Esta história de apelo é mais para vender notícia que propriamente a verdadeira substância da questão. É óbvio e evidente que, de acordo com conhecimento atual, não faz nenhum sentido a separação entre primeiro e segundo ciclo. Tal mudança não se verificou no passado porque os políticos tiveram receio do impacto negativo junto dos professores do 2.º ciclo (muito habituados a serem chamados de doutores). De resto, é matéria que dispensa polémica. É até uma urgência a fusão desses dois ciclos. Isso e os megas agrupamentos, com vista a que o ensino ganhe outra escala de importância nas comunidades. Quanto a mim são as duas medidas estruturantes mais urgentes.

    • Paulo on 11 de Dezembro de 2011 at 16:48
    • Responder

    Já que os alunos chegam ao 2ºceb sem quase nada saberem (salvo raras excepções dos verdadeiros e mto empenhados senhores professores do 1º ceb, nada importados com honorários aos quais a Srª Maria não resistiu frisar), nada melhor que os juntar. Afinal, quem sabe matemática e inglês, por exemplo?

    • Eumesma on 11 de Dezembro de 2011 at 18:12
    • Responder

    É uma notícia do Correio da Manhã, tem o valor que tem…
    Não me parece prioritária, neste momento, a fusão dos ciclos. E qual seria o impacto, junto dos professores do 3º ciclo (habituados a serem chamados de doutores), quando recebessem os alunos vindos de um ciclo infantilizado de 6 anos?

    • Fátima on 11 de Dezembro de 2011 at 18:13
    • Responder

    Eu por exemplo não gosto nada de ser chamada de Doutora.Sou professora e pronto.Doutora é para os médicos.

    • Prof on 11 de Dezembro de 2011 at 18:30
    • Responder

    Colega Paulo tem algum problema de afirmação?É tão fácil culpar o parceiro quando todos se deviam empenhar!!!!É triste este tipo de comentários!

    • DOUTOR on 11 de Dezembro de 2011 at 19:21
    • Responder

    Bem… não gosto de ser chamado de doutor… nem quero! Sou professor do 2ºciclo e que produz o tipo de afirmações que a MARIA fez de certeza que não percebe NADA. Nada contra o fim do 2ºciclo (nem a favor), no entanto não percebo em que medida é que isso favoreceria a autonomia dos alunos… e as condições das escolas? formação dos professores? articulação com o 3ºciclo? vantagens para os meninos do 1º ano? Bem… MARIA… as afirmações taxativas de nada valem, se não houver conteúdo a fundamentá-las.

    • Ana Guedes on 11 de Dezembro de 2011 at 21:48
    • Responder

    Sou totalmente e absolutamente contra a fusão dos dois ciclos (atenção:não leciono em nenhum deles). É querer continuar a infantilizar as criancinhas! O grande choque não se dá na passagem parA o 5.º ano, é na passagem para o 7.º. Fundir os dois para quê? Para que apenas aprendam a ler, escrever e contar? Acreditem que se esta notícia apareceu nos jornais é pq deve estar na forja alguma coisa! E deve ter a ver com poupanças!

    • Luis on 11 de Dezembro de 2011 at 22:02
    • Responder

    Ana, nada tem a ver com poupanças, pelo contrário, esta medida implicaria mais recursos (mais professores envolvidos). Trata-se de uma medida que do ponto de vista técnico faz todo e que já é uma realidade em muitos países. Os alunos, logo no 1.º ciclo teriam vários professores para as diferentes disciplinas, sendo mantido um professor de referência, o equivalente a diretor de turma no 2.º ciclo. Faz todo o sentido.

      • Ana Guedes on 12 de Dezembro de 2011 at 14:57
      • Responder

      Luís,
      Acha que envolveria mais professores? Olhe que não! Vejo o caso do 1.º Ciclo: há mais professores, por turma, do que no 2.º Ciclo? Claro que não! O que querem aplicar é a continuidade do modelo do 1.º Ciclo, com um professor generalista! E mais uns poucquitos para áreas específicas como o Inglês! Parece-me que é uma medida altamente economicista. Não se iluda. Poupariam e muito, mas e a qualidade?

    • Pedro C on 11 de Dezembro de 2011 at 23:13
    • Responder

    Juntar miúdos de 6 anos com outros de 12/13 (se não reprovarem – coisa cada vez mais rara) não me parece boa ideia à partida..

    • Isa on 12 de Dezembro de 2011 at 14:50
    • Responder

    É uma medida economicista, digam o que disserem! Mas há alguém iludido de que o MEC neste momento pensa no melhor para os alunos ou professores ou escolas, em geral? Por favor, não sejam ingénuos!!! Se realmente fosse melhor ter-se-ia feito na década de 90, altura em que havia algum empenho em melhorar a educação em Portugal, altura em que os profissionais também eram respeitados.

    • prof110 on 12 de Dezembro de 2011 at 19:39
    • Responder

    Penso que os professores do 1º ciclo não têm a capacidade de lecionar todas as áreas e por isso acho que seria muito bom colocar um professor especializado para cada área, incluindo o Inglês como fazendo parte do curriculo logo desde o 1º ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: