«

»

Set 12 2017

Imprimir Artigo

FNE insiste em recursos para escola inclusiva e diz ser pouco real a proposta do governo

A Federação Nacional da Educação (FNE) defendeu hoje mais recursos físicos e materiais para serem concretizados os princípios inscritos na lei destinados a uma verdadeira educação inclusiva, considerando muito teórica e pouco real a proposta do governo.

Para discutir e apresentar propostas e com vista à revisão da legislação (decreto-lei 3/2008), a FNE promoveu hoje um encontro, em Lisboa. O documento levado a debate é ainda passível de alterações e novos contributos até ao final do mês, quando termina o prazo da consulta pública determinado pelo governo, disse à agência Lusa o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva.

“Já temos em Portugal um percurso feito em relação à educação especial”, afirmou o dirigente, frisando que os sindicatos concordam com os princípios estabelecidos no diploma em análise, mas que a falta de recursos compromete a concretização dos objetivos.

O novo diploma, segundo Dias da Silva, foca-se nas diferenças dos alunos de uma forma geral, o que pode deixar sem uma resposta específica os alunos com Necessidades Educativas Especiais, nos quais se foca mais a atual legislação.

“A insuficiência de recursos é uma preocupação”, acrescentou.

A FNE considera que a nova proposta de diploma não valoriza o papel do professor de educação especial: “Reduz o papel do professor de educação especial e redistribui-o por todos os professores”.

“Não só precisamos de ter menos alunos em cada turma, como precisamos que os professores tenham menos alunos”, insistiu o dirigente sindical, questionando: “Como é possível ter professores a trabalhar com 250 alunos”?.

No âmbito da consulta pública sobre o regime legal da inclusão escolar, a FNE elaborou um parecer em que defende que o projeto governamental é “demasiado teórico, muito genérico e pouco real”.

Para a FNE, o documento do governo apresenta uma linguagem “confusa e pouco esclarecedora”, além de ser “muito vago em diversos aspetos”.

Os sindicatos da FNE consideram que a tutela continua a pretender “uma inclusão sem meios, recursos físicos e humanos”, criando cenários “hipoteticamente inclusivos apenas com documentos e monitorizações”.

Diz ainda que em todo o documento é percetível “uma política economicista e um razoável desconhecimento das problemáticas e das necessidades dos alunos da educação especial”.

Dias da Silva frisou, na sua intervenção, que o governo tinha dado um prazo até 31 de agosto para análise da sua proposta, mas decidiu prolongá-lo até ao final de setembro, depois de alertado pela FNE para a necessidade de o fazer.

 

Link permanente para este artigo: http://www.arlindovsky.net/2017/09/fne-insiste-em-recursos-para-escola-inclusiva-e-diz-ser-pouco-real-a-proposta-do-governo/

  • ai

    sempre o mesmo…! o ensino necessita de estabilidade. BASTA …. de ideias, de mudanças, de decretos….
Seguir

Recebe os novos artigos no teu email

Junta-te a outros seguidores:

x
Gosta do Blog

Este site utiliza cookies para ajudar a disponibilizar os respetivos serviços, para personalizar anúncios e analisar o tráfego. As informações sobre a sua utilização deste site são partilhadas com a Google. Ao utilizar este site, concorda que o mesmo utilize cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Fechar