Do problema “residual” ao “Quando ensinar dói”

O Noticias Magazine compilou uma poucas de histórias, noticiadas pelo JN, de professores agredidos dentro da escola. Os relatos são na primeira pessoa e vale a pena que sejam lido, por quem acha que são graves, mas “residuais”. Talvez fique com uma ideia do que é ser atacado, humilhado, agredido, insultado… e que sequelas daí podem advir.

Quando ensinar dói

Uns ficaram com as feridas cravadas no corpo. Marcas de dentes, pisaduras, cabelos arrancados. Outros trazem-nas guardadas na alma e não sabem como livrar-se delas. Histórias de professores agredidos no exercício da profissão. Por alunos e por pais. Relatos de quem vive com um trauma impossível de curar.

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2019/10/do-problema-residual-ao-quando-ensinar-doi/

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Alexandra Almeida on 23 de Outubro de 2019 at 22:57
    • Responder

    E o Ministério da Educação agiu com celeridade para punir os responsáveis?
    Não?!
    Não me digam…

    • Paulo Anjo Santos on 23 de Outubro de 2019 at 23:14
    • Responder

    Esta sociedade egoista e mal agradecida, não tardará muito não tem professores para educar os filhos e netos. Um país sem uma boa educação tem o futuro comprometido, é que se está a passar com Portugal, um país que parece não querer ver-se livre das elites que sempre mandaram e usaram o país.
    Este governo chama a isto «situações residuais», tentar ocultar a verdade é uma vergonha mas, neste caso, também é uma grande falta de respeito por todos os que já foram vítimas de agressões nas escolas portuguesas, sejam, professores, alunos ou funcionários, ou outros. E isto resolvia-se rapidamente, bastava criminalizar a sério estes casos… ah pois, são «residuais»!

    • Mais_um_enganado on 24 de Outubro de 2019 at 2:15
    • Responder

    Se em momentos senti revolta perante este pseudo-ministro da educação, agora sinto pena.
    Coitado, abdicou da sua extraordinária carreira de investigação para vir trabalhar em favor da educação do seu país. Uma missão que leva a cabo como poucos.
    Todos dias defende a educação. Alunos, pais, assistentes operacionais, professores, educadores e demais elementos da comunidade nunca sentiram a escola tão protegida e valorizada por um ministro.
    O país fica grato ao Sr Ministro. Obrigado, obrigado e mais uma vez obrigado.

    • Desencantada on 24 de Outubro de 2019 at 15:10
    • Responder

    Residuais? A indisciplina e violência crescem a olhos vistos na Escola! Nas salas de aula, há turmas que são incontroláveis e o prof. sai de lá desgastado, para não dizer louco. Quem manda, hoje, na escola, são os alunos e os pais. Ambos sabem que foi retirada autoridade ao prof. e que os meninos /marmanjos passam sempre, pois não podem ficar retidos, ainda que faltem às aulas, que não saibam nada! Anda o DT, a GNR, a CPCJ, os Psicólogos…tudo à volta dos meninos! Quanto é que isto custa? Ah! mas são os ordenados dos professores que oneram o Orçamento de Estado, já me esquecia!Sim porque a culpa é sempre dos professores!
    A ditadura dos números, das estatísticas impõe-se, pois não podemos mandar para Bruxelas uma fotografia da realidade, mas sim do que convém aos p+ol´+iticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog