35 horários em OE para professores de Português lecionarem TIC

Com as novas orientações sobre as habilitações para lecionar TIC emanadas pela DGAE, todos poderão concorrer a estes horários. Basta ter uma qualquer formação creditada em TIC.

 

Link permanente para este artigo: https://www.arlindovsky.net/2020/01/35-horarios-em-oe-para-professores-de-portugues-lecionarem-tic/

15 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Paulo Anjo Santos on 22 de Janeiro de 2020 at 22:25
    • Responder

    Para além de revelar o desespero em que o ME se encontra com a falta de professores, para mim o problema mais grave é que, ao darem a possibilidade de concorrer ao grupo 550 a todos os professores de todos os grupos, o que vai acontecer é que passam para as escolas a responsabilidade de verificação da formação creditada… tenho quase a certeza que muitas escolas nem o farão, até porque é provável que tenham alguma dificuldade em confirmar se a formação apresentada pelo candidato é ou não creditada, serve ou não para o caso… e isto é só o princípio, não sei o que estará ainda para vir!?

    • AC on 22 de Janeiro de 2020 at 22:50
    • Responder

    Ao que chegamos! Nem parece verdade!

    • Matilde on 22 de Janeiro de 2020 at 22:54
    • Responder

    E porquê tantos horários completos nesta altura ?São substituições por doença…de professores não são assim tão velhos neste grupo mas não aguentam a pressão ,as condições de trabalho que são péssimas na maioria das escolas..,o exagero de reuniões a que os professores estão sujeitos , comportamento dos alunos,a crítica dos colegas ,leva-os ao cansaço… Os professores novos tem filhos pequenos……..

    • Paulo Anjo Santos on 22 de Janeiro de 2020 at 23:19
    • Responder

    Há escolas que têm mais do que um horário… se tivesse que adivinhar diria que nos próximos dias vão aparecer ainda muitos mais horários, hoje foi apenas o primeiro dia e 35 horários no país todo até nem me parece muito, até porque também há lá muitos que não são de muitas horas.

    • Nuno Couto on 23 de Janeiro de 2020 at 0:18
    • Responder

    Mas se em vez de “carreira” existisse apenas “estatuto docente” ( e de preferência com apenas três índices), talvez estas vaga estivessem todas preenchidas desde Setembro, não acham?

    • profinfo on 23 de Janeiro de 2020 at 1:19
    • Responder

    Onde diz aí que os horários são para TIC? O 550 dá também todas as disciplinas de Informática dos cursos profissionais. Já vi profs do 530 (ELetrotecnia) a darem profissionais de Informática.

    • P.da Silva on 23 de Janeiro de 2020 at 9:25
    • Responder

    A normalização do caos …

      • on 23 de Janeiro de 2020 at 18:40
      • Responder

      E o contrário tb….

    • on 23 de Janeiro de 2020 at 10:22
    • Responder

    Grupo 550 também dá Aplicações Informáticas B do 12° ano.

    • AC on 23 de Janeiro de 2020 at 12:25
    • Responder

    Onde diz aí que é para professores de português?

    • Carlos on 23 de Janeiro de 2020 at 14:04
    • Responder

    O que se entende por formação certificada? Um curso em word de uma dúzia de horas? Então serão só os professores de português ou qualquer pessoa poderá dar TIC desde que tenha essa formação??

      • Paulo Anjo Santos on 23 de Janeiro de 2020 at 15:01
      • Responder

      No meu entendimento deve ser um conjunto alargado de coisas que deve servir para o caso, não me surpreenderá até que nada também sirva. Estas coisas da oferta de escola são complicadas, muitos diretores nem percebem bem como funcionam, muitos deles partem do princípio que se os candidatos são colocados através da plataforma é porque estão quaificados para o efeito. Há uns bons anos foi colocada uma colega qeu não tinha qualificação profissional para o meu grupo. No dia em que saiu a colocação liguei para a escola e alertei o diretor para esse facto, ele respondeu-me que ia ser tudo verificado, mas não o fez e procedeu à colocação da colega. FIz queixa para a IGE (acho que era esse o nome) e 3 meses depois foi-me dada razão, obrigaram a escola a terminar o contrato da colega contratada e, mesmo sendo eu o 8º da lista, era o melhor candidato com habilitação profissional. Tiveram que me chamar, mas nessa altura já estava noutra escola e recusei o horário… já me cruzei com esse diretor noutra escola (onde ele é professor, não diretor) e ele hoje diz que eu tinha razão, mas continua a dizer que as coisas vinham da plataforma e eles não tinham como verificar a informação… na realidade acho que não quis dars-e ao trabalho e achou que como Diretor podia fazer o que queria.

      Não escrevi antes, apesar de isto ser uma coisa muito estranha, pode ser uma boa alternativa para colegas que tenham conhecimentos razoáveis de informática e se sintam minimamente aptos a dar aulas do 550. Penso que cada horário diz que anos são para dar e, em caso de dúvidas, podem ligar para a escola e perguntar. Pode ser uma forma de arranjarem colocação que seria bem mais difícil no seu grupo de recrutamento…. isto no futuro provavelmente também levará a situações estúpidas. Se eu tivesse que ir para longe para lecionar no meu grupo de recrutamento, e tivesse possibilidades de dar aulas no 550 perto de caso, pensaria duas vezes quando concorresse…

        • profinfo on 23 de Janeiro de 2020 at 17:07
        • Responder

        Se vamos começar a colocar pessoas segundo critérios do tipo “ter conhecimentos razoáveis de Informática”, então onde vamos parar? Se eu achar que tenho conhecimentos razoáveis de História, posso dar aulas de História? É que eu sei ler 1/2 dúzia de obras essenciais e resumi-las pros putos do 7º ano, quer dizer, acho que tenho “conhecimentos razoáveis” para fazer isso.

        A disciplina de TIC é uma disciplina de Informática, não se resume a datilografia (Word) aquela coisa eletrónica (Powerpoint) e tem de ser dada por licenciados em Informática, ponto final. Cada vez mais nas TIC se deve falar de segurança, do funcionamento da rede, do funcionamento do computador, e esse tipo de conhecimento tem de vir da especialidade para o geral e não ao contrário. Quero dizer, por exemplo, que falar de segurança na Internet sem saber como funcionam os protocolos de comunicação, os servidores, etc., não pode ser feito com base apenas numas pesquisas manhosas.

        Se até licenciados em Informática confundem a Web com a Internet, que fará esas pessoas com “conhecimentos razoáveis de Informática”. Isso da “Informática” não é dar uns cliques numas apps, é preciso SABER como as coisas funcionam na TEORIA e queimar muita pestana. Até os licenciados do 550 precisam de queimar muita pestana.

        • profinfo on 23 de Janeiro de 2020 at 17:12
        • Responder

        E já agora, a minha opoinião é que isto só se resolve se mandarem os “artistas” que vincularam em QZP para ultrapassarem outros, voltar aos QZP de origem. Às vezes ser espertalhão também tem de dar direito a levar nas orelhas. Havia de me rir à grande.

          • Paulo Anjo Santos on 23 de Janeiro de 2020 at 17:54

          Depois destas conversas todas não percebeste que já há muita falta de professores do 550? No país inteiro, podes mudá-los de uns lados para os outros que vão sempre faltar, no futuro faltarão ainda mais… em relação ao resto, é óbvio que também não concordo que qualqeur professor dê o 550, o que fiz foi avaliar a situação, tal como ela está, no contexto em que este governo a colocou…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores: