«

»

Nov 12 2017

Imprimir Artigo

Armanda Zenhas – Quem quer ser professor?

(…) Porquê, então, um tão baixo desejo dos jovens em optarem pela profissão de professor? Não será difícil encontrar resposta(s) para esta última questão. Difícil é abordar todos os motivos possíveis no espaço deste artigo.

A figura do professor sofreu uma desvalorização social enorme. Todos se lembrarão da imagem do professor preguiçoso, que trabalha pouco e falta muito, divulgada por uma ministra que, a reboque de tal imagem, retirou direitos aos docentes, aumentou-lhes o horário de trabalho e a carga burocrática.

Todos ouvem anualmente, nas notícias, o drama que vivem muitos professores, que chegam aos 50 anos de idade sem garantia de trabalho e sem estabilidade familiar, com a casa às costas de ano para ano ou de mês para mês. Atrás vem o drama dos filhos: a escola que vão frequentar, com quem ficam. Vem o drama da economia familiar: o baixo ordenado derretido nas viagens e, eventualmente, no aluguer de um alojamento.
E as diversas e indefinidas componentes do horário, cuja definição os professores têm vindo a exigir sem que a tutela lhes dê ouvidos? Falarei só da componente letiva e da não letiva. Esperar-se-ia que da não letiva estivessem excluídas as atividades com alunos, como, por exemplo, apoios individualizados, aulas de apoio ao estudo ou coadjuvação em sala de aula, mas tal não acontece. E assim, de forma mascarada, aumenta-se o horário de trabalho dos docentes e o seu consequente desgaste e diminui-se artificialmente a “necessidade” de contratação de novos professores.

Impensável é também o que se perspetiva no Orçamento de Estado em discussão: a função pública terá as suas carreiras descongeladas no próximo mês de janeiro, após mais de nove anos de congelamento, sendo o tempo de congelamento contado para progressão com mecanismos de faseamento. Deste processo estão excluídos os docentes, a quem está destinado o apagamento de nove anos da sua vida profissional, com a perda salarial que tal implica. Dizem os responsáveis governamentais que tal sucede por a sua progressão se fazer apenas por tempo de serviço. Contudo, os professores só podem mudar de escalão se, cumulativamente, obtiverem Bom, no mínimo, na avaliação a que são sujeitos obrigatoriamente, e se tiverem frequentado, com sucesso, um mínimo de 50 horas de formação.

Já vai longa a lista de “contras” na hora de tomar a decisão de ser professor. Perante este caldeirão fumegante, os pretendentes afastam-se assustados. De resto, já não conseguindo a profissão docente mostrar-se tão sedutora como a Carochinha da nossa história, revela-se, no entanto, igualmente inatingível, rejeitando aqueles que a ela querem aceder. O último relatório Perfil do Docente, do Ministério da Educação, mostrava que, num universo de 104 386 docentes da escola pública, em 2015/2016, apenas 383 tinham menos de 30 anos. No 2.º ciclo de escolaridade, por exemplo, 48% dos docentes tinham 50 anos de idade ou mais e 34,6% estavam na casa dos quarenta. Quantas histórias de emprego precário e mal pago e de vida pessoal e familiar instável se encontram nos docentes que vivem os seus “quarenta”! (…)

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/11/armanda-zenhas-quem-quer-ser-professor/

  • Sílvio Miguel

    Por incrível que se possa conceber existem colegas que, neste momento, ainda não se aperceberam nem tomaram consciência dos prejuízos que estão a ser infringidos nas suas vidas e carreiras, tanto a nível económico como profissional.
    Só posso concluir que, até mesmo esses, estão bem na vida.
    Deixem-se comer, até todos serem entubados.
    País de gentinha miserável.

  • sempre@tento

    Revejo-me claramente no artigo.
    Para que querem os jovens o ensino?
    Tenho um filho que acabou o curso de engenharia há um ano e já ganha mais de 2000 euros por mês, efetivo, logo com estabilidade, e em Portugal…
    Para não falar das condições de trabalho, que no caso passa por ter um ginásio na empresa, para além de outras condições.
    Quando é que um professor pode sonhar com estas condições?
    Hoje só vai para a docência quem tira cursos sem saída ou não é ambicioso.
    Os mais velhos foram e continuam a ser enganados pela corja dos políticos e agora não têm outro remédio senão aguentar…

    • PALP

      Esse filho é um sortudo.
      Sou engenheiro eletrotecnico e valores desses só quem exerce funções de chefia. A minha empresa até paga acima do valor de mercado.

      • sempre@tento

        Pois ele tb é engenheiro Eletrotécnico e de computadores da FEUP e trabalha numa multinacional para onde entrou sem cunha.
        Com o SR passa dos 2000 (ilíquidos claro) e ainda tem seguro de saúde.
        De facto acho que ele é um sortudo…mas fico muito feliz por ele.

        • PALP

          Só queria dizer que é raro. Os salários dos recém formados em engenharia, em Portugal, andam entre os 800 e os 1300 ilíquidos. Excluindo os casos absurdos de exploração. E há engenheiros que preferem ir para o sistema de ensino, recebendo como técnicos, a trabalhar no privado.

  • Paulo Pereira

    Sempre irão haver professores.
    Contudo, a médio prazo haverão professores de primeira e professores de segunda.
    O que me parece é que, no futuro, os professores do Estado passarão a ser os professores de segunda, para onde ninguém, com o mínimo de ambição, pretende fazer carreira.
    Quer o Ensino Profissional particular quer o Ensino regular Particular procura professores com mais-valias.
    Ou seja, a médio prazo a actividade de professor será regida pela lei da oferta e da procura, sendo as valias da qualidade pedagógica e da experiência adquirida uma mais-valia natural.
    Em alternativa, a actividade docente muito provavelmente deixará de ser uma actividade a tempo inteiro. Só desta forma um docente poderá ter capacidade negocial junto de uma empresa vocacionada para a Educação.

    A primeira consequência deste novo paradigma, a acontecer, será o fim dos sindicatos tal como os conhecemos;
    A segunda consequência será o fim dos centros de explicações, que ganham a vida à conta dos maus professores e da ineficiência dos Sistemas de Ensino, quer Público, quer Privado.

  • Carlos

    E infelizmente, tal como a própria Autora o dá a entender, esta é apenas uma pequena ponta do grande e gigantesco icebergue de crimes e graves problemas que se vivem na Escola pública….

Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog

Este site utiliza cookies para ajudar a disponibilizar os respetivos serviços, para personalizar anúncios e analisar o tráfego. As informações sobre a sua utilização deste site são partilhadas com a Google. Ao utilizar este site, concorda que o mesmo utilize cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Fechar