É Fácil Estar Lá Em Cima Quando Se Seleccionam Alunos

Olhar para os Rankings dos resultados dos alunos nas Provas Finais do Ensino Básico ou nos exames do Ensino Secundário é um exercício que permite constatar que a seleção dos alunos é a primeira condição para estar no topo da lista.

Não tenho nada contra a opção das famílias e das escolas em trabalhar para os resultados dos alunos.

Mas que se torna mais fácil trabalhar com alunos provenientes de classes sociais mais favorecidas é um facto. E isto não acontece apenas com as escolas particulares.

Muitas escolas públicas fazem também esse trabalho de seleção de alunos, basta olhar para as escolas secundárias públicas que obtém bons resultados nas Provas Finais do 9.º ano para se perceber que também aí esse trabalho de seleção de alunos existe.

E se existe é também necessário perceber as razões que levam à saída dos melhores alunos de algumas Escolas Básicas para estas Escolas Secundárias, que oferecem também o Ensino Básico.

E esta situação diz-me particularmente respeito porque é sobre isto que tenho trabalhado neste último ano e meio e que só poderei ter resultados visíveis dentro de “dois Rankings”. Por um lado espero que não acabem para poder confirmar o trabalho feito agora nessa altura.

Não é nada fácil trabalhar com alunos onde a maioria deles beneficia da Ação Social Escolar ou quando as expectativas de prosseguimento de estudos é reduzidíssima. Por isso compreendo bem a dificuldade do trabalho na Escola Básica do Bairro Padre Cruz e de tantas outras escolas com problemas idênticos.

É um trabalho muito difícil acabar com os estigmas que determinadas escolas adquiriram ao longo dos anos e que neste caso os Rankings nada ajudam, pelo contrário. Acaba por se tornar uma bola de neve ao ver sistematicamente as mesmas escolas nas mesmas posições.

 

 

Seguir:
arlindovsky
Seguir:

Latest posts by arlindovsky (see all)

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2019/02/e-facil-estar-la-em-cima-quando-se-seleccionam-alunos/

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Joaquim Ferreira on 16 de Fevereiro de 2019 at 21:09
    • Responder

    Há uma enorme DESONESTIDADE intelectual dos que falam de Rankings de Escola. As escolas não fizeram nenhum exame..:! Foram os alunos…! O que estes resultados deveriam demonstrar era o RANKINGS de ALUNOS…! Em que lugar ficou cada aluno …
    São conclusões intencionalmente abusivas… São falácias sobre o ensino. Tenta-se medir a performance das escolas quando o que está em causa é a performance dos alunos. É UMA VERGONHA não pararem com estas aberrações que são os Rankings das Escolas. São Rankings dos Alunos. PONTO FINAL. Numa escola muito mal colocada no Ranking há alunos com 19 de média nacional… Por que será que, se os professores, nas salas de aulas, são os mesmos, um alunos consegue alcançar 19 valores, outro fica pelos 14 valores e outros pelos 11 valores ou até negativa? Onde está a verdadeira diferença? Será nos professores? Pois, façam uma mudança de alunos entre escolas, ou de professores. Creio que, em todas as escolas (públicas e privadas) há alunos mais e menos empenhados. A diferença está no desfasamento do número de uns e de outros quando se fala de uma escola pública (onde vão todos parar, para cumprir a lei da escolaridade obrigatória, mesmo que não queiram lá estar!!!) ou de uma escola privada.
    Infelizmente, Portugal é o único país da Europa onde os JORNALISTAS são capazes de comparar o INCOMPARÁVEL…! Voltamos aos rankings… como se os ALUNOS fossem TIJOLOS…!!!
    Falam dos colégios e das escolas como se fossem clubes de futebol… mas, a estes, aceitam que NUNCA lutem pelos títulos desportivos… Já se sentem felizes em permanecer na mesma liga… mas, para as escolas, não ligam nenhuma à qualidade dos alunos, à qualidade e empenho dos seus familiares… Simplesmente, olham apra os resultados dos exames. É como comparar o Benfica ao Gil Vicente..:! Uma vergonha. Até aprece que as escolas podem escolher os seus alunos (jogadores).
    Se alguém duvida… que levem para as escolas dos primeiros lugares do (absurdo) Ranking os alunos com dificuldades, muitos deles oriundos de famílias desestruturadas ou de parcos recursos que frequentam a escola pública. E, já agora, uma significativa percentagem dos alunos com negativas à maioria das disciplinas. Levem-nos das escolas públicas e coloquem-nos nas escolas privadas. E mais direi: até estou disposto a pagar mais impostos só para ver isso!!! Mas quero de volta em dobro o que pagarei, caso os resultados desses alunos, em exames nacionais, não se aproximem dos níveis do tão propalado sucesso das escolas privadas!
    Só assim poderíamos ver se as escolas que têm os alunos com melhores notas são escola melhores que as restantes ou simplesmente, são escolas que atraem os alunos com maiores capacidades… cujos progenitores têm DINHEIRO para suportar os custos desse ensino (como os clubes que contratam e pagam aos melhores jogadores dos países ou do mundo e, assim, garantem atingir, época após época, os primeiros lugares das ligas de futebol) e onde os tais alunos (desinteressados das aulas — mas obrigados, por lei, a continuar no sistema público — destroem e/ou infernizam o trabalho dos professores e a aprendizagem dos restantes alunos das turmas!) continuam nos mesmos lugares do Ranking!!!

    • Joaquim Ferreira on 16 de Fevereiro de 2019 at 21:16
    • Responder

    Corroboro o que escreve “muitas escolas públicas fazem também esse trabalho de selecção de alunos, basta olhar para as escolas secundárias públicas que obtém bons resultados nas provas finais do 9.º ano para se perceber que também aí esse trabalho de selecção de alunos existe.”
    Sem dúvida… Se os portugueses pensassem quem é que vive na Cova da Moura ou no Bairro da Jamaica, pode perceber que, nesses sítios, não há nenhuma escola privada para acolher alunos de famílias com dificuldades económicas e de integração social… ponto final.
    Na verdade, os ricos podem matricular os filhos onde querem porque podem mudar de residência mais rapidamente que eu mudo de camisa..:!

    • pretor on 17 de Fevereiro de 2019 at 17:09
    • Responder

    Duas escolas de uma capital de distrito.
    Quando uma fica à frente é só fotocópias na sala de profs no placard. Quando fica atras nem uma mosca se ouve na sala dos profs.
    O que muda de um ano para o outro nessas duas escolas? OS ALUNOS.
    A escola e os profs são só 30% da nota de exames dos alunos, os outros 70% proveem da dedicação e das condições dos alunos. Há dúvidas? Só as tem quem não for prof.

    Conclusão: rankings!!! deixem-se de meerrdass…

    Ps- nas escolas privadas gosto de ver as perguntas de escolha múltipla estarem todas corretas, sério que gosto.

    • Ivo candeias on 17 de Fevereiro de 2019 at 18:41
    • Responder

    Portanto, a ver se li bem. Um diretor cuja escola tem os piores resultados da região e arredores em vez de pedir responsabilidades aos seus professores e fustigar as próprias costas, ataca soezmente o diretor da escola quem tem os melhores resultados do país e de quem se diz amigo! É isto, não é?
    Uma lição de cidadania que nunhum professor digno de tal profissão pode consentir.
    O “professor” Arlindo devia escrever aos pais dos alunos do seu agrupamento e explicar- lhes o que andou a fazer para ter 1100 escolas com resultados melhores que a sua.
    Lamentável.

    • Carlos on 17 de Fevereiro de 2019 at 19:56
    • Responder

    Ó Ivo candeias és parvoo ou fazes-te?
    Como prof achas mesmo que são as escolas e os profs que fazem classificações altas nos exames?
    Ou és inocente ou burrro.

    • Joaquim Manuel Vinhas, R. 31 de Janeiro-Póvoa de Varzim on 17 de Fevereiro de 2019 at 21:30
    • Responder

    Acho esquisito que os alunos da cidade da Póvoa tenham piores resultados que os das outras escolas do concelho mesmo das que estão longe do centro. Acho que o professor Arlindo deve arranjar uma desculpa melhor pois estou convencido que se os nossos alunos fossem para os agrupamentos de Beiriz, Rates, Aver-o-Mar, Eça, Rocha, ou Flávio sabiam mais que os que andam no agrupamento do professor Arlindo.
    Ou também nos vai dizer que todas as mais de 1.000 escolas que ficaram melhor que a Cego do Maio seleccionaram os alunos ou que eles são provenientes de classes sociais mais favorecidas?
    E ainda diz para esperarmos mais dois anos? Acho mais fácil o senhor aplicar-se mais na gestão da escola e dos professores e menos a arranjar desculpas de mau pagador.
    Trabalhe mais um bocadinho que os resultados aparecem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog