Atenção ao Termo Bullying

… que muitos alunos e famílias até usam como argumento para o absentismo e o abandono escolar.

E muitos casos verdadeiros de bullying ficam escondidos por largos anos.

 

Ministério da Educação pede a directores que comuniquem casos de bullying

 

Ferramentas de apoio à implementação do plano começarão a chegar às escolas no próximo mês. Ministério vai sensibilizar os directores de escola para “a importância da monitorização do fenómeno e tomada de decisões a nível local, regional ou nacional”.

 

O Ministério da Educação anunciou este sábado um plano de combate ao bullying nas escolas, onde estes comportamentos de intimidação, coação e perseguição vitimam, segundo as Nações Unidas, uma em cada três crianças.

Segundo uma nota de imprensa do Ministério da Educação, o plano pretende apostar “na sensibilização, na prevenção e na definição de mecanismos de intervenção em meio escolar, com o envolvimento de vários serviços”, para combater quer o bullying em presença, quer o ciberbullying, que acontece no mundo virtual da Internet.

Elaborado pela Direcção-Geral da Educação, em articulação com a Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares e a Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, o plano terá associada a campanha “Escola Sem Bullying. Escola Sem Violência”.

O Ministério da Educação assinala que “foi já introduzida uma melhoria na Plataforma SISE (Sistema de Informação de Segurança Escolar)”, sendo agora possível aos directores de escola referenciarem casos de bullying e/ou ciberbullying. “Desta forma, contorna-se o facto de estes casos não serem considerados uma tipologia de crime”, justifica o Ministério, adiantando que vai sensibilizar os directores de escola para “a importância deste registo para monitorização do fenómeno e tomada de decisões a nível local, regional ou nacional”.

Segundo a mesma nota, o objectivo do plano “é erradicar o bullying e o ciberbullying nas escolas, enquadrando-os no contexto mais amplo da violência em meio escolar, ajudando a reconhecer sinais de alerta, lançando orientações e capacitando as escolas para a utilização de diferentes abordagens de prevenção e intervenção”, respeitando a autonomia e a realidade de cada estabelecimento de ensino.

As ferramentas de apoio à implementação do plano começarão a chegar às escolas no próximo mês, por ocasião do Dia Mundial de Combate ao Bullying, que se celebra a 20 de Outubro. O plano pressupõe a criação de equipas, compostas por vários elementos do meio escolar, incluindo alunos, que terão “como missão, entre outras, a promoção de acções de sensibilização e prevenção para a comunidade educativa”. O que se pretende é que, perante um caso concreto de bullying e/ou ciberbullying, essas equipas o “possam resolver o mais rapidamente possível”, indica a nota.

Ao mesmo tempo, as turmas de todas as escolas serão convidadas a comprometerem-se “com um conjunto de cláusulas que vão no sentido do respeito pelo outro e da não- violência” e será sugerido às escolas que reconheçam as turmas que “vierem a revelar uma boa conduta ao longo do ano”.

O plano inclui ainda a disponibilização de um site e páginas sociais com conselhos para alunos, famílias e escolas, instrumentos de literacia, projectos e outras iniciativas. “Para acompanhar e monitorizar a aplicação do plano nas escolas foi criado um grupo de trabalho, composto por elementos dos serviços e organismos do Ministério da Educação, com a missão de apoiar a comunidade escolar na promoção de uma ‘Escola Sem Bullying. Escola Sem Violência’”, explica a tutela em comunicado.

Ao Grupo de Trabalho “Escola Sem Bullying. Escola Sem Violência” caberá, entre outras funções, promover a celebração de parcerias e protocolos com instituições e organizações que colaborem no combate ao bullying ciberbullying, e monitorizar a nível nacional a existência de situações de violência em contexto escolar.

Seguir:
arlindovsky
Seguir:

Latest posts by arlindovsky (see all)

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2019/09/atencao-ao-termo-bullying/

3 comentários

    • eu on 21 de Setembro de 2019 at 17:44
    • Responder

    O bullying sobre os professores também é contemplado?


  1. E quando vão comunicar os casos de “mobbing” que vão ocorrendo em algumas escolas? “Arrebanhamento” de “colegas” contra outros “colegas” indesejáveis que não “baixam as orelhas” a chefias intermédias medíocres e que por isso são continuamente difamados aos poucos (“de mansinho”) ao longo do ano letivo? Chefias que influenciam “colegas” e até EE e alunos contra esses indesejáveis, ao ponto de receberem gravações de alunos feitas nas aulas desses indesejáveis e não as reportarem ao Diretor e de incentivarem e organizarem queixas formais de EE? Chefias que são capazes de difamar impunemente até durante reuniões porque sabem que as atas serão expurgadas e aprovadas com as assinaturas dos “arrebanhados” que lhes baixam as orelhas porque precisam dum bom horário ou de se manterem perto de casa nos próximos anos?

    • Rioazul on 29 de Setembro de 2019 at 14:41
    • Responder

    Estou de acordo com as duas intervenções anteriores.
    No ano letivo fui vítima de bullying por parte de 6 alunos de uma turma. Fui ao me que considerou acidente em serviço uma vez que aplicou no meu estado normal de saúde, não podendo estar a trabalhar.
    Até hoje, passados quase 9 meses estou a aguardar se foi ou não considerado acidente em serviço. Será que foram enviados os documentos médicos para o setor que deles trata? É que a Direção pediu Junta médica d por doença natural quando nada disso se tratou. Estamos muito pouco protegidos das maldades dos alunos, de colegas e até dos diretores(as).

Responder a mecos Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog