Plano de vacinação para as escolas – Carlos Santos

[As minhas melhores faculdades mentais devem ter ficado congeladas juntamente com o tempo de serviço que me é devido, pois era capaz de jurar que ainda ontem acabei o raio das 29 reuniões e de redigir uma ata de 73 páginas anexadas por 194 documentos e – vejam só – acordo e estou outra vez em aulas… pior, parece que por ali, de alguma forma, todos tiveram o mesmo pesadelo que eu e vagueiam moribundos!]

– Estes professores estão sempre a lamentar-se que não têm trabalho, que estão desempregados, com saudades de regressar à escola e, agora que vos estamos a dar quase meio ano de trabalho letivo na escola sem interrupções, já se estão a queixar que não vão aguentar!
[O que querem? Somos um grupo de adultos, pelos vistos a maioria de nós suficientemente instruídos e inteligentes para aceitar um emprego muito mal pago e sem benefícios, com cada vez mais horas de trabalho inútil e burocrático, repleto de insegurança, itinerância e com uma aposentação esvaziada do dinheiro que descontámos durante toda uma vida!].
– Temos valorizado muito os nossos professores! Prova disso é que vos iremos vacinar contra o Covid… com algumas exceções.
Os professores que não irão tomar a vacina são… o grupo maioritário nas escolas – aqueles com menos de trinta anos…
[Esperem lá! Não é esse o grupo que há anos não comparece nas escolas? Tem-se baldado ou alguém se tem esquecido deles?!]
– Também serão excluídos os professores que maldizem do nosso estimável Ministro da Educação… nem todos, não fiquem nervosos! Só aqueles que falam mal dele diariamente…
[Será que estão mesmo interessados em vacinar os vossos prezados professores?]
– Bem, é melhor excluir este critério senão, aparentemente, sobrarão vacinas… e isso não convém. Bom, adiante…
Vamos administrar-vos já a vacina por estarmos imensamente preocupados em vos imunizar.
[Não será essa repentina pressa, por remota hipótese, devido a rumores que a posicionam como a mais barata, a qual querem despachar devido às crescentes dúvidas sobre a sua qualidade?]
– Longe de nós querermos poupar dinheiro com os professores! Sois velhos, estais a chegar à aposentação, tendes montes de doenças e nós temos imensa vontade de vos darmos uma vacina para poderdes viver o suficiente para usufruir da reforma pela longa carreira de trabalho em prol da nação.
[Se é assim tão boa, qual o motivo de não nos deixarem escolher qual das vacinas preferimos tomar?].
– Nesse caso, quem não apreciar o nosso gesto altruísta, fica para o fim da lista de vacinação.
[Mas se há suspeitas de que a vacina possa ter antecipado a ida de algumas pessoas para junto da glória do Senhor e alguns países a terem reservado só para certos níveis etários, não seria melhor aguardar?]
– Raio dos professores, sempre a pensarem só neles próprios… nem morrer querem, só para não darem a ganhar às agências funerárias! Se se tivessem dado ao trabalho de ler as letras miudinhas, teriam visto que estava lá escrito que não temos nenhum interesse em que os professores morram… pelo menos por agora… exceto se for em agosto ou tiverem acabado de receber a autorização para irem para a reforma! Até lá, cumpram o vosso dever de tomar a vacina para termos quem tome conta… queria dizer, que eduque e ensine as nossas criancinhas.
[Comovente, sem dúvida, esta repentina preocupação com a propagação do vírus num local que sempre asseguraram ser de baixa transmissibilidade!]
– Não reclamem! Se a tomarem agora, ficarão purificados! Receberão gratuitamente uma ultraluxuosa, prestigiada, de alta qualidade, glamurosa, intensamente testada dose de dor de cabeça com uma porção de febre, dores musculares, mas depois usufruirão de umas excursões até à casa de banho, mais conhecida entre os mortais como uma relaxante diarreia, num revitalizante efeito detox.
[Sim, sem dúvida, excrementos é a vossa especialidade. Agora a expressão “estarem-se a cag@r para os professores” ganha outro sentido!…]
– Se não ficarem satisfeitos, ficam desde já a saber que não aceitamos devoluções nem desculpas, pois no dia seguinte queremos-vos sorridentes na escola a tomar conta dos miúdos, porque uma caganeira e uma febrezita não são desculpa para não irem trabalhar e deixarem os pais presos em casa a tomar conta dos filhos, as empresas paralisadas e o país a ir à falência!
[Colegas, tenho de vos dizer, realmente quando o objeto em causa se trata de porcaria, o Ministério da Educação está altamente qualificado para falar sobre o assunto. Acho que, a partir de hoje, vou deixar de ir à casa de banho com medo de ser recrutado para esta equipa ministerial.]
– Lamento desapontá-lo, mas isso é uma inverdade, pois o tema sobre o qual o ministro está altamente qualificado, não é excrementos, mas desporto, onde faz questão de estar presente sempre que não pode comparecer nas escolas. Mas preocupamo-nos supinamente com a qualidade de vida dos nossos prezados professores.
[Ó, como me impressiona que estejam sempre tão interessados com a saúde e condições de trabalho dos professores e no bem-estar emocional das suas famílias. Como me sensibiliza saber que vos rouba o sono saber que os professores trabalham cada vez mais, com burocracia inútil que os leva à exaustão; que tenham cada vez menos autoridade e sejam vítimas de violência física e verbal, fruto das vossas campanhas de difamação; que se preocupam com o facto de que todos os anos milhares de professores tenham de deixar os filhos longe a crescerem à distância para poderem cumprir a sua mui nobre função missionária de difundir o evangelho educacional; que vos comove que, tal como um burro atrás de uma cenoura, trabalhemos cada vez mais anos até termos conseguido colecionar o inventário completo de doenças inscritas nas bulas farmacêuticas, incluindo a demência para podermos esquecer que temos todas aquelas doenças e nem sequer nos lembrarmos que um dia (quiçá) venhamos a ter direito a uma reforma! Pois, caros colegas, vou dar-vos uma novidade: peguem nessa literatura de cordel e usem-na numa daquelas romarias à casa de banho depois de terdes tomado a vacina.]
– Lá estão vocês outra vez a querer lixar a economia! Se puséssemos todos os professores a trabalhar perto de suas casas e das suas famílias, quem alimentaria o mercado de arrendamento?… e das gasolineiras?… e das oficinas?… e das concessionárias das autoestradas?… e dos concessionários de automóveis?… e das empresas de transporte?… e quem dava trabalho a tantos psiquiatras?! Os professores, esse bando de egoístas privilegiados sempre a queixarem-se só porque têm de andar umas décadazitas de terra em terra a fazer turismo por esse país fora à pala do erário público, ou andarem diariamente no passeio pelas belas estradas deste nosso maravilhoso Portugal, ou a ocuparem o demasiado tempo que têm livre a educar e a tomar conta dos miúdos, só porque a maioria dos pais não têm habilitações suficientes para o fazer?! Sois uns ingratos!
Dão-vos as vacinas antes dos outros e ainda se queixam!
[Perdoem-me por ser um simples mortal que não tem uma certificação superior em medicina, em farmacêutica ou em ciências políticas. Desculpem ter tomado tanto do vosso tempo. Por favor, continuem com o maravilhoso plano de saúde e segurança que amavelmente nos reservaram.]
– Os benefícios da vacina para a coletividade superam em muito alguns poucos casos imprevistos que possam vir a surgir…
[…e que se danem os danos colaterais? Vocês acreditam que, de uma ou de outra forma, não fará grande diferença, porque mais dia menos dia as pessoas lá teriam na mesma de morrer, não é verdade?]
– Informamos que após a toma da vacina, no caso de sentirem algum mal-estar permanente deverão consultar um médico…
[A sério!? Não deveríamos antes consultar uma cartomante ou um canalizador? Não fosse esse sábio conselho e acho que nunca ninguém se iria lembrar disso! Eu até estava desejoso de tomar a vacina, mas lamento desapontar a vossa piedade cristã, pois tenho a sanita entupida. Além disso, só para eu ficar esclarecido. Essa vacina, cura-nos do burnout, do desrespeito profissional, da precariedade e da injustiça do congelamento de carreiras? Ou só cura os pais do pesadelo de terem os filhos de volta a casa e as empresas de não puderem aumentar os lucros?]
– Vocês não são capazes de ver o copo meio-cheio…?
[Qual copo? Aos anos que tenho ouvido falar desse tal copo, mas nunca o vi, quanto mais a água!]
– Será que gostas de ser professor? Gostas de crianças?
[Do ponto de vista empírico, pode-se dizer que sim. Sempre que vou trabalhar tenho-as visto… têm andado por ali, um pouco por todo o lado. Quando era miúdo e ia para a escola, brincava com elas e dávamo-nos muito bem… mas, estranhamente, embora há quase cinquenta anos que continue a ir para a escola, há uns anos para cá, não sei porquê, essa fraternidade dissipou-se…]
– Já vimos que o problema não é a vacina, são os políticos…
[Não sou esquisito, mas de gosto seletivo, devo confessar. Só não gosto de alguns estadistas, sobretudo daqueles que falam do que não sabem, especialmente os que estão ligados à minha profissão. Mas confidencio-vos uma coisa que não vos tenho dito. No fundo, eu até gosto de políticos… na verdade, adoro-os, mas só quando estão calados, pois assim que abrem a boca até consigo aguentar bastante tempo, até quase ao fim da primeira frase. Não por culpa deles, apenas porque fui clinicamente diagnosticado com uma doença incurável – baixa capacidade de tolerância… a gente inútil e conversa malcheirosa.]

Boa vacinação para todos
Nota: só não tomo a vacina, porque não me deixam.
[Carlos Santos]

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2021/04/plano-de-vacinacao-para-as-escolas-carlos-santos/

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Alexandra Salgado on 8 de Abril de 2021 at 21:59
    • Responder

    Já tive 2 TVP. Confesso que estou bastante apreensiva, apesar do meu médico assistente já me ter “salvaguardado” com medicação especial a tomar nos 15 dias imediatos à toma da vacina que será domingo pelas 12.35h. E, segundo quem a tomou, é um excelente dia para, na segunda de manhã, levantar-me às 6.45h com febre e/ou outros sintomas (óbvio que se cair pró lado o estado esfrega as mãos em mais uns diazitos de atestado sem ter de me pagar!!)

    Sei que se tiver a 3ª TVP dificilmente me “safarei”, pois já há algum tempo que assim fui informada!
    Não deixo este “recado” aqui para que tenham qualquer tipo de “pena”, pois tenho mais 7 doenças crónicas que me prejudicam muito mais a minha qualidade de vida e trabalho e sou uma “carinha de riso” como me chamam e não me considero vítima! Nunca!
    Contudo, deixo algumas perguntas que deveras me inquietam: Por quê o agendamento para o fim de semana? Domingo não é dia de descanso?? Por quê a Astrazeneca para todos nós e não outra sem estes efeitos colaterais/mortais? Sinto-me verdadeiramente como carne para canhão! Sim, já sei. Só a “tomo” e arrisco porque quero (esta é para os Chicos-espertos)! Mas não! Sendo doente crónica e após ter recorrido aos vários especialistas, entre os Prós e Contras, prevalece a decisão de a tomar. Por mim, estou como “o outro”: prefiro a injeção do Novo Banco à vacina! Mas só me dão a vacina!
    Quanto ao texto, fantasticamente bem-escrito e excelentemente bem-refletido, se somos assim tão bons (nós Professores!), por termo-nos adaptado a tudo em tão pouco tempo, por termos dado ao País os nossos recursos, contas (net, PC’s…) , pelo facto de um dia para o outro termos adquirido quase uma 2ª Licenciatura em TIC, por amarmos tanto a nossa Profissão, por termos dado tanto de nós à Escola….etc…etc…e tal, então o meu Muito Obrigada srs. Ministros e Ex.mo Presidente da República! Mas, já agora e somente por curiosidade por que não nos devolvem os nossos direitos?? Por que, sendo eu uma heroína (Ah! Ah! ah!), tenho eu de me sujeitar a COTAS para o 5º Escalão?? Onde está o pagamento por tanta hora extra aos professores?? Ah, desculpem, contidas no horário de trabalho! Pois, mas não é proibido por decreto da Lei Geral do Trabalhador a laboração contínua de 3 turnos?? Ah, desculpem! Têm razão! Não pertencemos à Lei geral, mas sim à específica e nunca trabalhamos 3 turnos! Mesmo os que têm horário diurno e noturno! (o COVID apareceu em 2019 não antes dos descobrimentos!)
    Sou também professora há 26 anos, ainda não pertenço a algum QE, logo, professora de 2ª categoria, ou uma das FD… que pertence aos QZP que só rouba horários a outros muito mais acima…Amaria uma Lista de Graduação Única para a minha classe e aí, provavelmente descobriria que afinal de contas em vez de roubar andaram-me a “passar a perna!
    Abracei esta Profissão por considerar a mais Nobre de todas! Por Amor e Paixão! Há mais de 30 anos atrás era assim que pensava. Mas era jovem e com 18 aninhos é-se crente! Hoje….não vale a pena continuar (o pensamento, claro!)
    Ficaria, tal como a maioria de nós, aqui horas, mas sou loira e de letras que só servem para comer na sopa…também já ouvi essa demasiadas vezes!
    Ah! Mas para que me odeiem ainda mais um pouquinho só, também sou daquelas que concorre à MPD, sim, deu-me para isto em 2018 quando quase deixei os meus 3 filhos sem mãe! Já reparam bem, no quanto, só uma loira na nossa Classe contribui para o “rapinanso”??
    Quero uma ORDEM! Quero sim! Tenho esse direito! Quero Um Estado Democrático e minimamente justo! Quero, sim! Mas mais ainda, QUERO UMA CLASSE UNIDA e ÚNICA! Não há Professores de 1ª. 2ª ou de 3ª! Há PROFESSORES!! Logo, unamo-nos em vez de nos achincalharmo-nos! Empatia, solidariedade e RESPEITO por todos, começa em NÓS! Agradeço! Sempre! Que sejam todos muito felizes e que todos obtenham o que desejam! De coração! Fiquem bem e em Paz porque eu não a tenho!

  1. Proposta para 3 escalões.
    Probatório
    Básico e Secundário
    Mestre de ensino
    Digam de vossa justiça

    • Helena Augusta Félix on 9 de Abril de 2021 at 10:07
    • Responder

    Foi o comentário mais extraordinário e de coragem que li até agora. Aqui predomina a vercidade dos fatos.

    • Joaquim on 17 de Abril de 2021 at 8:12
    • Responder

    Muito bem, Carlos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: